Home Aviação de Ataque Novos bombardeiros stealth H-20 da China vão carregar mais poder dissuasivo

Novos bombardeiros stealth H-20 da China vão carregar mais poder dissuasivo

4992
69
Concepção do futuro bombardeiro chinês H-20

A revista militar chinesa Aerospace Knowledge mostrou recentemente o H-20, a nova geração de aviões bombardeiros chineses, que foi confirmada por especialistas como uma aeronave furtiva e também mais poderosa, pois poderia ser equipada com armas nucleares e convencionais.

A nova geração H-20 da China está sendo desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa e Design de Aeronaves de Xangai desde 2008, informou a mídia russa rg.ru na segunda-feira, dizendo que a pesquisa é altamente confidencial na China e nenhum detalhe havia vazado anteriormente.

A China precisa de bombardeiros avançados de longo alcance que possam transportar até 10 toneladas de armas sem reabastecimento aéreo, disse um especialista militar não identificado, segundo a reportagem.

“A nova geração de bombardeiros pode transportar mais bombas do que os bombardeiros H-6K, tem a vantagem de recursos furtivos e é capaz de atacar alvos a grandes distâncias”, disse Song Zhongping, um especialista militar e comentarista de TV ao Global Times.

Song disse que a China fez avanços tecnológicos em sua nova geração de aeronaves e também possui tecnologia proprietária, enquanto enfatiza que “a nova geração de bombardeiros deve ser uma aeronave de alta tecnologia”.

“A nova geração será lançada em dois anos e será incorporada dentro de quatro a cinco anos”, disse Song.

“A revista indicou que a tecnologia entrou em seu estágio maduro”, observou Song.

O especialista acredita que o bombardeiro já seria capaz de realizar voos de teste.

O H-20 poderia melhorar a força aérea tanto na capacidade defensiva quanto ofensiva, o que “permitirá ao exército possuir uma dissuasão nuclear e convencional mais forte”, disse Song.

FONTE: Global Times

69 COMMENTS

    • Pois é, a China é uma das lideres nas pesquisas sobre física quântica, inteligencia artificial e bandas diversas para anular o atual conceito stealth, e ela mesma está se preocupando em fazer aviões stealth. O que se projeta é que esse conceito irá pertencer ao primeiro mundo, e só vai aumentar a disparidade destes para o restante do mundo.
      O próximo modelo, provavelmente será hibrido, homem e maquina e só o seguinte deverá ser somente maquina.

  1. Xi!!!!!!
    ‘American fanboys’ pirando em 3…..2……1……
    kkkkkkkkkkkkkk

    Brincadeiras à parte, a capacidade de desenvolvimento chinesa é astronômica.
    Incrível.

  2. …possuir uma dissuasão nuclear…está aí ou ponto que todo país que quer ser respeitado militarmente falando deveria ter, vejam o caso da Síria, eu duvido muito que ela estaria nesse pandemônio de interesses alheios se ela tivesse algumas ogivas nucleares, sei que muitos discordam mas é apenas a minha opinião.

  3. Não merece respeito ou consideração um comentário, sem nenhum tipo de argumentação consistente e coerente, que inicia fazendo uma “suposta critica” a alguém que teoricamente pensa diferente.

    Minha conclusão é que falta “lenha para rachar” e a pessoa procura algum artifício para tentar alimentar seu ego.

    Simples assim.

    Em relação a China, sem dúvida estão fazendo grandes progressos na área de tecnologia militar ao ponto de já estarem projetando e construido equipamentos “genuinamente” chineses. Porém me parece que ainda tem algum caminho para percorrer até chegar em um nível próximo, particularmente, ao dos EUA e Rússia.

