terça-feira, abril 20, 2021

Gripen para o Brasil

Israel vai de T-6A, via FMS

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

040519-F-2171A-500

Aquisição israelense é fruto de acordo de governo a governo, via FMS – Foreign Military Sales, com o contrato concedido à Hawker Beechcraft Corporation pelo Governo dos EUA

A Hawker Beechcraft Corporation (HBC) informou nesta segunda-feira, 24 de agosto, que recebeu um contrato para fornecer turboélices de treinamento T-6A Texan II para a Força Aérea de Israel. O contrato foi concedido diretamente do Governo dos Estados Unidos como resultado de um acordo de governo a governo com Israel, como são as aquisições via FMS  – Foreign Military Sales.

O contrato também inclui sistemas de treinamento em terra e publicações técnicas. O Ministério da Defesa de Israel deverá realizar contratos separados com a empresa para os programas e modificações de pós-venda e suporte de engenharia.

Os T-6 Texan II são utilizados para treinar, atualmente, pilotos de mais de 20 diferentes países, segundo a empresa. Recentemente, a frota em operação atingiu a marca de um milhão de horas de voo e foi realizada a entrega da 500ª aeronave do tipo. As entregas da aeronave começaram em 2000, e os T-6A estão em serviço no Sistema de Aeronave Primária de Treinamento Conjunto (Joint Primary Aircraft Training System – JPATS) da USAF e da US Navy (Força Aérea e Marinha dos EUA), no Programa de Voo da OTAN no Canadá (NFTC – NATO Flying Training in Canada) e na Força Aérea Grega.

Não foram revelados nem o valor do contrato nem o número de aeronaves encomendadas.

FONTE: Hawker Beechcraft Corporation   FOTO: USAF

LEIA MAIS SOBRE OS T-6 TEXAN II:

- Advertisement -

108 Comments

Subscribe
Notify of
guest
108 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Tadeu

Alguém tinha dúvidas que os EUA ganhariam esta concorrência? Em tempo, este avião não foi concebido pela Hawker, ele é uma versão do PC-9 da Pilatus suíça que o Tucano venceu lá em 1984 para equipar a RAF.

Lucius Clay

É uma pena que os israelenses não tenham optado pelo Super Tucano, muito mais avião.

Lucius Clay

Alguém acredita mesmo que os EUA podem comprar 24 a 100 Super Tucanos para usarem no Iraque, pelos Iraquianos ou mesmo pelos americanos? Hummm, acho que é um pouco de sonho acreditar nisso, mesmo se o Brasil comprasse Super Hornet…

Robson-Paraense

alguem sabe onde encontro o imagem do T-6A, versão de combate?

Thomas D. Weiss

A compra foi via FMS, usando contrapartidas e creditos da ajuda militar – Israel nao tem o dinheiro para uma compra neste valor.

A ELBIT que fornece a avionica do Tucano ganharia com uma venda do Tucano para Israel, eles tambem ficaram sem o contrato.

Fábio Max

Não foi o Texan II que venceu o Super Tucano na licitação do JPATS? O fato é que os americanos não promovem produtos não americanos na área de defesa, é ingenuidade demais pensar que eles vão adquirir Super Tucanos apenas porque eles são um sucesso na Colômbia. Mais do que isso, não adianta a EMBRAER querer vender aviões militares para Israel, porque este país é aliado de primeira hora dos EUA e não vai adquirir absolutamente nada sem a anuência americana, afinal, um país que depende tanto de ajuda externa para sobreviver, não pode se arriscar a contrariar o ajudante.… Read more »

Flavio

Pena que não deu ST.
Isso ai é mais um mostra de que, mesmo que compremos o SH, os americanos não vão comprar ST.

Eles se metem em tudo, e jamais vão deixar países como o Brasil venderem armamentos em larga escala a “influênciados” americanos.

Isso ai não foi surpresa nenhuma

Bruno Rocha

Malditos americanos. Sempre querendo se meter onde não lhes interessa. Não é a toa que são os maiores alvos te terroristas. Guardem o que eu vou dizer.

O céu pertence aos Estados Unidos.
O espaço pertence aos Estados Unidos
O oceano pertence aos Estados Unidos.
Eles interferem em tudo. Política, economia, militar e etc.

