Home Aviação de Ataque Espanha solicita participação no futuro caça europeu

Espanha solicita participação no futuro caça europeu

9971
87
Conceito do FCAS - Airbus
Conceito do FCAS – Airbus

A Ministra da Defesa da Espanha, Margarita Robles, manifestou por carta aos seus homólogos franceses e alemães, Florence Parly e Ursula von der Leyen, o firme interesse do governo em fazer parte do futuro caça europeu do século XXI, mais conhecido como New-Generation Weapon System (NGWS) sendo conduzido pela França e Alemanha.

Em sua carta, Robles solicita que a participação espanhola seja formalizada pela assinatura de uma Carta de Intenções (LOI) ou um Memorando de Entendimento tripartido (MOU). O custo de ser um parceiro no programa é estimado em cerca de 25 milhões de euros para os próximos dois anos.

O NGWS pretende ser o caça de quinta geração que substituirá os caças europeus em serviço, como o Eurofighter e o Rafale, a partir de 2040.

Atualmente, dois projetos pretendem ser o caça europeu do século XXI: o programa franco-alemão e o britânico Tempest, ao qual a Holanda e a Itália se juntaram. O Ministério da Defesa está convencido de que ambos os programas acabarão por se fundir, dado o enorme investimento que requer o seu desenvolvimento.

Apesar disso, e com o interesse de participar do projeto desde sua fase inicial, a Espanha decidiu se juntar ao projeto ao lado de Paris e Berlim.

O NGWS é concebido como um caça tripulado desenvolvido para operar em conjunto com um enxame de drones que servirão tanto como plataformas de armas quanto sensores avançados. Por sua vez, o NGWS será integrado a uma série de sistemas (Future Combat Air System ou FCAS) que incluirão o drone de altitude média e longo alcance (MALE, no qual a Espanha tem 23% de participação), bem como satélites ou mísseis de cruzeiro.

Nos próximos anos, e antes de 2025, a Força Aérea Espanhola deve substituir os primeiros 20 caças F-18 fornecidos pelos EUA e posicionados na base de Gando (Ilhas Canárias); e até 2030, os 65 restantes.

Future Combat Air Systems (FCAS)
Future Combat Air Systems (FCAS). Clique na imagem para ampliar
FCAS proposto pela Dassault
FCAS proposto pela Dassault

FONTE: Ministério da Defesa Espanhol

87 COMMENTS

  1. A Espanha controlada por um governo de extrema esquerda, com uma incompetente como ministra da defesa( não que seus homólogos sejam bons tbm né)….. vamos ver onde isso vai dar

      • Doido? Já viu quem governa a Espanha atualmente filha? Já leu sobre quem é a ministra de defesa deles ? Vai pesquisar caso não saiba…. vai ler sobre a situação das forças armadas alemãs também, veja como essa Úrsula “von chucrute” fez um excelente trabalho em destruir a bundswer”

    • Que tendência? Já ouviu falar em Tornado e Eurofighter?

      Além de terem especificações e requisitos próprios eles também precisam manter sua industria funcionando.

      • Calma!
        Não tenha ânsia em criticar.
        Estou me referindo a projetos de 5G e 6G.
        Assim, Tio Sam vai ficar com um enorme e caro abacaxi nas mãos.
        E isso será muito interessante.

        • Nossa, mais uma trolagem sem sentido. O F-35 já tem 2.400 encomendas e mais centenas de outras que ainda virão. Já é um sucesso de vendas.

          Não sei qual a necessidade dessas trolagens. Se você não entende nada de aviação deveria aprender com outros e não se manifestar até ter algo de útil para dizer.

          • E daí? Precisa desses países para ser um sucesso de vendas?

            Quer comparar com outros 5Gs que tem doze encomendas de um e que o principal parceiro também reduziu as encomendas pela metade alegando que o avião fica abaixo das expectativas?

          • JP, 12 unidades encomendas, parece compra….tá falando de quem? Filipinas? Indonésia? Esses países mais pobres sempre limitam suas compras a 12 unidades.

          • Os espanhóis vão precisar substituir seus AV-8B, os Tornados alemães vão dar baixa bem antes desse caça europeu entrar em serviço. Ou seja, temos encomendas certas para o F-35

            Por outro lado a lista de encomendas do F-35 só aumenta com o Japão encomendando mais aviões e a Bélgica se juntando ao grupo de usuários com direito a palavras contundentes em desfavor da Dassault.

