Home Aviação de Ataque Rússia e Índia continuam conversas sobre caça de 5ª geração

Rússia e Índia continuam conversas sobre caça de 5ª geração

5594
51

KHABAROVSK (Rússia) – Moscou e Nova Délhi prosseguem as discussões sobre o projeto de caça de quinta geração (FGFA), apesar dos relatos da mídia sobre a saída da Índia, disse Yury Slyusar, presidente da UAC (United Aircraft Corporation), no domingo.

“Nós não fechamos o tópico, continuamos a discutir com a Índia o desenvolvimento conjunto da aeronave de quinta geração. O tópico não está fechado. Foi relatado bastante intensamente que os indianos estão saindo deste projeto – eles não estão se retirando dele, apenas fazem um número muito grande de perguntas, para as quais, em nossa opinião, damos respostas completas. Como antes, partimos da premissa de que a quantidade de tecnologia que estamos prontos para transmitir à Índia, nenhum outro país não é pronto para transferir”, disse Slyusar à emissora Rossyia 1.

Em abril, o diretor de cooperação internacional da Rússia, Rostec Viktor Kladov, disse à Sputnik que Moscou não recebeu nenhuma notificação da Índia sobre a suposta retirada do FGFA de Nova Déli, negando as reportagens da mídia sobre a intenção da Índia de abandonar o projeto.

O projeto implica que a Índia não apenas adquirirá novos caças de geração, mas também lançará sua produção licenciada, segundo o executivo. Slyusar expressou sua esperança de que os lados mudassem para o estágio de projeto em breve.

Sob o projeto russo-indiano FGFA, ambos os lados investiriam US$ 4 bilhões cada na fase de desenvolvimento, enquanto o custo total de construção de 127 aviões de combate é estimado em US$ 25 bilhões. No projeto, o lado russo é representado pelo fabricante de aviões Sukhoi e o lado indiano pela Hindustan Aeronautics. O contrato inicial do FGFA foi assinado em 2007, o acordo final, que incluirá as condições de financiamento do projeto, ainda está por ser assinado.

FONTE: Sputnik

51 COMMENTS

  1. Com certeza tanto a Índia como a Rússia estão copiando o mais impressionante projeto asiático, o caça iraniano kowsar. A Rússia a duras penas está tentando manter vivo seu programa de caça quinta geração. Mas ainda acredito que irá conseguir.

    • A índia gosta do carnaval logístico, são os grandes “acumuladores” de caças. hahah
      Mas ainda assim, se fosse indiano, preferiria investir nessa parceria com a Rússia do que naquela jaca alada do Tejas.

    • A Índia está numa encruzilhada. O Paquistão deixou a órbita dos EUA e está de amores com a China, que pode lhe fornecer o seu caça de 5a. Os EUA dificilmente dariam o F-35, até prometem, mas na hora H iriam exigir um monte de coisas que faria o negócio recuar. Só sobrou a Russia como fornecedor desse nível, pois a Europa ainda não tem e vão demorar muito para ter, e possivelmente vai ser o mais caro de todos.

  2. Este avião tem uns 15 anos que estava pronto para voar.

    Os indianos sabem o que querem. Eles só não tem a mínima ideia de como fazer.

    Eles querem aeronaves de combate de 3 origens: nacional; ocidental; ‘vermelha’ (Rússia). isto porque eles sempre tiveram medo de terem suspenso o fornecimento de peças e aeronaves se escolherem apenas 1 fornecedor.

    O que eles escolheram:
    1) Nacional: tejas (burro de carga) e o PAK-FA (quinta geração, esse aí)
    2) Ocidental: Rafale + algum (para substituir o que eles têm hoje: Jaguar, mirage 2000, harrier)
    3) russo: SU30 (saindo Mig21, Mig27 e Mig29)

    O diabo é que é um entra e sai danado, mas hoje estão amarrados na escolha do segundo avião ocidental e no tal caça de quinta geração.

    • A India tem:
      240 SU-30MKI,
      36 Rafales,
      Uns 100-120 Jaguares, alguns modernizados,
      72 Mig-27,
      51 Mig-29 modernizados
      51 Mirrage 2000 modernizados
      Mas uma porrada de Mig-21 modernizados.

      Os Harriers foram aposentados da marinha, a mesma comprou 12 Mig-29k e encomendou mais 36, o que dá 48.

      A versão indiana do Pak Fa, vai substituir os Mirages e Migs 29, da IAF, comprados no início dos anos 90, mas isso só no final da decada de 20, irão comprar mais 36 Rafales, pra completar 72 aeronaves, querem comprar mais SU-30MKI e moderniza-los (todos, até os de lote antigo), chuto mais uns 60 ou 40 pra ficar com uma frota de 280-300, e o resto será tudo substituido pelo Tejas.
      127 Pak Fa
      300 SU-30MKI modernizados
      72 Rafales
      200 Tejas
      1399 caças no total.

