Home Aviação de Ataque Suíça planeja vender metade de sua frota de caças F-5 Tiger II

Suíça planeja vender metade de sua frota de caças F-5 Tiger II

12335
57
Northrop F-5E da Força Aérea Suíça
Northrop F-5E da Força Aérea Suíça

O Exército Suíço quer investir 2 bilhões de francos suíços (equivalentes a US$ 2 bilhões) em 2018, inclusive adquirindo coletes à prova de balas de alto desempenho para cada soldado. O planejamento também inclui a venda de cerca de metade de sua frota de caças F-5 Tiger.

O orçamento total de CHF 2,053 bilhões, aprovado na quinta-feira pela Câmara dos Deputados, mas que ainda deve retornar ao Senado, seria gasto na modernização de certos sistemas da Força Aérea, complementando a infra-estrutura de treinamento de equipamentos e desenvolvimento dos soldados.

Os políticos também deram seu apoio ao item mais controverso na lista de compras do exército: novos equipamentos de combate para cada soldado, que custam CHF 3.000 por pessoa, incluindo um colete à prova de bala de alto desempenho. Isso custará ao exército um total de CHF 377 milhões – algo que dividiu os políticos, com alguns questionando se cada soldado precisa de tal colete. O plano é apresentar o equipamento em 2022 e usá-lo por cerca de 25 anos.

O plano do Exército Suíço para 2018 também inclui, pela primeira vez, o desmantelamento dos principais sistemas de armas. O Exército vai desativar 27 dos seus 53 caças F-5 Tiger. Quatro foram doados para coleções históricas; os outros foram groundeados e potenciais compradores foram encontrados, de acordo com o governo.

Os Tigers foram usados ​​por várias décadas na Força Aérea Suíça, tendo sido adquiridos em 1976 e 1981. Os 26 aviões restantes continuarão a ser usados ​​para liberar os F/A-18 das tarefas auxiliares. Este último poderá assim continuar a proteger o espaço aéreo suíço até a aquisição de novos caças.

FONTE: www.swissinfo.ch

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
2 anos atrás

FAB neste exato momento

comment image

GEN Escobar
GEN Escobar
Reply to  Marcos
2 anos atrás

Sensacional Marcos! rs

Se eu fosse presidente da AR ou URY pegaria todos e faria 2 esquads de 12 + 3 de reposição. Falaria com o Brasil e faria toda a funilaria, pintura, retífica do motor, parte elétrica, DVD, insulfilm, camera de ré e etc destes aviões! Para eles seria uma ótima oportunidade.

Agora só para lembrar, nossos Grifos vão demorar um pouco para chegar! Sei lá…a FAB é bem criativa.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 anos atrás

Uma boa para países daqui da América do Sul e da Africa!

Antonio
Antonio
2 anos atrás

Cortando gastos. Cortando tudo.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
2 anos atrás

Ainda existe discussão na Força Aérea da Suiça sobre o que fazer vom os F-5. Um grupo mais ligado a Pilatus defende a passagem direta do PC-21 ao F/A-18 e outro grupo defende a modernização dos F-5F para fazer um Esq. de Conversão Operacional para economizar horas de F/A-18. Dois alunos oriundos do PC-21 fizeram o teste indo direto ao F/A-18, mas o grupo que defende a modernização do F-5F alega que é uma amostra muito pequena para validar a fórmula e escolheram os melhores alunos para o teste. Espanha e Turquia modernizaram seus F-5B para fazer o meio de… Read more »

Delfim
Delfim
2 anos atrás

Vale a pena ?

Zamzam_Pampa
Zamzam_Pampa
2 anos atrás

Os nossos F-5B teriam condições de voar ainda? Foram comprados novos?

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Zamzam_Pampa
2 anos atrás

Pelo tempo parado sem estocagem adequada deve ter virado sucata.

Daniel
Daniel
2 anos atrás

Com certeza terão endereço certo para os nossos vizinhos uruguaios, após uma modernização a lá F-5BR, afinal a EMBRAER é logo ali.
Não duvido em nada se não irem alguns para a Argentina também.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Daniel
2 anos atrás

O interesse da Suiça é revitalizar ou modernizar na RUAG que é responsável pela manutenção dos F-5 a anos.

