Home Aviação de Ataque F-35: GAO informa novos problemas e custos continuam a crescer

F-35: GAO informa novos problemas e custos continuam a crescer

6825
74
F-35A

Maturidade Tecnológica e Estabilidade do Design

Todas as tecnologias críticas do F-35 são maduras e os desenhos de engenharia da linha de base estão completos para todas as três variantes de aeronaves (F-35A, F-35B e F-35C). O escritório do programa concluiu os voos finais de teste de desenvolvimento para o programa de linha de base em abril de 2018, mas continua abordando mais de 900 deficiências identificadas com o desempenho da aeronave antes do final dos testes de desenvolvimento.

Por exemplo, o programa está desenvolvendo um novo visor montado no capacete, que resolverá um efeito de brilho verde existente que pode distorcer a visão de um piloto durante as aterrissagens noturnas em porta-aviões. Funcionários do programa esperam a instalação de alguns dos novos visores em 2019.

O escritório do programa também está testando e integrando atualizações de software para resolver outras deficiências, mas não resolveu mais de 800 outras deficiências antes do início dos testes operacionais. O programa obteve uma isenção do Subsecretário de Defesa para Aquisição e Sustentação para iniciar os testes operacionais antes de resolver completamente essas deficiências. Funcionários do programa afirmaram que esperam continuar a resolver essas deficiências até o início da produção de taxa máxima em outubro de 2019.

Os funcionários do programa continuam a identificar e abordar os riscos técnicos, alguns dos quais são específicos para variantes individuais do F-35.

Por exemplo, relatamos no ano passado que um problema com a válvula de aceleração de combustível principal do F-35 fez com que a aeronave se movesse repentinamente e sem parar até que o motor fosse desligado. Em 2018, o programa implementou mudanças de software para corrigir esse problema.

Além disso, em todas as variantes, os pilotos relataram ter sofrido pressões extremas no cockpit durante certas manobras de voo. Os representantes do fabricante nos disseram que identificaram a causa raiz da pressão excessiva da cabina do piloto e implementarão uma pequena alteração de hardware em 2019 para resolver o problema.

Recentemente, após o acidente de um F-35B em outubro de 2018, o programa aterrou a frota do F-35 para inspecionar todos os seus motores. Uma investigação determinou que um defeito de fabricação fazia com que um tubo de combustível do motor se rompesse durante o voo, resultando em uma perda de força para o motor. O escritório do programa informou que identificou 117 aeronaves com o mesmo tipo de tubo de combustível que deve ser substituído. De acordo com oficiais do programa, o aterramento geralmente não impactou a entrega da aeronave, já que o fabricante forneceu tubos de combustível de substituição que foram instalados na maioria das aeronaves afetadas até o final de 2018.

Lockheed Martin F-35B Lightning II
F-35B

Prontidão de Produção

Em dezembro de 2018, o fabricante principal entregou 264 aeronaves de produção.

Desde o início da produção, os fabricantes do F-35 refinaram seus processos de produção para melhorar a eficiência e a qualidade da fabricação. No entanto, o contratado principal identificou o controle de qualidade e as entregas tardias de radares como os principais riscos de produção no programa.

Por exemplo, devido às limitações identificadas pelo fornecedor, o fabricante principal continua a consertar as lacunas entre os painéis adjacentes da superfície da aeronave conectados à estrutura da aeronave. Essas correções são necessárias para atender aos requisitos de desempenho de baixa observação ​​(stealth). O contratado está trabalhando com seu fornecedor para resolver o problema por meio de processos de produção aprimorados, à medida que o programa se aproxima de sua decisão de produção de cadência completa em outubro de 2019.

F-35C

Outros problemas do programa

Após nossa avaliação de 2018, o programa atrasou o início dos testes operacionais em até 3 meses, até dezembro de 2018. Esse atraso resultou de atualizações de software necessárias para avaliar o desempenho da aeronave.

Para atenuar novos atrasos, o programa recebeu autorização para concluir certos testes operacionais antes do início formal do teste operacional. Por exemplo, o programa concluiu testes operacionais de clima frio em janeiro de 2018.

Devido às ameaças em evolução, o escritório do programa continua a avançar com os esforços de modernização do Bloco 4, que modernizarão os recursos atuais e desenvolverão e integrarão novos recursos à aeronave. Em outubro de 2018, o escritório do programa atualizou sua estratégia de aquisição, fornecendo um cronograma geral para o futuro desenvolvimento e integração de tecnologia.

