Home Aviação de Ataque França e Alemanha lançam futuro caça e outros programas

França e Alemanha lançam futuro caça e outros programas

7191
39
Conceito do FCAS – Airbus

Por Giovanni de Briganti

PARIS – Ao fim de 33 anos de competição direta entre o Eurofighter e o Rafale e a renovação de uma aliança industrial de defesa entre seus dois países, os ministros da Defesa da França e Alemanha assinaram nesta quinta-feira acordos que lançam três grandes programas de defesa.

Os acordos – cobrindo os Future Combat Air Systems (FCAS), um drone europeu MALE e os Future Maritime Airborne Warfare Systems – comprometem os dois países ao desenvolvimento bilateral e à produção de aeronaves comuns tripuladas e não tripuladas, unindo-os por várias décadas.

Dois dos três são inicialmente lançados bilateralmente, com a promessa de que parceiros adicionais poderão aderir, até que o desempenho e o design estejam congelados, enquanto o terceiro, o UAV MALE europeu, é multilateral desde o início, com a Itália e a Espanha como parceiros de lançamento.

Future Combat Air Systems (FCAS)

O programa FCAS, conhecido na França como SCAF (Système de Combat Aérien Futur), é visto como um sistema complexo de sistemas que compreende uma aeronave de combate de nova geração, aeronaves de combate não tripuladas, futuros mísseis lançados por ar e enxames de pequenos drones, todos interligados com satélites, outras aeronaves, redes da OTAN, bem como sistemas de combate terrestres e navais nacionais e aliados.

“O FCAS revolucionará o combate e os nossos equipamentos e permitirá investimentos e inovações mais ambiciosos. O FCAS significa forças mais poderosas e mais operacionais”, disse a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, durante uma coletiva de imprensa após a assinatura do acordo.

Questionados sobre as dificuldades encontradas em projetos anteriores, como o transporte aéreo do A400M, que sofreu atrasos, gastos excessivos e dificuldades técnicas, os dois ministros disseram ter aprendido com os erros do passado. “Temos imperativos não apenas em termos de soberania, mas também de respeitar orçamentos e cronogramas”, disse Parly, segundo a Agence France-Presse.

“Cometemos erros e aprendemos com nossos erros”, acrescentou von der Leyen, segundo um relatório da rádio Deutsche Welle. “É por isso que decidimos que, para projetos conjuntos, a primeira coisa que faremos é garantir que falemos com uma só voz. Isso significa que, em cada projeto, haverá uma nação líder. Segundo ponto: independentemente de quantos países participem, haverá um projeto, um conjunto de requisitos – e nenhuma especificação nacional”.

O FCAS é, sem dúvida, o maior desenvolvimento da aviação militar europeia desde que a França rompeu com o programa Eurofighter em agosto de 1985 para desenvolver o Rafale em âmbito nacional, uma iniciativa que preservou seu know-how no campo de aeronaves de combate e seus motores enquanto os parceiros do Eurofighter compartilhavam o deles.

Esta é uma razão pela qual os dois ministros concordaram que a Dassault Aviation da França, embora muito menor do que a Airbus Defence and Space, lideraria o programa FCAS.

“Quando há cooperação, as nações devem decidir, e há sempre uma nação líder … para o FCAS, serão os franceses”, disse a ministra da Defesa alemã, Ursula von der Leyen, durante uma coletiva de imprensa em 26 de abril no show aéreo da ILA em Berlim, one ela assinou os acordos com Parly. Reciprocamente, a Airbus e a Alemanha liderarão o projeto europeu de drone MALE.

A Dassault foi escolhida para liderar o FCAS por sua experiência demonstrada em projetar e produzir aeronaves de combate avançadas mais próximas do orçamento e do cronograma do que qualquer concorrente ocidental, seu know-how na criação de aeronaves de combate completas e sua abordagem de negócios “lean and mean”. A exigência francesa de que o FCAS seja capaz de operar a partir de um porta-aviões também desempenhou um papel, já que a Dassault já demonstrou seu know-how nesse campo com a variante embarcada do Rafale-M.

Future Combat Air Systems (FCAS)
Future Combat Air Systems (FCAS). Clique na imagem para ampliar

Recorde de velocidade para a cooperação europeia?