Quem achar o contrário. Que diga e justifique

Esdras

E tem um monte fe oristas com grande esperanças do ST ser vendido para a USNAVY…..eu acho isso muito ingenuidade, já que o Texan II com poucas modificações vira um ST. No momento só tem versão de treinamento do T-6 mas que facilmente poderá ter sua versão COIN. Via FMS????ra ra ra isso é doação mesmo, afinal quem sustenta eles são os americanos. Temos é que ter uma versão do ST com motores não americanos, além da nada de sistemas nem americanos e nem judeus, para poder entrar em outros mercados e não termos a restrição de hoje. Da forma… Read more »

Bruno Rocha

Me desculpem por isso. Me estressei.
Mas como já disseram. Os nossos Tucanos são bons também. Não vou comparar, mas o T-29 cabe direitinho não mão deles.

\o/

Olha só! Como somos patriotas sem nos darmos conta. Dizemos que somos imparciais, mas deixa alguém falar mal do Brasil ou da FAB, que aqui tem muito patriota maluco pra defender a pátria amada. “Entre outras mil. És tu Brasil. Ó pátria amada!” hhhehehee

Felipe Cps

Barbada… até parece que Tio Samuel iria dar pra Jacó justo o avião brasileiro… tem uma negada que é muito sem noção mesmo…

E aos que criticam os EUA só pergunto o seguinte: digamos que o Brasil tivesse um protetorado, o Haiti, por exemplo; e resolvesse comprar o T6-A pra dar de presente pro Haiti, ao invés do ST; todo mundo iria ficar contente não eh mesmo?

Larga a mão de ser abestada cambada… Parecem o Galvão Bueno narrando corrida do Rubinho catzo…

Thomas D. Weiss

Israel nao pagou pelo T-6A, usou creditos da ajuda militar para a compra.

Esdras

Creditos de ajuda militar para quem só recebe é um nome formal para doação, assim como boa parte dos F-16 que foram a Israel. Sempre existe um nome para justificar as transações. Não tem nada de errado nisso apena um supre o outro. Desistam dessa coisa boba de que um dia os EUA irão comprar algo militar do Brasil…….só se for daqui a uns 100 anos. Não é por falta de competencia nossa e sim por outro fator muito mais instrinseco…..eles tem muita industrial bélica e precisam de gerar empregos lá, além disso não é de interesse deles que o… Read more »

Alfredo_Araujo

“Bruno Rocha em 25 ago, 2009 às 12:52 Quem achar o contrário. Que diga e justifique” Felipe Cps em 25 ago, 2009 às 13:11 E aos que criticam os EUA só pergunto o seguinte: digamos que o Brasil tivesse um protetorado, o Haiti, por exemplo; e resolvesse comprar o T6-A pra dar de presente pro Haiti, ao invés do ST; todo mundo iria ficar contente não eh mesmo?” Nem precisei responder !!! =D Isso é o velho jogo de Metropole e Colônia… Não adianta julgarmos os EUA por exercerem a liderança mundial q eles possuem!! Se fossemos nós os lideres,… Read more »

Esdras

Alfredo……é isso mesmo.

Mauricio R.

“…convencer o governo brasileiro da necessidade de adquirir mais aviões militares seus e ser vitrine.”

Não é problema do Brasil, da FAB e menos ainda do governo, material bélico tem é que ser adquirido devído a necessidade, e não pq é fabricado no pais.

Mauricio R.

“Existem turbinas e sistemas similares fabricados pela França. É só uma questão de integração.”

-Ah tá, os frnaceses tem uma turbina c/ a confiabilidade, custos, potência, TBO, etc, da P&W PT-6!!!

Pedro Rocha

Olá senhores! Se os senhores me permitem vou bancar o advogado do diabo! Somente na função de treinamento o preço do A/T-29 sempre será superior ao T-6 II. Justamente por causa da capacidade dual do Super Tucano (treinamento e ataque leve)! Junte a isso o financiamento subsidiado do FMS. Por causa disso que eu acho que o ST tem pequenas chances no nicho de mercado de aeronaves só de treinamento! Os atuais usuários (Brasil, Colômbia, Chile, etc.) do A/T-29 realmente buscaram vetores duais, porém não é o caso de Israel nessa concorrência especifica! Uma pena para a IAF, pois alem… Read more »

Nunão

Thomas, Suas observações fazem sentido na medida em que o texto original em inglês não usa termos que poderiam ser traduzidos por compra, e sim fornecimento e outros similares (dos quais cheguei a utilizar alguns, mas talvez eu tenha utilizado compra erroneamente). Assim, chequei novamente o texto em inglês e achei por bem retirar a palavra compra (não porque tenha informações para afirmar veementemente sobre créditos e ajuda militar, mas para me manter mais fiel ao texto original) e trocá-la por outras. De qualquer forma, o texto original é claro quando fala de FMS, e indica também ser a primeira… Read more »

Mauricio R.

