domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

Nem Rafale nem Typhoon: articulista indiano defende F-35 no lugar do MMRCA

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

‘Acabem com esse hara-kiri do MMRCA’, diz o título de artigo de Ajai Shukla publicado no jornal Business Standard

Anteontem, publicamos aqui a tradução de uma matéria de um jornal inglês, defendendo a tese de que o Typhoon lidera o programa MMRCA. Ontem, foi a vez de um artigo de site indiano de defesa, dizendo que quem está na liderança é o Rafale. Para acessá-las, veja os links ao final desta matéria. Agora, é a vez de mostrar uma terceira e polêmica opinião: para o articulista Ajai Shukla do jornal Business Standard, a Força Aérea Indiana deveria, de maneira franca, dizer ao Ministério da Defesa da Índia que a defesa nacional demanda acabar com o programa MMRCA. Ele considera o custo do MMRCA acima do aceitável e sugere a compra do F-35 por meio de um contrato de único fornecedor. Veja abaixo a tradução do Poder Aéreo deste artigo publicado na terça-feira, 1º de novembro:

Na próxima sexta-feira, quando os altos executivos do consórcio Eurofighter GmbH e da Dassault se encontrarem no escritório de Vivek Rae, diretor geral de aquisições do Ministério da Defesa Indiano, é certo que a tensão estará elevadíssima. Qual o objetivo da reunião? A abertura das propostas comerciais para a maior compra internacional de armas, que também é a mais mal-concebida do mundo. Falo da inconsequente proposta da Força Aérea Indiana (IAF) para comprar 126 aviões de combate multitarefa de porte médio (MMRCA) que estarão superados, em desempenho e armamentos, por caças chineses logo após entrarem em serviço na IAF.

A abertura das propostas, em qualquer grande contrato, é um momento de tensão. A enorme ansiedade do consórcio Eurofighter e da Dassault também deriva do fato de que a compra da IAF é crucial para o futuro de qualquer um deles.

O grupo Eurofighter está enfrentando graves problemas internos, com as nações parceiras diminuindo os seus pedidos. A Índia é desesperadamente importante para a restauração do equilíbrio econômico da produção do Typhoon. A RAF já diminuiu suas encomendas do caça e, na semana passada, o jornal The New York Times noticiou que a Força Aérea Alemã (que ironicamente lidera a campanha do Typhoon na Índia) está fazendo ajustes nas suas compras, o que diminuirá de 177 para 140 o número de Typhoons que vai adquirir.

A Dassault está num aperto ainda mais terrível, já que o Rafale falhou em encontrar qualquer cliente internacional. Há encomendas para apenas 180 caças Rafale, todos para as Forças Armadas Francesas, que dificilmente teriam outra opção de compra.

No início da reunião de sexta-feira, o único sujeito mais despreocupado deverá ser o próprio sr. Rae, que estará sentado sobre o cofre de  Rs 42.000 crore do Ministério da Defesa. Mas seu bom estado de espírito não deverá sobreviver à abertura das ofertas, porque as estimativas de custo, levantadas pelo Ministério há uns seis anos, muito provavelmente serão superadas pela oferta de menor valor. No mês passado, o Ministério reavaliou sua estimativa original num processo chamado de “benchmarking” (aferição, ou comparação com referencial). Mas o sr. Rae sabe que, no caso do valor cotado pelo vencedor ser significativamente superior à estimativa de referência do Ministério, o processo terá que ser reiniciado.