  4. Falando de tecnologia aeronáutica militar, eu fico aqui pensando com meu botões…. um dia desses o Putin anunciou já ter operacional um míssil cruise com propulsão nuclear e com autonomia ilimitada. O anúncio do domínio dessa tecnologia tem potencial para abalar o mercado, fazer ruir as ações de fabricantes de motores, abalar o mundo tecnológico.
    O potencial de uma tecnologia dessas no mundo da aviação (civil e militar) é imensurável , quase tão grande quanto o próprio desenvolvimento do avião e maior que o advento do motor a jato.
    O suposto silêncio da mídia e de vários centros de tecnologia mundo à fora é muito interessante e passa a imagem de que ninguém levou o Putin a sério.
    Perdão pelo off-topic.

    • Com isso podemos pensar duas hipóteses:

      A- Era tudo propaganda enganosa;

      B- Com a maioria dos conflitos ocorrendo em países com pouca ou nenhuma influência político-econômica, ou contra pequenas insurgências e grupos terroristas, não faz sentido torrar bilhões em armas caras e que terão resultados apenas marginais.

    • Engraçado Bosco, eu interpretei o referido ‘silêncio da mídia e de vários centros de tecnologia’ como favorável (ou neutro) ao anúncio da Rússia pois não apareceu quem dissesse que seria impossível por A + B
      Eu, ignorante como sou para física, acho improvável, mas esperava que os físicos mundo afora dissessem o mesmo.

      • Mas ninguém disse e nem acha que é impossível. É plenamente possível e em sendo desviada para a aviação de modo geral, e não só na área militar, e têm-se um impacto de enormes proporções.

        • Prezado Bosco, tenho procurado muito na internet informações sobre este míssil de propulsão nuclear russo, mas nada além do que foi dito pelo Putin no dia 1° de março esta disponível, concordo plenamente com você, esta é realmente uma tecnologia disruptiva, embora o conceito não seja novo, na internet tem muita coisa sobre o projeto Plutão, o ramjet nuclear dos EUA, e um pouco do equivalente russo que chegou a ser testado em um TU-95.

          A uns quatro ou cinco anos a agencia espacial russa anunciou que iria desenvolver um foguete de propulsão nuclear que permitiria uma viagem a marte em 45 dias, um projeto publico, portanto, e, coincidentemente, eu vi uma entrevista com um cientista da Roscosmos duvidando da possibilidade do míssil, e falando do projeto do foguete para marte, me perdoe, mas eu não guardei o link desta entrevista, mas o sujeito disse algo assim: “Nós estamos sim projetando um motor nuclear para uma missão a Marte em 45 dias, mas este míssil de cruzeiro eu duvido”.

          Então, se o míssil existe mesmo, significa que nem os engenheiros do programa espacial russo tem conhecimento dele, os dois projetos não conversam entre si.
          Li também que a Roscosmos delegou a Rosatom, a agencia nuclear russa, o desenvolvimento do foguete nuclear, que acredito tenha o mesmo principio do ramjet do míssil, mas no espaço, na ausência de ar, ele tem de levar seu próprio gás refrigerante/propelente, provavelmente hidrogênio.

          Segue aqui o link do foguete na Rosatom(que é publico ma só que o projeto é considerado “confidencial”).

          http://www.rosatom.ru/en/rosatom-group/r-d/

          O que eu faço para literalmente garimpar estas informações e usar o mecanismo de busca russo, o Yandex, uso o google tradutor e digito, por exemplo, “russian nuclear cruise missile” e configuro para traduzir para russo, “российская ядерная крылатая ракета», abro o Yandex, que por padrão abre em ingles, o que não trara resultados muito diferentes do google, então clico na bandeirinha da Russia e ele muda para russo, colo o termo trraduzido pelo Google e ai vem os resultados em sites russos, tem de ter paciencia, abrir um por um e ir usando o Google tradutor( a não ser que você fale russo).

