Home Ataque aéreo Força Aérea dos EUA realiza ataque aéreo com o F-35 pela primeira...

Força Aérea dos EUA realiza ataque aéreo com o F-35 pela primeira vez

11994
53
Um F-35A da USAF é reabastecido por um avião-tanque KC-10 acima de um local não revelado em 30 de abril de 2019
Um F-35A da USAF é reabastecido por um avião-tanque KC-10 acima de um local não revelado em 30 de abril de 2019

WASHINGTON – A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) finalmente usou sua variante do caça F-35 em combate, empregando duas das aeronaves para atacar uma rede de túneis do ISIS e um esconderijo de armas no Iraque em 30 de abril.

Os ataques aéreos de terça-feira – o primeiro uso em combate do modelo de decolagem e pouso convencional F-35A – seguem os ataques feitos pelos F-35A das Forças de Defesa de Israel em maio de 2018 e dos F-35B dos Fuzileiros do EUA em setembro de 2018.

De acordo com o Comando Central das Forças Aéreas dos EUA, o ataque aéreo ocorreu em Wadi Ashai, no nordeste do Iraque. Um comunicado do Comando Central dos EUA em 24 de abril afirmou que os combatentes do Estado Islâmico “tentam transportar munições, equipamentos e pessoal” para Wadi Ashai a fim de “estabelecer condições para seu ressurgimento”, provocando uma contra-ofensiva das Forças de Segurança do Iraque apoiada pela Força-Tarefa Conjunta Combinada – Operation Inherent Resolve.

“O F-35A conduziu o ataque aéreo usando uma Munição JDAM para atacar uma rede de túneis do Daesh entrincheirados e esconderijo de armas nas Montanhas Hamrin, um local capaz de ameaçar forças amigas”, afirmou o release do AFCENT.

Mais informações sobre o evento, incluindo se os ataques foram bem-sucedidos, não foram disponibilizadas no release.

FONTE: Defensenews.com

53 COMMENTS

    • Pois é…
      Até entendo que este seja apenas um teste real para o avião. Foi o que os Russos fizeram com o seu SU-57. Nada de absurdo nisso.
      O problema será no futuro caso os Americanos insistam em substituir toda a sua frota de F-16´s, F-18´s e todo o resto pelo F-35. Terão de usar um avião super hiper mega top da balada para realizar missões bestas como esta a um custo altíssimo.
      Esta sempre foi a minha crítica ao projeto F-35. Ele deveria ser complementar à frota e não a única opção disponível.
      Mas como o dinheiro é deles e não meu o problema é deles.

      • Marcello tudo bem? Se me permite discordar do seu texto. Gostaria de lembrar que os aviões de 4 geração devem permanecer boas décadas voando nas forças armadas americanas. Isso sem ignorar que eles tem caminhado em busca de soluções mais econômicas como o programa de estudo e aquisição de aeronaves de ataque leve (que o super tucano inclusive participa).
        No mais o F 35 tem ser testado em missões reais e pq não em um alvo soft de início?
        De todo modo tchau e bom feriado.

        • P.S esqueci de lembrar que boa parte das missões mais simples é e será executada por drones, o MQ-9 trm feito muito estrago por aquelas bandas.

    • Ah sim ! Depois mando um e-mail para a USAF, pedindo pra eles atacarem a Russia, apenas pra provar as capacidades do avião.

    • Vou pedir para a USAF não utilizar mais o F-35, que isso está de aborrecendo.
      Vou insistir que eles só o utilizem em caso de invasão alienígena ou no caso do Apocalipse perpetrado pelo Anti Cristo.
      Assim fica bom??

  1. Queria ver era o desempenho dele num cenário de alta intensidade num local coberto por baterias antiaéreas é caças inimigos ai iríamos ver as verdadeiras capacidades de combate é operacionais do F35, que no meu ver é uma aeronave que tem muito mais a entregar do que aparenta.