O programa planeja lançar novos recursos a partir de outubro de 2019, mas ainda precisa concluir sua linha de base do programa de aquisição. Como resultado, o programa está testando, produzindo e modernizando simultaneamente aeronaves, o que aumenta o risco de atrasos no cronograma e custos futuros.

Tubulações e cabeamento dentro das baias de armas do F-35

Comentários do Escritório do Programa

Fornecemos um esboço dessa avaliação ao escritório do programa para revisão e comentários. O escritório forneceu comentários técnicos, que nós incorporamos quando apropriado.

Funcionários do programa afirmaram que desde o início dos testes de desenvolvimento em 2006, mais de 2.200 deficiências foram descobertas e corrigidas. Além disso, as autoridades informaram que, em coordenação com a comunidade de combate, resolveram as deficiências de maior prioridade e atenuaram as deficiências remanescentes. Finalmente, as autoridades comentaram que as entregas de aeronaves aumentaram conforme o planejado e os testes operacionais continuam no caminho certo para conclusão no outono de 2019.

A avaliação de duas páginas do GAO do programa F-35, que representa 21% dos planos de gastos do DoD, pode ser encontrada na página 173 do relatório anual do GAO sobre programas de armas do Departamento de Defesa dos EUA. (veja o link abaixo)

O F-35, de acordo com essa avaliação, está estimado para custar US$ 66,2 bilhões em desenvolvimento e US$ 288,9 bilhões em aquisição de 2.470 aeronaves, para um custo unitário médio de programa de US$ 143,7 milhões em dólares do FY2019.

Para o relatório completo (229 páginas PDF) clique aqui.

FONTE: US Government Accountability Office

Subscribe
Notify of
guest
74 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
1 ano atrás

Acho melhor a LM abrir uma filial em Israel e levar o projeto lá para uma revisão na avionica.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Vinicius Momesso
1 ano atrás

Esqueça isso. Israel cancelou novas entregas, mesmo com a possibilidade de o avião sair de graça para eles.

Chris
Chris
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

E eles não poderiam ajudar no desenvolvimento apenas pq não iriam comprar mais unidades?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Chris
1 ano atrás

Talvez não valha a pena dispender esforço neste projeto.
Alguma coisa eles sabem para uma decisão dessa monta.
E Taiwan também. Só que foram mais claros: ‘O avião não entrega o que promete’.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Porque cancelou? Será que a doutrina de ataque israelense dá preferência a caças de superioridade aérea e alta manobrabilidade?

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Vinicius Momesso
1 ano atrás

É um pouco mais fácil, basta dizer que o avião é “chines”.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
1 ano atrás

Haja disposição para leitura de um relatório em “inglês técnico” de 220 páginas.

MFB
MFB
1 ano atrás

Quanta fixação em falar mal do f-35.

Flanker
Flanker
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Então vou te fazer umas perguntas sinceras, Galante. Sem segundas intenções:
Se você afirma estar mostrando quão difícil é desenvolver um caça, em especial um 5G, então você acha que esses problemas são normais? Em sendo normais, achas estranho o J-20 já estar operacional e sem apresentar problemas? Ou os chineses não divulgam os problemas? E o Su-57? Tem ou teve problemas em seu desenvolvimento e também não são divulgados? Em sua opinião, pelo que se conhece dos 3 projetos, qual o mais desafiador, inovador e com quebras de paradigmas?

Guilherme Poggio
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Perfeito Galante. Já destrinchamos essa questão (“desenvolver ao mesmo tempo em que produz o avião”) em posts anteriores.

marcus
marcus
Reply to  Guilherme Poggio
1 ano atrás

Usando os clientes como cobaias.