            (Mais uma) bola fora sua Xings!

          • Encomendas são iguais a ovo na galinha.
            Itália e Taiwan já desistiram. Israel indo pelo mesmo caminho.
            E olha que para Israel é negócio de pai para filho, literalmente
            Embraer e Boeing sofrendo com cancelamento de encomendas.
            Só para registrar.

          • André.
            Normalmente os EUA têm vendido 6 unidades para Eslovênia, Eslováquia, Bulgária e etc.
            E dos veteranos F-16. Afinal, é o que dá para comprar.

          • Deixa de ser invencionices! Israel não apenas não desistiu do F-35 como está muito satisfeito com o mesmo na caçada aos fascistas iranianos na Síria! O governo de extrema-direita (burra) da Itália não apenas não falou mais em desistir das encomendas como a AMI declarou o IOC do aparelho e Taiwan sequer foi considerado um usuário do avião.

            E enquanto você vem aqui deitar falação a lista de encomendas do avião só cresce…..

            Por fim, e apenas para registrar, não vimos mais nenhuma notícia e muito menos rumores sobre novas encomendas do Convair 990 do século XXI, ops, A220. E não custa lembrar que a Bombardier vendeu o programa do Dash 8, já havia vendido o programa do Convair 990 do Século XXI e terá de se virar com o CRJ, um avião inferior aos E-175/190 da EMBRAER, fato esse para deixar constrangido qualquer pretenso “descendente de canadenses” não é mesmo!?

            Moral da história: Outra bola fora sua Xings!

          • ________
            COMENTÁRIO APAGADO. NÃO ATAQUE OUTROS LEITORES. VOCÊ JÁ FOI ADVERTIDO E SUSPENSO MAIS DE UMA VEZ POR ISSO.

          • 15 anos vai demorar só pra decidirem quem vai fabricar cada parte do avião..
            Mais 15 anos pra decidirem se vai ter versão pra porta avião…
            E no fim a França vai sair e montar um só pra eles.

            Não adianta, só EUA e China tem os meios, os políticos e a $$$ pra fazer avião de 5 geração acima.

          • Alguém avisa ao jpc3, que ele está se comportando igual aos fanboys do su57, ignorando os defeitos dos projeto e acreditando que já é um avião operacional. (Amiguinho, deixa eu te explicar uma coisa, f35 é que nem pato, tenta fazer de tudo e no fim não faz nada direito) ps israelenses que o digam… preferiram ficar nos f15 pra operar em cenário real mesmo

          • Dodo.

            Você não tem mínima ideia do que o F-35 faz. É mais um que escreve sem saber do que está falando.

            E como já foi dito, Israel não reduziu as encomendas do F-35, apenas decidiu esperar um pouco mais.

            Dizer que o F-35 não faz nada direito é uma piada. Se não compreende um F-16 dos anos 90 não deveria falar em F-35.

          • Estamos falando sobre vendas.

            Dizer que o caça faz ou não faz não tem a nada ver, ainda mais sem ter conhecimento sobre o assunto.

            Primeiro tem que entender um mínimo de aviação militar antes comentar.

          • Amigo sei do que estou falando,pois sou formado como engenheiro aeronáutico, isso não é opinião é fato. Não entendo esse fanboyismo com sertps aviões, o cara simplesmente se recusa a aceitar que o avião tem sim seus problemas e que o 0rojeto é sim muito criticado, assim como outros projetos de caças 5g

          • Você diz que é engenheiro aeronáutico e faz um comentário dizendo que o avião mais moderno do mundo é um pato que não faz nada direito?

            Ninguém disse que o f-35 não tem problemas, mas ao dizer que é um pato fica parecendo que não sabe do que está falando.

          • Jpc3, favor indicar uma missão real em que o f35 foi bem sucedido…. aguardarei. Aproveite para ler sobre as capacidades aerodinâmicas pifias da aeronave em combate de curta distância(dogfight no jargão aeronáutico). Veja tbm a respeito da facilidade com que as turbinas do avião apresentam problemas todas as vezes que necessita realizar variações de valorização de empuxo… saudações

          • Sim.

            Tem que explicar que o avião não foi feito para dogfigths? Um engenheiro que não sabe que aeronaves tem propósitos e requisitos diferentes?