        • Errado.

          O TO principal tem acontecido na Syria com seus S 300 sem resultados de abatimento.

          A 300 operados por Syria e Iran.

          • Bem interessante texto do FOI, conforme analise deles
            , os F16, F!5, F22 e F35 e misseis estão com bastante liberdade de operações na Síria. Esta analise também questiona bastante os sistemas S300 e S400 pela facilidade de saturar seus sistemas e a baixa performance no campo batalha. Quanto ao F35 e F22 ainda não tem oponentes campo batalha, teste real destas aeronaves somente qdo F57 existir ou um ataque massivo de caças Chineses, pois do contrario não teremos como saber.

        • Antonio… Vê a foto ? Foi provocativa… Da pra identificar que foi praticamente na Siria, por causa daquele rio.

          E nada de S300 ou S400 !

          Alias.. a 1a coisa que os americanos iriam fazer… É “testar” esses sistemas ! Muito dinheiro envolvido e ele será a espinha dorsal da USAF. E segundo sabemos, nenhum cancelamento até agora.

        • E porque o sua cegueira não lhe deixa ver!
          As aeronaves americanas F-35 entraram,por duas vezes,no território sírio e não foi detectado pelo sistema de defesa sírio e russo.
          Só ficaram sabendo depois pela destruição ocasionada às instalações iranianas,sem,porém,detecção nenhuma,parece que passou por lá um¨fantasma.¨
          Isso quem afirma são os próprios sites sírios!

    • Se for contra os puxadinhos da China ou da Rússia e não contra a própria China ou contra a própria Rússia os críticos de plantão irão dizer que os EUA estarão usando o F-35 para chutar cachorro morto.
      Só vale se for contra a China e a Rússia e sabemos todos que esse cenário é pouco provável de ocorrer.

  2. Na minha humilde opinião, não sei se estes caças multi emprego steath, são a opção mais “inteligente” para se desenvolver e usar. Acredito que se os caças steath fossem projetados, e empregados focando superioridade aerea, dando cobertura a outros vetores (Onde já tivemos exemplos de sucesso no emprego). Talvez pudessem reduzir o custo por unidade, baratear a manutenção, peso, aerodinâmica específica para tal emprego, e provavelmente por consequência almentar velocidade, manobrabilidade, teto de vôo, redução no consumo de combustível e furtividade… Coisas que atualmente são os calcanhares de Aquiles dos mesmos. De qualquer forma esses vetores não cumprem missão sozinhos, não que eu saiba. Como neste exemplo os F15 estão lá. Ou os F35 possivelmente sofreriam num possível dog fight, alem de custos exorbitantes em casos de abates. Acho que para outras funções outras aeronaves mais baratas de geração 4.5 Gripen, F16, Rafaels etc dariam conta do recado com tais coberturas.

    • Seria bom ver a FAB executar um projeto assim no futuro. Acredito que nossos projetistas tem potencial de sobra para colocar no ar uma aeronave assim, que não tenha muito mimimi, seja mais em conta, mas cumpra o objetivo, como os Super Tucanos, AMX, etc. Mesmo com perfil pacífico de nosso país, Já nos daria uma enorme capacidade de dissuasão. Além de umas encomendas de países menos afortunados.

    • Até aqui, a história mostra que o correto é justamente o inverso…

      Assumindo que os maiores riscos atualmente são nos confrontos com as defesas aéreas, então a prioridade para a furtividade passa a ser dada aos vetores prioritariamente destinados ao ataque ao solo.

      Aeronaves destinadas a escolta, normalmente haverão de operar fora do alcance dos sistemas SAM de médio alcance, e raras vezes adentrarão o espaço dos diretores de tiro dos tipos de grande alcance ( S-400, etc. ). Logo, se pode “rebaixar” os padrões. Isso é observável se repararmos na aparente insistência da USAF em caças F-15 ( o que também segue fatores econômicos ).

