quinta-feira, setembro 23, 2021

Gripen para o Brasil

Como o Irã mantém viva sua velha frota de caças F-5

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O primeiro protótipo do Projeto Kowsar iniciou voos de teste em agosto de 2018. Foto: Kayvan Tavakkoli

Por Babak Taghvaee

Em 3 de novembro de 2018, a chamada linha de produção em massa para o avião de treinamento de combate Kowsar I fabricado no Irã foi apresentada durante uma cerimônia pública para enfatizar a auto-suficiência da nação. O evento ocorreu apenas um dia antes de o presidente dos EUA, Donald Trump, reimpor severas sanções econômicas e industriais ao Irã.

O projeto “Kowsar I”, formalmente divulgado apenas alguns meses antes pelo Ministério da Defesa iraniano, não está focado na produção de clones do Northrop F-5E/F Tiger II, mas trata-se de dar nova vida à frota existente de 58 jatos Tiger II agora em serviço com a Força Aérea Iraniana, de acordo com funcionários da Iran Aircraft Manufacturing Industrial Co. e dependendo da situação política no Irã, eles podem acabar em serviço até a década de 2040.

  • O Irã planeja atualizar 57 caças F-5E/F nos próximos 10 anos
  • O Kowsar-I do Irã usa um radar feito pela IEI baseado em uma cópia chinesa do Grifo 7 italiano

A Força Aérea da República Islâmica do Irã (IRIAF) tem 325 aviões de combate; a mais fácil de operar e manter entre eles é a frota de 44 F-5E e 14 F-5Fs. Esses 58 F-5E/F são o que resta de uma compra do governo imperial do Irã sob o programa de vendas militares dos EUA na década de 1970. Eles foram planejados como uma solução interina até que o primeiro lote de 140 caças Lockheed Martin F-16 A/B fosse entregue e deveriam ser retirados de serviço depois de 1984.

Mas a queda do governo imperial secular do Irã e a ascensão de sua República Islâmica acabaram com todos os programas militares anteriores. Como resultado, os F-5E/F permaneceram em serviço por quatro décadas e agora compõem o núcleo da frota de caças da IRIAF.

O que se seguiu nos anos seguintes foi um estudo sobre como o Irã, em grande parte isolado dos fornecedores dos EUA, manteve as aeronave em voo – com esforços de engenharia reversa e programas de modernização.

O primeiro, o Projeto Saeghe 80, foi um upgrade de estrutura que se originou de antigos engenheiros e projetistas da Northrop. Outra equipe contratou a China’s National Aero-Technology Import and Export Corp. (Catic) para buscar aviônicos e atualizações de armas sob o nome Silk Road II (SR.II).

O hangar de Kowsar onde os F-5Fs estão em produção e os F-5E estão em fase de modernização. Foto: Kayvan Tavakkoli

As equipes usaram o primeiro avião de engenharia reversa F-5E Azarakhsh como bancada de testes do projeto. Embora os protótipos do projeto SR.II tenham sido apresentados em 2007 como caças Azarakhsh, o programa foi logo cancelado.

Foi um pouco revivido mais tarde naquele ano por Ali Khamenei, o líder supremo da República Islâmica do Irã. Khamenei visitou o complexo Owj da IRIAF no Aeroporto Internacional de Mehrabad, em Teerã, onde três F-5E foram convertidos nos três protótipos SR.II; outros três F-5Es se tornaram o Saeghe. Khamenei ordenou que o Owj compartilhasse sua experiência e conhecimento com a Iran Aircraft Manufacturing Industries (IAMI) para continuar os projetos Saeghe e SR.II em suas instalações em Shahin Shahr, Isfahan.

Em 2009, tanto a Iran Electronics Industries (IEI) quanto a Isfahan Optics Industries contrataram 10 das principais universidades iranianas, 72 empresas de capital fechado, 44 ​​fornecedores e 63 fundações científicas e de pesquisa para ajudar no projeto e desenvolvimento de cada parte do novo pacote de aviônicos dos F-5E/F iranianos que seriam baseados no trabalho SR.II cancelado da Catic.

Uma família de upgrades F-5F estava sendo executada em uma linha separada. Em 2005, a IRIAF tinha apenas 15 F-5F e buscou mais. O complexo Owj foi designado para modernizar cinco novos F-5F para o padrão SR.II. O avião foi concluído em 2016, mas atrasou porque seu motor designado, o turbojato General Electric J85-GE21, estava indisponível.

Testes terrestres foram adiados para 2017, quando um par de J85-GE-21 iranianos foram instalados no avião. Os J85-GE-21 foram produzidos pela Iranian Turbine Industries Organisation em cooperação com o Owj da IRIAF. Cerca de 20% das peças do motor foram adquiridas através da base de fornecimento da General Electric; os 80% restantes foram produzidos no Irã pelo complexo Owj, de acordo com um funcionário da Owj.