          Aqui tem um exemplo:
          https://topwar.ru/137609-tehnicheskie-podrobnosti-raketa-s-yadernym-dvigatelem.html

          Ainda assim não consegui nada de novo, mas tem um site de um especialista americano com informações interessantes, sobre todas as supostas novas armas:
          https://russianmilitaryanalysis.wordpress.com/

          Minha opinião pessoal, sem falso moralismo pacifista, é de que é uma pena esta tecnologia ser usada, se ela realmente existir, num míssil de cruzeiro mensageiro da morte, que além disso deixara um rastro de íons radioativos enquanto voa, esta tecnologia é interessante para uso no espaço, uma missão conjunta para Marte envolvendo Russia/EUA/China/Agencia espacial europeia e Japão poderia amenizar este clima de extrema hostilidade que estamos vivendo, acho que, se este míssil realmente existe, é porque os russos estão desesperados, acreditam mesmo num First Strike por parte dos EUA e também acreditam que o suposto escudo anti míssil dos EUA seja eficiente, caso contrario, em circunstancias normais, nem a Russia nem ninguém projetaria uma arma assim.

      • Para realização de tal feito é necessário miniaturizar suficientemente um reator nuclear e garantir a segurança em relação à radiação. Realmente as aplicações de um tecnologia dessas à indústria aeroespacial, em última análise à matriz de transportes humana, é extremamente grande, vou um pouco mais longe que o colega na afirmação que seria uma evolução semelhante ao motor à jato, para mim seria uma revolução semelhante a que ocorreu com a máquina a vapor!

    • Não faz o menor sentido fabricar aviões com propulsão nuclear. O que aconteceria em caso de acidente? O fato de existir um míssil movido a energia nuclear em nada tem a ver com aviões do mesmo tipo, o míssil vai explodir e contaminar a área, esse é o seu objetivo. No dia que inventarem um reator que não espalhe lixo nuclear por aí tal como uma chernobil, sim, seu questionamento fará sentido.

      • Um A380 com 450 pessoas se cair faz um baita estrago mas ninguém trabalha com essa possibilidade.
        O que impediu o desenvolvimento de um avião movido a fissão nuclear foi o peso da blindagem e o perigo dos passageiros expostos à radiação.
        Hoje, realmente é menos relevante um avião nuclear por conta dos motores convencionais já permitirem um alcance de 20 mil quilômetros, mas a aplicação em drones de grande autonomia ou em propulsão elétrica para naves espaciais seria automática.
        E mesmo levando-se em conta o perigo no caso de queda de um avião com reator nuclear, essa mesma ponderação não seria utilizada em relação a caças e bombardeiros. Os EUA preveem que seu caça de 6ª G deverá ter autonomia pelo menos 50% maior que os caças atuais e pra isso investem no programa ADVENT. Em tendo uma tecnologia que consegue propulsar um míssil cruise e as turbinas movidas por hidrocarbonetos para uso militar estará relegada aos livros de história.

          • Tiger,
            Com certeza. Propulsores iônicos utilizam energia elétrica e além da órbita da Terra precisam ser alimentados preferencialmente por reatores nucleares já que o Sol tá longe.
            Os americanos tinham o programa Prometeus que iria prover um reator nuclear para propulsão elétrica espacial mas parece que foi cancelado. Agora estão com o programa KRUSTY, dentre outros.

  5. Esse design me lembrou as figuras do fascículo “Aviões do Futuro” do “Guia de Armas de Guerra” publicado lá pelo ano de 1986.

  6. Chineses são reconhecidos pela paciência, sabedoria, discrição e capacidade de trabalho. Certamente já têm alguma coisa pronta e não vêem a mínima necessidade de publicar aos quatro ventos.

  7. Apenas uma concepção artística, mas temos um avião com cauda de YF-23, seção dorsal de B-1, asas de F-15 e nariz de F-22.
    De novo só o céu laranja

  8. Mas se o Stealth não funciona e os F-22 e F-35 podem ser facilmente detectados e derrubados, por que os gênios chineses iriam investir em uma tecnologia que já é ultrapassada, de acordo com aqueles que tanto falavam mal das aeronaves furtivas americanas?

    • O problema não é ser detectado e destruído, o problema é o tanto de destruição que eles podem causar antes de serem interceptados e destruídos, entende?

