quarta-feira, dezembro 1, 2021

Gripen para o Brasil

Tudo sobre o preferido da FAB

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Clique aqui para baixar uma apresentação em PDF do Gripen NG, na proposta da Saab feita à Holanda. Muitas informações importantes sobre a aeronave estão presentes no documento. A ilustração abaixo do Gripen NG está na apresentação, com cocar da FAB, designação F-39E, matrícula 3939 e o Jaguar do 1º GDA pintado no alto da deriva.

- Advertisement -

17 Comments

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M

Pois é…e “de quebra” poderiam vir os nEUROn juntos…

Mas o nREUOn talvez só no FX58 ………

Rodrigo

O neuron não é só sueco.

ZE

É o meu favorito também !

Custo de aquisição e manutenção mais baixos.

Motor com escala impressionante.

Componentes mais baratos por serem COTS.

Guerra em rede.

Swashplate, melhorando muitíssimo a situação do piloto.

Pousa e decola em pistas curtíssimas, inclusive em rodovias, sendo assim, ótimo para o Brasil.

Troca do motor em tempo recorde.

Turn around rapidíssimo.

Hora de voo mais baixa irá permitir a FAB voar (treinar) mais horas.

Etc…

[ ]s

Vader

Perfeito para a FAB e o Brasil.

Único problema do Gripen NG (que na verdade não é nem dele): o(s) governo(s) do Brasil deixarem de honrar o compromisso assumido.

A SAAB não é a Lanternaria do Serjão. Mas quem trabalha de graça é relógio.

Sds.

Nick

Belo material sobre o Gripen NG. Operacionalmente o mais adequado á realidade da FAB. Em termos de ToTs, participar do processo de desenvolvimento dos protótipos que seriam construídos aqui, é totalmente diferente de montarmos caças vindo em CKD da França ou dos EUA. Pontos negativos, é a falta de uma encomenda por parte dos Suecos. E o fato do Gripen NG não ser um 5G puro. Agora aquela comparação com o F-35 é injusta. O F-35 é outra classe de caça, e mesmo sendo focado para missões de ataque e interdição, ele será muito mais capaz na arena ar-ar que… Read more »

Antonio M

Rodrigo disse:
26 de janeiro de 2011 às 11:33

Não entendi. Isso impede de comprá-lo? Estaria restrito aos países desenvolvedores?

Groo

“Pousa e decola em pistas curtíssimas, inclusive em rodovias, sendo assim, ótimo para o Brasil.”

Acho que os israelenses, na Guerra do Seis Dias, deixaram as pistas dos aerodromos árabes em melhores condições que nossas estradas.
😀 😀 😀 😀 😀

Observador

Groo: É, concordo, acho que só haveria pistas em condições de uso em São Paulo. E olhe lá. No Sudeste, quero ver é achar um trecho de estrada não utilizado pela população em fuga, em caso de conflito. Os militares podem até tentar isolar trechos de estrada, mais vai ser difícil a logística. Como vai chegar um caminhão-tanque até aquele trecho, se as rodovias estiverem congestionadas, cheias de gente em pânico? Será que as nossas FAs tem planos de contingência nestes casos? Com a palavra, os nossos participantes da caserna. No Norte, asfalto é luxo. No Nordeste e Centro-Oeste, buracos… Read more »

tplayer

Realmente Observador, aqui em SC fica fácil de decolar nas serras. Nossos “porta aviões naturais”. hehe

Todo mundo pensa em usar estradas, mas geralmente esquecem que são nelas que a população irá estar em caso de conflito. Até onde eu sei a FAB nunca teve um plano do tipo, além do mais a própria logística ficaria complicada.

A melhor alternativa nesse caso seria usar os próprios aeroportos comerciais.

Rodrigo

Antonio M disse:
26 de janeiro de 2011 às 12:31

Tem que pedir a benção para cada um deles, igualmente para o SCALP e Meteor.

Ivan

Rodrigo e Antônio,

Desenvolver programa em parceria, principalmente dentro da Europa, tem vários benefícios, como diluição de custo e garantia de mercado pelos participantes.

Entretanto a comercialização ‘externa’ pode ficar comprometida pelos ‘humores’ de cada governo.

Só como exemplo podemos observar o caso Batisti, onde o legislativo italiano tomou uma atitude hostíl e tola contra o Brasil.

A Itália faz parte do nEUROn desde 2005, salvo engano, através da Alenia Aeronautica, responsável pelos seguintes ítens:
– Weapon firing system;
– Smart Integrated Weapon Bay;
– Air data system;
– Electrical system;
– Flight testing.

Sds,
Ivan.

Vader

Ivan disse: 26 de janeiro de 2011 às 19:19 “Só como exemplo podemos observar o caso Batisti, onde o legislativo italiano tomou uma atitude hostíl e tola contra o Brasil.” Ivan, acho que pela primeira vez tenho de discordar do amigo. Não é uma atitude hostil, e muito menos tola. À época dos crime cometidos pelo criminoso Batistti, a Itália era uma democracia. E continua sendo. O Brasil tem um acordo de extradição com a Itália. Por esse acordo, criminosos brasileiros presos na Itália, devem ser extraditados ao Brasil, e vice-versa. Quando o golpista e ex-banqueiro Salvatore Cacciola foi preso… Read more »

Ivan

Lord Vader, Não é minha intenção discutir o caso Cesare Battisti, até porque penso que ele é um criminoso que foi julgado em seu país, que é reconhecidamente democrático, onde acredito que reine o estado de direito. Mas é melhor não mergulhar neste assunto nesta matéria. A tolice a que me referi foi o legislativo italiano criar toda sorte de dificuldade com o Brasil, que vai prejudicar apenas a Itália. Shakespeare escreveu algo sobre “tomar veneno e esperar que o outro morra”. Pois aí está a bobagem passional italiana, criam sanções a venda deles para o Brasil, com se não… Read more »

Vader

Desculpe Ivan, até entendo o que vc quis dizer, mas tem certas coisas na vida que não se negociam. E isso vale para pessoas e para países. Direitos humanos (o das vítimas, não o dos bandidos, como nos acostumamos “nefte paíf”) é uma dessas coisas “inegociáveis”. E mais: se os franceses, do alto de seu relativismo axiológico (sim, o relativismo ressurgiu lá) não quiseram extraditar o marginal, o problema é todo deles. Nós não temos que seguir exemplo deles. Aliás, francês não é exemplo de porcaria nenhuma pro mundo. E se o parlamento italiano anterior não condenou a França, problema… Read more »

Antonio M

Grato pelas explicações srs.

Com nossa diplomacia errática e ezquisofrenica realmente teremos dificuldades com o acesso à tecnologia de ponta, do estado da arte.

Então, resta desenvolvermos nossos UCAVs com Bolívia, Venezuela, Irã, Guiné Equatorial e outros “emergentes” ……

Antonio M

esquizofrênica

Nautilus

Na LAAD 2013, os italianos estavam doidos para vender para o Brasil FREMM, M346 Master, Canhões OTO Melara e muito mais. Até parece que iriam permitir que qualuqer churumela fosse prejudicar isso…

Últimas Notícias

Atech levará tecnologia brasileira a eventos internacionais de Defesa e Segurança

Reconhecida como uma 'System House' brasileira, a empresa estará presente na EDEX e  ExpoDefensa 2021 A Atech, empresa do Grupo...
- Advertisement -
- Advertisement -