Saegeh
Saeghe com cauda dupla

Em 2012, a IAMI iniciou a conclusão da construção do primeiro F-5F do projeto SR.II, que mais tarde se tornou o primeiro protótipo do Projeto Kowsar-I. Em 2017, o projeto para modernizar os F-5E/F da IRIAF foi apelidado de Kowsar com a intenção de semear confusão com o nome de um programa de desenvolvimento de um jato de treinamento avançado iraniano chamado Kosar-88.

O protótipo inicial do Projeto Kowsar registrou seu primeiro voo em 5 de agosto de 2018, e depois de mais três voos de teste foi transferido para a fábrica de Mehrabad International para ser revelado como um avião de combate iraniano durante uma cerimônia oficial na primeira fábrica da Iranian Aircraft Industries. O projeto Kowsar é mais precisamente descrito como uma modernização do F-5 Tiger II do Irã, e é considerado uma conquista autóctone.

O projeto não é totalmente feito e produzido no Irã, no entanto. De acordo com a IAMI,  a fiação, estrutura e fuselagem do primeiro Kowsar I é totalmente produzida no Irã, enquanto 95% de seus sistemas aviônicos são iranianos, assim como 75% de seus outros componentes. Também 90% de seus turbojatos Owj J85-GE-21 são fabricados no país. Este é um progresso significativo em comparação com os projetos anteriores. Apenas 50% dos componentes do Saeghe II, que acrescentou um estabilizador vertical duplo ao F-5F, e apenas 30% dos componentes do Saeghe I – o produto do Projeto Saeghe-80 – foram fabricados no Irã. Os motores J85-GE-21 foram totalmente fabricados nos EUA.

O Irã revela seu protótipo do Projeto Kowsar número 3-7400 ao público. Foto: Ali Naderi

A complexidade e o custo de converter a frota em caças com estabilizadores duplos levaram a IRIAF a parar de converter os F-5E/F em Saeghes. O orçamento restrito da força aérea significava que a IRIAF não podia mais fabricar aeronaves totalmente novas.

Desde novembro, a linha de produção em massa dos caças Kowsar-I tem se concentrado no primeiro protótipo, mais quatro F-5F e dois F-5Es. A próxima etapa será a atualização de 57 F-5E/F e sete Saeghe I/II em 10 anos (cerca de seis aeronaves por ano). Orçamentos limitados podem esticar a linha do tempo para 2040, quando a IRIAF operaria 71 F-5E/F e Saeghes, todos atualizados para os padrões Kowsar I e II.

O Kowsar-I agora está equipado com um radar fabricado pela IEI, que foi derivado de uma cópia chinesa do Grifo italiano 7. Ele está atualmente instalado nos três protótipos do SR.II. A variante chinesa tem um alcance máximo de detecção de 55 km (34 milhas) – quase três vezes mais do que a dos radares AN/APQ-153 originais nos F-5E/Fs iranianos. Similar ao SR.II, o sistema de armas da Kowsar permite que ele use Sidewinders AIM-9J fabricados nos EUA e os mísseis ar-ar de curto alcance guiados por infravermelho PL-5C fabricados na China. Todos os Kowsar I/II também serão equipados com receptores de alerta de radar 930-4 fabricados no Irã e dois dispensadores de chaff/flare 941-4AC para proteção contra mísseis.

No painel de instrumentos, o Kowsar I possui três monitores multifuncionais de cristal líquido (MFD) que exibem radar, atitude e dados horizontais, GPS e navegação por satélite russa Glonass, um mapa móvel integrado, painel de armamento, informações do sistema de combustível e muito mais. Um par de pequenos tubos de raios catódicos (CRT) mostra o desempenho do motor. Indicadores secundários pequenos e analógicos foram mantidos. Todos os interruptores para os sistemas de combustível externo e interno, bem como para a temperatura da cabine, pressurização, desembaçamento do canopy e anti-gelo permanecem no painel frontal do instrumento. Na cabine traseira, o Kowsar I tem quatro MFDs grandes e dois pequenos MFDs CRT para instrumentação do motor.

Se a Força Aérea Iraniana não tiver a oportunidade de reconstruir, seus 71 F-5E/F e Saeghe I/II – todos modernizados sob o Projeto Kowsar – serão a espinha dorsal de sua frota de caça nas décadas de 2030-40. Se for esse o caso, o Irã terá os F-5 mais antigos do mundo ainda em serviço operacional.