        • Os aviões F-35, F-22 e o B-2 Spirit podem até ser detectados pelos radares chineses, resta saber se o tempo necessário para essa detecção será o suficiente para que estes aviões causem estragos consideráveis aos chineses. Mais didático, impossível!

    • É que os chineses têm a mania de, no início, copiar dos outros. Depois, apresentam algo melhor que o original e muito mais barato.

    • Ricardo NB – O fato de os chineses terem radares que detectam ‘stealth’ não impede de eles também desenvolverem esse tipo de avião, haja vista que o inimigo pode não ter o mesmo tipo de radar.

    • Falar a verdade eu não entendo o motivo disto ser contradição.
      Quando a avião a jato foi inventado era imbatível, ai surgiu outros aviões e estes passaram a ser também alvos. O fato dos aviões a jato não serem mais imbatíveis não tornou seu desenvolvimento desnecessário perante o restante do mundo;
      Continuando…
      O primeiro avião supersônico era igualmente imbatível, o desenvolvimento de sistemas de defesa de mísseis capazes de lidar com estas aeronaves não impediu o desenvolvimento de aeronaves com estas características.
      Agora me responda, porque o fato de existir sistemas capazes de combater aeronaves stealths impediria o seu desenvolvimento pelo restante das nações?
      Aguardo ansioso a sua resposta e dos demais que compartilham de opinião semelhante…

  9. Não acredito que em médio prazo ( 30 anos) os EUA sejam suplantados pelos chineses, mas é inevitável a ascensão ao segundo posto neste período, pois eles tem muito dinheiro, capacidade crescente, motivação e uma rede de espionagem preocupante e invejável. E a partir do momento que eles consigam colocar no ar, algo similar ao B-2, as coisas vão voltar a ficar muito preocupantes para o Ocidente ( eu tenho idade para lembrar das tensões da Guerra Fria)

    • Não sei o que considera como EUA suplantados.
      O fato é que a produção industrial chinesa ultrapassou a americana em 2010. O PIB chinês por PPP já é significativamente maior que o americano. Agora, com relação à tecnologia, a China pretende passar à predominância no mundo já em 2025. Isto em itens de computação, eletrônica, novas energias, inteligência artificial e etc.
      O inacreditável nisso é que Trump está pressionando o Governo chinês a não investir em empresas que trabalhem nesse projeto ‘Made in China in 2025’. Acredite!
      Ora! Faça o mesmo em seu país. Agora é tarde! A China embalou, já piscou o farol, ligou a seta e está ultrapassando.

      Em tempo. Devo considerar que os EUA e alguns países ocidentais ainda possuem boa vantagem sobre a China em algumas áreas científicas, principalmente na área médica.

      • Não acredito que em 2025 a China tenha superado os EUA em nenhuma área relevante do conhecimento humano. Por exemplo, ter um supercomputador mais veloz do mundo não faz com que sua industria de TI seja superior a dos EUA. Mas acredito que em 30 anos, em áreas pontuais os EUA serão ultrapassados, exatamente pelo poder economico chines ( hoje maior) estar voltado à inovação… No passado a antiga URSS esteve à frente na corrida espacial ( Sputnik, Gagarin,etc…), mas não na industria espacial, percebe a diferença? Em contraponto, sendo uma ditadura partidária, a China pode ter convulsões socias que desestabilizem o regime e tudo isto ir por água abaixo, portanto, por mais que falha, a democracia americana traduz mais estabilidade neste médio prazo, isto significa investimentos mais sólidos e contínuos. Quem viver verá! Abraços!

        • Serve a Lenovo?