      • Índia comprar mais Rafales ..? De uma olhada na mídia indiana ….
        Estão quase entrando em guerra civil, devido a compra deste caça , por causa do “precinho” camarada… A oposição querem até cancelar a compra, o primeiro ministro está sendo atacado de todos os lados..Rafales na Índia não rola mais , a não ser que a França/Dassault dá um desconto de 50%….

  3. Sinceramente, não me parece que falte muito dinheiro desenvolvimento do Su-57 na Rússia.

    Pouco depois dos boatos de que ele estava morto, os russos encomendaram dezenas de Su-30 novos em folha. Quem está na pindaíba não fica comprando aeronaves para manter a indústria ocupada, retendo mão de obra qualificada.

    No mais, estão apenas sendo pragmáticos, esperando o novo motor terminar os testes.

    Aliás, este é de longe o mais aberto programa russo de armas já visto. Chega a ser impressionante para quem é velho o suficiente para se lembrar do “MiG-23 Foxbat”. Embora a maior parte da mídia ocidental apenas repita o que o Pravda publica, os entusiastas do fórum da Key Publishing cavam notícias direto das fontes russas, nem mesmo as patentes do caça escapam deles.

      • Só tem fé quando tem dinheiro, prometem caça stealth, drone stealth e bombardeiro stealth, porta aviões, super tanque e etc. Daí quando o dinheiro diminuí começam restaurar equipamento antigo.

        • Não creio que haja falta de dinheiro para um país que opera submarinos nucleares, foguetes multi-ogivas, milhares de aviões, dezenas de milhares de tanques, canhões e etc. Certamente, essa tecnologia não é tudo isso. Os sérvios que o digam. Agora, imagine o primo gigante dos sérvios.

          • Basta observar as notícias, antes da queda do petróleo prometiam 240 Su-57 e milhares de tanques armata.

            São eles mesmos que afirmam não ter dinheiro, por isso preferiram uma aeronave menos stealth que as ocidentais. Por causa dos custos.
            É a própria Sukhoi quem diz.

            Sem contar as reduções nos gastos em defesas anunciadas pelo governo russo.

            Essas tentativas de minimizar todas as fraquezas e dificuldades da Rússia não convencem ninguém.

          • JPC3 22 de agosto de 2018 at 11:51
            “Basta observar as notícias, antes da queda do petróleo prometiam 240 Su-57 e milhares de tanques armata”
            Mas o petróleo não caiu ,ao contrário subiu …de uma pesquisada no preço do barril de petróleo de 2 anos atrás ,e olha o preço que está hoje….

          • Me refiro a queda dos últimos 2 ou 3 anos. Realmente agora está subindo, talvez com isso as encomendas voltem aos números que foram anunciados antes

    • Ha, o Bob Santana entendeu a referencia 🙂

      Eu tenho um livro sobre aviação do começo da década de 1970, onde o MiG-25 ainda era referido como MiG-23.

      • Eu havia entendido também pois também tenho um livro onde aparece um novo caça soviético que nomeiam MIG 23 “Foxbat”…coisas do tempo da Cortina de Ferro.

  4. Clésio,
    .
    Concordo.
    .
    Alguns pontos que parecem óbvios:
    – Forças armadas russas precisam do PAK-FA para manter sua credibilidade e enfrentar as ameças reais e imaginárias no oriente e no ocidente;
    – Indústria aeroespacial russa precisa do produto para exportação, um caça de 5ª geração, que hoje seria o Sukhoi Su-57, sob pena de perder mercado para os chineses;
    – Força aérea da Índia precisa do FGFA para se manter ao par com o poderoso PLA-AF (Força Aérea do Exército Popular do Povo da China), principalmente considerando as qualidades dinâmicas do que se pretende;
    – Too big to fail, ou seja, já se investiu muito dinheiro para voltar atrás, inclusive considerando os investimentos da Índia, como parceiro minoritário nesse empreendimento.
    .
    Desconfio, diante de tantas matérias, que os russos enfrentarão um sério problema na produção.
    Enquanto os chineses sabiamente – até sorrateiramente – se beneficiaram da produção na China de produtos ocidentais, absorvendo todo know how e know why das linhas de produção comerciais, usando esse conhecimento para melhorar suas linhas de produção militares e, consequentemente, seus produtos militares; os russos aparentemente não conseguiram ainda largar o modo soviético de produzir.
    .
    Talvez, e só posso apresentar um grande talvez, os problemas para um caça de 5ª geração efetivo esteja no chão de fábrica russo, que precisaria evoluir para os níveis ocidentais, ou talvez, chineses.
    .
    Sds.,
    Ivan.