Cockpit modernizado do Kowsar

FONTE: Aviation Week & Space Technology

- Advertisement -

110 Comments

Subscribe
Notify of
guest
110 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MFB

Admiro muito os pilotos do Irã. Tem que ter muita fé para voar nesse caça de última geração. Israel treme ao ver essas imagens não? ^^

Skywalker

Israel treme? Se atacar Israel, os F-5 iranianos teriam que fazer um bate e volta de cerca de 4 mil km e não tem autonomia para isso… E assim mesmo se conseguissem hipoteticamente furar o bloqueio do espaço aéreo israelense, um dos mais vigiados do mundo. Acho que a tremedeira ainda está nas areias persas…

HMS TIRELESS

O amigo acima estava sendo irônico…rs!

Marcos10

Bota irônico!

Daniel Alves

Acho q vc não entendeu mas nosso amigo MFB usou de ironia.

MFB

Foi uma ironia.

Peter nine nine

Sky, ele estava a ser irónico…

Ricardo

O Irã está de parabéns. Enfrentar os EUA e ainda conseguir desenvolver uma indústria bélica como vem fazendo, sem apoio nenhum, é algo fantástico. Israel recebe por ano do contribuinte americano 30 bilhões de dólares para financiar sua máquina de guerra. E o Brasil desenvolveu o que até hoje? Está dando emprego para europeu vender avião aqui dentro. Se oriente rapaz

HMS TIRELESS

Você não poderia estar mais equivocado….. Tudo o que o Irã está fazendo é revitalizar seus caças F-5E, algo não muito diferente do que o Brasil fez com os nossos que diga-se de passagem estão em um padrão superior ao persa. O Irã não está “enfrentando os EUA” mas sim fazendo o que faz de melhor, que é bravatear…. Israel não recebe US$ 30 bilhões por anos dos EUA em ajuda militar, recebe 10% disso que correspondem a menos de 20% do seu orçamento de defesa diga-se de passagem E enquanto o Irã recauchuta velhos F-5 o Brasil irá construir… Read more »

ESCHILETTI

Todos concordam que este avião quase totalmente produzido no Irã é muitíssimo superior ao Me-262. F-80, Gloster Meteor e YAK-15, principalmente em relação a este último.

Tiger 777

Kkkkkkkkkkkk

Alex Nogueira

Desculpem me, mas não sei se entendi muito bem, o Irã está produzindo novas células de F-5? Células Okm?

:O

Ygor

Um pouco mais avançado que os f5 brasileiros

Flanker

Mais avançado que os F-5M? O radar do iraniano é uma cópia de uma cópia do Grifo 7 que, na sua versão original, italiana, já é inferior ao Grifo F dos F-5 brasileiros. MFD’s, HUD, RWR, etc dos nossos F-5 são de projeto e desenvolvimento da Elbit (fabricados pela AEL), que sabemos saber fazer excelentes produtos. Qual a qualidade dos equivalentes produzidos no Irã? Eu não sei. Você sabe? A matéria diz que os sistemas da aeronave lhe permitem operar com o AIM-9J e o PL-5, ambos inferiores ao Python IV operado pelos nossos F-5, que também operam o BVR… Read more »

J.T.

Pois é, achei o texto um pouco confuso, com uma linha do tempo atrapalhada. Também não entendi se são novas células ou estão aproveitando as legadas.

PauloSollo

Amigo, no 2° parágrafo diz que não se trata de clonar novas células mas de revitalizar 58 células.

Luis Fernando Curvo

Ygor aonde você leu que os F5 persas mais avançados que os nossos ?

Daniel

Podem falar, tirar sarro e o que for dos iranianos, mas é de se respeitar o empenho e resultado em manter essas velharias no ar sob forte embargo.

Mosczynski

Engraçado que preferem usar um avião do grande Satã como modelo a comprar aviões da China. Vai entender?

Antoniokings

Também não entendo porque a Rússia não vende logo os Su-35S e os S-400 para acabar com quaisquer tentativas de aventuras ‘alienígenas’ na região.

HMS TIRELESS

Um embargo decretado pelo Conselho de Segurança da ONU com os votos de Rússia e China inclusive, cabendo lembrar que tal órgão não se deixou levar pelo engodo celebrado pelo atual ocupante da carceragem da PF em CWB e pelo sultão de Ancara.

Antoniokings

Sigam o embargo como Israel segue as resoluções da ONU.
Vende logo isso para o Irã que as gracinhas acabam logo, logo.

