segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

EUA reforçam lobby sobre caças F-18 Super Hornet da Boeing

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Contra-almirante americano veio ao Brasil para discutir a troca de tecnologia

Rio – O lobby da Boeing na negociação para a compra de 36 caças pela Força Aérea Brasileira (FAB) recebeu reforço esta semana. O diretor do Escritório de Programas Internacionais da Marinha dos Estados Unidos (Nipo, na sigla em inglês), contra-almirante Joseph Rixey, participou de reuniões com representantes da FAB e da Marinha, em Brasília e no Rio de Janeiro, para discutir troca de tecnologia.

Um dos assuntos na pauta das reuniões foi o Acordo-Mestre de Intercâmbio de Informações (Miea na sigla em inglês), em negociação entre o nosso Ministério da Defesa e sua contraparte no governo ds Estados Unidos.

Os americanos, interessados nas tecnologias brasileiras de biocombustíveis e de construção de navios, querem que o tratado funcione como modelo para relações futuras em questões tecnológicas e militares. “O acordo permitiria a cooperação direta entre cientistas do Brasil e Estados Unidos em projetos de pesquisa e desenvolvimento”, destacou Rixey, em entrevista exclusiva ao DIA.

Segundo o contra-almirante, as divisões políticas no Congresso americano não ameaçam o compromisso de transferência de tecnologia dos aviões firmado na semana passada, caso o modelo da Boeing, o F-18 Super Hornet, seja escolhido.

No início do ano, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a oferta da Boeing seria considerada apenas com a garantia de que a transferência tecnológica não tivesse risco de veto no Legislativo americano. (Reportagem de Aurélio Gimenez e Gabriel Costa)

FONTE: Jornal O Dia

FOTO: USN (Marinha dos EUA)

- Advertisement -

15 Comments

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DrCockroach

“Para que as parcerias sejam efetuadas, a Boeing elaborou um questionário visando identificar possíveis subfornecedores para sua cadeia. Uma das exigências é a obtenção de certificados, como ISO 9001, AS 9102 e ISO 14001. Outro ponto perguntado é se a empresa possui experiência na área espacial e na indústria de defesa. São indagados, ainda, quantidade de funcionários, faturamento anual, se o índice de lucratividade é superior a 2% nas vendas anuais, se o negócio gera caixa das atividades operacionais e se o financiamento interno é suficiente para atender a necessidades operacionais” http://www.dgabc.com.br/News/5909570/regiao-podem-se-tornar-fornecedora-da-boeing.aspx Muito interessante, mas entao os tres concorrentes poderao… Read more »

Tadeu Mendes

Amigos,

Desculpem o meu otimismo, mas eu ja considero esse negocio…fechado.

Vader

Então, também tô achando que já rolou…

Corsario137

Fico com o Tadeu e com o Vader, pra mim tem boi na linha.

A Boeing, o governo americano e a US Navy estão de muito tititi conosco desde a passagem do Obama por essas bandas. Aí tem coisa!

Será que seremos surpreendidos mais uma vez no 7 de Setembro?

Observador

Devagar com o andor.

Só haverá decisão em 2012, se é que haverá alguma.

Para o governinho do PT, o FX-2 é como bolacha na boca de banguela:

Não consegue mastigar, não consegue engolir, mas tem vergonha de cuspir fora.

Corsario137

Hahahahaha…gostei da analogia Observador! Não sou petista (Deus me livre e guarde) porém, todavia, entretanto, devemos lembrar que o FX se arrasta desde o governo FHC e que ele foi o primeiro a chutar o balde pro LULA. Este sim não fez _________, a não ser criar discórdia e confusão. Agora eu me coloco no lugar da Dilma (nem votei nela), chegando na presidência e tendo que dar um parecer sobre um assunto de importância estratégica para defesa do país, com um monte de lobistas DENTRO e fora do governo, sem confiar no próprio Ministro da Defesa… Enfim, sou muito… Read more »

Observador

Caro Corsário: Embora o PSDB também seja integrante “das esquerdas” (para mim, é um PT intelectualóide), e tenha responsabilidade nos (muitos) erros e (poucos)acertos do Brasil nestes últimos 16 anos, temos que lhe fazer justiça. No FX-1, o quadro era muito diferente. Tinha um objetivo muito mais factível: substituir os doze caquéticos Mirrages III do 1º GDA. E só. No FX-1, não havia nada de”parcerias estratégicas”, “TOTs”, ou ingerências políticas onde até prefeitos metem o bedelho ou o ministro da defesa viaja para outro país fazer lobby por um dos candidatos. O FX-1 não foi adiante porque o governo estava… Read more »

tplayer

Também estou achando que já deu F-18 nessa, principalmente após essa conversa da Boeing com a FAB e a MB juntas.

Em breve deveremos ver até o Opalão levando uns F-18.

edcreek

Olá,

Sem duvida minha preferencia é por Rafale, alias como todos sabem….

Porém o F-18 seria muito melhor que F-5 Ad-eternium, não é minha preferencia mas o caça já existe e não é uma fantasia como o outro.

tplayer o F-18 não consegue operar no Opalão, mesmo o Rafale operaria com problemas e em configuração muito baixa, não jutificando seu uso…

Abraços,

tplayer

Nada que uma troca de catapultas não resolva. Já debatemos esse assunto lá no Poder Naval.

Guilherme Poggio

tplayer disse:

Nada que uma troca de catapultas não resolva. Já debatemos esse assunto lá no Poder Naval.

Na verdade as “trocas” vão mais longe e incluem até novos elevadores.

Do jeito que a coisa nada o F-X2 vai entrar na FAB quando o SP deixar a MB.

tplayer

Só para complementar.

Um dos requisitos do F-X2 era que a a versão naval do escolhido pudesse ser operada pela MB a partir do SP.

Guilherme Poggio

tplayer

Até onde eu sei não tem nada disso no edital do F-X2.

Essa história de operar em NAe foi invenção do Jobim junto com outros indivíduos que queriam melar o processo.

Fernando "Nunão" De Martini

Complementando: Até onde sei há uma pretensão da MB adquirir, no futuro, o mesmo caça que vier a ser escolhido para o F-X2 – mas isso não significa exatamente operar no NAe São Paulo. Trata-se de uma possibilidade futura, para operação em uma nova classe de navio-aeródromo. Até lá, os caças embarcados no São Paulo deverão ser os AF-1 modernizados, que podem operar no mesmo com larga margem de segurança. Nenhum dos três caças que disputam o F-X2 podem operar a contento no São Paulo, quando se fala tanto em capacidade de carregar armamento quanto na margem de segurança para… Read more »

Corsario137

Prezados,

Desculpem pelas palavras de baixo calão. Sou tão desbocado que já nem percebo quando estou falando um.

Um abraço.

Corsario, o Ogro 😉

Reportagens especiais

Poder Aéreo no Fort Worth Alliance Air Show 2015

Em setembro participamos do Fort Worth Alliance Air Show 2015, realizado no aeroporto Worth Alliance em Fort Worth, no Texas. Este show aéreo...
- Advertisement -
- Advertisement -