Se algo do gênero ocorrer, seria uma benção disfarçada. E seria também a melhor maneira de se livrar desta compra, que não faz sentido algum. Isso porque são caças com preço exorbitante e que sofrerão grandes perdas no caso de um conflito com a China. Tanto o Typhoon quanto o Rafale são caças da “4ª geração plus”, inferiores em aspectos fundamentais ao J-20, o caça furtivo chinês de “5ª geração” que voou pela primeira vez neste ano. Obviamente, o J-20 precisará de uma década de testes de voo antes de entrar em serviço operacional, mas o primeiro MMRCA seria entregue à Força Aérea Indiana apenas por volta de 2015-16. Cinco anos depois, caças J-20 operacionais da PLAAF (People’s Liberation Army Air Force – Força Aérea do Exército de Libertação Popular) estarão no domínio dos Himalaias. E os MMRCAs da IAF, já ultrapassados em 2020, continuarão “manquitolando” pelos céus até 2050, já que o Ministério da Defesa deverá, com razão, alegar que gastou entre Rs 42.000 e Rs 84.000 crore neles.

Infelizmente, a IAF está fechando seus olhos a este problema, mesmo com o crescimento do perfil aeroespacial da China servindo como referencial para outras forças aéreas regionais. O Japão, a Coreia do Sul e Cingapura estão percebendo que uma frota de caças de quinta geração é necessária para oferecer uma capacidade real de defesa frente à PLAAF. A Coreia do Sul está perto de selecionar o F-35 Lightning II da Lockheed Martin, o único caça de 5ª geração oferecido no mercado mundial. A Força Aérea de Auto Defesa do Japão (Japan Air Self Defence Force – JASDF) também está se inclinando para o F-35, depois que a Lockheed Martin foi proibida de exportar o F-22 –  sem dúvida o mais avançado caça do mundo – para o Japão. Em 2003, Cingapura investiu recursos no programa de desenvolvimento do F-35, e está no caminho de comprar a aeronave.

Dado que não é necessário ser muito inteligente para perceber que a ascenção chinesa impõe a adquisição de um caça de quinta geração, então por que a IAF (presumivelmente um personagem racional) está inexplicavelmente comprando caças da “quarta geração plus”? A triste resposta está no estrangulamento político e burocrático em relação a aquisições, pelo qual toda reavaliação da IAF traz consigo, como castigo, anos de atraso. No início da década passada (anos 2000), quando a IAF formatou o processo de compra do MMRCA, não havia nenhum caça de quinta geração à venda. O F-35 já vinha sendo desenvolvido, mas ainda não estava pronto para testes de voo, o que era um elemento fundamental no processo de aquisição indiano. Incapaz de esperar por um caça de quinta geração, a IAF diminuiu seus requisitos e iniciou uma disputa imparcial envolvendo vários competidores, oferecendo quaisquer caças de “quarta geração plus” disponíveis no mercado.

Anos depois, quando a IAF se encontra na posição de escolher entre dois caças dessa “quarta geração plus”, deve-se destacar que o F-35 está às vésperas de sua liberação para operações. Seu fabricante, a Lockheed Martin, já sinalizou de várias formas que poderia fornecer esse caça à IAF, a um custo básico (fly-away – pronto para voar) de 65 milhões de dólares por aeronave (significativamente mais barato que o Rafale ou o Typhoon), iniciando as entregas em 2015. O Governo dos Estados Unidos já indicou que qualquer venda de F-35 à Índia seria liberada com presteza. Mas, para uma insegura IAF, acostumada a ser tratada com rispidez pelo Ministério da Defesa, um pássaro na mão é melhor do que dois no arbusto. A compra do MMRCA possibilitaria a formação de seis esquadrões de caças razoavelmente bons, ainda que superados pela PLAAF no caso de uma guerra. Qualquer mudança nesse estado de coisas, ao menos segundo as expectativas da IAF, necessitaria de novas autorizações do Ministério, assim como acarretaria sanções financeiras, o que custaria mais três anos.