HMS TIRELESS

Rússia e China como membros permanentes do CS da ONU costurararam o embargo, portanto o obedecem! Ademais esses itens não iriam livrar os persas das chapoletadas das IDFs

Nilton L Junior

O Paquistão pode vender

HMS TIRELESS

O embargo vale para todos os membros da ONU

Flanker

O embargo e para rodo mundo que faz parte da ONU. E o que o Paquistão pode vender para o Irã? JF-17? Nem esse eles podem vender sem autorização da China.

pangloss

Deve ser porque confiança recíproca não é algo que se encontre nas relações Irã-Rússia ou Irã-China. Há bons motivos para tal atitude, por todos os envolvidos.

MFB

Você não entende pois sofre de miopia ideológica. Leia sobre as sanções contra o Irã e veja quem aprovou as sanções. Vai ficar surpreso.

Antoniokings

Sim. só que mais que passou da hora de não segui-las mais.
Armem o Irã logo que as coisas se resolvem.

PauloSollo

Entenda e aceite que ninguém quer e nem vai armar o Irã, nem Rússia nem China. Eles sabem que os fanáticos podem provocar uma guerra mundial se atacarem Israel com gravidade, e nenhum deles quer isto.

Andre Luis Soares Monteiro

Os iranianos sabem disso, por isso não estão parados. Eles estão produzindo suas próprias armas. Os persas não vieram ao mundo agora. Eles são milenares. Diferente de um país que tem pouco mais de quinhetos anos e acha que é dono do planeta.

HMS TIRELESS

Estão produzindo suas próprias armas que por sinal estão se mostrando inefetivas na Síria visto que sempre que os prepostos do regime esticam o pescoço para fora são alvejados pelas IDFs

Flanker

É por aí mesmo!

Andre Luis Soares Monteiro

Deve ser por falta de recursos. Também por conta do embargo. Eles provavelmente querem depender apenas de si, pois em caso de embargo total terão apenas a si. Se duvidar estão também fazendo engenharia reversa com os F 14.

Camargoer

Caro Mos. A aquisição de um avião novo no exterior (China ou Rússia) custaria mais de US$ 50 milhões (não sei o valor de um caça de primeira linha fabricado nestes países) a unidade sem gerar qualquer impacto tecnológico ou social no Irâ. A modernização de cada F5 dever ficar bem menos do que US$ 10 milhões (chutando alto usando os valores dos F5M da FAB), gerando demanda especializada e desenvolvimento tecnológico local.

Camargoer

Caro. Encontrei que o valor de um SU35 fica entre US$ 45 e US 65 milhões, e um JF17 fica entre US$ 25 e US$ 32 milhões e o custo médio dos F5M da FAB ficou em US$ 8 milhões.

Fabio

Falta $$$ pra comprar, a modernização meia boca vai levar 10 anos, 6 aeronaves por ano ; falta verba

Brunow Basillio

Se os Russos tivessem aceitado ceder tecnologia de motores para eles , com certeza estariam mais avançados, mas devagar vão aprendendo como se fabrica um caça..

Antoniokings

Os iranianos estão avançando, e muito, no campo de mísseis.
Semana passada testaram com sucesso um novo míssil de cruzeiro.
Parabéns aos iranianos.

Jagderband#44

Parabéns mesmo, manter uma ditadura (baseada na religião) que mata e oprime o próprio povo não é para qualquer um.

HMS TIRELESS

Bem colocado! Ainda que incautos e mal intencionados afirme que o Irã seria uma democracia pela existência de eleições o fato é que o país é uma ditadura teocrática. O conceito de democracia vai muito além da existência de eleições. Aliás defender que a mera realização de eleições torna um regime democrático viola qualquer tratado de Direito Constitucional afinal até em Cuba e na Coréia do Norte existem eleições. Pessoalmente eu denomino esse raciocínio de Constitucionalismo Bolivariano tal o seu absurdo. Na verdade a democracia vai muito além de simples realização de eleições. Passa também pela separação dos três poderes… Read more »

GFC_RJ

Espero, amigo, sinceramente, que pelo menos uma dúzia de pessoas tenha lido seu post e compreendido os princípios democráticos citados, além de sua manifestação no referido país. Também que tenham feito o devido paralelo com os países ocidentais e especificamente o Brasil.

Muito difícil escrever definições claras neste tipo de mídia, mas você foi muito competente. Parabéns. Toma um like!

Roberto luiz

Pior são os americanos levando desgraça mundo afora

HMS TIRELESS

Os iranianos querem levar sua visão distorcida de mundo para todo o Oriente Médio. Entretanto tem encontrado forte oposição em Israel, que sistematicamente destrói as infraestruturas desse estado terrorista situadas na Síria.

Antoniokings

Do jeito que as coisas estão indo, acho melhor Israel ficar quieto para ver se passa despercebido.

Carlos

Israel tem passado despercebido ultimamente, mas pelas defesas anti aéreas russas instaladas na Síria. Aliás tão despercebido que se aproximam bastante antes de destruí-las.