      Mas seja como for, o conceito de aeronave multi missão está aí para ficar. E não é possível mais pensar fora disso, haja visto os custos crescentes em estrutura e pessoal necessário a operar esses vetores.

      Desde sua concepção, a tecnologia stealth evoluiu consideravelmente, permitindo aeronaves cada vez mais manobráveis ( o F-22 está aí para provar isso ). Mas ao contrário, melhorar suas características cinéticas as torna muito mais caras. E por isso se pensou no F-35, que é uma aeronave de características consideradas “medianas”, mas que pode compensar essas deficiências com um aparato tecnológico capaz de entregar-lhe capacidades que suplantam a própria maneabilidade do caça.

      • Os cenários das guerra atuais estão em constantes mudanças. Hoje alguns países já anunciam outras opções mais baratas e seguras para saturação e até mesmo destruição dos sistemas anti aéreos. Drones kamikaze, são exemplos disso, baratos e sem riscos ao piloto, podem ser mandados em “enxames”. Tornando o abate mais caro que sua produção. E o que dizem por exemplo a Rússia com o KYB e Israel com o Harop (Harpy). A Rússia desenvolvel o deles depois que sofreram um ataque parecido a uma de suas bases. Provavelmente tiveram trabalho para evitar. Vamos aguardar para ver isso na prática. Além disso temos acompanhado o desenvolvimento com maiores alcances de misseis inteligentes anti-radiaçao. Só sei que este sistema steath é caro e complexo. Vamos ver se continuará funcional com os avanços de detecção em radares com baixas frequências etc…

      • Seria interessante ver ataques assim…
        Setor de inteligência coletando dados e definindo alvos, Drones kamikaze saturado e destruindo a defesa anti-aerea, caças multi-uso atacando alvos maiores e estrategicos, como bases, etc. Enquanto recebem cobertura de caça de superioridade aerea steath, gracas aos avancados radares, bons no BVR como o F35 (que só falta ser adaptado para uso como drone). Tudo isso interligado com data-links e com pods de interferência eletrônica. Acho que daria trabalho…

        • Israel já fez uso de UAVs na primeira guerra do Líbano. Os Sírios queimaram todo seu estoque de mísseis anti-aereo, e os de Israel puderam destruir as forças Sírias. Tem um artigo do Tom Cooper sobre o assunto.

  3. A aeronave está sendo introduzida em missões de combate e os birrentos acham que já devem usá-la de imediato em áreas altamente contestadas sem testes e averiguações preliminares em áreas menos perigosas. Podem ter certeza que ela será usada nos piores cenários também. O teste dos SU-57 na Síria foi o lançamento de mísseis de cruzeiro a longa distância do alvo e escoltados por SU-35, e após isso voltaram pra casa rapidinho.

  4. Testes necessários, primeiro de baixa intensidade e posteriormente cenários mais quentes, com ameaças reais.
    Só fico na dúvida mesmo se realmente estão atacando o Daesh ou túneis vazios.
    Desde que os Estados Unidos e OTAN exaltavam suas ofensivas, o Daesh só aumentava seus territórios.
    Sinceramente ando meio incrédulo com a propaganda norte americana.
    Aparentemente a Rússia conseguiu mostrar muito mais resultados na Síria.
    Voltando aos F-35, eles deveriam ser mobilizados para a fronteira com a Venezuela, só para sentir a temperatura.

    • Nunca mais vi o nome Daesh nos noticiários !

      E seria normal a Russia ter resultados melhores, já que teria todo tipo de informação do governo local e liberdade para agir !

    • Antunes,
      Baseado na propaganda russa a Rússia conseguiu melhores resultados. Acreditar em informações oficiais de algumas “democracias” não te deixa nem um pouco incrédulo?

    • A Rússia fez ataques indiscriminados a população civil Síria, matando, mutilando, mulheres e crianças…
      isto, você chama de “obter resultados” ???