“O fato é que os americanos não promovem produtos não americanos na área de defesa,…”

-UH-72 é um helo franco-alemão, VH-71 é um helo anglo-italiano, C-27 é um ac italiano, HC-144 é um ac espanhol, o próprio T-6 é baseado em um ac suiço, M-777 é baseado em um obuseiro inglês, SCAR & M-249 são fuzil e gpmg belga, M-9 é uma pistola auto italiana; fica difícil dizer que os americanos não promovam produtos de defesa não-americanos.
E tdo isso aí foi selecionado, mediante concorrência publica.

Esdras

Os franceses construiram:
Mirage III
Mirage F-1
Mirage 2000
Entandart
Super Entandart
Rafale
Alizé – que por sinal é Turbohelice
Atlantique – que por sinal é Turbohelice
Helicopeteros
Isso além de outros muitos projetos em parceria com outras nações, como Jaguar, ATR, Airbus.

Só para constar já houve testes de Tucano com uma outra turbina de procedencia europeia.

Afinal qual a dificuldade nisso??? ou vocês acham que uma Venezuela quer algum avião com turbina PT-6!!!!!!
Isso sem contar com as inumeras opções da industria Russa, que por sinal é enorme e carente de clientes.

Mauricio R.

“Combate a qualquer tempo com radar, um caça helicópteros e por que não uma versão embarcada?”

Tem mercado??? P/ qntas unidades??? Já se esqueceram do A-1/AMX??? Pq falar em desenvolver isto e aquilo é mto fácil, quero ver qndo chega o momento de por o $$$ nisso aí!!!

Mauricio R.

Então somente pq os franceses construiram uma penca de ac e helo, a industria aeronáutica deles tem como fornecer uma turbina, p/ ficar somnete no exemplo da turbina, que pode substitur c/ vantagens a PT-6 usada no ST??? “Alizé – que por sinal é Turbohelice” – Turbina RR Dart, britânica, a turbina do Avro C-91. “Atlantique – que por sinal é Turbohelice” – Turbina RR Tyne, britânica, a MB usa essa turbina!!! “Só para constar já houve testes de Tucano com uma outra turbina de procedencia europeia.” -Qual??? Pq os Tucano da RAF usam a turbina americana, Garrett (hoje Honneywell)… Read more »

Mauricio R.

“…ou vocês acham que uma Venezuela quer algum avião com turbina PT-6!!!!!!”

-Nossa!!! E por algum acaso, a EADS-CASA retirou o conteúdo americano, turbinas inclusive do C-295, qndo esse tb teve seu fornecimento embargado???
Não!!!

mauro dias

Israel usar FMS para comprar material americano? Para fazerem negócios eles lançam mão de qualquer meio. E ainda acreditam que levariam algum de aliados dos USA, é ser muito inocente util , à eles

Invincible

Falem o que quiser mas esse avião pode ser tudo menos bonito…

O Bichinho feio!!!!

A cauda dele é esquisita…

Sei lá! Acho ele muito estranho! Não tem harmonia…

mauro dias

Para fazerem negócios eles lançam mão de qualquer meio. E ainda acreditam que levariam algum de aliados dos USA, é ser muito inocente util , à eles

mauro dias

Opa foi mal repetiu

Marcelo Tadeu

Maurício, tenho que dar a mão a palmatória, vc arrasou neste assunto hoje, putz!

Apesar de vc ser contra a Embraer, foi f…!!! rsrsrsr

Thomas D. Weiss

Israel so’ pode usar os creditos para compra dos EUA, nada mais natural – o que nao significa que se o F/A-18E/F for comprado, os EUA nao comprem de nos Tucanos como contrapartida.

