quinta-feira, abril 15, 2021

Gripen para o Brasil

‘França agora pode exportar Rafale para a Líbia’, diz analista russo

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Segundo matéria do jornal ‘The Moscow Times’, não deverá haver negócios da Rússia com a Líbia pós Gaddafi.

 –

 

Na quarta-feira, 24 de agosto, o jornal “The Moscow Times” publicou matéria trazendo informes de várias agências internacionais sobre a situação na Líbia, com o controle do país caindo nas mãos dos rebeldes. Deixando de lado a parte inicial do texto que trata do desenrolar das ações até um dia antes, assunto que pode ser acompanhado pelos leitores no site  das Forças Terrestres, vale a pena ir direto ao ponto principal da matéria do jornal: na opinião de analistas e observadores russos, levando em conta aspectos militares e comerciais da situação, a posição de Moscou na Líbia ficará enfraquecida quando os rebeldes finalmente tomarem conta do país.

O coronel Viktor Murakhovsky disse que a praticamente certa vitória dos rebeldes foi possível graças aos esforços coordenados dos ocidentais. Segundo o coronel, um papel fundamental foi realizado por serviços de inteligência, comprando ou influenciando as deserções de oficiais e soldados antes leais a Kadafi. O treinamento de rebeldes por conselheiros ocidentais e o isolamento do regime, feito de forma metódica, também foram fatores de importância.

Ainda segundo o coronel Murakhovsky, a operação na Líbia também mostrou as fraquezas dos aviões de combate europeus, que não poderia agir de maneira independentre em relação aos Estados Unidos.

Mikhail Margelov, representante especial do presidente Dmitry Medvedev na África, disse que os rebeldes prometeram manter e reconfirmar todos os contratos existentes com a Rússia. Mas, na opinião de Vladimir Isayev. analista do Instituto de Estudos Orientais da Academia Russa de Ciências, os novos governantes líbios não deverão esquecer o fato de que a Rússia se absteve de votar a Resolução 1973 da ONU (Organização das Nações Unidas). Segundo Isayev, França e Grã-Bretanha deverão ficar com as vantagens econômicas.

Os rebeldes também indicaram que deverão rever contratos. “Temos algumas questões políticas com a Rússia, a China e o Brasil”, disse Abdeldzhalil Mayuf, porta-voz da Arabian Gulf Oil Company (AGOCO), a empresa estatal de petróleo da Líbia, que agora está sob controle dos rebeldes.

No recente evento aeroespacial MAKS, o diretor geral da agência russa de exportação de material de defesa (Rosoboronexport), Anatoly Isaikin, disse que as sanções da ONU custaram 4 bilhões de dólares para a agência. Na semana passada. A “Tactical Missiles Corporation”, sediada em Korolyov (próximo a Moscou) sofreu prejuízos de 600 milhões de euros em contratos bloqueados com a Líbia, segundo seu diretor geral, Boris Obnosov. E um contrato para a venda de seis aviões de treinamento Yak-130 foi congelado, conforme declaração do presidente da “Irkut Corporation”, Alexei Fyodorov.

O maior vencedor será a França, que agora pode exportar seu caça Rafale para a Líbia, disse Konstantin Makiyenko, analista do Centro de Anãlises de Estratégias e Tecnologias.

Por fim, o analista político Boris Makarenko disse que o presidente Dmitry Medvedev não conseguirá nenhum benefício de seu apoio aos aliados ocidentais no conflito da Líbia. Apesar de ter reforçado sua posição internacional ao apoiar as sanções contra a Líbia, a maioria dos russos apoia Gaddafi.

FONTE: The Moscow Times (com informações de MT, AP, Vedomosti, Bloomberg, Reuters, Interfax)

Tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo

FOTOS: Armée de l’air (Força Aérea Francesa)

- Advertisement -

64 Comments

Subscribe
Notify of
guest
64 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
tplayer

Sempre que dizem que existe uma chance de venda pro Rafale acontece algo que impede isso. Daqui a pouco o Ghadafhi vira o jogo e volta a dominar o país. hehe

Clésio Luiz

Eles vão comprar o Rafale com que dinheiro, se o país estará um caos após o fim dos conflitos? Se o novo governo for gastar dinheiro com defesa com certeza caças modernos estarão no fim da lista. E pode botar uns 10 a 15 anos até eles comprarem caças novos de fábrica para sua força aérea.

tplayer

Clésio, a Líbia não é um país tão pobre. Além disso não pararam a produção e venda de petróleo durante a revolução.

