Home Aviação de Ataque Bulgária pode optar pelo Gripen se preço do F-16 não baixar

Bulgária pode optar pelo Gripen se preço do F-16 não baixar

5115
28
Saab JAS 39C Gripen

SOFIA, Bulgária – O ministro da Defesa búlgaro Krasimir Karakachanov deu uma entrevista no canal de rádio Horizont, parte da Rádio Nacional da Bulgária, falando em detalhes sobre o tema da aquisição de um novo caça búlgaro F-16, segundo o BulgarianMilitary.com.

Segundo ele, nesta fase as negociações com os EUA não conseguiram satisfazer o preço búlgaro para as aeronaves, e se isso não mudar, é possível que o governo recorra ao segundo licitante, a Saab com seu Gripen.

“Algumas das propostas em termos de preço não são satisfatórias, então as negociações continuam. O preço de uma parte deste serviço é inaceitável nesta fase. Se não pudermos alcançar o resultado necessário, temos o direito de propor à Assembleia Nacional a rescisão do projeto ou de continuar as negociações com alguns dos outros participantes”, disse Karakachanov.

“A Bulgária tem possibilidades, mas elas não são ilimitadas. Temos que cumprir o preço, o pacote de serviços e os prazos de pagamento. Tudo é uma questão de negociações. Se o preço não nos satisfizer, temos o direito de dizer “não”. Nós não aceitaremos qualquer preço que nos seja oferecido”, disse ele. “Não queremos conseguir algo por nada, mas a preços normais, levando em consideração os preços de outros países”, acrescentou Karakachanov.

O ministro búlgaro está se referindo ao acordo entre EUA e Eslováquia para a aquisição de 14 aeronaves F-16. A informação oficial da Agência de Cooperação de Segurança de Defesa dos EUA (DSCA) sobre um acordo ainda inacabado com a Eslováquia é de US$ 2,91 bilhões para o F-16 Block 70, ou cerca de US$ 208 milhões por aeronave.

A Bulgária enviou uma delegação aos EUA na semana passada, liderada pelo vice-ministro da Defesa, Atanas Zapryanov, para iniciar negociações sobre a aquisição de uma nova aeronave de combate.

Os preços de tais negócios freqüentemente variam no limite superior ou inferior, dependendo de muitos fatores, um dos quais é o equipamento, armamento, treinamento e, mais importante, outras relações de acompanhamento.

“Não é adequado nomear parâmetros específicos. Se nada acontecer aqui, podemos pedir permissão à Assembleia Nacional para iniciar negociações com os outros países – Suécia ou Itália. Não há situação peremptória para aceitar qualquer preço. Podemos nos desviar do preço, mas dentro de limites aceitáveis ​”, disse Karakachanov.

A Itália se ofereceu para vender aeronaves de caça Eurofighter Typhoon para a Bulgária, mas de segunda mão.

Lockheed Martin F-16 Block 70

FONTE: BulgarianMilitary.com

28
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
17 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
23 Comment authors
Fabio MayerVitor SilvaRafael BentesLuciannoAntunes 1980 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Dissimular o interesse é bom no início de uma concorrência, não mostrar o real interesse pelo seu preferido, este vendo que vai perder, baixa o preço e você na última hora o escolhe.
Se o F-16 for o preferido, a hora disso já passou, e o país pode fazer um mau negócio fazendo ameaça de escolher outro.
Se o Gripen for o preferido, o país usou a tática certa, e a hora é essa.

Chris
Visitante
Chris

Pior que eles devem conseguir preços melhores…

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Amizade e pressão política têm um limite.
Nesse caso, o preço.

BILL27
Visitante
BILL27

Existe algum Gripen que não seja Sueco ?

Robsonmkt
Visitante

Pelo contexto, subentendo que tanto o F-16 quanto os Gripens oferecidos sejam novos. sendo assim, suponho que os Gripen oferecidos sejam das versões E/F. E a Saab já sabe que sua proposta não pode ficar acima do valor de US$ 200 milhões por aeronave.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Gripen neles, sendo realista, pra quem é pobre é a melhor opção!

jerominho do alemão
Visitante
jerominho do alemão

vai ter transferência de tequinologia?

Leonardo de Araújo
Visitante
Leonardo de Araújo

Não.

Chris
Visitante
Chris

É uma verdade… heheh

PauloSollo
Visitante

Amigo, o Gripen não é um artigo de baixo custo para países pobres, como se convencionou a achar um grupo de comentaristas daqui. Não é mais barato e sim menos caro. Pobres compram caças usados ou vão ao camelô comprar JF-17 e semelhantes.

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

JF 17 no camelô foi boa! Tem comentarista que vai surtar!