Mas há uma alternativa. A IAF deveria dizer francamente ao Ministério da Defesa que a situação mudou, e que a segurança nacional impõe o cancelamento do programa MMRCA, que está com sobrepreço, e a compra do F-35 por meio de um contrato de ofertante único (single-vendor contract). A defesa pátria não pode ficar refém dos requisitos processuais de uma disputa envolvendo múltiplos competidores. Além disso, o pagamento acima das estimativas não é justificável já que se trata de uma competição. A Índia, recentemente, adquiriu várias aeronaves muito boas de ofertantes únicos, em acordos governo-a-governo: o Sukhoi-30MKI da Rússia e os aviões de transporte C-130J e C-17 dos Estados Unidos. A aquisição de um novo caça que formará a espinha dorsal da IAF por décadas deve ser tratada com a mesma urgência.

FONTE: Business Standard (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: jsf.mil, Dassault e Eurofighter

NOTA DO EDITOR: o articulista defende pontos de vista muito interessantes e extremamente válidos. Com o respeito às devidas proporções, os argumentos podem gerar uma discussão interessante também sobre o nosso F-X2 (com a diferença que a Índia já possui caças de 4ª geração em quantidade, como o Su-30, e o Brasil não, sem falar que as demandas de defesa dos dois países também são muito diferentes).

Porém, no que se refere ao caso indiano, em nenhum momento Ajai Shukla menciona a participação de seu país no programa do caça furtivo russo PAK-FA, uma aeronave de quinta geração que está na categoria de caça pesado, compatível com o porte do J-20 chinês e com o emprego que se espera do mesmo. Afinal, na provável época em que o J-20 chinês entrar em operação, a Índia  também já deverá possuir suas primeiras unidades da versão local do PAK-FA. Ou será que não?

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

12 Comments

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DrCockroach

F-35 por US$ 65 milhoes… 🙂 Assim como o Brasil eles tb estao considerando off-sets, etc. Mas talvez um problema eh que nao se preocuparam em avaliar quanto mais iriam pagar pelo Rafale/Typhoon p/ ter um pouquinho mais em alguns criterios de avaliacao (supondo que sejam corretos os criterios de avaliacao, o que tenho duvidas, exemplo: AESA…). Seria como dizer algo: “O motor eh importante na compra de um carro e nao me interessa o valor!”. E entao o sujeiro escolhe um carro com motor 2.0 (ao inves de 1.8) mas paga o dobro pelo carro. Realmente o 0.2 a… Read more »

Nick

Concordo com a visão do articulista, e é algo que pode ser aplicado ao FX-2 da FAB. Comprar caças de 4.5ª geração mais caros que os de 5ª geração que estão para entrar em operação (sim, F-35 e PAK FA terão preços menores que o Rafale e Typhoon) não faz sentido. Nem na Índia nem aqui 🙂 O certo para eles: F-35 de prateleira, mais os Su-30 MKI modernizados para o padrão SU-35 S, mais os Tejas e futuramente os PAKFA e AMCA. Para nós: 36 caças de prateleira (F-16 C ou Gripen C) e entrar em algum projeto de… Read more »

Guilherme Poggio

O autor viajou.

Tanto Índia como o Brasil precisam de caças para ontem.

A fila para comprar o F-35 é grande e eu não acredito que a Índia, que não fornecerá nem um parafuso para o programa, terá prioridade.

Alfredo Araujo

Lendo o texto pensei no mesmo que o Poggio…

A India precisa de aviões para ontem !! Os Mig21 e Mig23 estão caindo aos montes!

ricardo_recife

A Índia tem três projetos para sua força aérea. a) PAK – FA. Um caça que diz ser de quinta geração. Sua função será a de superioridade aérea. b) MMRCA. Um caça multimissão, com a função de ser o carregador de piano no caso dos ataques aéreos e c) LCA Tejas. Um caça de baixo desempenho. Olhando para este desenho não vejo razão para a proposta do articulista indiano, a não ser que ele imagine que os custos de adquirir caças de 4.5 geração europeus são tão altos, vis-à-vis ao F-35, que não compensem a longo prazo. Neste sentido, ele… Read more »