Além do mais podem pagar com ouro negro ou gás, produtos que já fornecem para União Européia.

Observador

Senhores, Depois do que li, sinceramente, estou me lixando se o Rafale será vendido ou não. Sei que é fora do tópico, mas o NOSSO assunto nesta notícia é que a diplomacia vermelha do Itamaraty vai causar um belo prejuízo às empresas brasileiras instaladas na Líbia ou que vendem por lá. Os interesses brasileiros vêm sendo defendidos, ou melhor, defendidos não, atacados e dilapidados pelos PTplomatas, que há oito anos não dão uma a dentro. A lista é longa e bem conhecida: Bolívia/Petrobrás, Honduras, Paraguai/Itaipu, Irã, BID, OMC, etc. Olha é inacreditável que este pessoal não tenha visto que a… Read more »

felipe.vaiano

Para quem não acompanhou, quando o conflito começou, todas as contas que o Kadafi tinha acumulado durante decadas em contas no exterior ($$$ bilhões), foram todas congeladas e destinadas aos rebeldes. Além disso, a Libia é uma exportadora de petróleo. Eu tenho que concordar com o Observador. O PT nao da uma dentro. Um pouco mais de seriedade e ja poderiamos estar com nossos Rafales, aproveitando da cooperaçao estrategica da França, um país aliado forte, e mais importante, livre da “influencia” americana, e nisso, estar equipando nossa FAB com caças de 4,5a geração, isto é, 4a geração em tecnologia +… Read more »

Corsario137

Caros tplayer e Celsio, Eu ainda vou mais longe. Aposto uma caixa e cerveja com quem quiser que a Dassault não vai vender uma só unidade dessa geringonça para um país estrangeiro! Seja para os EAU, Líbia, Brasil, Índia, eles não irão vender. O Rafale tem uns problemas crõnicos difíceis de resolver. 1. Preço. O Gripen e o 16 são mais baratos, mas só tem um motor. Se você quiser um bimotor tem o 18 e o Typhoon, este último do preço do Rafale, ou seja ou é mais barato ou é melhor. O Rafale ficou no ponto cego do… Read more »

Vader

Sinceramente a França fará bons negócios com a defesa da Líbia. Merece, pois gastou umas boas dezenas de milhões de euros para montar sua vitrine. Mas caças de última geração serão a última das prioridades deles, com ou sem petróleo. A não ser que assuma algum louco ainda mais maluco que o Kadhafi. O Rafale é um bom caça, mas seu preço não compensa para ninguém que não seja a própria França. Ele não é melhor que um Gripen ou um Super Hornet, e custa quase o preço de um F-35A. Tem vinte anos de projeto e ainda não tem… Read more »

Vader

Sobre a PeTralhada do Itamaralívia, nada a declarar. Já estava mais que na cara que o Brasil de novo iria “saci fufú” pra satisfazer o antiamericanismo tôsco da esquerdalha asquerosa.

sagrancarvalho

Boa noite a todos…meio cansado pela hora, só testando. Editores, uma modesta ajuda na divulgação da revista: http://observatorionacionalbr.blogspot.com/2011/08/revistaco.html
Abraços.

felipe.vaiano

Sobre o Rafale, eu ainda nao entendi o ponto dos problemas cronicos. Talvez Corsario e Vader possa me passar as fontes de tal anuncio para que eu possa verificar. Outra coisa, O Gripen é um otimo aviao, foi considerado na campanha da Libia o melhor avião, só que de reconhecimento!! rs rs rs. Alem disso, ele vem com um e só um motor GE, que pra quem nao sabe, é americano e como tudo que é americano, depois pra vender…, todos ja sabem mas nao querem ver! rs rs rs Brasileiro tem memoria curta, isso dizem, nao sei, mas acho… Read more »

Corsario137

Caro felipe.vaiano, Existem muitas de fontes sobre o custo operacional do Rafale, tanto em português quanto em inglês. Apenas para citar o poder aéreo segue: http://www.aereo.jor.br/2009/12/31/quanto-custara-o-rafale-para-o-contribuinte-brasileiro/ http://www.aereo.jor.br/2009/11/26/portal-exame-reafirma-valores-do-custo-por-hora-de-voo-dos-concorrentes/ Sobre o Super Hornet, o congresso dos EUA assinou um compromisso sobre a transferência de tecnologia e esta já não é mais um problema. Isso é de domínio público, até no Valor Economico tem a notícia. Sobre o motor GE do Gripen eu não tenho nenhuma informação negativa. pelo contrário, noticiaram que ele acabou de bater um recorde de 150.000 horas sem apresentar falhas que ocasionassem acidente. E vender? Pra que vender o… Read more »