José Gomercino C Fernande souza
Visitante
José Gomercino C Fernande souza

O gripen não e avião para quem e pobre o gripen é um exelente caça ainda mais o ng que e dotado de avionicas e censores de última geração

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

É sim, deixa o orgulho de lado, o Gripen é bom, não estou dizendo o contrário mas é a opção pra quem esta com a grana curta… em outras palavras, pobre!

Bardini
Visitante
Bardini

“A informação oficial da Agência de Cooperação de Segurança de Defesa dos EUA (DSCA) sobre um acordo ainda inacabado com a Eslováquia é de US$ 2,91 bilhões para o F-16 Block 70, ou cerca de US$ 208 milhões por aeronave.”
.
Isso deve dar um nó na cabeça de muito iludido que acredita que um F-35A custe “só” 80 milhões ou menos e a conta morre aí, sem contar todo o resto do pacote para manter e operar.
.
No mais, Gripen neles!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Verdade Bardini. Quem compra caça de prateleira são as forças armadas americanas. O resto geralmente compra junto:

– Treinamento;
– Documentação;
– Simuladores;
– Pacote de assistência técnica por X anos;
– Peças sobressalentes;
– Armamento.

Dependendo do que se quer, dobra fácil o preço unitário de uma aeronave.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

É isto ai Bardini.
O famoso me engana que eu gosto.

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Pois tens razão, um F-35 não pode custar só 80 milhões, a nâo ser que não inclua peças sobresselentes e outros custos de manutenção que deveram ser caríssimos. Agora o F-16V custar 208 milhões por unidade. é uma coisa de loucos, ou será uma tentativa, eles são ingénuos vamos ver se passa.
Também as indecisões pagam-se caro, quando se têm mais olhos que barriga, queriam depois não quiseram comprar F-16 MLU a Portugal , quando a Roménia os comprou, agora chuchem no dedo, mais vale um pássaro na mão do que dois á voar.

Delfim
Visitante
Delfim

Com a Turquia se chegando para os russos, sobra para a Grécia e a Bulgária tomarem conta do mar Negro.
.
US$ 208 milhões por cada F-16V ! E há quem acredite que o F-39 seja mau negócio para a FAB. Ou que um F-35 custe apenas 80 milhões de trumps.

Fabrício Barros
Visitante
Fabrício Barros

A Grécia não tem Costa no Mar Negro.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Além disso, A Turquia é quatro vezes maior que a Grécia e a Bulgária juntas.

Alessandro
Visitante

Alguém me explica que raios de pacotes são es esses que os Eslovacos contrataram, pq pelo amor de deus, 208 milhoes um F-16! Vejam bem, peguem 14 dos nossos gripens, mesmo com toda transferencia de tecnologia pra Embraer, todas as modificaçoes solicitadas, e uma versão biposta, q só nós teremos, ( de inicio ) não se chegou a esse valor, e os eslovacos, q só compraram a aeronave sem mimimi nenhum, vao pagar esse preço, n da pra entender

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Deve ter muito armamento de ponta incluso, não vejo outra explicação!

Mauro Oliveira
Visitante
Mauro Oliveira

E preço no pacote completo, incluindo manutenção por 1 ou dois anos. Motores extras, pacote de armamentos e tudo mais. Não e custo fly-away

Leonardo de Araújo
Visitante
Leonardo de Araújo

Preço por unidade de um contrato, não serve de parâmetro.
Tem que se levar em consideração outros itens de suma importância, tais como: serviços de manutenção, treinamento de equipes de solo e pilotos, fornecimento de peças de reposição em manutenção, preventivas e corretivas, fornecimento de armas. Sem falar na tal, transferência de tecnologia, que pode ser em vários níveis.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

E mais uma vez os caças russos passaram a km de distância dos ex países do bloco soviético.
Melhor se endividar com os Estados Unidos do que ficar dependendo do humor do ditador Putin.
Os Gripen novos, da geração E/F são a escolha mais racional. Vamos aguardar para ver o que a política búlgara decide.

Lucianno
Visitante
Lucianno

O pessoal debate aviação como se fosse futebol, o Gripen virou a “seleção canarinho”, muita paixão e pouca razão. Mas a realidade é que o Gripen está tecnologicamente mais próximo do F-16 modernizado do que de um caça realmente avançado como o F-35.

Rafael Bentes
Visitante
Rafael Bentes

A transferência de tecnologia é fundamental para um país que esteja com planos para desenvolver o próprio caça, o Brasil optou pelo Gripem pois foi a empresa que deu a maior abertura para isso, os EUA e a França jamais dariam essa possibilidade que estamos tendo, se a Bulgária busca apenas a utilização talvez seja melhor fechar com os americanos pois teriam um equipamento ué já provou ser seguro e eficiente.