terça-feira, agosto 3, 2021

Gripen para o Brasil

Primeiro reabastecimento em voo dos caças Gripen da República Tcheca

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Dois pilotos de Jas-39 Gripen da República Tcheca treinaram reabastecimento em voo pela primeira vez, na última terça-feira, 28 de janeiro. Os voos de treinamento foram realizados na Suécia, utilizando como aeronave reabastecedora um C-130. Segundo o comandante da Força Aérea da República Tcheca, Vlastimil Verner, esse é mais um passo para a cooperação completa com outros países da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Após as aulas teóricas realizadas na segunda-feira, a parte prática foi feita com a presença de um instrutor sueco na versão biposta da aeronave. A primeira missão durou duas horas, com sete contatos com a sonda, os primeiros “a seco”, os três últimos com transferência de combustível (total de 3.000 libras transferidas). Os últimos contatos foram feitos pelo aluno, sem a ajuda do instrutor.

Para esta quarta-feira, está programado que os dois pilotos Tchecos cumpram a missão sozinhos, pilotando caças monopostos.

A República Tcheca opera 14 caças Gripen, em um contrato de leasing inicialmente válido até 2015, e que vem sendo negociado para continuar após esse prazo. Os pilotos Tchecos já realizaram desdobramentos para proteger o espaço aéreo dos países Bálticos, no rodízio promovido pelas forças aéreas da OTAN, mas ainda não fizeram missões em operações de aliança.

FONTES / FOTOS: Prague Daily Monitor (com informações da Czech News Agency – ČTK) e Ministério da Defesa da República Tcheca

- Advertisement -

12 Comments

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo

desde quando os tchecos operam o Gripen mesmo? e só agora fizeram um REVO?
bom, considerando o tamanho da tchequia, acho que nem precisariam, mesmo com o Gripenito, mas esperar tanto tempo para treinar isso parece estranho.

Clésio Luiz

Se eu não me engano, na primeira concorrência do F-X essa sonda do gripen, montada sobre a entrada de ar, não foi vista com bons olhos pelo pessoal da FAB. Vamos ver se a Saab vai reposicionar a sonda no NG.

Clésio Luiz

Existe um bom número de caças com esse posicionamento de sonda, mas todos eles são retrofits. O F-4, por exemplo, tinha duas configurações, uma retrátil e uma permanente, esta eu acredito ser obra de alguma empresa israelense. Já vi também os derivados do Mirage III com uma sonda fixa, também adaptada sobre a entrada de ar. Até o F-16 ganhou uma sonda dessas “sobre o ombro” feita pela Lockheed, adaptada a partir do CFT direito. O que incomoda nessas sondas é que não deve ser nada fácil acertar a cesta com elas, já que você não tem muita noção do… Read more »

Mauricio R.

“…não foi vista com bons olhos pelo pessoal da FAB.”

Serviçinho de porco, 2 metidos a sabido da FAB, sem executar qualquer teste e avaliação, só no olhometro; inventaram esse factóide.
Sem sequer conhecerem e analisarem, tda a campanha de ensaio e homologação, executada na Grã Bretanha pela BAe.

Clésio Luiz

Seria interessante um gráfico comparando os tempos de treinamento entre as duas posições de sonda: a frontal e a de ombro. Acho que nem é preciso pensar muito sobre quem tem o menor tempo de aprendizado.

Ivan

Sou apenas um entusiasta, mas não gosto da posição da sonda ‘no ombro’ dos caças, como o Gripen C/D e o F-16 IN Viper. Mas com tudo tem um lado ruim e um lado bom, se por um lado deve exigir mais atenção do piloto durante o REVO, durante o restante do vôo fica em uma posição discreta, sem aumentar o RCS da aeronave. Também não gosto da posição da sonda fixa ‘frontal’ no nariz de caças como o Rafale, Mirage 2000, F-5M e AMX. Se aparentemente simplifica a abordagem do piloto para o REVO, por outro cria uma fonte… Read more »

Mauricio R.

Nunão,

Não sei se foi aqui no blog ou no Orkut, mas circulou um papo que o comprimento da mangueira nos casulos de nossos reabatecedores seria um tanto curto, deixando a cesta exposta ao remuo da asa do KC-137.
Então essa cesta ficaria exposta a corrente de ar, chicoteando descontrolada, ao invés de ter um comportamento neutro.
Daí a desconfiança dos caçadores da FAB, qnto a posição da sonda no Gripen.

Marcelo

Ivan, existe também a opção da sonda ser semi escamoteável, como nos Harrier II (AV-8B), pois não havia espaço dentro, mas fizeram uma protuberância para fora “para caber” a sonda.
Abraços.

Ivan

Marcelo Reeves,

Bem lembrado.

Para uma aeronave que não tinha previsão no projeto original para realizar REVO é uma solução aceitável.

No caso do Harrier que tem um enorme RCS uma protuberância a mais não deve fazer muita diferença.

Sds,
Ivan.

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -