Home Aviação de Ataque Iraque recebe mais seis caças F-16

Iraque recebe mais seis caças F-16

11748
36

O Iraque acrescentou mais seis Lockheed Martin F-16 Fighting Falcons ao seu inventário em 6 de abril.

As aeronaves foram recebidas durante uma cerimônia realizada na Base Aérea de Balad, com a participação do comandante Tenente-General Hama Ameen, da Força Aérea Iraquiana (IqAF).

O Iraque já tem 21 caças F-16, compostos por 18 F-16C de assento único e três F-16D de dois lugares. Com essas novas entregas, o número total de F-16 com o Iraque é de 27 aviões.

A Agência de Cooperação de Segurança e Defesa (DSCA) anunciou em 2008 que o Iraque fez um pedido para um total de 36 F-16. As unidades restantes são esperadas para entrega até o final de 2019.

FONTE: Jane’s

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daniel
Daniel
1 ano atrás

Fizeram o pedido em 2008 e receberão até 2019, ee ainda tem gente falando que os Gripens da FAB estão demorando, lembrando que este último ainda está em desenvolvimento.

Gustavo
Gustavo
Reply to  Daniel
1 ano atrás

esse não foi um pedido adicional:
“A Agência de Cooperação de Segurança e Defesa (DSCA) anunciou em 2008 que o Iraque fez um pedido para um total de 36 F-16. As unidades restantes são esperadas para entrega até o final de 2019.”.
Abraços.

Rustam
Rustam
Reply to  Daniel
1 ano atrás

Daniel, The first contract for the supply of 18 F-16 Block 52 fighters to Iraq was concluded in December 2011! And not in 2008! In 2014, when the terrorists stood at the gates of Baghdad, the United States did not supply them, although the first 10 were fully prepared and the pilots were trained! I wonder why ? Toluko in July 2015 (when the Iraqi army saved the situation with the help of arms supplies from Russia) the first F-16 aircraft arrived in Iraq That is why the Iraqi army is focused on non-US main purchases. ———– O primeiro contrato… Read more »

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
Reply to  Daniel
1 ano atrás

Sem contar que o país fica numa área “quente”!

André Macedo Nunes
André Macedo Nunes
Reply to  Wellington Rossi Kramer
1 ano atrás

Por isso mesmo que não podem se dar ao luxo de ter esses atrasos, quis vender? Então entrega

peter nine nine
peter nine nine
1 ano atrás

O Poder Aéreo vai publicar a visita de representantes da Boeing a Portugal não?

Davi
Davi
1 ano atrás

Pergunta de leigo: F-16 C/D significa ser da configuração bloco 50/52, uma versão antes da 70/72?

Gustavo
Gustavo
Reply to  Davi
1 ano atrás

Não obrigatoriamente.
Os blocks 1, 5, 10, 15 e 20 são todos modelos A e B.
Os blocks 25, 30/32, 40/42 e 50/52 são modelos C e D.
Acima disso ou é F-16 E/F Block 60 ou F-16 V block 70/72. Mas a nomenclatura E/F é pouco usual pro F-16, apesar de existir desde o ano de 2007.

Davi
Davi
Reply to  Gustavo
1 ano atrás

Gustavo,

Obrigado pela explicação.

Theo Gatos
Theo Gatos
Reply to  Gustavo
1 ano atrás

Os da Grécia são os C/D (originalmente bloco 50/52 se não me engano) que estão sendo elevados ao bloco 70/72 (V)
.
Sds

Renan
Renan
1 ano atrás

Caracas um país dominado tem uma força aérea com caça mais moderno que o do Brasil.

Jader Luiz de Souza
Jader Luiz de Souza
Reply to  Renan
1 ano atrás

Os caças da saab e melhor que esses e são nossa tecnologia junto a embraer e chamado de matador de caças russos imagina os americanos então e péssimo

Ricardo Santos
1 ano atrás

Bom dia, senhores! Só lembrando que o Iraque não tem técnicos participando de desenvolvimento da aeronave nem empresas fabricando nenhuma parte de mesmo nem transferencia plena de tecnologia e, nem muito menos, participação na negociação de vendas do avião ou infraestrutura para manutenção em seu país. A despeito de ter, agora, caças mais modernos, isso logo mudará em pouco tempo e teremos vetores muitíssimo mais avançados que os daquele país! Obrigado!

Miqueias Pereira
Miqueias Pereira
Reply to  Ricardo Santos
1 ano atrás

O brasileiro só pensa no hoje, daí estarmos onde estamos. É bom lembrar que tem F-16 por aí sendo derrubado por Mig-21 feito nos anos 70…Hehehe! Fora o fato de que, a depender da configuração do caça, se semelhante ao original F-16, ou com aviônica dos anos 80, os nossos F-5 modernizados fazem frente em alguns quesitos. Pessoal precisa entender que CAÇA é diferente de CARRO, tanto no desenvolvimento, como na manutenção, operação e possibilidades de modernização, o que faz de um aparelho “antigo” em sua casca, novinho em folha para o combate. Pergunta fácil de responder: Hoje, melhor confiar… Read more »

WFonseca
WFonseca
Reply to  Miqueias Pereira
1 ano atrás

Miqueias, um F15 modernizado cumpre a missão de um F35? São caças com objetivos e capacidades diferentes, não é questão de confiar, não misture as coisas.