          “Lenovo Group Ltd. é uma multinacional chinesa de tecnologia, situada em Pequim, China, e Morrisville, EUA.[1] A empresa foi fundada em Pequim em 1984 por Liu Chuanzhi, junto de dez engenheiros, sob o nome New Technology Developer Inc. (predecessora da Legend Group), mas a empresa controladora só passou a existir em 1988, em Hong Kong.[2]

          Em 2005, a Lenovo comprou a Divisão de PCs da IBM.[3] Sua sede está situada em Raleigh, Carolina do Norte, nos Estados Unidos, sede do extinto grupo ThinkPad da IBM. Possui em seu portfólio de produtos os conhecidos desktops e laptops da linha Think – voltado para o uso corporativo, e a linha Idea – com recursos de entretenimento (áudio e vídeo) voltados para o consumidor de varejo.[carece de fontes]

          Em outubro de 2011, a Lenovo anunciou uma aliança com a produtora terceirizada de notebooks e PCs, Compal Eletronics. O empreendimento de mais de 300 milhões de dólares provocou o aumento disparado das ações da Lenovo em 11,2% na bolsa de Hong Kong.[4]

          No Brasil, comprou a empresa de eletroeletrônicos CCE, em setembro de 2012,[5] e também anunciou investimento de U$ 30 milhões em sua nova fábrica de computadores em Itu à ser inaugurada em dezembro deste mesmo ano.[6] Em Outubro de 2015, a CCE foi novamente vendida, com sua posse retornando para os antigos donos, a Família Sverner.[7] Em 16 de maio de 2016 a Lenovo anuncia a transferência da sua fábrica de Itú para Indaiatuba.[8]

          Em janeiro de 2014, a Lenovo adquiriu a Motorola Mobility da Google por US$ 2,91 bilhões.[9][10][11][12][13] A transação foi sujeita a aprovação de órgãos reguladores nos EUA e China.[9][10][11] Quando a transação finalizou, a Google teve uma participação de 6% na Lenovo por US$750 milhões.[14]”

        • Carlos Ribeiro – Esse é o problema. Vc está vendo apenas as marcas. Muitas vezes o produto tem todos os componentes fabricados na China por empresas chinesas com patentes locais. Vende-se a marca apenas. Só que muitas vezes quem produz o ‘miolo’ produz a ‘casca’. Por exemplo: No campo dos smartphones, bastante concorrido, a 3ª, 4ª e 5ª colocadas são chinesas, sendo que a 3ª, a Huawei está se aproximando da 2ª, a Apple. Tudo bem que alguns componentes de ponta, tipo processadores de última geração, os chineses ainda não possuem, mas esse é o objetivo do projeto de 2025 e eles estão chegando lá.

          • Só por curiosidade: A Samsung disparou como produtora de processadores de alta tecnologia. A americana Qualcomm, a segunda colocada, por algum motivo tentou ‘se vender’ para uma empresa de Cingapura e Trump bloqueou, A também Intel, que é a terceira, está estagnada tendo em vista que é especializada em processadores para computadores maiores. Com relação aos processadores e placas de circuitos mais ‘básicos’, o mercado é dominado pelos chineses que, se não me engano, consomem cerca de 60% da produção mundial.

          • Tive muitos produtos Lenovo e posso garantir que são bastante confiáveis, inclusive eram os que possuíam os melhores custos/benefícios em suas categorias, os outros como Samsung, LG, Asus e Apple estão em um patamar um pouco mais acima, mas cobram muito mais caro por isso.

  10. Não conta para ninguém, fui no ITA e pude ver desenhos de aeronaves furtivas capazes de serem produzidas em dois anos, podendo ser operadas em 4 anos.

    Não pude tirar fotos, mas o desenho era bem melhor do que esse desenho Chines, uma coisa é certa, a China esta a muitos anos-luz atras de nossos desenhistas.

    Segue o jogo, enquanto o lado vermelho desenha o lado azul opera.