Pericles Ferreira Leite
Pericles Ferreira Leite
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Acho que também tem a questão da indústria de defesa norte-americana hoje, ter tornado-se um oligopólio. Reparem que esses programas “comuns” (joint) têm se tornado cada vez mais frequentes, sob a justificativa de ganho de escala, etc; mas tais programas fazem ainda mais sentido para os fabricantes, mais ou menos pelas mesmas razões. Nesse contexto, acho muito difícil no futuro desenvolverem uma aeronave como o A-10, por exemplo (alta especialização). Antigamente, haviam muitos fabricantes “menores” e responsáveis por aeronaves mais “especializadas”. Até o risco técnico-financeiro de cada programa era mais restrito. Hoje, todo programa é monumental. Eu acho que esse… Read more »

FERNANDO TAUSCHECK
FERNANDO TAUSCHECK
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Cabe lembra também que o projeto do F35 sofre com o tamanho da cadeia de produção. Claramente por motivos políticos se optou por espalhar a cadeia de produção pelo país inteiro (e fora dele), resultando em uma fragmentação de fornecedores e locais de produção que dificultam o gerenciamento do projeto e a logística. Do site do projeto: “The F-35 program brings together the world’s most experienced aerospace industry leaders, including Lockheed Martin, Northrop Grumman, BAE Systems and Pratt & Whitney. The global team also includes more than 1,400 suppliers from domestic and international companies around the world. This landmark project… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Obrigado, Galante. Com isso, muito “diz que diz” cai por terra aqui no PA….bem esclarecedor seu post….

Chris
Chris
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Estava pensando nisso agora…

Até reflexo no visor do capacete ?

São normais os problemas… Se ha algum erro, foi vende-lo antes de devidamente testado !

No mais… O avião parece um computador ambulante, de tantos defeitos de software (Mas se nem um app de celular consegue ser 100%…)

Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Não seria mais lógico e barato desenvolver uma versão multifunção e “exportação” do F-22? O que o F-22 tem de tão especial e diferente do F-35 para não ser comercializado fora dos EUA? Abs

Sandro
Sandro
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Ressaltando Galante que as Aeronaves Russas e Chinesas foram projetadas como caças de superioridade aerea, tendo outros projetos para outras funções, já o F-35 a Lockheed quiz fazer um faz tudo. Oque elevou muito o nível de complexidade. Até me arrisco a dizer que se tivessem mantido o F-22 como plataforma de superioridade e o F-35 como um caça de ataque, não estariam nessa sinuca de bico!

Merlin
Merlin
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Perfeito! Trabalho na área de desenvolvimento de softwares. Um dos produtos já está bem sólido no mercado e contém uma quantidade razoável de grande clientes. Quanto maior o cliente maior a quantidade de solicitações e maior a complexibilidade das customizações. Se neste nível já é extremamente difícil, mesmo com um batalhão de cabeças pensantes, manter a comunalidade, imagine para o desenvolvimento de um caça. São 3 variantes, N países (clientes) envolvidos, N fornecedores e um nível de evolução e complexibilidade acima até mesmo do desenvolvimento do A380, que foi um projeto que sofreu vários atrasos e problemas durante o desenvolvimento.… Read more »

Mauro Oliveira
Mauro Oliveira
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Fica frio galante, os fanboys piram.

Sidney
Sidney
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Com certeza podemos confiar sempre na transparência das agências públicas de informação e dos governos, que tão competentemente divulgam dados e notícias “verdadeiras” a respeito de seus projetos, das democracias Chinesas e Russas. Eles são 100% confiáveis e com nisso podemos dizer que os projetos desses países são simplesmente imunes a falhas e atrasos e com certeza vão superar tudo que os estadunidenses malvadus fazem. Lá a informação e a imprensa são plenamente livres, então para que dúvidas? Nos EUA é que o desejo ilimitado por lucros é que cria só porcarias. Veja o caso dos F-16, F-15 e F-18.… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Acabou de sair uma matéria positiva do F-35 e uma negativa do J-20.
1) Lockheed oferece desconto e F-35A sai por menos de U$ 80 mi para próximo lote de compra.
2) China declarou J-20 operacional SEM motor definitivo, utilizando versão do motor do J-10 que não entrega performance de um motor da 5a geração.