    • Ivan,

      Se me permite, quando fala sobre o metodo de produzir Russo, nao posso dizer de produção em si, mas a montagem de avioes, quando vc videos no youtube de fabricas sa Sukhoy, elas nao diferem muito o layout de fabricas do ocidente.

      Sds
      Galeao Cumbica

      • Layout é uma coisa, eficiência e tecnologia são outras. Se você ver vídeos da Dassault e da Lockheed produzindo peças e montando caças, notará uma clara diferença entre os métodos de produção e equipamentos utilizados em relação aos russos. Até a Embraer dá um banho na questão de produção de peças de materiais compósitos e automatização.

        E basta ver o produto final também. O acabamento é fruto de tecnologia.

  5. o que eu não entendo na política externa da rússia é essa implicância do putin com o ocidente,devido ao crescimento da china,eu não duvido que se a rússia fosse mais digamos “amiguinha” dos EUA e consequentemente da OTAN,que os mesmos iriam gostar de ter um aliado forte como a velha Rússia pra fazer frente ao dragão Chinês que vem se expandindo a largos passos.

    falando do avião apesar de achar que ele não é stealth (ainda),creio que a rússia com o passar dos tempos irão corrigir as falhas no design desse avião,vejo muita torcida aqui no comentários depreciando ou os EUA ou a Rússia,como se os engenheiros Russos não soubessem das falhas do avião,a questão é que ele ainda está sendo DESENVOLVIDO,muita coisa deve mudar no avião e ele deve ter um maior cuidado com materiais,RAM,e outras afinações no design como por exemplo esse IRST na frente do cockpit,com o tempo e devido dinheiro tudo irá se ajeitar.

    acho que não será um novo F-22,mas acho que se eu fosse um piloto de F-35 e “trombasse” um desse por aí (com as devidas correções que citei),não me sentiria como se estivesse combatendo um teco-teco como muitos gostam de afirmar sobre o caça.

    saudações amigos do blog.

    • O ocidente também não faz muita força pra trazer a Rússia pro seu lado, muito pelo contrário, vide Ucrânia, síria, tropas na Polônia e nos países Balticos. O ocidente faz o que pode pra atrapalhar a Rússia, o sentimento antiocidental na Rússia é sim fomentado por Putin e seus asseclas, mas a OTAN ajuda bastante a criar esse sentimento, quisessem trazer a Rússia pro seu lado não teriam expandido a OTAN até as Fronteiras da Rússia, mas pelo contrário, quiseram aproveitar a queda da URSS e chutar o inimigo caído. Tivessem sido espertos e extendido a mão teriam o Urso pra ajudar a enfrentar a China, só conseguiram jogar Moscou pro colo dos chineses, ainda vão se arrepender por isso, principalmente a Europa, os EUA pelo menos estão seguros atrás da seus oceanos e seus muros de aço, vulgo US navy, pelo menos por enquanto.

  6. Sobre menção mig 25, é oq, salvo engano, f4 israelenses tentavam interceptar sem nem saberem oq eram devido a altitude e veloc? Anos 70

    • Thiago,

      Nos anos 80, os F14 iranianos, já sem suporte de peças dos EUA, abateram uma meia dúzia deles antes dos iraquianos perceberam que o melhor era voltar correndo para casa quando tivesse F14 no ar.

        • Ao custo de toda a força aérea iraquiana….mas concordo com você, cada vitória de uma aeronave de origem russa sobre uma ocidental deve ser amplamente comemorada, de tão raras que sao, mesmo que o resultado final seja uma vitória esmagadora das aeronaves ocidentais.

        • Outra coisa, nos anos 90 a Rússia ainda dava suporte para seu amigo e alinhado Saddam Hussein, fornecendo armas e equipamentos, peças de manutenção e treinamento, ao contrário do Irã nos anos 80, em relação aos EUA.

  7. Ninguém joga pedra em árvore que não dá frutos.
    O SU-57 …como qualquer produto russo(USA/Chinês/etc ao cubo) de guerra…não irá para a linha de produção acabado. Ele tem um enorme potencial de aprimoramentos, tudo em sua concepção foi pensado em termos modular…assim fica muito fácil atualizar componentes específicos.
    Atualizações possíveis até 2025..motor realmente de quinta geração…AI(inteligência artificial em sua “ECU”(visando controlar enxame de drones)….radar com propriedades fotônicas.