Luis Fernando Curvo

Acho que você quis dizer que o Iran é melhor ficar quieto, para ver se passa despercebido …..

Nilton L Junior

Mas porque não vão até os cercados dos Persas para fazer a tal visita?

HMS TIRELESS

Qual a necessidade de Israel atacar o Irã diretamente se as ações empreendidas na Síria, onde os prepostos de Teerã não podem esticar o pescoço sem serem alvejados, estão surtindo efeito?

Nilton L Junior

Porque essa é a narrativa do bibi para o os Persas, ja os iranianos sabem que ficar na Siria e influenciar no Líbano é ser espinho para Israel e pelo jeito o não tem surtido efeito de desentoca-lo das suas fronteiras.

HMS TIRELESS

Essa não é a narrativa de Netanyahu mas sim os fatos como eles se apresentam! E tanto os ataques israelenses têm se mostrado efetivos em interromper o fluxo de armas para o Hezbollah que os iranianos moveram suas instalações para longe de Damasco no intuito de colocá-las fora de alcance das IDFs. Inócuo diga-se de passagem pois elas já atacaram alvos no Iraque. Ademais outro fator é a Rússia, que não vai querer os iranianos na Síria visto que os frequentes ataques israelenses miram a autoridade de Assad. Por fim a intervenção na Síria está se mostrando custosa e impopular… Read more »

Camargoer

Caro Jagder. Chama minha atenção fato da taxa de homicídios no Irã ser de 2,47 e no Brasil 29.5

Jagderband#44

Prezado Camargoer.
O meu comentário fugiu do tópico.
Levando em consideração tua bem colocada observação, bem como outros aspectos, na realidade foi mais um desabafo.
Por mais que um país logre avanços tecnológicos/avanços na área militar, elogiar tais avanços é na realidade ofensivo, quando um governo os pratica ao invés de priorizar seu povo.
As forças armadas existem para defender um povo/uma nação e esta é sua primeira função.

No Japão as taxas de homicídio são extremamente baixas, no entanto, um comentarista que tenha determinada ideologia jamais elogiará o Japão.

sds

Camargoer

Caro Jadder. Concordamos em mais coisas do que discordamos. O exemplo do Japão me toca (adoro esse país). Muita gente considera a sociedade japonesa machista, mas a taxa de feminicídio lá é menor que 0,5%, enquanto aqui é superior a 5%. A história no pós-guerra explica o Irâ atual. O país era uma democracia secular, que foi destruída por um golpe de estado que resultou em uma ditadura monárquica tão opressora que resultou em uma revolução popular islâmica. Não é difícil imaginar que o Irã poderia ter se tornado uma democracia real caso Mossadegh tivesse continuado seu governo. É um… Read more »

HMS TIRELESS

Vou discordar! Não havia uma democracia secular que foi destruída por um golpe de Estado que colocou uma monarquia opressora no lugar pelo fato de que a Dinastia Pahlevi já estava no poder quando da ascensão de Mossadegh ( o Xá Reza Pahlevi inclusive estava no trono desde 1941 quando GB e URSS invadiram o país e forçaram a abdicação do seu pai). Assim, embora tenha havido de fato um golpe de estado ele não colocou a monarquia no poder pois essa ali já estava. Outro equívoco é associar a ascensão da ditadura teocrática ao golpe que removeu Mossadegh do… Read more »

Salim

Sinceramente, VC acredita em alguma informação do governo Iraniano, serio.

Andre Luis Soares Monteiro

Bem diferente da ditadura democratica na Arábia Saudita que de tão democratica derrete literalmente seus opositores.

PauloSollo

Situação absolutamente patética. Os caras vão copiar um clone chinês de radar italiano e voar estes pequenos pterossauros até 2040. A culpa disto é do regime terrorista imposto pelos neandetais aiatolás. Enquanto insistirem com a postura terrorista pré histórica anti-semita, algo que, fora a Síria, já foi abandonado pelos demais países árabes, têm que apertar o laço do embargo mesmo. Chegará um momento que haverá um consenso entre os árabes sobre por um fim neste regime pária que está incomodando a todos.

HMS TIRELESS

Bem colocado! Aliás, salvo a Síria e o Líbano os demais países da região mostram incomodados e ameaçados pela agressividade do regime religioso de tons fascistas que domina o Irã há 40 anos. Por esse motivo tais países têm se aproximado cada vez mais de Israel levando a uma inesperada aliança. Washington agradece.