Como aspecto sem precedentes destes novos acordos é a velocidade com que eles foram concluídos, como a decisão em princípio de cooperar só foi tomada pelo presidente francês Emmanuel Macron e pela chanceler alemã, Angela Merkel, em julho de 2017, apenas nove meses atrás.

Também é notável que, no mesmo curto espaço de tempo, as equipes aéreas das duas nações pudessem concordar com as especificações do FCAS, permitindo que o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea Francesa, General André Lanata, e o General Bühler, Diretor Geral da Força Aérea Alemã assinassem um “Documento de Requisito Comum de Alto Nível” (HL CORD) para o programa FCAS.

E, talvez ainda mais surpreendente, Dassault Aviation e Airbus Defence and Space concordaram em cooperar no programa e estabelecer os princípios básicos, permitindo que eles assinassem um acordo de cooperação em 25 de abril, também no show aéreo de Berlim.

É sem dúvida a primeira vez nos anais da cooperação europeia em defesa que dois governos, seus militares e seus parceiros industriais concordaram em lançar um programa militar conjunto em tão pouco tempo, quanto mais um tão ambicioso e complexo quanto o FCAS.

Com base na experiência, programas semelhantes no passado levaram anos, não meses, para chegar a um ponto similar, com interrupções, retrocessos e distorções de tempo mais do que frequentes.

Mas, como observou o CEO da Airbus DS, Dirk Hoke, “O cronograma é apertado, então precisamos começar a trabalhar juntos imediatamente definindo um roteiro conjunto sobre a melhor forma de atender aos requisitos e cronogramas a serem estabelecidos pelas duas nações. É, portanto, de fundamental importância que a França e a Alemanha iniciem um estudo conjunto inicial este ano para tratar dessa tarefa ”– que também é um lembrete para os dois governos de fornecer financiamento inicial.

Este cronograma é realmente apertado, como o CEO da Dassault Aviation, Eric Trappier, também observou: “Ambas as empresas pretendem trabalhar juntas da maneira mais pragmática e eficiente. Nosso roteiro conjunto incluirá propostas para desenvolver demonstradores para o programa FCAS a partir de 2025.”

As exportações estão ausentes da discussão pública

Enquanto a cerimônia de assinatura de Berlim mostrou um acordo completo sobre o FCAS, uma questão importante até agora tem sido cuidadosamente evitada em público: as exportações. Enquanto a França tem uma legislação de exportação de armas comparativamente liberal, a da Alemanha é muito mais restritiva. Da mesma forma, a opinião pública alemã geralmente se opõe às exportações de armas, enquanto é mais provável que a França aprove. Portanto, é importante que as regras de exportação sejam definidas para todos os componentes do FCAS.

Aparecendo perante o comitê de defesa do parlamento francês em fevereiro, Parly disse: “Sabemos bem que, se cooperarmos no nível industrial sem ter a possibilidade de vender o equipamento para outros países, o modelo econômico para essa cooperação não será viável. Isso é o que chamo de problema político, que teremos que resolver se quisermos buscar a cooperação franco-alemã”.

Essa preocupação foi deixada de lado por enquanto, mas necessariamente virá à tona na Alemanha, já que os aliados da coalizão de Merkel são muito mais contrários às exportações de armas do que seus ex-parceiros governamentais.

A questão foi originalmente resolvida por acordos assinados em 1971 e 1972 pelos então ministros da Defesa dos dois países, Robert Debré e Helmut Schmidt, nos quais cada país prometeu não bloquear a exportação de equipamentos militares desenvolvidos em cooperação.

Este princípio poderia ser renovado para os FCAS e outros programas, ou os acordos poderiam ser considerados válidos, mas de uma forma ou de outra a questão da exportação teria que ser resolvida antes que o trabalho de desenvolvimento fosse contratado.

Uma das primeiras imagens divulgadas do conceito do Airbus Future Combat Air System

Quais são as implicações do FCAS?

A primeira implicação do FCAS é que a cooperação europeia está viva e vigorosa depois de duas ou três décadas singularmente desprovida de ambição a esse respeito. E, novamente, o impulso político é agora tão forte que todos os acordos de princípio sobre a governança do FCAS foram acordados em nove meses, tornando improvável que qualquer desvio no cronograma ou custo seja tolerado.