  8. Pelo o que a mídia Indiana publica , deixa a entender que IAF até quer o Su57 , mas querem com o motor definitivo e um sistema aberto , para poderem adicionar eletrônica Israelense e de outros fornecedores ..
    Pelo jeito o processo de aquisição de 110 caças do MMRCA também pode ser adiado devido as questões politicas , logo vão comprar mais uns 36 de prateleira por ai…

  9. pra min o projeto segue firme, sendo um avião de 5ª geração, não tem semelhanças com o F22 raptor americano, segundo alguns é copia do f22, foi imformado que tem um computador que faz o papel do segundo piloto que seria o oficial de armas. se estão atrasados em colocar o SU 57, em operação tambem acho que não estão, porque a tecnologia que vira neste avião podera tirar todo o atrazo. veja os gripen da FAB, quando entrar em operação plena, vai colocar a FAB, na mais poderosa da america latina, tal tecnologia que tem o gripen, asim todo atraso tecnologico fica para tras, como já foi dito o gripen, foi projetado para dominar o espaço aereo hostil, e não para um combate e se der erado sair fora, foi projetado sim para seu piloto dominar todo espaço aereo em sua volta e ganhar. assim tambem é o SU 57, se ele tem tecnologias assíma do gripen, do f22 e outros aviõe espalhado pelo mundo, temos que esperar praver sua real capacidade de combate e provar isso. o f22, esta ai a muito mais tempo no ar que o su57, até agora eu não vi um combate real do f22, que prova sua superioridade aerea. pode ser que o f22, seja sim um avião superior aos que exita, mas nunca ficara sozinho. e quanto aos Indianos, que querem ou não o su57, midia escreve o que quer e nos falamos escremos e falamos que quer tambem, nunca iremos saber o segredo total de cada projeto e tambem suas negociações, eu tambem pensei que a India, tinha saindo fora do projeto do su57, mas o que parece é que eles não sairão por enquanto.

  10. é um ótimo passarinho, espero que no final fique tão bom quanto um f-22, ou pelo menos no mesmo patamar, só para assistir o circo pegar fogo.

  11. Pessoal cisma de comparar o F-22A com o Su-57. O Su-57 não precisa ser melhor que o F-22A, ele precisa “apenas” ser melhor que o Su-35 e demais membros da família Flanker. Ele não precisa ser stealth all-aspect, ele “só” precisa ter uma sobrevivência aprimorada (alguma furtividade, eletrônica avançada e velocidade). É isso o que a Rússia e seus clientes querem, nada mais, nada menos.

  12. Concordo com o Sr. Almeida. A Rússia possui um poderio bélico respeitável. Não com outrora na guerra fria, porém buscam se aprimorar. possuem gás que pode exportam para vários países europeus e querem se manter protagonista pelo menos no leste. Para isso , basta um convite da União Europeia em convidar os russo de fazerem parte da comunidade( uma hipótese que poderá acontecer num furo próximo) basta que haja uma forte diplomacia e interesses mútuos. O problema está no novo Kzar Putim em querer o controle absoluto. adianto que existem mais benefícios para os russos se ocidentalizarem de vez. Os recursos minerais, vegetais(madeira) e outras na Sibéria são incalculáveis. Concluindo: qual será a melhor forma de integração via acordos bilaterais conforme deseja Trump ou acordos de interação para comunidade europeia?

  13. Vendo alguns comentários mais ideológicos do que técnicos, acredito que a Rússia mereça confiança quando se trata de defesa. Eles podem não ser, em alguns pontos comparados aos equipamentos ocidentais, porém possuem qualidade dentro da sua capacidade tecnológica e orçamentária. Duvidar de um país que ao longo dos seus 70 anos conseguiu quase que ficar lado a lado com a única super potência do planeta, já seria de se merecer respeito. Sobre o SU-57, provavelmente a Rússia conseguirá em um ritmo mais lento, colocar em operação seus caça stealth. Eles têm know-how para isso, vide o Su-35, MIG-35 e os sistemas antiaéreos S-400.

  14. Hahahahaha olha os yankees-tupiniquins com medo da Russia nos comentarios acima. Querendo tragam para a esfera ocidental, pois sabem que não pra bater de frente. Vivem xingando os caras por causa do comunismo e blablabla e agora querem aliança? Não mesmo.
    O cinturão indestrutível russo-chinês se consolidou. Aguenta as ponta aí.

  15. Sair sai com certeza, já investiram e não vão jogar um projeto com esse custo e marketing fora, estão passando etapas que os EUA passara há 20 ou 30 anos e que mostra que um casa 5g não é coisa simples.

    E comercialmente e tecnologicamente eles precisam do produto para mostrar que estão avançando.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here