            Não entende que o F-35 é gordo e pesado para levar mais combustível e armas internamente? E assim voar mais longe que os outros de sua categoria.

            Vai comparar o o F-35 com o quê, com Rafale que precisa de mísseis de cruzeiro para enfrentar as defesas dos anos 70 da Líbia? Quem sabe o Sukhoi 35 que só bombardeia alvos indefesos em um cenário de baixa intensidade?

            E o F-35 só fez duas missões reais até hoje, e segundo os operadores foi bem sucedido. A não ser que você estivesse lá para dizer que não foi.

          • Dodo, você sequer sabe o que é vetoração de empuxo…rs!

            Ps: Suas críticas ao F-35 são risíveis, uma bola fora atrás da outra!

    • Famoso comentário de militante míope que não significa nada. Tendência? Que tendência? meu deus hein. Pesquise mais sobre a industria de defesa européia.

  2. Mais um projeto novo tentado a característica stralth entre seus pré-requisitos. Mesmo assim tem ixpecializtinha achando que isso é bobagem e desperdício de dinheiro…..

  3. São dois indicadores dentro das soluções:

    1-O F-35, que tem capacidade stealth de design em downgrade em relação ao F-22 se consolidará como caça naval, na versão B, em direção a nova tendência de NAes anfíbios;

    2- A função de superioridade aérea será feita por um avião dedicado, uma asa voadora totalmente apta ao combate, tal qual o legado Ho 229.

    A junção dos 23 exércitos que aconteceu no ano passado esquenta a indústria de defesa européia, bem como, define a inteligência e a estratégia para os novos desafios militares da agenda mundial. A convenção de Genebra não será desrespeitada impunemente novamente.

    • Nenhum problema. Só que os ‘american fanboys’ ficam enlouquecidos que Trump não vai vender F-35 para eles e, assim, ficará com um abacaxi caríssimo e problemático nas mãos.

      • Nossa, e continua a trolagem?

        O que vale sua opinião perto da opinião do mundo inteiro, inclusive a da força aérea russa?

        Tem que saber separar assuntos técnicos de ideologia barata.

    • Nilton, não há problema algum ver a Europa desenvolver seu caça 5G, aliás isso é desejável, o Trump se queixou que eles diminuíram os gastos com a defesa e que os USA bancam 20% dos gastos da OTAN sendo que esta existe praticamente para defesa da Europa. Uma Europa forte não é bom apenas para os USA, é bom para o mundo, infelizmente o que temos visto é uma Europa perdendo relevância, assistencialista e com altos custos de produção.

    • Carcara nossa sociedade ainda esta no pensamento de que é melhor ficar onde esta está e se for para se incerir em alguma coisa vai como coadjuvante.

      • Se formos realistas, no momento atual, não dá pra almejar o protagonismo numa empreitada dessas. Ainda é cedo pra pensar em investir em FS-2020, Tempest ou NGWS, mas eu acho que seria sim interessante ver nossa indústria se juntando a algum desses programas, com vistas a ser um parceiro em termos igualitários na segunda metade do século e, quem sabe, ver no fim desse século um avião de caça com tecnologia de ponta cuja participação brasileira tenha sido central no projeto.

        O essencial, ao meu ver, é essa visão de longo prazo, que falta muito ao nosso país, em vários pontos, não só na área militar. É termos – como povo – a mentalidade de que começar a investir num projeto de caça agora, pra ver ele voar em 2040 não é, de forma alguma, um desperdício de dinheiro. É um investimento. E vale o mesmo em outras áreas da nossa vida, que por fugirem da alçada militar, não é conveniente discutir aqui.

        • Qual vai ser o consorcio de países loucos de aceitar parceria do Brasil para alguma coisa. Assinamos para ser parceiros da estação espacial internacional e fomos expulsos por não cumprirmos a nossa parte, assinamos para fazer parte do ESO e do E ELT e fomos expulsos por não cumprirmos a nossa parte, assinamos para fazer parte do Cern e estamos a dois anos sem pagarmos a anualidade que pasmem é de apenas 10 milhões de dólares por ano, é uma quantia menor do que tinha nas malas do Geddel, enfim o Brasil nunca foi um país sério, não é um país sério e talvez nunca chegue a ser um país serio aos olhos da comunidade internacional

