Home Armée de l´air KC-30A MRTT australiano reabastece Rafales do Armée de l’Air

KC-30A MRTT australiano reabastece Rafales do Armée de l’Air

3615
15
Dassault Rafales da Força aérea Francesa são reabastecidos por um KC-30A Multi-Role Tanker Transport do Esquadrão No. 33 a caminho da Austrália, para participar do Exercício Pitch Black 2018 na Base Darwin da RAAF, no Território do Norte (Foto RAAF)

Um KC-30A da Real Força Aérea Australiana (RAAF) desempenhou um papel fundamental na assistência aos Rafales da Força Aérea Francesa, que vão participar do Exercício Pitch Black 18 pela primeira vez.

O KC-30A Multi-Role Tanker Transport viajou da região do Oriente Médio para a Base Darwin da RAAF, reabastecendo ao longo do caminho três aeronaves Dassault Rafale da Força Aérea Francesa que estão participando do exercício Pitch Black.

O coronel da Força Aérea Francesa (Armée de l’Air Française) Arnaud Brunetta, comandante do destacamento, disse que apesar de ter sido uma longa jornada para sua equipe ir para a Austrália, eles estavam animados em ter a oportunidade de treinar em um novo ambiente com tantas nacionalidades diferentes.

“O Pitch Black dá ao nosso pessoal a oportunidade de participar de trocas de trabalho com a ADF (Australian Defence Force), o que é importante para o crescimento profissional e pessoal”, disse o coronel Brunetta.

“Estamos orgulhosos de nossas aeronaves, os Rafale viajaram uma longa distância com mais de 20 horas de voo para chegar à Austrália sem problemas técnicos”.

Para chegar à Austrália, os três aviões Rafale e sua tripulação viajaram mais de 14.000 quilômetros.

Com mais de 4.000 militares, 140 aeronaves e de 16 nações diferentes, o Exercício Pitch Black 18 é a maior iteração do exercício do Território do Norte já realizado e será concluído no dia 17 de agosto.

FONTE: Real Força Aérea Australiana

15 COMMENTS

  1. Não sei se soa redundância, mas eu chamaria isso de ‘strategic deployment’ e sem dúvida, os melhores aviões-tanque para esse tipo de missão, são os que tem a sua origem nos grandes aviões comerciais.

    • A questão principal é a de custos, não valeria a pena desenvolver um avião para “Tanker”, por isso são aproveitados projetos de aviões de passageiros ou carga com a instalação de equipamentos específicos.

      • Concordo.
        Até porque para se ter um reabastecedor não precisa reinventar a roda.
        Qualquer coisa que voe e tenha espaço para armazenamento serve.
        Se até mesmo outros caças podem servir como reabastecedores…

  2. Srs Editores bom dia. Mais uma vez meu comentário aqui no PA fica retido.

    Poderiam ver por gentileza o por que disto ? Estou em algum filtro ?

    RESPOSTA: ALGUM PROBLEMA TÉCNICO ESTÁ AFETANDO SEUS COMENTÁRIOS, EMBORA NÃO EM TODAS AS OCASIÕES. ESTAMOS TENTANDO DESCOBRIR O MOTIVO. PEDIMOS QUE TENHA PACIÊNCIA. VOCÊ NÃO ESTÁ NA LISTA DOS QUE JÁ FORAM SUSPENSOS, CUJOS COMENTÁRIOS SÓ SÃO DESBLOQUEADOS APÓS A LEITURA POR UM DOS EDITORES.

  3. Por mais preparados que sejam os pilotos, mas 20 hs no cockpit de um caça deve ser uma tortura! Não ficou claro, mas foram 20 horas ininterruptas de voo?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here