Millenium
Millenium
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Sim é complicado, mas esse F-35 é abusado, he,he,he.

nonato
nonato
Reply to  MFB
1 ano atrás

Com todo respeito, mas que há uma sensação de perseguição ao F 35, há. Claro que até nos EUA existe uma perseguição, aparentemente por brigas entre LM e Boeing. Entre os comentaristas aqui há uma questão ideológicas política. Eu mesmo tenho a tese de que esses fabricantes complicam sem necessidade. Tipo já houve problema com o assento ejetor para pilotos baixos. Em tese, é uma tecnologia madura. Mesmo que se faça um novo modelo cabe ao fornecedor apresentar o produto já “certificado”. Essa dos painéis desalinhados. Sou leigo. Mas me parece um erro elementar. Se fosse uma oficina de fundo… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  MFB
1 ano atrás

Não é falar mal, é mostrar o quanto o contribuinte americano é trouxa…

Bosco
Bosco
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Defensor, Pelo menos nos EUA há o que se falar em “contribuinte”, já nos paraísos de vocês, a China e a Rússia, esse “personagem” sequer é citado porque nesses paraísos “capitalistas” (sim, a Rússia e a China são capitalistas porque têm magnatas, casa própria e iniciativa privada) e que não são mais comunistas (rsrsss) o que manda é a economia estatal , né. Em 15 anos em blogues de defesa e nunca vi ninguém citar se o “contribuinte” chinês ou russo estão satisfeitos ou insatisfeitos com as decisões do seu governo “democrático”. Será por que só o contribuinte americano é… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Comparação de problemas do F-35 com J-20 e Su-57:
1) de um nome diferente para as versões A, B e C.
A quantidade de problemas cai para 1/3 para cada um dos aviões diferentes (versoes).
2) instale uma democracia na Rússia e na China. Os problemas do Su-57 E do J-20 vão aparecer muito mais.
3) aí da para comparar qual tem mais problemas.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Oxe, anda vendo coisa demais, quando foi que eu andei defendendo a política chinesa ou russa aqui? Além do mais os EUA é que são a terra da liberdade, não deveriam ter esse gasto militar todo para manter países alinhados com sua visão de mundo.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Esperto é o contribuinte brasileiro que paga um alguns dos maiores impostos do mundo e não recebe nada em troca.

THE REN3G4DE
Reply to  MFB
1 ano atrás

Cara, acho exatamente a mesma coisa.

Firefox
Firefox
1 ano atrás

Este avião multifunção já está “grande demais para quebrar” e os USA terão que ir com ele até a próxima geração de caças.

Alfredo RCS
Alfredo RCS
1 ano atrás

Acho que o artigo é chover no malhado, pura birra com malvados americanu. As atualizaçoes sao parte de novos pacotes que acrescentam novas capacidades e que nao faziam parte dos acordos iniciais, sendo, é obvio, cobradas de acordo com as propostas apresentadas pelo contratante e vendedor. Os outros 800 “problemas” sao puras consequencias da utilizaçao da aeronave e confirmaçao de suas caracteristicas, todas a serem adequadas a novas realidades e objetivos a serem alcançados, algumas contempladas nos contratos inicias, outras como opçoes de melhorias. Criticar o F-35 parece ser moda para alguns, é como dizer que a atualizaçao dos AMX… Read more »

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Alfredo RCS
1 ano atrás

Apenas uma porquê? Se calhar as outras nações vão ficar a dever!!!

Diogo
1 ano atrás

Como já foi dito exaustivamente aqui o f-35 vai dominar os ares quer queiram quer não. É só pensar logicamente. Sinceramente, alguém aqui, em sã consciência acredita que chegará o dia em que o US president dirá: ” Só investimos um trilhão de dólares galera, dinheiro de pinga, vamos esquecer tudo isso e apenas reativar as fábricas do f-22″. Mission Acomplished……. Nunca vai acontecer, nunca, fosse isso o próprio Trump já teria posto um fim a esse projeto.. eles vão perseguir isso implacavelmente como sempre fizeram

Pericles Ferreira Leite
Pericles Ferreira Leite
Reply to  Diogo
1 ano atrás

O F-35 já está atrasando o sexta geração dos EUA. Os franceses estão doidos para aparar as arestas com os alemães rapidamente e “colocar carga” no SCAF/FCAS, para pegar os americanos e os russos no “contra -pé”. Isso sem falar da possibilidade de seduzirem os japoneses, sul-coreanos, turcos, etc, para se juntarem ao programa.

Se o F-35 chegar a “dominar os ares”, não será por muito tempo.

O jogo de gato-e-rato nunca termina.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Pericles Ferreira Leite
1 ano atrás

Eu palpito que o F-35 está financiando o (secretíssimo) caça de sexta geração!