          • Quem quer ser parceiro do Brasil(a 7 maior economia global)? Sério? Que tá a china? Os EUA? Toda a UE? Os tigres asiáticos e o Japão? Os BRICS? Tá bom pra você? Ou o seu pensamento de vira lata impede até mesmo essa visão? Ele aí não sabe nada mesmo de geopolítica

          • Aqui não se trata do Brasil ser ou não a sétima economia do mundo, mas sim de ser um parceiro confiável ou não, de ser um país que respeita os contratos que assina ou não, e em relação a isso o Brasil já provou que não é um parceiro confiável, deixou o ESO não mão, deixou o consorcio da estação espacial internacional na mão e esta deixando o consorcio do cern na mão também. Sinceramente, se eu fosse membro de qualquer consórcio internacional , levando em consideração o péssimo histórico que o Brasil tem de deixar os outros na mão, pensaria dez vezes antes de chamar o Brasil para qualquer coisa, principalmente se a parceria demandar dinheiro. Não tenho pensamento vira lata, sou apenas realista e o histórico do Brasil de não ser um parceiro confiável esta do meu lado, agora se você quer continuar sonhando com o Brasil do seu mundinho de faz de conta o problema é seu

          • Jr, por que então vc não faz uma gentileza e expressa sua genialidade para os presidentes e primeiros ministros das Nações com que o Brasil faz negócios e tem pactos comerciais ? Tenho certeza de que você irá esclarecer a realidade do mundo e do Brasil para eles

          • ________
            COMENTÁRIO APAGADO. NÃO ATAQUE OUTROS LEITORES. VOCÊ JÁ FOI ADVERTIDO E SUSPENSO MAIS DE UMA VEZ POR ISSO.

  4. Desculpe o modo irônico:
    Avisaram os franceses que é um projeto conjunto e é para eles irem até o fim e não fazerem um avião só deles na metade do processo?
    Vi esse filme na década de 80 e 90…

  5. Acho o maior barato, um diz que os ministros europeus são idiotas, outros dizem que os estrategistas russos são tolos …
    Como é bom poder ter o privilégio de compartilhar um fórum com gente tão sabida…😉

      • ________________
        ________________
        COMENTÁRIO APAGADO. PELA DÉCIMA VEZ, ANTONIOKINGS E HMS TIRELESS: PAREM COM ESSA BRIGA INFANTIL E POUPEM A PACIÊNCIA DOS DEMAIS LEITORES. CRESÇAM.

        • ________________
          ________________
          COMENTÁRIO APAGADO. PELA DÉCIMA VEZ, HMS TIRELESS E ANTONIOKINGS: PAREM COM ESSA BRIGA INFANTIL E POUPEM A PACIÊNCIA DOS DEMAIS LEITORES. CRESÇAM.

  6. O Brasil já poderia tá trocando figurinha com a Suécia, com a África do Sul, com vontade esses 3 já seria o suficiente com expectativa mínima de produzir para os 3 umas 120 aeronaves. Abrir diálogo com os demais parceiros do F-39, não sei quanto aos embrolhos políticos atuais, mas talvez até a Turquia talvez se interesse. O DNA da Saab sempre faz mais com menos, e seus aviões não deixam a dever em nada e são sempre muito inovadores. Sairia daí um avião fantástico feito para orçamentos cujo o caça não pode ser a melhor rainha do hangar já feita pela humanidade. E com características sob medida para o Brasil. Nada de entrada de ar gulosa, aeronave “chipada”, armamentos pra lá de seletivos ou um fantástico avião desdentado.

    • GripenBR

      E estamos entrando em uma fase de um Presidente que estará muito feliz se receber três Sherpas usados e um Hercules de terceira mão de ‘ajuda militar’.

      • Bom mesmo foi o presidente que construiu elefantes brancos para satisfazer a empreiteira “cúmpanhêra” não é mesmo!? Não é à toa que ele está em uma cela hoje….