Adler Medrado
Reply to  Daniel
2 anos atrás

Sei não… Acho que eles comprariam os caças e modernizariam em outro lugar.
É muita inocência pensar que esses “Hermanos” iriam considerar nossa indústria para atualizar esses aviões.

Daniel
Daniel
Reply to  Adler Medrado
2 anos atrás

Por que não?
Afinal a EMBRAER tem know-how no assunto (F-5).

Carpophorus
Carpophorus
2 anos atrás

A FAB poderia pegar essas aeronaves e criar um novo esquadrão em Boa Vista – RR, para comprovar capacidade de projeção de poder para os venezuelanos. Pelo menos para segurar até 2030 e, a partir daí substituí-los pelos F-39 .

Daniel
Daniel
Reply to  Carpophorus
2 anos atrás

Os F-39 virão antes de 2030.

Matheus
Matheus
Reply to  Carpophorus
2 anos atrás

Esquadrão Pacau sediado em Manaus já faz a proteção da região norte.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Matheus
2 anos atrás

O F-5 é perna curta, eu diria proteção da região de Manaus, pois se deslocar para combater na fronteira a mais de 1000 km sem reabastecimento é meio complicado.
Não se trata de fazer um translado para Boa Vista ou Porto Velho, se trata de ir, combater e voltar.
No futuro com o KC-390 em Manaus a coisa muda.

Carpophorus
Carpophorus
Reply to  Carpophorus
2 anos atrás

Eu já servi no esquadrão pampa e conheço muito bem as capacidades do F-5, por isso mesmo que eu sugeri o novo esquadrão em Boa Vista. Tal unidade em minha projeção seria a última a operar os F-5 e, como não temos a certeza do 2o lote de F-39, seria bastante útil no cenário extremo norte do Brasil.

Fábio Mayer
Fábio Mayer
2 anos atrás

Argentina…

Sérgio Luís
Sérgio Luís
2 anos atrás

Chega né?!?!

rdx
rdx
Reply to  Sérgio Luís
2 anos atrás

Chega! Ótima oportunidade para as forças aéreas da Argentina e do Uruguai.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
2 anos atrás

Para nós só se for para comprar o estoque de peças e olhe lá, aproveitamento o que ainda é intercambiável (Fuselagem, hidraúlica, etc).

Teríamos que modernizar, fora de cogitação. o F-39 está na esquina já.

Só se houvessem alguns F para substituir o atrito.

Uruguai, Paraguai (Se bem que o A-29 cairia como uma luva para este), Argentina……

Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
2 anos atrás

Finalmente a FAB vai renovar sua frota! Aqueles caças de papel demoraram muito! kkkkk

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 anos atrás

Deve ser pela cor da bandeira mesmo…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
2 anos atrás

Eu chuto 2 coisas:

1- Para serem melhor vistos em missões de interceptação de aeronaves civis ou:

2- Para diferenciar os lados em combates simulados.

Inclusive isso me lembrou que tem uma força que pinta a frequência de rádio nos tanques, para facilitar para os cínicos que fingem não ver nem saber o que fazer nessas horas.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Clésio Luiz
2 anos atrás
Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Clésio Luiz
2 anos atrás

Faz sentido também.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
2 anos atrás

A RUAG está se movimentando na esperança de que um país compre e ela assuma a manutenção. Pode aparecer comprador na Africa e America Latina.

Gil U
2 anos atrás

O Irã podia abastecer sua “linha de produção” com estes aviões, transformar todos em Kowsar novos em folha rsrs

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
2 anos atrás

ATacAir apresentou os seus F-5, o resto do lote que o Brasil não tinha comprado modernizado pela Northrop Grumman para atuar como “aggressor”.
. https://imagesvc.timeincapp.com/v3/foundry/image/?q=60&url=https%3A%2F%2Fs3.amazonaws.com%2Fthe-drive-staging%2Fmessage-editor%252F1509496470131-jjjdad14.jpg

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

Complementando: dos F-5 vendidos pela Jordania.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

Uma vez que estas aeronaves como os A-4, F1, Cheetah, Kfir, L-159, L-39 e F-5 não são certificadas na FAA elas tem que voar como experiementais, mas com um regulamento que permita um ganho financeiro, pois a rigor um experiemental não poderia fazer voo remunerado e a atividade “aggressor” é remunerada.
Desconheço o regulamento dos experiementais dos EUA.