Corsario137

Falando em fontes… Estava lendo “o concorrente” Revista Força Aérea e tem lá uma entrevista com cada um dos representantes das industrias (Boeing, Dassault e Saab), enquanto a Boeing e a Saab discorrem tranqüilamente quando o assunto é custo, quando chega a hora da Dassault a resposta: “Não falamos de valores pois temos um termo de confidencialidade, blá, blá blá…” No mais é fazer conta, qual a escala de produção do SH e qual a do Rafale? Qual é cotada em dólar e qual é em Euro? Pago outra caixa de cerveja pra quem me provar que é mais barato… Read more »

Luis

“O Rafale pode assustar pelos boatos bem colocados pelos lobbistas da Boeing, mas junto dele vem a tecnologia seguido, muito mais importante que todos os outros somados, vem com a parceria estrategica, e se depender da França, vai beneficia tanto a nossa Industria quanto a deles. Vale lembrar que os EUA nao necessitam da parceria brasileira, e os suecos nao tem muito mais a nos oferecer.” E ainda tem gente que acredita nas promessas da França e na tal parceria estratégica (que os franceses já roeram várias vezes)… Não vão nos ensinar quase nada e vão cobrar caro pelos seus… Read more »

Marine

Tem comentarista novo que perdeu o bonde tem quase dois anos aqui no blog hein… Rsrsrsrsrsrs

Observador

Caro Felipe.vaiano: Ao contrário do que muita gente pensa, este blog não é ponto de encontro de francófobos. É que depois de muito debater, se chegou a conclusão que: 1) o Rafale não vale o que pesa, ou melhor, não pesa o que vale; 2) os franceses estão cobrando os olhos da (nossa) cara pela transferência de tecnologia que nem é tão completa assim; 3) o Rafale tem componentes americanos sujeitos a embargo americano; 4) e a promessa de parceria estratégica francesa é só promessa mesmo. Ou seja, os detratores do Rafale são, antes de tudo, interessados no melhor para… Read more »

Mauricio R.

Esse aí acredita piamente, que francês é bonzinho…

Darkman

Acho que a maior preoculpação seria o FX2 em si.
Rezar para que saia uma decisão seria a melhor opção neste momento, hj precisamos de caça de qualquer jeito e o FX2 precisa ser logo decidido.
Pelo que espero é que iremos de tampão Mirage 2000-9 e olhe lá.

Abs.

DrCockroach

Realmente o Rafale nao eh prioridade. A OTAN, depois de 7540 missoes de ataque, raramente atacou a infraestrutura da Libia (decisao sabia, diga-se de passagem). Mas os pro-gadhaffi, p/ criar desilusao com o novo governo, estao fazendo. Somente ontem destruiram 4 avioes no aeroporto, inclusive um A330. Mas, no papel, o governo de transicao, com apoio claro da Inglaterra (lideranca?), Franca, USA jah tinham um plano elaborado p/ transicao fazem alguns meses. Importante eh conseguir pagar quem nao tem recebido, colocar agua, luz, gasolina a disposicao e colocar todos os ministerios p/ funcionar. Os rebeldes alegam que jah tinham, em… Read more »

Vader

Não minha gente, me ajudae. Eu não tenho mais paciência. A minha decididamente acabou.

Caro felipe.vaiano: pesquise nos arquivos do blog, leia todos os comentários dos últimos 3 anos, enfim, divirta-se, que você vai entender.

Pra mim essa brincadeira já perdeu a graça faz tempo.

Vader

Argumentos que eu não discuto mais:

– Transferência de Tecnologia “Irrestrita”;
– Rafale “100% Francês”;
– “Parceria Estratégica” com a França;
– Embargo americano na exportação de Super Tucano para a Venezuela;
– SPECTRA que detecta um mosquito a 1 milhão de milhas náuticas;
– RBE-2;

Vai por aí…

Vader

felipe.vaiano disse:
25 de agosto de 2011 às 23:08

Olha só, sobre as capacidades do Rafale:

http://www.aereo.jor.br/2010/08/16/entrevista-com-o-almirante-alain-silvy-sobre-o-estado-das-negociacoes-do-rafale-com-o-eau/

Sds.