Uma segunda implicação, que será bem recebida por muitos europeus, é que a ênfase da Alemanha na soberania da defesa virtualmente descartou a aquisição do Lockheed F-35 como um possível sucessor de seus caças Tornado. Ursula von der Leyen sempre pareceu hostil a essa opção, e demitiu o chefe da Força Aérea Alemã por apoiá-la em público, mas a posição institucional da Alemanha agora está mais clara.

Embora o Reino Unido, com o qual a França estava desenvolvendo um programa separado, também conhecido como FCAS, mas cobrindo uma aeronave de combate não tripulada, ainda não tenha um papel no programa franco-alemão, ele não foi descartado.

Um comunicado do Ministério das Forças Armadas da França divulgado em 26 de abril reconhece que “há trabalho entre a França e o Reino Unido no projeto FCAS de um demonstrador de tecnologia de drones de combate”, acrescentando que “Este projeto está evoluindo desde a cúpula franco-britânica de 19 de janeiro.”

“Paralelamente, continuaremos o trabalho franco-britânico que complementa a abordagem franco-alemã e veremos, quando atingirem uma maturidade suficiente, os termos de integração no projeto SCAF [franco-alemão]. Tudo isso terá que ser negociado com nossos parceiros ”, acrescenta o documento.

O que o documento informativo não diz, mas que está claramente implícito pelas autoridades francesas, é que a grande participação do Reino Unido no programa F-35 Joint Strike Fighter, bem como a sua retirada da União Europeia, não pleiteiam pela sua inclusão no que a França e a Alemanha consideram claramente um grande programa de soberania europeia.

Mais genericamente, o documento informativo afirma que “hoje, a prioridade é garantir que a base franco-alemã seja sólida antes de começar a se abrir para outros parceiros”.

A sueca Saab, fabricante do caça leve Gripen e o único outro projetista de caças da Europa, está “acompanhando de perto o processo [franco-alemão] e não fechando nenhuma porta”, disse Håkan Buskhe, CEO da empresa, em 26 de abril nos resultados financeiros da empresa. Uma porta-voz da Saab negou os relatos de segunda mão de que Buskhe disse que a Saab estava interessada no FCAS: “isso está indo longe demais”, disse ela nesta manhã por telefone.

Future Combat Air System
O novo caça do Future Combat Air System em tela capturada de vídeo da Airbus

Requisitos e objetivos do FCAS

O documento informativo francês descreve com alguma extensão os requisitos e objetivos do projeto FCAS. Em vez de parafrasear, reproduzimos aqui nossa tradução de seus pontos salientes. (Para evitar confusão com o projeto anglo-francês de mesmo nome, ficamos abaixo com a designação francesa (SCAF) em vez de usar o FCAS como no restante desta história).

O futuro sistema de combate aéreo visa suceder a atual frota de aviões de combate (Rafale – Mirage 2000 / Tornado – Eurofighter). Ele girará em torno de um componente pilotado, mísseis, drones altamente conectados capazes de atuar de forma autônoma ou dentro de um sistema de sistemas, a fim de enfrentar os desafios dos futuros ambientes operacionais.

Principais requisitos operacionais expressos no Requisito Comum de Alto Nível

  • A partir de hoje, uma visão comum franco-alemã da necessidade operacional se refere à substituição do Rafale (FR) e do Eurofighter (GE) até 2040, passo necessário antes de qualquer variação do aspecto industrial.
  • Leva em conta os desafios dos ambientes operacionais do futuro.
  • A necessidade é substituir as frotas de Rafale e Eurofighter. O sistema terá, portanto, de ser versátil e flexível para uso. Terá que ser capaz de agir de forma autônoma, ou dentro de um sistema de sistemas, a fim de enfrentar os desafios dos futuros ambientes operacionais.
  • O SCAF terá que atender aos requisitos de todas as missões ar-ar.
  • A capacidade de sobrevivência do SCAF permitirá que ele lide com todas as futuras ameaças.
  • O futuro sistema aéreo deve ser interoperável com os ativos da OTAN e da União Europeia num quadro de operações ofensivas e defensivas.
  • O SCAF precisará de capacidades de superioridade aérea em face de futuras ameaças aéreas.
  • O SCAF deve ser capaz de envolver todos os alvos de interesse para operações na superfície do ar.
  • O SCAF deve ser capaz de atuar em um ambiente aéreo disputado e envolver todos os tipos de sistemas de defesa aérea.
  • Maior necessidade de conectividade e capacidade de mesclagem de dados em tempo real.
  • O SCAF (particularidade francesa) deve poder ser navalizado.

