Home Indústria Aeroespacial Airbus mira o mercado brasileiro de defesa

Airbus mira o mercado brasileiro de defesa

420
6

EDA 60 anos - C-105 Amazonas da FAB em exposição - foto Nunão - Poder Aéreo

Por Virgínia Silveira

ClippingNEWS-PAA Airbus Defence and Space, divisão do grupo Airbus e uma das dez maiores companhias do setor de defesa no mundo, com faturamento de € 14 bilhões, tem planos para expandir a presença dos seus negócios no Brasil, no curto e médio prazo nas áreas de aeronaves militares, sistemas espaciais, comunicação, inteligência e segurança e eletrônica.

O diretor comercial da Airbus Defence and Space, Christian Scherer, afirmou que a expectativa é de que nos próximos dez anos o mercado aeroespacial e de defesa da América Latina movimente negócios da ordem de € 48 bilhões.

“O Brasil é um mercado chave na região. Somos e continuaremos a ser o mais brasileiro de todos os grandes grupos aeroespaciais em atuação no país”, disse o executivo.

A empresa, conforme revela o executivo, está em fase de criação da Airbras, uma companhia que dará suporte às 12 aeronaves de transporte logístico C-295, que a Força Aérea Brasileira (FAB) opera com a denominação de C-105 Amazonas.

As aeronaves cumprem missões de transporte aéreo militar e logístico, lançamento de paraquedistas e carga, busca e salvamento, evacuação aeromédica. Atualmente, estão localizadas nas bases aéreas de Campo Grande (MS) e de Manaus (AM).

O diretor também confirma o interesse da empresa de instalar um centro de manutenção, reparo e revisão (da sigla em inglês MRO), que em uma segunda etapa também poderia atender à frota de aeronaves civis da Airbus no país.

A companhia europeia acaba de fechar a venda de mais três aeronaves do modelo na versão busca e resgate (do inglês SAR), um contrato assinado com a FAB de € 187 milhões. O montante inclui o suporte logístico para as aeronaves. O primeiro avião deverá ser entregue no quarto trimestre de 2016 e o último no final de 2017.

Segundo o presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate da Aeronaútica (Copac), brigadeiro Augusto Crepaldi, o contrato com a Airbus foi assinado no final de abril, mas entrou em eficácia no dia 17 de junho, depois de passar por trâmites burocráticos.

A FAB adquiriu o primeiro lote do C-105 Amazonas em 2005, época em que também entregou à Airbus a tarefa de modernizar nove aeronaves de patrulha marítima P-3 Orion.

P-3AM

Os dois contratos foram avaliados à época em mais de US$ 700 milhões. A última aeronave P-3 modernizada, de acordo com Scherer, já está sendo testada em voo nas instalações da Airbus em Sevilha, na Espanha, e será entregue à FAB em breve.

Na área espacial, o grupo quer que sua empresa espacial no Brasil, a Equatorial, de São José dos Campos, tenha forte posição na cadeia de fornecimento global da companhia.

O diretor ressalta que “a Airbus, ao contrário de outras empresas internacionais, tem feito investimentos significativos no Brasil e com resultados tangíveis, que vão muito além de projetos de pesquisa genéricos”.

O executivo também destaca a parceria da empresa com a com a Atech, controlada pela Embraer, para o desenvolvimento do sistema de missão naval para o programa do helicóptero EC-725, coordenado pela Helibras. Scherer ressalta ainda o investimento de 450 milhões de euros já feitos no âmbito deste programa pela Airbus Helicopter e Helibras na transferência de tecnologias e na indústria brasileira.

No Parque Tecnológico de São José dos Campos, a companhia europeia instalou um centro de pesquisa e tecnologia, onde pesquisadores e técnicos da Airbus Defesa e Espaço irão desenvolver projetos e parcerias com a indústria aeroespacial e de defesa brasileira. Um dos focos da pesquisa no local é o programa Sisgaaz (Sistema de Gerenciamentoto da Amazônia Azul), coordenado pela Marinha, cuja fase de implantação está avaliada em R$ 14 bilhões.

O Valor apurou que a Airbus já estaria fazendo composições com alguns grupos locais, que atuarão como “main contractors” no Sisgaaz, para participar da competição. A fabricante europeia não esconde o interesse de uma parceria com a Embraer, com quem afirma ter um relacionamento muito bom, assim como um enorme respeito pela sua liderança.

O diretor Christian Scherer, da Airbus Defence, acredita que haja oportunidades significativas para que as duas empresas possam trabalhar juntas e de forma complementar. “Em algumas áreas as nossas condutas convergem para uma concorrência saudável e na maior parte das outras para um ganho de capacidades complementares”, afirmou.

FONTE: Valor Econômico

6
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Rinaldo NeryMauricio R.juarezmartinezBaschera Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Baschera
Visitante
Member
Baschera

Agora entendi o porque destas aeronaves custarem mais de € 60 milhões cada (R$ 190 milhões)… lá vamos nós pagar pelo tal “centro de manutenção” da Airbus……

Sds.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Negativo Baschera, o contrato inclui apenas o CLS das aeronaves e mais nada, com limite horas estipuladas e bem cobradas, o tal centro é uma “cousa” a parte.
Interessante né, os contratos da Airbus com o atual desgoverno tem sido assinados, normalmente, em anos eleitorais, uma coicidência é óbvio……

Grande abraço

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Airbus, então veja se erra essa mira!!!
Nós já temos Embraer, Avibrás, então não necessitamos de mais enguiços.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Independente dos custos e falcatruas, o P-3AM é uma aeronave formidável e, junto com o HARPOON, nos deu um grande incremento na capacidade de controle das nossas águas territoriais.
O SC-105, com os equipamentos e sistemas aeroembarcados especificados, estará na vanguarda das missões de busca e resgate. Desse projeto eu participei.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Corrigido, falcatruas que, porventura, possam ter ocorrido com alguns contratos com a AIRBUS. Não estou afirmando. Não tenho conhecimento do que se passa nas altas esferas do GF.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Caro Cel Nery! O senhor não precisa explicar, nós bem sabemos que aonde esta esta empresa está metida no Brasil hay bruxas, pelo que las hay las hay….
Este caso do 105 é troço que me dá náuseas, ânsia de vômito e dor de barriga……..nada contra o amigo até porque sei qeu se trta de homem honrado e foi um exelente oficial.

Grande abraço