  7. A primeira tentativa de participar do projeto manifestada pela ministra foi postergada pela França e Alemanha, somente após após a fase de projeto estudariam o pedido. Vamos ver agora a posição com a comunicação oficial… Sobre o F-35, é a única solução plausivel para a Marinha se quiser ter aviação embarcada no futuro, os Harrier AV-8B serão retirados em breve, não acredito que seja desejo da força aérea, pelo menos até agora e, a Espanha não participou do desenvolvimento do F-35 ($$$), motivo pelo qual não seria um cliente preferencial, todavia em falando da OTAN quem sabe…

      • ________________
        ________________
        COMENTÁRIO APAGADO. PELA DÉCIMA VEZ, HMS TIRELESS E ANTONIOKINGS: PAREM COM ESSA BRIGA INFANTIL E POUPEM A PACIÊNCIA DOS DEMAIS LEITORES. CRESÇAM.

  8. Brasil, por quê motivo será fechou a compra dos caças Gripen suecos e não outros além do custo/benefício?
    Transferência de tecnologia!
    E vcs acham que os suecos transfeririam essa tecnologia sem ganhar algo em troca?
    Tendo o Brasil como aliado, quem sabe os suecos não conseguiriam novos compradores para seus caças em países da América do Sul e Central?
    Quem sabe, como contra partida, a aeronáutica brasileira não irá vender aos suecos a tinta especial anti-radar, desenvolvida aqui, e que irá ser usada em nossos caças?
    Todo o sistema eletrônico dos caças Gripen NG, foram desenvolvidos aqui, para os nossos caças e, posteriormente, por serem considerados bons, a empresa é firnecedora oficial da Gripen.
    Se quiserem saber mais procurem no YouTube o canal : Hoje no mundo militar . Vejam os vídeos sobre os Gripen NG comprados pelo Brasil e as parcerias firmadas entre suecos e brasileiros.

  9. Será que a Espanha não foi convidada para a festa e por isso está se oferecendo ?
    Ou será que quer participar coml uma afronta ao Reino Unido por causa de Gibraltar ?
    vai saber ne …mas ficam pergunta do tipo:
    Será que a Alemanha e a França vão querer eles no projeto ?
    Sera que esses 3 países terão folego financeiro para completar todo o programa?
    Acho que no futuro a Marinha do Brasil pode adotar o F-35B para nosso futuro porta-avioes
    A nossa FAB nos próximos 20 ou 30 anos so vai pensar em 1º e 2º lotes de Gripen e talvez talvez mesmo em adotar um LIFT”s como o FA-50 ou o M-346FT para substituir os jatos AMX A1 seja para ataque, reconhecimento e treinamento, que e uma tendencia ultimamente

    • acho que o projeto do NGF estara aberto para participacao de qualquer pais europeu, mas neste momento de ante-projeto e definicao dos requisitos operacionais, os franceses e alemaes nao querem abrir demais o leque, porque com mais “players” eh mais complicado chegar em consenso. Assim que essa fase estiver concluida e se os requisitos definidos pelos 2 parceiros atenderem mais paises, creio que estarao abertos para negociacao. O amplo acordo de cooperacao tecnico-militar assinado entre a Franca e a Alemanha tem o objetivo de manter as capacidades de projetar e construir um caca de alto desempenho na Europa e obviamente priorizar as industrias e empregos desses 2 paises. Mas creio que nao se oporao a entrada de outros no consorcio, como Espanha, Italia ou Suecia por exemplo.

        • Os franceses gostando ou nao gostando, sao os unicos na europa que conseguem fazer um caca sozinho, com tecnologia propria, enquanto os outros pecisam se juntar para fazer o mesmo, entao, nada mais certo que eles facam parte do projeto e lidere o projeto como foi especificado, por franceses e alemaes.

          • Os franceses não são os únicos na Europa que conseguem fazer um caça sozinho, basta ver as sucessivas gerações de caças suecos, que em muitos aspectos eram superiores aos da França. Mesmo a Grã-Bretanha tem condições de sozinha fazer um caça embora por razões políticas tenha optado pelo desenvolvimento conjunto com outros países como no caso do Typhoon, derivado do protótipo BAe EAP.