Walderson

Caro Mauricio R.,

concordo com seus argumentos. Lúcidos e diretos, por sinal.
Um abraço.

Thomas D. Weiss

Opa – este e’ o segundo lote entao, Israel ja esta recebendo 24 do primeiro lote este ano.

Mauricio R.

Obrigado!!!

JC

Nao da pra querer que os EUA fiquem sentados, sem tentar vender o seu peixe. Ou que eles digam: pois eh, o outro aviao eh melhor, nao comprem o nosso.
Ainda mais Israel, mais do que aliados dos EUA.
Negocios e comercio sao assim mesmo. Quem pode mais, leva.

Alfredo.Araujo

Mauricio R. em 25 ago, 2009 às 14:02 -UH-72 é um helo franco-alemão, VH-71 é um helo anglo-italiano, C-27 é um ac italiano, HC-144 é um ac espanhol, o próprio T-6 é baseado em um ac suiço, M-777 é baseado em um obuseiro inglês, SCAR & M-249 são fuzil e gpmg belga, M-9 é uma pistola auto italiana; fica difícil dizer que os americanos não promovam produtos de defesa não-americanos. E tdo isso aí foi selecionado, mediante concorrência publica.” Temos q ver tmb q a grande maioria dos equipamentos citados, não possuem similar americano! Agora, quando tem… é ruim eles… Read more »

Mauricio R.

“Agora, quando tem… é ruim eles apoiarem…”

-O VH-71, foi o AW-101 versus o H-92, da Sikorsky.

-O UH-72, foi o EC-145 versus o Bell 210/212, o MD Explorer e o AW-139.

-A Bell/Textron ficou c/ o ARH-70, se enrrolou, não conseguiu manter o preço, o US Army cancelou a encomenda e vai lançar outra concorrência.

Os restantes, é só pesquisar.

Jonas Rafael

A França fabrica várias turbinas para Helicópteros que poderiam ser adaptadas. O FMA Pucará por exemplo usava uma variante do Astazou, que equipava os Alouete. Querendo dá. Não se trata de substituir os P&W, mas de ter uma alternativa em caso de embargo. De que adianta ter uma turbina confiável e barata que não se pode vender? Claro, tem que ver se compensa os custos de ter duas versões. Cabe aí um estudo pra ver o que poderia se ganhar de mercado ao contornar as restrições americanas. Se a Embraer não se mexeu é porque achou que não valeria a… Read more »

Jonas Rafael

Não se esquecendo que a EMBRAER é antes de tudo uma empresa privada que objetiva o lucro…

João Curitiba

Caro Mauricio R.

É só coincidência que os fornecedores estrangeiros sejam membros da Otan e foi por competência mesmo ou seria uma forma dos EUA recompensarem seus aliados?

Abraços

Wolfpack

É isso que os Estados Unidos sabem fazer de melhor vender via FMS, e ainda existe inocentes que acreditam que o Tio Sam vai repassar alguma tecnologia dos F18 E/F para o Brasil caso este vença o FX2. Impossible.
Mas sem dúvida nenhuma este vetor é melhor que o raquítico e anoréxico do SAAB Gripen NG.
Talvez façam igual a Alemanha que tentou empurrar o Papanikolis, um IKL214 que ninguém quer, para Portugal, ao invés de cumprir o contrato e nos empurrem alguns F/A18C/D de brinde, mas sem TT que é opcional e nem pra amigos é liberado.

Nunão

Jonas Rafael: “Cabe aí um estudo pra ver o que poderia se ganhar de mercado ao contornar as restrições americanas. Se a Embraer não se mexeu é porque achou que não valeria a pena…” Acho que é por aí. Faz-se um alarde que não se conseguiu vender Super Tucano pra Venezuela, e de fato isso tem sido colocado nas discussões com os EUA. Mas, por outro lado, vendeu-se para Colômbia, Chile, Equador e outros, sem problemas com embargos, que eu saiba. Quanto ao Pucará, na época do projeto fazia sentido a padronização com os Astazou dos helicópteros. Hoje isso é… Read more »