Pericles Ferreira Leite
Pericles Ferreira Leite
Reply to  Carlos Gallani
1 ano atrás

As únicas coisas que o F-35 “está financiando”, são os polpudos bônus dos executivos da LM e as campanhas de certos congressistas norte-americanos, isso sim.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Pericles Ferreira Leite
1 ano atrás

Tbm! hahahahahah

Sérgio Luís
Sérgio Luís
1 ano atrás

Nossa!
Mas ninguém fala bem dessa aeronave!?

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Sérgio Luís lamento discordar mas tem um monte de colegas que que comentam aqui diariamente e praticamente transformaram o F35 em um “Deus” é só conferir.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

Esse F-35 “natimorto” não é Deus Vivo !

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Sérgio, também ninguém falou mal, factos precisam de ser relatados quando disponíveis.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

Como não falou mal !!!!!?????
Se vc souber de pelo menos um que falem bem diga pra nós!!!
Tô sentado aguardando!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Gostaríamos de falar bem. SQN

CML
CML
1 ano atrás

De acordo com essa fonte de 7 de maio o preço do F35 já vai pra baixo de $80 milhões, o mais baixo até agora:
https://www.defenseone.com/business/2019/05/price-drop-lockheed-pitches-80m-f-35a-pentagon/156825/?oref=d-river

antonio jorge
antonio jorge
1 ano atrás

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Guizmo
Guizmo
1 ano atrás

A 3a foto, usando a insígnia antiga da Marinha, está lindíssima

Matheus
Matheus
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

É a insígnia das Forças Armadas dos EUA.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

São tantos detalhes minuciosos nessa aeronave que eu mal consigo imaginar o inferno que deve ser fazer a manutenção e o tempo que não deve demorar.

Delfim
Delfim
1 ano atrás

“Um custo unitário médio de programa de US$ 143,7 milhões em dólares”.
Um valor bem mais realista que os tais 80 milhões de trumpas.
Se calhar vai aumentar mais ainda.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Os 143 são para valores médios de toda a produção. Esses 80, muito provável, são para a versão A para venda à USAF. E isso não significa que o valor de 80 servirá com base de venda para países estrangeiros.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Marcos10
1 ano atrás

E nem o valor para o estagio atual!

BARTUS FERNANDO TEIPEL
BARTUS FERNANDO TEIPEL
1 ano atrás

Vejo algumas boas características neste avião, mas é feio pacas. Estão tentando fazer um tijolo voar, não é impossível, vide o “ônibus espacial”, mas torna tudo beeem mais difícil.

Jeferson
Jeferson
1 ano atrás

Como escrito na reportagem, eles estão testando, produzindo e modernizando ao mesmo tempo, este é o custo/investimento para se ter uma das aeronaves militares multifunção mais avançadas da atualidade.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Fico imaginando o número de problemas e extensão do prazo dos caças russos e chineses de quinta geração.
A transparência norte americana em praticamente tudo, tem o seu preço.
A mídia globalista deita e rola com mais uma notícia negativa.
Sobre o F-35, as encomendas continuam a todo vapor, inclusive novos clientes se desenham no horizonte.

Por fim, desafio a mídia especializada a publicar com tantos detalhes, notícias dos problemas e atrasos do programa SU-57 e J-20.

Denis
Denis
1 ano atrás

“Todas as tecnologias críticas do F-35 são maduras e os desenhos de engenharia da linha de base estão completos para todas as três variantes de aeronaves (F-35A, F-35B e F-35C)”.

Como assim? Se é necessário trocar o tal visor, ele não está maduro. Acho que vou parar de ler as notícias daquelas bandas.

Jeff
Jeff
1 ano atrás

Se o F-35 fosse um tijolo gigante, iam ter que fazer este tijolo voar de qualquer jeito, não tem mais volta. É isso.

Roberto
Roberto
1 ano atrás

Porque o f-35 tem tantos problemas e o f-22 não, será porque o f-22 utiliza materiais bem mais caros na sua construção.

Humberto
Humberto
Reply to  Roberto
1 ano atrás

Roberto, Se vc olhar o histórico do F-22, vai ver que ele também teve muitos problemas. Inclusive com morte de piloto por problemas no sistema de geração de Oxigênio. No mais, o F-35 é um avião muito mais complexo, são muitas integrações, para ser mais exato, não é um avião, são três (A, B e C). Vai demorar mais tempo para o avião estar maduro, mas é um caminho sem volta, apesar de muitos foristas não acreditarem (e que vão mudar o nick dentro de algum tempo, para não admitir o erro) e afirmarem que o projeto é ruim, o… Read more »

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Humberto
1 ano atrás

Agora fizeste-me lembrar o Alfred Nobel, quando inventou a dinamite e logo se arrependeu . Depois afim de compensar o mundo, inventou em boa hora os prémios Nobel.
Fazendo uma analogia, o F-35 mas muito mais o F-22 (logo não pode ser exportável) não pode nunca cair nas mãos do inimigo, a não ser que se queira dar um tiro no pé.