Diogo de Araujo

olha eles são muito esforçados temos que reconhecer… mas não parece que vivem em 1950? a tecnologia deles seria avançada se estivéssemos em 1950… Não sei se alguém aqui já assistiu o último filme do robocop, que por sinal parece ter sido dirigido por um brazuca. Não sei se recordam mas tem uma parte onde uns caras do Oriente Médio querem destruir um exército robótico americano (boston dynamics rs) , sim, um exército inteiro formado por robôs altamente avançados e para isso adivinhem? sim, eles amarram bombas ao redor da cintura e pulam em cima dos robôs em uma atitude… Read more »

Brunow Basillio
Alessandro

Mas pq a Rússia que é “parceirona” do regime iraniano não ajuda eles com algo melhor, e não transfere alguma coisa que já esteja com a tecnologia ultrapassada tipo um MIG 29, ou Su-27 só pra dar mais trabalho aos americanos na região ?

Os Russos vão deixar os “coitados” dos iranianos retrofitar caças americanos? Que belos parceiros são os russos, por isso só DITADURAS querem ser amigos deles, faz bem o Brasil em se afastar de qualquer coisa ligado a eles e a China, e se aproximar mais dos EUA, esses euroasianos NÃO AJUDAM NINGUÉM!

Brunow Basillio

Irã esta embargado pela ONU até 2020,se não me engano , não pode comprar certos equipamentos militares mas após isso vamos ver , já mostraram interesse no Su-30 , e eles operam Mig 29 comprado nos anos 90…

Alessandro

Brunow, e isso impede a Rússia de ajudar um “parceiro” ? Se os russos quisessem, poderiam repassar a tecnologia de uma desses caças mencionados para os iranianos, já é muito melhor que esses F-5

Brunow Basillio

“Parceiros ” pode até ser mais com sérias limitacoes para ser um parceiro pleno , e a Rússia apoiou o embargo da ONU na época contra o Irã , ela negou por varias vezes os assédios iranianos para ter acesso à tecnologia de motores ; o Irã e uma China pobre e a Rússia sabe disso, copiaram o S300 ,T 90 entre outras coisas … As vezes os Russos até quer ganhar uma grana com os persas mas tudo com cautela… E quando dizerem que o Irã é amigo da Rússia , apenas olha para a relação dos dois no… Read more »

Antoniokings

E saíram boatos de fornecimento de S-400 para o Irã.
A Rússia está desmentindo.

Ronaldo

Boa Noite Alessndro,o irá tem estocados F-14 Tomcats só estão esperando por uma modernização,não que eles não teem aeronaves capazes até tem mas que estão em oficinas esperando por modernização eles tem pelo menos 20 F-14 Tomcats,agora o motivo pra eles estarem modernizando esses F-5 eu não posso dizer com exatidão!

HMS TIRELESS

Se a engenharia do regime iraniano fosse tudo isso o que os seus apologistas dizem eles já teriam tentado instalar no F-5 o motor RD-33 que equipa os Migs-29 já em serviço no país em uma solução aproximada à tentada com o F-20 nos anos 80.

Sergio Peixoto

…a caminho da autosuficiência……

HMS TIRELESS

O que não adianta muito quando o outro lado tem caças F-15, é o segundo maior operador mundial de F-16 e ainda por cima está recebendo o F-35.

Antoniokings

Só que as doações de material americano podem, um dia, acabar.
Aí, vão jogar pedra nos inimigos como Davi fez com Golias, né?!?!

Wagner

Mas não foi Davi que, munido só com uma pedra, derrotou Golias?

HMS TIRELESS

Pois não é!? E não custa lembrar que em 1948 Israel ganhou a guerra com aviões de caça comprados no mercado negro. Isso sem falar de 1956 e 1967, quando as vitórias foram obtidas por caças feitos na França.

Willber Rodrigues

Embora toda tentativa de um país conseguir sua auto suficiência em tecnologia e ciência sejam válidas, porquê os iranianos não começaram a fazer isso a 40 anos atrás, quando as sanções começaram?

Antunes 1980

O radicalismo ideológico do Irã faz estas bizarrices acontecerem.
Construir sob licença aviões russos ou chineses seria muito mais produtivo.
Participar do projeto SU-57 também seria importante para o Irã. Ainda bem que eles pensam pequeno. Imagine o perigo que seria estes lunaticos, ameaçando Israel com SU-35 e SU-57.

Victor Filipe

55km de alcance de detecção no radar…

e a quem diga que é preciso caça de quinta geração pra encarar isso…

Sincero Brasileiro da Silva

Este vetor iraniano é só “um pouco” mais avançado que F-5 brasileiro! Ou seja, o Brasil só poderá rir dos iranianos quando os Gripen estiver em solo brasileiro…

Peter nine nine

É mesmo?

HMS TIRELESS

O F-5 iraniano não é mais avançado que o Brasil. Aliás é menos avançado.