Renan
Renan
Reply to  Ricardo Santos
1 ano atrás

Falou tudo
Capacidade interrupta e de pronto emprego

Renan
Renan
Reply to  Renan
1 ano atrás

“Ininterrupta”

kemen
kemen
Reply to  Ricardo Santos
1 ano atrás

Um F-16QI block 52 depenado de sistemas importantes e sem armas de peso é bem inferior a um JAS39-E.

Renan
Renan
Reply to  kemen
1 ano atrás

Sim kemen Mas hoje vc acorda sobre ataque de 46 F-16 e 9 F5 com apoio de alerta antecipado 707. Vc irá se defender com 46 F-5EM e 3 F-5FM. Com apoio dos radares locais e 5 alerta antecipado E99. Desconsiderando a logística de manutenção e de expedição. Quem está melhor equipado o agressor ou o defensor. Então hoje não daria para cravar uma vitória do agressor ou do defensor. Mas se fosse 46 F-16 também do lado do defensor. Certamente o defensor teria muito mais chances de se defender. Quando chegar em 2024 a história será diferente. Mas temos… Read more »

Tamandaré
Tamandaré
Reply to  Ricardo Santos
1 ano atrás

Estou digitando com os pés, porque minhas mãos agora te aplaudem!!

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Ricardo Santos
1 ano atrás

Força Aérea definitivamente não é SESI pra servir desse modo, contudo, nem tão pouco é também um carro de passeio, que quando quebra tu pode fazer uma gambiarra.
Caça precisa ter disponibilidade imediata, mas sem de maneira nenhuma ignorar a possibilidade de manutenção in loco, uma vez que caso ele seja requisitado numa guerra, é questionável contar com apoio logístico externo, a Argentina que o diga.
O erro veio de antes, em deixar nossa força aérea beirar a inutilidade prática, não no gripen.

WFonseca
WFonseca
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Fernando, o Gripen possui componentes de várias nacionalidades, portanto sujeito a embargos, a começar pelo motor. Não acredito em transferência de tecnologia, fosse assim a Arábia Saudita estaria exportando caças e não petróleo. A maioria dos países mesmo tendo dinheiro e capacidade técnica, optaram por compras “de prateleira” pois economicamente é um grande desafio fabricar e vender aviões. Veja o KC390, não há dúvidas que é um belo projeto mas não estou vendo uma fila de compradores.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Só eu acho o F-16D biplace uma aeronave sensacional?

Top!

comment image

Gustavo
Gustavo
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

o block 60 dos EAU são lindas demais. Procura por elas aí… Pra mim, a mais bonita de todas.

Daniel
Daniel
Reply to  Gustavo
1 ano atrás

Também acho Gustavo.

Daniel
Daniel
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Concordo Antunes.
Acho estes F-16 com tanques conformais muitos bonitos, principalmente os biplaces.

Kobauca
Kobauca
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Se a FAB pedir o desenvolvimento de tanques conformais para os gripens!! Seria possível aumentar em quanto seu raio de ação???
Seria uma boa opção no caso do Brasil??? Dado ao tamanho do nosso território!!!

Wellington
Wellington
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Eu acho os F-16i Sufa muito lindos! Todo equipado! e num teatro de operações de deixar qualquer um de cabelo em pé.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Acredito seja o modelo F-16 Block 52 depenado de algumas coisinhas, deve ser F-16QI Block 52, JDAM´s com GPS e ar-ar avançados bloqueados para fornecimento ao Iraque, esse é o mal de comprar material bélico norte americano, o Iraque foi “libertado” mas agora apesar do alinhamento ocidental, é dependente até para escolher o que é melhor para sua defesa, isso não é bom a longo prazo para as empresas norte americanas. Se mal recordo li que alguns sistemas, materiais ou “chips” necessarios aos nossos projetos bélicos, também tiveram sua compra bloqueada no passado, costuma-se não comentar a respeito desses problemas,… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Não tem nada de bloqueado, o F-16 Block 50/52 já não é estado da arte hoje.
O que foi bloqueado ao Iraque foram os Araam, o Iraque so opera os velhos Sparrow.

elton
elton
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

os americanos tem certeza que se disponibilizarem o AIM120 certamente ele sera mandado para o Iran para estudo e copia

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

Depois dessa entrada de material bélico norte-americano, só se eles, norte-americanos, descuidarem para entrar material de outro pais.

elton
elton
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

depois da ocupação americana ja entrou: T90,SA22,L39NG,FA50,MI28,MI35 e ate EC635R

Ricardo Santos
1 ano atrás

Roberto F. Santana Ricardo, avião de combate não é SESI e nem agência de negócios e de empregos. A capacidade de combate de uma força aérea deve ser pronta, atual, contínua, sem interrupções; isso deve ser uma priorirade e deve estar acima até mesmo do desenvolvimento de certos setores ou objetivos. Roberto F. Santana, claro que não! E todos estão já cansados de saber disso! Mas visão estratégica é bem diferente de visão tática! Uma mira a aquisição de vetores com benefícios tecnológicos e industriais aqui, no nosso país, a médio/longo prazo! A outra é a aquisição pura e simplesmente… Read more »

Jorge Knoll
1 ano atrás

Se o Brasil tivesse 30 F-16, estaríamos bem melhor.

Luis Bacchi
Luis Bacchi
1 ano atrás

Pois é. Um país destruído pela guerra adquirindo 36 caças F16. Lógico que está sendo ajudado. Mas é de se pensar. O Brasil, apesar de estar debilitado na parte econômica, é muito mais poderoso que o Iraque. Essa parceria com a Suécia talvez seja o caminho inicial para possuirmos uma força de dissuasão de respeito.