  10. A construção de caças avançados é muito cara e demorada até para quem domina a maior parte da tecnologia (vide o F35). É preciso ter escala para que o projeto seja viável, precisa haver um cenário eventual em que este caça lhe fosse útil e claro, excluir a possibilidade de comprar de terceiro caso seja possível.
    Estes motivos restringem bastante os aspirantes a produtores e explica porque no momento apenas os USA possuem caças 5g operacionais e porque 12 países se juntaram no projeto F35.
    Aos que desejam independência, vetor livre de embargos, não chipado etc… vale a pena dar uma olhadinha no post abaixo e relembrar quem são os fornecedores de boa parte do nosso Gripen: https://www.aereo.jor.br/2009/08/23/os-fabricantes-do-gripen/
    Trabalhei numa multinacional, a qual recrutou ótimos treinees para um curso de capacitação caro, em regime de internato por 12 meses. Após 2 anos havia na empresa talvez 2 dos 50 participantes do projeto. Havia contrato? Claro! Mas não podiam amarrar o cara numa mesa. Espero que não ocorra o mesmo com nossos engenheiros na Suécia. Abraços!

    • Verdade Walfrido, eu não tenho nada contra eles, mas parece que eles comentam já no intuito de se provocarem, eles até podem não saber, mas ambos são lados diferentes da mesma moeda.
      Espero que tanto o tireless quanto o antoniokings entendam esse meu comentário, ambos tem muito conhecimento, pena que ficam de picuinhas um com o outro.

  11. Não sei se seria razoável a Suécia permanecer com um projeto avulso de seu próximo caça. Especialmente com dois grandes projetos em andamento assim.

    No lugar dos suecos, entraria como parceira em um desses projetos e focaria meus esforços em desenvolver ainda mais o UCAV, cujo crescimento nas linhas das principais forças aéreas é a tendência para as proximas décadas.

    Quanto ao Brasil, o caminho era o projeto sueco, pós gripen. Em tese, os projetos europeus possivelmente não serão abertos para parceiros externos, especialmente o NGWS. Contudo, é de se observar que o Tempest, inicialmente, conta com Inglaterra e Itália, dois países com tendência de se afastar de políticas pró Europa nos próximos anos. Quem sabe o Brasil não entrasse nessa junto aos suecos, considerando, ainda, a boa relação com os ingleses e a tendência de maior aproximação ao atual governo de direita da Itália. Uma pena que dificilmente algo em relação a isso entrará na pauta de nossas autoridades nos próximos anos.

    Por fim, mais um tópico estragado pela velha discussão dos mesmos de sempre. Queria entender essa política de advertência dos moderadores. Adverte 1, 2, 3, 4, 5…..não vai ter progressão de penalidade?

    Além disso, dizer que o F35 não é um sucesso de vendas é muita má vontade em interpretar uma informação, para não dizer exatamente o que é e baixar ainda mais o nível. Sem dúvida o projeto sofreu e ainda sofre com vários percalços, mas isso não desabona as vendas já realizadas e a realizar.

  12. Bom dia!
    Salvo engano o F-35 não tem mais de 2400 encomendas… tem algumas centenas, o que já é um feito, mas não 2400. O que existe é intenção de se encomendar mas entre intenção e encomenda existe um longo caminho, como foi o caso do F-22 (dos mais de 800 que tinham intenção de encomendar para as 187 unidades contratadas e também o caso do Brasil, que reduziu as encomendas de AMX (A1) e tem intenção de encomendar 3 lotes de F-39 Gripen…)
    O futuro dirá se a intenção se tornará encomendas.

  13. Ignorando as projeções do F35, até agora foram entregues 330 unidades; contrato para 141 unidades no dia 28/09 assinado pelo departamento de defesa ao preço de 11,5bi (LRIP11 início entregas 2019) e 255 unidades no dia 14/11 ao preço de 22,7bi (LRIP12 início entregas em 2020 sendo 64 F35A Air Force, 26 F35B Marines Corps; 16F35C US Navy; 89 F35A International Partners; 60 F35A Foreign Military Sales).
    Só aí temos 726 unidades! Um número espetacular para um caça começar a carreira não acham? Por aqui temos Engenheiro Aeronáutico chamando o avião de pato… aí temos duas opções: achar que as forças usuárias são estúpidas pois estão comprando um pato ou… achar estúpida a opinião do nosso engenheiro. Fiquem à vontade! Abraços.

    • Fiz uma conta de padaria aqui e com essas 396 unidades que você trouxe o preço, o valor do bloco tá em uns 86 mi por unidade. Nada mal para um caça em começo de serviço e que dizem ter tantos problemas, se essas demais 2000 mil intenções se concretizarem ou mesmo aumentarem a tendencia do preço é cair ainda mais, isso sem contar que com mais de 2000 caças voando vai ter peça sobressalente e manutenção disponível por muitas décadas a frente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here