Vader

felipe.vaiano disse:
25 de agosto de 2011 às 23:08

Sobre francês ser bonzinho e parceiro:

http://www.aereo.jor.br/2010/01/27/uma-opiniao-sobre-o-fx-2/

Sds.

sagrancarvalho

Espero que mandem para a Líbia os Rafales que desejavam nos entubar.
Sem mais.

cfsharm

CAros comentaristas,

A Líbia se livra de uma ditadura massacrante e como prêmio faz um negócio da Ch… ops da França!!! Tomara que o Conselho de Transição de um refresco para população! RSRSRS.
Que haverá uma reestruturação da Defesa da Líbia não se tenha dúvida, que a França vai participar menos dúvida ainda; agora emplacar o Rafale é outra história.
Quanto ao negócio da Ch… ops França do Rafale e sua ultra-mega-vantagem, bem, acho que o Tplayer tem razão – fora os aspectos técnicos tá na hora de dar um banho de 7 ervas para tirar a uruca dele. RSRSRS.

Storm Rider

Na verdade, nos ultimos 7 estive morando fora do Brasil. Alguns anos nos EUA, outros na Espanha e por ultimo na França e com essa experiencia acredito haver tido mais fontes que apenas o Estadão e este ótimo blog. O preço que cobra a França nada mais é que o que o Brasil gastaria em decadas de R&D até conseguir atualizar nossa Industria Bélica, que desde os AMX, não desenvolveu nada neste setor. Isso sem falar na Marinha. Só que a França nos oferece esse em um pacote. Como eu disse antes, brasileiro tem memoria curta e também já esqueceu… Read more »

Almeida

Senhor Observador, muito bem observado! Clap! Clap! Clap!

Almeida

Storm Rider, se é pra refrescar a memória curta, vamos lá: A apoio francês aos embargos europeus contra nossos produtos agrícolas. O alinhamento francês com os EUA e contra o Brasil na questão iraniana. Do ágio cobrado por mísseis ultrapassados para nossos Mirage 2000, que chegou a ser um embargo e só liberaram após ameaça de devolvermos os caças. Pelos custos e diversos problemas para manter esses mesmos Mirage 2000 por apenas 10 anos. Da proposta do consórcio Rafale que cita explicitamente que somente após a trigésima sexta unidade começará a nacionalização da produçao, ou seja, nada de Rafale made… Read more »

Almeida

Isso, claro, sem citar a Copa do Mundo de 1998. 😛

Ricardo Cascaldi

Pois é… tem leitor novo que tá viajando kkkkkkkk

E pra quem acha que francês é santo, eu só digo uma coisa: LEIA, LEIA MUITO!

Abraço!

Obs.: Países tem interesses, não amigos. Parece que só o Brasil com os PTralhas e ” Itamaravilha” não aprenderam isso ainda!

Mauricio R.

A Engesa faliu pq era mto mal administrada, pelos seus controladores.
Os EUA e sua política externa, não tem nada a ver c/ isto.
O brasileiro tem mania de Varig, a empresa que por “n” motivos, tdos errados, não podia falir.

Corsario137

Maresia, sente a maresia, maresia Uh Uhhhhhhhhh….

A viagem está grande e só a marola explica. Francês parceiro estratégico? Engesa falida pelos EUA? Varig?

Tem um AT-26 Xavante pendurado aqui no CEMAL no Rio de Janeiro. Prefiro que despendurem ele de lá, recoloquem um motor nele e chamem a Aeroeletronica pra fazer um retrofit nele a ter que comprar o Rafale.

Pensando bem, acho que tem um A1 pendurado lá na Praça do Avião…

Enfim, a seriedade se perdeu nesse fórum depois da parceria estratégica com a França, só zoação agora =P

edcreek

Olá,

É só pronunciar o nome RAFALE que a tropa anti-francesa apareçe.

Vader, Almeida, Observador…..

Grande parte dessa raiva da França é porque o caça Sueco o NG não passou nos testes Indianos e foi reprovado, isso mesmo reprovado….Isso magoa a torçida do caça que no ecxiste…..