FONTE: Defense-Aerospace.com

39
Deixe um comentário

avatar
25 Comment threads
14 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
MARCOVThiagoMauricio R.Bavaria LionEdcarlosPrudente@msn.com Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Antonio
Visitante
Antonio

Acredito que vem coisa boa por aí. Aliás, muito boa.

Gustavo
Visitante
Gustavo

concordo! O aprendizado com os erros do Eurofighter e A400 são a melhor base para o nascimento de uma plataforma que não seja um ralo de dinheiro publico e, ao mesmo tempo, atenda os requisitos europeus no estado da arte.
Esse caça nasce de uma família de respeito… Rafale e Eurofighter. Não precisa falar mais nada.

Antonio
Visitante
Antonio

Exatamente. Dupla de respeito.

Lewandowski
Visitante
Lewandowski

Decisão acertada em deixar a Dassault liderar o programa – o que me surpreendeu de certa forma. Com isso, a Europa ainda continuará a ter soberania em aeronavês de alto desempenho.
.
Será que a SAAB vai entrar no bolo para substituir o Gripen NG ou desenvolverá a posteriori seu próprio projeto?
.
Sds

Leonardo Gama Souza
Visitante
Leonardo Gama Souza

Meu palpite é que a SAAB busque uma parceria com o Reino Unido/BAE Systems para desenvolver seu próprio projeto e manter sua soberania nessa área.

TJLopes
Visitante
TJLopes

“Quando há cooperação, as nações devem decidir, e há sempre uma nação líder … para o FCAS, serão os franceses”

Como diria Capitão Nascimento: “Eu já avisei que vai dar m**** isso.”

pangloss
Visitante
pangloss

Torço para que a iniciativa seja muito bem sucedida.
Detalhe curioso: França e Alemanha têm mulheres à frente dos seus ministérios de Defesa. Nada contra, se tiverem boa atuação na matéria que lhes é afeta.

Marquês de São Vicente
Visitante
Marquês de São Vicente

Parece que os ingleses vão ficar de vez nas mãos americanas…

Jr
Visitante
Jr

Eles são parceiros dos Turcos no TF-X e estão tentando ser parceiros dos japoneses no caça que vai substituir o F2 e F-15

Edgar
Visitante

Dá pra ver claramente na terceira foto que a Dassault está a frente do projeto, ao já utilizar tanques externos até mesmo em peças de marketing / PowerPoints do FCAS.

Resta saber se também exigirão motor Snecma, radar Thales, armamento Safran,…

Tico
Visitante

Aquelas “aletas” unida às asas do designer apresentado, parece com as do T-50 russo, será que ouve alguma inspiração do caça russo para este daí?

Delfim
Visitante
Delfim

Eu tenho a impressão que o projeto já estava pronto mas em sigilo. Um projeto de cooperação européia não sairia tão rápido assim, como truque de mágica.
.
Minha dúvida no outro tópico está respondida : o UK vai ficar de castigo.
.
Os requisitos operacionais são mais de superioridade aérea que de ataque. Rafale e Typhoon serão relegados ao ataque ?
.
Se a SAAB entrar neste esquema, e a Boeing não levar a EMBRAER inteira… quem sabe ?

Augusto L
Visitante
Augusto L

Delfim, pelo que parece não vão operar com os Typhoons e Rafales vão susbtitui-los.

Sobre o UK é concordo, apesar d achar isso uma babaquice cada pais tem o direito de seguir seu caminho desde de que não ameaçe o outro o que não é o caso.