Adriano RA
Adriano RA
2 anos atrás

Caças semi-novos, pouco uso, ainda mais que a Força Aérea Suíça só funciona em horário comercial…

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Adriano RA
2 anos atrás

De novo esta conversa de horário comercial, toda Força Aérea tem níveis de alerta e conforme a possibilidade de acionamento as tripulações de prontidão ficam em casa, o que causa um atraso no acionamento.
Em Salvador em caso de acionamento de uma Patrulha fora do horário de expediente, a Kombi saia da BASV e ia até Ondina buscar os pilotos e depois passava em Itapuã pegar o mecânico e operadores de radar, o que levava uma hora
Em caso de Alerta as tripulações já dormiam na BASV o que reduzia em uma hora o tempo de decolagem.

Paulo Nunes
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

uma hora, nem se essa kombi tivesse motor de porche

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Paulo Nunes
2 anos atrás

Moro a vinte anos em Salvador, realmente no horário de maior trânsito é impossível fazer em uma hora, pode botar até duas, mas a noite e nos fins de semana dá para fazer aeroporto para Ondina em meia hora, da Vila dos Oficiais de Ondina até o Aeroporto são 25 km e passa na frente da Vila dos SGT em Itapuã.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

Mas aqui tem um grande detalhe: a patrulha lida com barcos e navios, que são infinitamente mais lentos que aeronaves.

Outro importante detalhe é que diferente da Suíça, o Brasil é enorme e na maioria dos casos, os alvos aéreos podem ser localizados bem longe, vide o Ilyushin cubano na época da Guerra das Falklands.

E sim, é uma vergonha que a força aérea de um país rico, no meio da Europa, funcione em “horário bancário”…

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Clésio Luiz
2 anos atrás

Strobel não sabe, mas o Alerta DA cumpre o alerta nos períodos Alfa (expediente), com tempo de acionamento em minutos, e Bravo (após o expediente), com um tempo mais dilatado, mas em minutos ainda. Nas Alas onde a vila dos oficiais é distante, o período Bravo é cumprido na Base.
Não confundir Alerta com Sobreaviso, que são coisas distintas.

Delfim
Delfim
Reply to  Rinaldo Nery
2 anos atrás

Isso. Sobreaviso se cumpre em casa, com tudo pronto se necessário.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Rinaldo Nery
2 anos atrás

A Caça é mais dinâmica, mas na Patrulha nos anos 90 se levava entre uma e duas horas para poder se decolar o avião. Eu sei da demora para buscar a tripulação porque era o CMT do Esq. de Infraestrutura, houveram muitas reclamações pois o OF. de Dia só tinha uma Kombi a disposição se estivesse em missão poderia levar muito tempo para buscar as tripulações em casa. Depois se resolveu, o CMT da Base Cel Joseli mandou pintar uma das Kombis de amarelo com giroflex amarelo e passou para o Esq., assim poderia fazer o serviço “Follow Me” transitando… Read more »

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

https://www.google.com.br/amp/s/amp.theguardian.com/world/shortcuts/2014/feb/19/swiss-air-force-ethiopian-airlines-hijacking-office-hours

Acho interessante essa reportagem. Para uma força que opera assim, os F-5 já são mais que suficientes.

Giovani trucker
Giovani trucker
2 anos atrás

Fala baixo, o governo Brasileiro pode ouvir e cancelar adiar Gripen.

carvalho2008
carvalho2008
2 anos atrás

Anos atras eu realmente achava que o Brasil deveria ter triangulado uma retifica/modernização quer seja nos F-5 dos EAU quanto suiça, repassando a terceiros e principalmente argentinos….seria uma forma de manter a linha de produção da Embraer nos Mike ativa….fazendo um jogo de tira passa hum….ate que desovássemos ate mesmo nossos F-5 em substituição aos F-39….mas a coisa demora….e hoje em dia nem daria mais para isto….