Noel

Observação: existem duas formas de serem adquiridos equipamentos bélicos yankees: por meio do “Foreign Military Sales – FMS”, gerenciado pela Defense Security Coorperation Agency do Departamento de Defesa, ou por compra direta no fabricante; no primeiro caso, a aquisição é feita com custo bem menor, pois o Departamento de Estado adquire o equipamento na indústria, deles, com o valor de aquisição menor(descontos de impostos)e repassa ao cliente, só que não há financiamento bancário; no segundo caso, a compra sendo feita direta na empresa, tem-se o financiamento, a longo prazo, porém o equipamento sai pelo valor de mercado. Os dois casos… Read more »

Noel

Felipe Cps em 25 ago, 2009 às 13:11 “…só pergunto o seguinte: digamos que o Brasil tivesse um protetorado, o Haiti, por exemplo” Companheiro, ops! desculpa. RSRSRS Nós já tivemos alguns protetorados sim, só que nossos “competentes” diplomatas e governantes, perderam os mesmos ao longo das últimas décadas; pois paises como Paraguai, Uruguai, Bolivia, e mais alguns outros, sempre adquiriram material bélico brasileiro, novo ou usado, e desde muito antes do surgimento de nossas industrias bélicas, ou seja quando não nos servia, mandavamos prá eles, nada diferente do que os yankees sempre fizeram. Resumindo, já tivemos nossos quintais, mas ainda… Read more »

Lucas Calabrio

Prezados

O avião vai para Israel pra ser testado em combate real e será aperfeiçoado (não sei se ficará no nível do AT-29). Acredito que levaram pela quantidade e preço menor, só acho estranho que Israel sempre se pautou pelo melhor produto, mas nesse caso o preço (crédito) falou mais alto.

sds

Lucas Calabrio

Prezados

E cada passo desse já é sinalização que o super hornet é carta fora do baralho.

A disputa agora é Rafale 99,99%, Gripen NG 0,01% F-18 SH 0%(ZERO)

SDS

Fábio Max

A dotaçao de ST(s) era para ser de 200, segundo a propria FAB. Contingenciaram o orçamento, e o número caiu para 130. Contongenciaram de novo, caiu para 76+ 23 opções. Contingenciaram de novo, ficaram 99 com menos armamentos que os colombianos. Comprar mais aviões da EMBRAER seria uma vitrine para seus produtos, e não seria compra desnecessária, segundo a própria FAB, conforme a Revista Força Aérea apurou quando do início das operações dos ST(s). Eu não disse que os EUA não compram produtos de fora, disse que eles não os promovem, e isso, está bem claro que não fazem. E… Read more »

Jonas Rafael

“Mas vcs estão esquecendo de um fornecedor de turbinas para aviões turboélices. É europeu, fica mais para o leste, e tem uma penetração boa no mercado mundial. Não estou dizendo que ele fosse a opção para esse caso (já deixei claro que pra mim nem faz sentido pensar muito em opção). Mas acho que ninguém citou…”
MTU? Mas acho que eles não tem nenhum produto que pudesse ser facilmente adaptável ao ST…

Baschera

O motor do ST é de origem canadense, fabricado pela Pratt & Whitney Canada, no entanto, uma subsidiária da norte americana United Technologies.

O motor que era usado no modelo Tucano H ( o do JPATS) era o Pratt & Whitney Canada PT-6 A-67 com 1250 Hp de potencia, e foi substituído, para uso no ST (ALX), pelo mais potente Pratt & Whitney Canadá PT-6 A 68C com 1600 Hp de potencia que é controlado por FADEC.

Sds.

RodrigoBR

Mais uma vez, e outra e mais quantasdo EUA??? Esse é só mais um grande motivo para comprar o RAFALE! Os EUA já estudaram o Super Tucano todinho. Vcs acham mesmo que eles vão comprar de nós??? Eles alugaram um ST por um ano e testaram e estudaram ele para engenharia reversa. Contrataram o engenheiro brasileiro que desenvolveu o Tucano para que ele desenvolva um Super Tucano para os EUA. Vcs acham que eles vão comprar o ST? Nunca! Em breve estarão construindo STs made in USA para eles mesmos e para exportação. E assim que isso acontecer, proibirão ou… Read more »

Reportagens especiais

Cavanaugh Flight Museum – parte 3

O CFM mantém vários “warbirds” em condições de voo que fazem apresentações em ocasiões especiais e eventos comemorativos. Nesta terceira parte de nossa visita...
- Advertisement -
- Advertisement -