    • Um KC-135 sobre a Síria ? Não me parece seguro um alvo de grande valor visível como um brontossauro, estar no teatro de operações.

      • Outra observação…
        O local da foto fica a aproximadamente 60km da fronteira do Iraque. A câmera está apontando para o leste na direção da fronteira, e os aviões estão apontando para oeste como se estivessem vindo da fronteira do Iraque. Hoje essa área é controlada pela coalizão internacional, então se os EUA estiverem operando os F-35 e o KC-10 na base de Malatya na Turquia, faz sentido fazer o reabastecimento nesse ponto, que é na metade do caminho até o local da operação.

    • Foram construídos 60 F117 e empregados em cerca de 4000 surtidas reais antes do primeiro ser abatido.
      Fazendo uma analogia com o F35 (cerca de 3000 construídos) numa regra de 3 composta e temos que após 200 mil surtidas do F-35 teriam sido abatidos 50 F-35.
      Ainda estariam operacionais 2950 F-35.
      A questão é que você quer um caça que supere records mas os EUA quer um que ganhe guerras.

  5. Rapaz, depois de toda a falacao de gente do próprio governo, os EUA tinham que inventar uma missão para dizer que são ótimos. Tipo, Barcelona X Glória de Vacaria.

  6. Bom parece que o garoto problema resolveu seus problemas. Mas só EUA para usa um caça que a hora de voo é um gasto enorme. Bastava dois T29 para fazer o mesmo trabalho!

    • Dois T29 não levam bombas penetrantes de 1 tonelada guiadas por laser ou GPS que chegam ao solo em velocidade supersônica e penetram 10 metros de rocha.

  7. Prezados,
    Foi utilizado no nordeste do Iraque, ou seja, mais perto do Irã do que da Síria. A foto da reportagem não é da operação, e sim uma ilustração. Não duvido que possa ter ocorrido um reabastecimento, pois os americanos tem a total superioridade aérea na região, mas não é o caso.
    Se é para teorizar algo, para mim, isto tem mais cheiro de aviso ao Irã.

  8. Interessante a configuração da aeronave, com mísseis AIM-9 em suportes subalares nas pontas da asa. Assumindo que esse arranjo aumenta o RCS do F-35, isso vem a demonstrar a total confiança em operar naquele cenário, mesmo contra a defesa síria… E não creio que os sírios, tal como com israelenses, simplesmente iriam deixar passar barato a oportunidade de abater uma aeronave americana… Logo, podemos assumir que se trata de uma demonstração clara da eficiência do conceito.

    Outro algo a se considerar, são os elementos de intervenção eletrônica que podem estar sendo empregados, cuja eficiência também estaria patente, haja visto a penetração bem sucedida.

  9. Outra coisa esse negócio de ficar batendo em galinha morta não quer dizer nada!
    Agora se for bom no taco mesmo vai lá em Damasco e toca o terror!!!

      • Bosco
        Te garanto que não vou pedir pro “natimorto” ir lá em moscou!!!
        De forma alguma!!!
        Nem deveríamos pensar nisso!!
        Vira essa boca pra lá!!
        Que Deus nos livre de uma situação dessa!!

    • Lembro que Israel, a pouco tempo atrás atacou Damasco, a defesa Síria e Russa na área e robusta, porem está sendo derrotada seguidamente. Hoje e melhor investir superioridade aérea do que defesa de ponto e os equipamentos ocidentais estão superiores. Rússia e China tem correr atrás para náo perder credibilidade e vendas, somente, sem torcida.

      • Os equipamentos russos são bons, mas o problema é que, para quem está na defesa, aquele ditado “água mole em pedra dura tanto bate até que fura” é correto. Se um sistema de defesa ficar constantemente sendo alvo de ataque uma hora ele será destruído porque não adianta derrubar 100 mísseis errar 1. Este 1% de falha é a sua destruição.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here