_RR_
_RR_
2 anos atrás

Uruguai, Argentina, Paraguai… Imagino que esses seriam os três destinos possíveis dessas aeronaves por essas bandas…

Acho improvável a FAB comprar mais um lote de Tiger a essa altura do campeonato, com o primeiro F-39 já a caminho; exceto, claro, se estivermos falando de fonte de peças para manter o que se tem voando por mais um tempo…

Leonardo M.
Leonardo M.
Reply to  _RR_
2 anos atrás

Nenhum dos três tem dinheiro para comprar ou manter um esquadrão de F-5

Gustavo
Gustavo
2 anos atrás

será que agora o Uruguai desencanta? Eles namoraram esse caça faz tempo. Até a Embraer entrou na conversa na época… vamos ver.

Billy
Billy
2 anos atrás

Quem não tem cão caça com gato. Melhor pegar e reforçar a FAB, modernizando e completando alguns Esquadrões combinando com os F-39.

José Luiz
José Luiz
2 anos atrás

No teatro de operações sul americano o F 5 ainda é uma ótima opção como caça tático, além do que o número de Gripens será insuficiente para todo o imenso território nacional, senhores se olharem verão que não temos e não teremos aeronaves de caça suficientes para toda a demanda. Se o bicho pegar lá no Norte vai faltar aeronaves. Se houvesse a aquisição de algumas destas aeronaves elas poderiam no mínimo fornecer peças de reposição para se manter outros F 5 em voo. O F 5 esta bem longe de tudo o que é ideal, no entanto mais vale… Read more »

BrunoFN
BrunoFN
2 anos atrás

Ainda acho q seria uma boa aquisição pra Embraer Defesa oferecer no mercado de usados ..o F-5 modernizado ainda e um ótimo vetor pra quem quer um caça barato e com desempenho razoável

sergio ribamar ferreira
2 anos atrás

Concordo com o Srs. José Luís e Bruno FN. uma segunda linha de defesa é aconselhável. Esperando Gripen.(acordos já foram feitos e não têm como voltar ) Para quem já conhece o F5 como vetor ainda é um vetor bom(modernizado). Apenas um esquadrão. Quanto ao restante , poderia ser empregado pela República do Uruguai e creio que ficariam e muito satisfeitos, mais aquisição de um Super Tucanos. Ótimo. Embraer pode ter uma oportunidade para expandir tanto F5 bem com Super Tucanos. Não acho impossível e dentro do teatro de operações da AL, plausível. Um abraço. Finalizando. dependerá evidente das condições… Read more »

Alexandre Esteves
2 anos atrás

Argentina e Uruguai no páreo. Há algum tempo, a FAU manifestou interesse, mas devido ao cancelamento do Gripen pelos suíços o negócio não vingou. Agora, deverá concorrer com a Argentina.
Não conheço muito FAU, mas creio que 8 aparelhos, mais 2 para canibalizar estaria dentro de seu orçamento de defesa.

rodrigo
rodrigo
Reply to  Alexandre Esteves
2 anos atrás

F-5 pra Argentina? o Trump veta.

Daniel
Daniel
Reply to  rodrigo
2 anos atrás

Por que? Falklands?
Pra quem tem Typhoon, F-5 não faz ameaça.

Delfim
Delfim
2 anos atrás

Eu compraria. 20 pra voar e seis pra peças. Depois se revende, conforme os F-39 venham chegando. Cliente não vai faltar.

Daniel
Daniel
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Delfim
Não vejo vantagem pra FAB utilizar esses F-5 sem passar por um programa de revitalização, mas para isso teria de gastar uns Temers.
Se for pra gastar com mais compras e modernização de F-5, é preferível retomar a modernização dos A-1.
O foco da FAB é outro, F-39.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
2 anos atrás

Obrigado, obrigado. Mas qual é o prêmio? Tem uma garrafinha de Grapette?

Thiago Telles
Thiago Telles
2 anos atrás

Qto tempo em média durou a modernização de uma célula f5br?

Luiz Floriano Alves
2 anos atrás

F-5 não deveria ser cogitado para a FAB. Temos alguns para treinamento de pilotos e são suficientes até chegar outro vetor. Já disseram que turbina gasta muito. A GE J-85 com seus 5 estágios é uma glutona. Mas não podemos culpar o fabricante, eis que foi projetada para uso em missil descartável. O F-5 no Vietnã foi relegado para os aliados. Exigia pistas muito longas e a carga bélica era muito reduzida. Os dois canhões de 20 mm. são de treino, com reduzida potencia de fogo. Não acompanhava os Phanton, sem utilização do pós queimador.