  11. Dizer q China nao faz equipamentos, plataformas q prestam, hoje, é ingenuidade. Copiam? Claro! A capacidade de engenharia reversa deles é invejável e foi isso q os colocaram onde estão. Lembro ha alguns anos aki vários dizendo q o j20 nunca voaria, q era propaganda. Ainda alguns dizem q nao sera produzido em massa (duvido. Vai sim.) etc. Q esta anos luz atras de f22,…. Deve estar mesmo mas é oq desenvolveram inteligentemente copiando descaradamente. Qual problema? Foram inteligentes o suficiente de investir nessa capacidade. Copiar, Adaptar, improvisar. E tecnologicamente evoluem exponencialmente. Eu acredito q mais rápido q o ocidente. Eles tem essa capacidade q é admirável.

    • Também concordo, mas quando a torcida do time vermelho desenha um cenário catastrófico para a vida do planeta em cima de um desenho aí já beira fanatismo barato.

      Copiar e melhorar é inteligente e é feito por todo o mundo

      Obs.: Devíamos fazer mais isso.

      • Infelizmente copiar um produto de alta tecnologia não é tão fácil assim, caso contrário todo mundo copiaria. É preciso ter um parque industrial, científico e tecnológico capaz absorver e desenvolver tal tecnologia. Infelizmente não estamos neste patamar, pois demanda produtos sensíveis e que nossa indústria não desenvolveu ainda. Não digo que sejamos incapazes de fazê-lo, mas não no tempo dos chineses que investiram bilhões e bilhões. Lembrando que a indústria de semicondutores chineses está a todo vapor e o governo está investindo pesado, cerca de 150 bilhões de dólares em cifras oficiais foram investidos, imagina o que não tem por fora, pois eles são muito fechados.

  12. Esse papo de desqualificar a China por causa de seus produtos serem “cópias” é pura balela de gente ignorante em questões econômicas. Dar crtl C + ctrl V é coisa muito comum no capitalismo, do contrário só teríamos uma única marca de celulares, de computadores, e de milhares de outros produtos.

  13. Em um Pais fechado, onde a net de alta velocidade eh lenta, pois o governo a monitora.. “Vazar” um croqui desses, da pena de morte!….

    Ou e piada, ou os chineses seguem fielmente “a arte da guerra” …

  14. Quem é o dono da Pirelli? E da Syngenta? E da KraussMaffei? É tudo da ChemChina, estatal chinesa, 234 no ranking da Forbes. O problema é que se eles não tem, tem dinheiro para comprar…
    Não subestimem os chineses…

  15. Fernandes, a KMW, fabricante alemã dos carros de combate Leopard possui controle chinês? Os chinas compraram dos alemães? Ou compraram apenas a divisão de máquinas industriais de uso civil? Pelo que sei, a KMW continua alemã.

    • Compraram a linha industrial de Injetoras e Extrusoras da KMW. Há anos já compraram também partes industriais da Krupp. São partes industriais com desenhos e máquinas de alta capacidade para produzí-las, mas carregam tecnologia das empresas, e com certeza, sempre há algo de interesse que um bom técnico pode usar para compor seu desenvolvimento.

  16. Os chineses sao brilhantes neste aspecto. Compram as companias, se apoderam da propriedade intelectual e dos segredos industriais das mesmas, e vao transferindo os conhecimentos adquiridos para dentro das companias chinesas.

    Depois eles vem e dominam o mercado com mercadorias copiadas. Isso se chama arte da guerra economica.

    O interessante e que alguns consultores ocidentais, ensinaram aos chineses, toda essa estrategia economica e como sucatear as industrias do ocidente.

  17. Duvido! Apresente um equipamento chinês de ponta na área militar! Bomba nuclear, míssil balístico e submarino nuclear Índia e Paquistão também possuem! Sistema GPS próprio, caça furtivo em operação, turbina de alto desempenho e baixa assinatura térmica, Marinha e Força Aérea com presença global! Não tem nada disso, somente projetos e protótipos que nunca entram em produção, o resto é somente produto russo adaptado para o contexto deles.

  18. Esses chineses são muito espertos. Pela concepção artística o designer do futuro bombardeiro stealth chinês H-20 foi baseado no Northrop YF-23.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here