Flanker

Olha mais acima uma resposta que dei para outro comentarista sobre essa de que o F-5 iraniano é melhor que o brasileiro. Enquanto isso, vai pensando em algo que ele seja mais avançado que os nossos….

Sidney

Perguntas: Nos anos 70 (até 79) seria a Força Aérea mais poderosa da região superando qualquer país, inclusive Israel? E seria talvez superior as Forças Aéreas da maioria dos países da Europa? E por esta frota, os EUA apostavam muito nos Persas, Jimmy Carter errou muito em não dar mais apoio político para evitar a revolução Islâmica no Irã. Até hoje Carter é considerado o Presidente Americano mais ingênuo, fraco e o que cometeu mais erros no século XX. Hoje, não fosse tão Islamizado o país, seria um grande aliado contra os Jihadistas, sem contar que o país não teria… Read more »

Ricardo Bigliazzi

Jiade ou Jihad é um conceito essencial da religião islâmica e significa “empenho”, “esforço” ou “luta” – o significado exacto dependerá do contexto. Pode ser entendida como uma luta, mediante vontade pessoal, de se buscar e conquistar a fé perfeita.

Javier Bonilla

Neste contexto ,resulta bastante interessante o aparecimento numa zona franca uruguaia (Florida, propriedade do dono da rede de rádios M-24 nas quais falava Mujica e hoje dos Tupamaros)) em 2010, de turbinas J-85 roubadas à Força Aérea da Malaysia por parte de um país bloqueado- nem se sabe qual, mas se imagina…- com militares processados em Malaysia e traficantes detidos nos EEUU, as quais nao foram derivadas em custodia ,como a lei marca, à F.Aérea Uruguaia, mas à Polícia, antes de ser devolvidas. O mais esquisito disto-ou nao- é que o entao juiz, fechou o caso sem interrogar ninguém (nem… Read more »

Brunow Basillio

Em uma pesquisa rápida pela mídia persa achei os seguintes dados inicio de 2018, para aeronaves disponíveis no inventário ( não especificava se podia voar ). 1 Quaher 313 43 F-14 Tomcat 5 P-3 MP ( anti submarino) 5 T-33 9 RF-4 E 36 MiG 29 10 Su-25 10 Mirage F 1 24 F-7M 15 J-7 15 EMB 312 25 MFI-17 35 PS-7 64 Su-24 + F-4 Phantom 100 F-5 67 aeronaves de treinamento/combate nativa… Segundo informações nesta fonte a disponibilidade de equipamentos americanos na IRIAF e 60% e Russos/Chineses 80% .. Achei relatos de uma transferência de F 16… Read more »

Antunes 1980

Este inventário não é capaz de atacar ninguém, muito menos se defender.
Seus vizinhos são infinitamente superiores em quantidade e principalmente em qualidade.
Tenho pena do Irã.

MARCIO MESSIAS SOARES

será que eles sabem converter tapetes em aviões tb ?

Renato

O texto está ambíguo. Eu também fiquei na dúvida se estão produzindo novas células de alguma coisa.

Mas estão melhor que o Brasil pois estão fazendo algo mesmo com o embargo.

Ricardo Bigliazzi

O texto não está bom. Deu para entender que os Iranianos são possuidores de algumas dezenas de traquitanas remasterizadas. Devem estar doidinhos para comprar os nossos MIKES.

Achei engraçada a parte que fala do radar que é baseado num radar chines que é copia de um radar italiano, estou para ver o dia chegar em que o Ocidente copiará um equipamento eletrônico chines de uso militar, mais ou menos assim: “O novo avião americano de 6a. geração é equipado com o radar SPW5700 cópia fubanga do hiper-radar Chines DragonFlare que equipa as mais modernas aeronaves chinesas de 8a. geração”.

Luiz Trindade

Acho louvável o Irã tentar desenvolver sua tecnologia aeronáutica, porém pouco inteligente fazer isso com um caça com mais de 40 anos.

Marcos10

O Irã foi o país mais bem armado da região.
Depois que Chávez de turbante assumiu, virou isso aí.

Delfim

Embargo do CS da ONU ? Ué, os mesmos que criticam a ONU confiam no embargo ? Alguém aí confia na Rússia e na China ?
.
Se o Irã tem uma base acadêmica, científica e industrial para produzir F-5, logo poderá produzir outros modelos. Como o embargo pode impedir a transmissão de projetos ?

Flanker

Qual a capacidade que eles tem de PRODUZIR F-5? Está claro no texto que eles estão MODERNIZANDO seus F-5! E já adianto que, pelo que está na matéria, é inferior aos nossos, em boa medida.

Wagner

Esse F 5 pode ser muito mas muito perigoso contra os Sauditas.Se bobear os iranianos ainda confisca os caças sauditas.