Abraços,

Storm Rider

Vamos ver, leitor novo nao, pagante novo sim. A Engesa faliu pq os EUA embargaram nossas vendas que ja haviam sido concretizadas e o investimento feito. A empresa nunca foi mal administrada, pelo contrario, quando eles enviaram o Jipe engesa ao deserto para competir contra Land Rover e Jeep, o Saddam escolheu o Engesa (obvio, em tempos que os EUA eram mais inimigos do Iran que que do Iraq). E sobre a questao do Iran, alguem aqui é favor da aproximaçao do Brasil com o Iran? Nao acho q seja só a França e os Eua que sejam contra!! pfff… Read more »

Observador

Caro Edcreek: Já fui adepto do Gripen sim. Mas daí percebi que o problema do projeto, na verdade, somos NÓS, é o BRASIL, que elegeu e elege um bando de néscios para nos governar e dirigir a nossa política de defesa. Coitados dos suecos, pelo projeto deles dependerem de um país como o nosso, em que não há compromisso ou continuidade com nada. Esta historinha do PT, que quer fomentar o parque industrial brasileiro no ramo de defesa, é conversa prá boi dormir. Se tivessem seriedade estariam lutando para preservar as indústrias de setores muito mais relevantes, mas não movem… Read more »

Rogério

A Engesa faliu pq vivia de exportações e como o Brasil nunca foi aliado de ninguem, a AS preferiu armamento vindo de um país aliado e bem armado, que pudesse entregar armas mesmo durante um conflito, e o Brasil nunca foi esse país, a Engesa vivia de vender armas p/ o Saddam e esse se f*** em 1.991, mais se o Brasil se dispusesse a comprar as armas da Engesa ela não teria falido, então a culpa mais uma vez é do Brasil e não “dusamericanusmaus” Quanto a torcida pelo Gripen, bom, ainda bem que existe gente de bom senso,… Read more »

Ivan

O título original de The Moscow Times é muito mais sóbrio e sensato: ► “No Business as Usual for Russia After Gadhafi.” ◄ O que é uma constatação pragmática do jornal russo, afinal não se posicionar nem sempre é o mesmo que ficar neutro, principalmente em uma guerra civil onde se busca a liberdade. Mas acredito que o novo exército, marinha e força aérea da Líbia, se é que existirá uma Líbia, vai precisar de muita coisa antes de partir para caças mais caros, em especial os eurocanards bimotores. A nova Força Aérea vai precisar antes de mais nada de… Read more »

Ivan

Outro ponto que merece destaque, considerando que este é um fórum de aviação, é a visão do reporter acerca da incapacidade da Europa Ocidental montar operações de grande porte sem uma ‘mãozinha’ yanque. Possivelmente uma visão compartilhada pelo comando das forças armadas russas. O pior é que, aparentemente, eles estam certos. Desolé. Qual foi a aeronave de guerra eletrônica que ficou na linha de frente desde o primeiro dia da campanha? ► O Boeing EA-18G Growler da US Navy. Qual foi a arma que atacou inicialmente a infraestrutura de defesa aérea, comando e controle do velho Coronel Kadafi? ► O… Read more »

Ivan

Monsieur Edcreek, Caso a Líbia continue a existir como Estado nacional e resolva comprar aviões de combate novos, o que seria um desperdício neste momento, não tenho dúvidas que deveria investir em uma combinação de Rafales francese e M-346 Master italianos. Assim estariam alinhados com os países que tem o maior interesse em sua “defesa”… afinal é muito conveniente ter um posto de gasolina bem pertinho, do outro lado do Mar Mediterrâneo. Mas insisto, a melhor opção de imediato é formar um esquadrão com uma dúzia de Mirage F-1 Modernisé, pois já existe material humano pronto para esta aeronave, inclusive… Read more »

Luiz Paulo

Marine disse:
26 de agosto de 2011 às 1:13

Tem comentarista novo que perdeu o bonde tem quase dois anos aqui no blog hein… Rsrsrsrsrsrs

(X2) !!!!!

Sobre a Engesa o pessoal devia dar uma olha no que o Bacchi falou no Forte, esclareceria muito…

Pessoal antes de falar vamos pesquisar! Sds!

Mauricio R.