Observador

Para poupar trabalho de pesquisa aos demais participantes, me antecipei e fui verificar oque é este tal de “crore”. Crore é uma medida indiana equivalente a dez milhões de unidades (dinheiro, grãos de areia, etc.). Voltando ao tópico… É claro que o autor de texto não tem poder algum na decisão, mas aponta para um problema que é o mesmo da FAB. De que adianta gastar bilhões em caças de 4ª+ geração? Não seria melhor comprar um caça tampão de quarta geração (Gripen ou F-16 MLU) e lançar dentro de alguns anos um FX-3, quando os caças de 5ª geração… Read more »

Justin Case

ricardo_recife disse: 2 de novembro de 2011 às 17:13 “…Agora olhando para o nosso umbigo. Três cenários:… Ricardo, boa noite. Nenhum dos países grandes abandonou a geração atual aguardando a geração futuro. A Índia precisa de um quarta geração antes do avião de quinta, a Federação Russa idem. Os europeus, os asiáticos… nenhum abandonou ou saltou a geração atual. O mesmo vale para nós. Nós precisamos de um avião que exista, que seja operacional, com a melhor tecnologia disponível. Isso deve ser feito AO MESMO TEMPO em que desenvolvemos o avião da próxima geração. Não há um só país que… Read more »

juarezmartinez

Eu tinha ouvido de um militar de carreira da FAB, que o MMRCA Indiano poderia tomar rumos semelhantes ao FX, dei risada, parece que el sabia de algo…..

Grande abraço

Ivan

Índia e Brasil possuem realidades completamente diferentes, tendo em comum a necessidade de novos caças. O M-MRCA existe para atender uma necessidade operacional imediata. Os MiG’s hindus estão caíndo como se estivessem em guerra, passou a ser uma piada de mau gosto. A Bhartiya Vāyu Sena precisa destes novos caças para este ano, mas terá que esperar um pouco por conta da burocracia normal da compra. Entretanto, entrar na fila do programa JSF – Joint Strike Fighter é uma inconsequência. (O que não impede deles partirem para uma compra deste no futuro.) A guerra por “aquelas bandas” é a regra,… Read more »

DrCockroach

Na verdade a India tem um outro programa alem dos citados que, no papel, seria na mesma faixa do F-35. o Advanced Medium Combat Aircraft (AMCA, ex-MCA): AERO INDIA: Roadmap revealed for Medium Combat Aircraft http://www.flightglobal.com/news/articles/aero-india-roadmap-revealed-for-medium-combat-aircraft-353052/ Subramanyam says the MCA “does not clash” with the FGFA, and will be comparable to the Lockheed Martin F-35, with the FGFA comparable to the F-22 Raptor. []s! P.S.: Vcs podem ficar com inveja da India e os gastos militares deles, mas eu estou feliz da vida que nao estamos proximos do Iran, Paquistao, China, Russia… (well, talvez a China e Russia eu retiraria… Read more »

ricardo_recife

Ivan,

Parabéns, assino embaixo. Gripen (logística, custos e desenvolvimento de tecnologia) mais caças de quinta geração.

Abs,

Ricardo_Recife

Vader

Post quase perfeito, embora não tenha falado nada mais do que o que a gente já sabe: tanto Rafale quanto Typhoon são mais caros que F-35 e, possivelmente, PAK-FA. Não faz sentido a Índia comprar caças de 4a geração, quando já possui operacional o Su-35 (a não ser que este de fato seja uma bela porcaria). Que comprem logo uns bons 10 esquadrões de F-35 e esperem chegar os Su-50 (se é que depois de voarem o JSF irão querer continuar com o protótipo russo). Como apontado, todo mundo que se preze está seguindo o mesmo caminho: o da plataforma… Read more »

Reportagens especiais

Força Aérea Brasileira em 1979, poster da revista Flap Internacional

Reprodução do poster "Força Aérea Brasileira em 1979", da revista Flap Internacional, enviado gentilmente pelo leitor e colaborador Roberto...
- Advertisement -
- Advertisement -