William Duarte

O que eu gosto de ver são os F-4 no Irã, foram negados ao Brasil que queria comprar “algo perto de uma dúzia” por não ser confiável, ou com o pretexto de desiquilíbrio na America do Sul. Já o F-14 nem ouso a falar. Grandes amigos são os Iranianos, parabéns ao serviço de inteligência americano na época, entregaram na bandeja de prata a cabeça da tecnologia militar dos caças americanos na mão do Irã. Não entenderam o caos politico no oriente médio não enxergaram o obvio.

Ricardo Bigliazzi

Essa materia fez lembrar desse vídeo abaixo.

https://youtu.be/N3rH8LwKiMk

São por essas e outras que não levo esse pessoal do Irã muito a sério.

Ricardo Bigliazzi

Esse avião stealth Iraniano e o Hyper Tanque Africano de alguns posts atras seriam a espinha dorsal de uma Força Armada colossal, capaz de colocar China, Russia e EUA de joelhos…

Paulo Costa

A verdade é uma so o Ira esta falido e mal pago !!! Os embargos, os gastos imuteis com armamentos para terroristas, os gastos tentando desenvolver seus misseis balísticos intercontinentais, suas armas nucleares, enfim, tudo isso, esses desmandos levaram o ira a banca rota e espero que esse regime terrorista ditatorial caia rapidamente. Por utro lado, e uma pena nao darem recursos pata que todos os F-5 pudessem ser transformados em Saeghe. Me deu ate vontade de sugerir a FAB fazer mais um programa de Atualização/modernização,potencialização em todos os nosso F-5BR so pra desenvolver um estabilizado duplo daquele porque o… Read more »

Tiger 777

O melhor comentário. Sàbia compreensão da política.

Denis

Ligeiramente é cautela sua, caro Eduardo. Eu diria que é totalmente diferente. Vai um like aí.

Coutinho

Particularmente agradeço por esse trabalho que voces tiveram. Pior que ainda sobraram varios comentarios que poderiam ter sido excluidos (acho que pulei uns 8 pelo menos). Mas mesmo assim valeu.

Ricardo Bigliazzi

Um dos itens não abordados nesse o aspecto da “nacionalização” do motoré a questão do ganho ou perda de potencia/eficiência. Será que não acontece o mesmo que acontece com os motores dos hiper barcos chineses de guerra que não são tão eficientes quanto os motores ocidentais? O Brasil não nacionalizou os motores pois não valia a pena o investimento, temos tecnologia para tal e pessoal extremamente capacitado. O seu questionamento me faz levantar uma duvida para qual acho que já tenho a resposta: Porque o motor do novo Gripen não é genuinamente SuecoBrasileiro? Acho que pelo mesmo motivo que não… Read more »

Rafael Coimbra

Por necessidade, e levaram uns 35 anos para isso… Acredito que não serve de base para comparação, realidades e necessidades totalmente diferentes!

Flanker

O Irã copiava o J-85 ou ficaria sem motores. O Brasil não precisava, e não precisa, disso para manter seus J-85.

IBIZ

Todo esse esforço, dinheiro e tempo gastos pra manter voando um modelo de aeronave que não faria diferença nenhuma numa guerra contra Israel e aliados. Poderiam ter adquirido ou fabricado sem licença (que nem os chineses!) aeronaves melhores.

Carlos Góes

É realmente muito interessante o alto indice de nacionalização atingido pela indústria iraniana nesse processo. Independente de ser um meio antigo, trata-se de um avião até hoje muito apreciado por sua qualidades aeronáuticas, mas ahe poucos países tiveram a capacidade de fazer upgrades com tão alto indice de nacionalização. A insdutria iraniana, talvez não tenha condições de construir avioes tao modernos como americanos, chineses russos e europeus, mas sua industria local demonstra um alto grau de capacidade para construir meios aereos. Mas nao o fez ainda mais por falta de vontade politica interna, e principalmente por falta de uma estrategia… Read more »

Major

A China começou com engenharia reversa em mig-19 e 21 e chegou onde chegou. Parabéns ao Irão

Luiz Floriano Alves

Aperfeiçoar uma velharia da década de 60, não parede coisa inteligente. Se aguem vai investir, que invista em coisa moderna de geração que está adiante e não atrás da atualidade. Isso porque os tempos de maturação dos projetos são longos e obter o produto após décadas de investimento significará realizar o obsoleto.

Últimas Notícias

Eve, da Embraer, e Bristow firmam parceria para desenvolver operações de UAM com pedido de até 100 eVTOLs

Melbourne, Flórida, 23 de setembro de 2021 – A Eve Urban Air Mobility, uma empresa da Embraer, e a...
- Advertisement -
- Advertisement -