Augusto L
Visitante
Augusto L

O texto esqueceu de dizer que é soberania francesa né, pq se a Franca liderar a Alemanha terá menos Know-How do que teve no projeto do eurofighter. Agora eu já acho que uma aquisição agora de f-35 não mataria esse projeto, até pq o projeto é pra 2040. Eu que eu acho é que a Alemanha quer é diminuir a sua forca aérea e padronizar só com o Typhoon do que ter uma força aerea maior e com 2 caças. E provavelmente a Holanda que vai de f-35 vai suprir a falta de stealth na Luftwaffe alemã, assim como o… Read more »

Munhoz
Visitante
Munhoz

Se o Japão entrar nesse bolo vamos ter um novo caça mais rápido ainda pois os japoneses já estavam desenvolvendo um protótipo ATD-X de uma aeronave de pesquisas, e o Japão já esta oferecendo uma aeronave de patrulha marítima Kawasaki P-1 para a Alemanha e a França .

Estamos diante de uma nova era de alianças no desenvolvimento militar .

André Bueno
Visitante
André Bueno

O Japão seria um bom parceiro, assim como Coréia do Sul e Turquia, que já declararam interesse em desenvolver aeronaves de tal tipo. Mas há as considerações geopolíticas e a questão da participação destes hipotéticos parceiros, tanto com relação ao capital investido como com relação ao aporte tecnológico.
Sobre o Kawasaki P-1, creio que os europeus desejam uma plataforma europeia para sua futura aeronave de vigilância, possivelmente, chuto eu, uma variante do A-330.

André Bueno
Visitante
André Bueno

Ainda há a SAAB, mencionada no texto.

André Bueno
Visitante
André Bueno

Na verdade uma variante do A-320. Se não me engano já há alguma ideia recente sobre isso.

Augusto L
Visitante
Augusto L

O Japão não pode esperar ate 2035 ou 2040

André Bueno
Visitante
André Bueno

Tem razão. Eles precisam de algo para relativamente breve. Estão em uma encruzilhada.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Acredito que este projeto vai dar certo, penso que os dois sócios estão mais maduros, basta ver o tempo curto que levaram para decidir quem vai fazer o que.

Robsonmkt
Visitante

A França já trabalhou com ingleses no passado, no SEPECAT Jaguar e com os alemães no Apha-Jet. Tem trabalhado com parceiros europeus no A400M e a coisa não deu certo foi no Eurofighter que deu origem ao Typhoon e ao Rafale. Espero que desta parceria sai um bom projeto. Se vai ser realista do ponto de vista orçamentário, não sei dizer, visto que tanto o Typhoon quanto o Rafale não são bons exemplos nesta área. Neste quesito, os suecos se saem melhor. Se os atuais usuários do Rafale e do Typhoon dentro e fora da Europa se interessarem por este… Read more »

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Se conseguir evitar os erros dos concorrentes e decidirem por utilizar tecnologia de ponta mas que já esteja em uso ou em vias de entrar em uso sem querer reinventar a roda, tem tudo para ser uma excelente aeronave. Espero que não caiam na cilada de querer que seja mais stealth do que o F-22 ou o B-2, que seja stealth o sufiente apenas para garantir o sucesso da missão.
É como diz o urso Baloo, “Somente o necessário, o extraordinário é demais…”.

Sérgio Luís
Visitante
Sérgio Luís

Agora sim uai!!!!!
Concorrência é sempre saudável! Tinham que acabar com aquela sensação de que “vão ter que me engolir” com o F-35!

Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

Estou cético,primeiro que estão muito atrasados,deveriam ter começado bem antes, é um projeto destes leva vários anos de conceito desenvolvimento,prototipo, e consome rios de dinheiro, é pelo jeito,enquanto isto o resto da Europoa vai de f-35,que no percurso do tempo estará mais em conta e com maior capacidade.Não creio que a suécia entrará neste programa pois é mais fácil para ela indo colocando partes stell no futuras versões do grispen,é claro faturando pois já investiu muito dinheiro sozinha.Os russos devem está rindo atoa,pois quando estes aparelhos voarem seu su-57 já estará pleno é a otan fraca pois o grosso da… Read more »

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

É um risco que vale a pena, pois viver sob o monopólio americano (não só americano) é um risco muito maior.

A independência econômica, tecnológica e militar de um país não tem preço, vale cada esforço, cada centavo investido.

JT8D
Visitante
JT8D

Não é Grispen, é Gripen

filipe
Visitante
filipe

Naturalmente vamos de FS2020, depois no Gripen NG, a evolução natural será o FS2020 da SAAB, acredito que será SAAB+ BAE + BOEING/EMBRAER , será o um caça de 5ª Geração bem mais barato do que os LM F-22 e os LM F-35, poderá ser mono-motor ou bi-motor.

Jean Jardino
Visitante
Jean Jardino

Comecem a esquecer o nome EMBRAER, sera tudo Boeing, qdo a compra se concretizar.

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Boeing/Embraer?
Eu vejo cada coisa, ou melhor leio cada coisa

filipe
Visitante
filipe

Fabio já é mais do que sabido que existe uma pareceria , que se transformará numa fusão futura entre a Boeing e a Embraer, mas quando escrevi isso foi pensando no futuro, não no presente, mais cedo ou mais tarde a Boeing vai comprar a Embraer, e no concurso do caça de treinamento da USAF , já houve uma parceria entre a Boeing e a SAAB, com um prototipo lembrando uma fusão entre o Gripen e o F-18E/F , um caça mono-motor mas com a duplas asas verticais iguais as do F-18 E/F, o mais natural é a SAAB e… Read more »

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Imagina o preço dessas aeronaves…eu acho os preços dos produtos de defesa europeus extremamente caros de adquirir e operar, certamente essa “união” tende a combater esses preços absurdos, tentando reduzir custos ao longo do tempo de produção e uso dos aparelhos.
É muito diferente, por exemplo, os EUA que costumam comprar lotes enormes de produtos, os europeus compram muito pouco…matando a competitividade.

Flanker
Visitante
Flanker

Segundo a matéria, a intenção é desenvolver demonstradores a partir de 2025, com a substituição dos Rafale e Eurofighter até 2040. Com isso, não vejo qual o “conflito” entre essa aeronave e o F-35. Em 2040 o F-35 ja terá passado de metade da sua vida operacional. Logo, franceses e alemães abrem mão de ter um caça de 5ª geração na mesma época que EUA, China (já esta colocamdo em serviço os seus) e Rússia (em desenvovimento adiantado de seu 5G). Durante um espaço temporal de mais de 20 anos, a contar de agora, os franceses e alemães não contarão… Read more »

Fabiano Martins
Visitante
Fabiano Martins

Dai sai o 5G para a FAB !

EdcarlosPrudente@msn.com
Visitante
EdcarlosPrudente@msn.com

Impressão minha ou esse é um projeto de um caça de 5º geração bi posto?!

Saudações!

Bavaria Lion
Visitante

A frança liderará o projeto… baseado nas especificações alemãs.
Acredito que eles não iriam deixar os gauleses abriocharem o negócio, até porque o FCAS é um projeto Airbus, puro, de início.

Vai dar certo, assim como deu a família mirage.

Mauricio R.
Visitante

Marcel Dassault do inferno deve estar absurdamente contente, conseguiram finalmente emplacar a liderança francesa em um projeto europeu, pero no mucho!!!! E o fizeram exaltando a mediocridade de um projeto capenga e muito mal ajambrado, pois era o que a França sozinha conseguia pagar. Por enquanto Reino Unido, Itália, Noruega, Dinamarca, Holanda e quem sabe a Bélgica, estão seguros pois são parceiros do F-35, por outro lado a Espanha e o leste europeu estão correndo sério perigo, de serem tragados por esta geringonça. A Suécia por enquanto protegida pelas possibilidades apresentadas pelo Gripen E, e quem sabe talvez o TX,… Read more »

Thiago
Visitante
Thiago

Até q enfim estao se acertando. Era o óbvio nao concretizado no passado. Com certeza vai sair algo muito bom e provavelmente dentro de um custo previsível se realmente aprenderam c os erros passados. Indústria norte americana q fique atenta.

MARCOV
Visitante
MARCOV

Vejam a matéria que saiu na Aviation Week:
France Has Mixed Feelings About European Cooperation
http://aviationweek.com/defense/france-has-mixed-feelings-about-european-cooperation

Parece que o Tribunal de Contas francês não vê com bons olhos a transferência de tecnologia, da França para a Alemanha, envolvida no programa FCAS . . .