Boa parte das capacidades das quais a OTAN carece e portanto depende dos americanos, os próprios russos tb não estão mto bem servidos. Não há nada similar ao B-2, somente uns poucos “Blackjack”, complementados por uns tantos “Backfire”, mas estes passaram vergonha na Geórgia. Não creio que faltou algo ao nível do “Growler”, mas sim, algo ao nível do “Rivet Joint”. E se não havia o próprio “J-STARS”, pelo menos a RAF ainda pode empregar seus “Sentinel”. Mas depois de 2015, c/ a retirada do Afeganistão, será mais um sistema que será desativado devido a nefasta SDSR 2010. Qnto aos… Read more »

Ivan

Pois é Maurício,
Vc e o Coronel Murakhovsky concordam em algumas coisas… he he he.
Sds,
Ivan. 🙂

sagrancarvalho

Ainda Rafale pra FAB…..Parceria Estratégica….só para francês ver mesmo!!! E o pior, tem brasileiro que acredita…

Vader

Storm Rider disse: 26 de agosto de 2011 às 11:20 “Na verdade, nos ultimos 7 estive morando fora do Brasil. Alguns anos nos EUA, outros na Espanha e por ultimo na França e com essa experiencia acredito haver tido mais fontes que apenas o Estadão e este ótimo blog.” Porque será que todo mundo que supostamente (?) mora fora do país um tempo chega por aqui querendo botar banca, como se fosse o dono da verdade? Porque será que estes mesmos, quando leem algo que não gostam, acham que todo mundo baseia suas conclusões em “Estadão” (sic), Veja, Folha, e… Read more »

Ivan

MiLord, Apenas um detalhe: A relação França com os EUA é mais íntima do que simples aliados, pois se os franceses apoiaram militarmente a indepedência americana, estes últimos salvaram a pele dos primeiros nas duas grandes guerras. Na Primeira Guerra Mundial havia um impasse entre os inimigos na Europa, sendo que a luta era em solo francês. Foi a entrada da jovem nação americana que virou o balanço de forças em favor da Tríplice Entente, o que levou a Alemanha a rendição racional. Na Segunda Guerra Mundia foi ainda pior, pois a França capitulou, se rendeu, caiu e foi libertada… Read more »

Storm Rider

Vader, se voce quiser ser levado a serio em alguma coisa do que voce diz, primeiro tem que deixa de lado essa conversinha mais obsoleta que os F-5, de esquerda e direita, que isso sim é papo pra boi dormir.

Talvez seja isso que os brasileiros expatriados tem de diferente. Uma cabeça uma pouco mais aberta!

Vader

Caro Storm Rider, o que as esquerdas brasileiras mais tentam fazer a todo momento, ao mesmo tempo em que tentam nos entubar com suas “esquerdices”, é dizer que elas não são esquerdas, que isso “não existe mais”, e blá blá blá. Então parceiro, não me venha com essa conversa mole, porque como bom ex-esquerdista, conheço todas as estrategiazinhas espúrias e subreptícias deles, ok? No mais, eu era jovem (mas já trabalhava, inclusive) mas me lembro muito bem do que era o Brasil do começo dos 90. E me lembro muito bem de qual foi a real causa pra Engesa e… Read more »

Rogério

kkkkkk foi só a movimentação do FX-2 recomeçar que sempre aparecem uns “insiders” por aqui, sempre moradores do exterior (ai q medo), assessor do MD, professores de Historia da PUC, jornalistas bem afamados rsss. e especialista em geo-politica etc… mais p/ mim é sempre a mesma pessoa, vem aqui, começa a desinformar e some em 3 meses p/ depois reaparecer com outro nick.

[]s

Rogério

Para os que tem preguiça de pesquisar assuntos já debatidos aq:

ttp://www.forte.jor.br/2010/07/12/o-mito-da-grande-industria-belica-brasileira/

ttp://www.forte.jor.br/blindados/1-ee-t1-osorio/

Storm Rider

kkk

DrCockroach

“Ivan, um nordestino com acesso a livros e internet”

Fantastico Ivan! Educadissimo, mas ainda uma bela chamada.

DrCockroach: carioca de nascimento mas tb gaucho de coracao, expatriado que quase cai em depressao de saudades do Brasil e, quando retornar, espera se aposentar (infelizmente ainda falta muito) numa bela praia no Nordeste, para vestir bermudas, sandalias, comer churrasco com farofa e tomar caipirinha.

[]s!

P.S.: Mas tudo isto p/ dizer, prezados editores, que nao consegui postar um comentario no post sobre a Boeing. A janela nao estah abrindo

Combates Aéreos

Um difícil começo

Traduções inéditas por Roberto F.Santana A primeira unidade da IDF/AF a operar o Shahak (Skyblazer), como o Mirage III ficou...
- Advertisement -
- Advertisement -