AlexByrth
AlexByrth
Reply to  Humberto
1 ano atrás

Mortífero mesmo! Vai matar todos que usarem ele!

Nilo Rodarte
Nilo Rodarte
1 ano atrás

Toda vez que eu vejo essas reportagens falando dos custos do F-35 eu lembro daquela cena do filme Indepence Day, onde, depois dos ataques dos aliens, os sobreviventes, entre eles o presidente, chegam até o abrigo secreto da área 51, que o presidente não sabia que existia e ficou espantado com a estrutura. Ai é pergunta para o responsável como eles financiaram aquilo e o responsável responde perguntado se ele acreditava mesmo que um grampeador ou uma lixeira (acho) custava realmente o que o Estado pagava por eles. Eu fico pensando o que está sendo financiado por baixo do pano… Read more »

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Nilo Rodarte
1 ano atrás

É incrível como os fanboys inventam mentiras para si mesmos, para não acreditar na decadência do Ocidente. Então o projeto F-35 custa tão caro porque financia, na verdade, outros projetos?

Nilo Rodarte
Nilo Rodarte
Reply to  100nick-Elã
1 ano atrás

Qual decadência do Ocidente? Não vejo ninguém arriscando a vida para fugir dos países ocidentais para os países “socialistas” e “islâmicos”. O contrário é que é o comum e essa é que tem sido a maior fonte de “decadência” do ocidente.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Nilo Rodarte
1 ano atrás

Pergunte aos imigrantes na fronteira dos EUA.

Cristiano GR
Cristiano GR
1 ano atrás

O fato é que bom ou ruim não existe outro caça furtivo à disposição no mercado ocidental e nem tampouco tão moderno, mesmo que tenha muitos defeitos e gastos exorbitantes, é o que tem e vai ser muito vendido, a não ser que os países em vias de comprar caças novos deixem de lado a furtividade e optem por Gripen, F-18, Raphale ou Typhoon. Ademais os contribuintes, o governo e a fabricante não estão nem aí para o que pensamos sobre os custos da aeronave, então comentar ou discutir não contribui em nada, a menos que o Brasil a tivesse… Read more »

Ricardo
Ricardo
1 ano atrás

Eu acho que o projeto do F-35 dever ser o mais interessante, avançado e mais mal gerenciado do Departamento de Defesa.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Engraçado, o texto é muito mais suave e recheado de boas noticias do que o titulo da matéria.

Segue o jogo…

Obs.: Com os avanços em progressão geométrica da tecnologia iremos cansar de ver matérias que trataram sobre os pacotes de melhoria de software e alguns hardwares dos aviões. Quem não fizer isso será varrido dos céus.

Roberto Medeiros
Roberto Medeiros
1 ano atrás

Boa tarde
Off topic
Alguém sabe algo sobre a presença de um A400M aqui no Brasil?
Moro no Rio de Janeiro, próximo a Base Aérea do Galeão e uma aeronave quadrimotor, muito parecida com um A400M acabou de sobrevoar a minha casa.

sergio
sergio
1 ano atrás

É muito $$$$$$$$$$$$$$$ para pouca resposta….

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

Bonitinho mas ordinário … talvez tivesse sido mais eficiente e sensato ter dado continuidade no projeto do F-22, mas como arma é um negócio então segue a máxima de não tem necessidade invente uma.

JT8D
JT8D
1 ano atrás

Estou fora de qualquer briga ideológica ou torcida organizada. É obvio que todos os problemas de desenvolvimento serão sanados (algum dia). Mas como engenheiro não consigo aceitar a forma como o programa foi conduzido. Independente de o avião ser bom ou não, o gerenciamento desse projeto vai ficar para sempre como exemplo do que não deve ser feito.

Wellington
Wellington
1 ano atrás

Aguardando o F-35 passar no Smithsonian. Vai ser 90% do programa relatando seus problemas.