Home Aviação de Caça Começam as críticas na mídia indiana sobre a compra de 36 caças...

Começam as críticas na mídia indiana sobre a compra de 36 caças Rafale ‘de prateleira’

280
18

três caças Rafale substituem outros três na Operação Chammal - foto via Força Aérea Francesa

Críticos dizem que a compra ‘de prateleira’, fora das regras do programa MMRCA original, enfraquece a posição do comitê indiano que negocia a produção do Rafale na Índia. Também dizem que 36 unidades só servem para acrescentar outro tipo de avião à já grande relação de caças da Índia

Noite de sexta-feira no Brasil e na Europa, manhã de sábado na Índia. E, com o nascer do dia, começam a despontar na mídia indiana as primeiras críticas após o impacto do anúncio de um contrato, ainda a ser fechado, para a compra de 36 caças franceses Dassault Rafale “de prateleira” – anúncio feito há algumas horas pelo primeiro ministro indiano Narendra Modi logo no início de sua visita à França.

O jornal Business Standard publicou artigo opinando que essa decisão põe de lado as normas para aquisições indianas de defesa, por silenciar sobre o plano de construir os caças na estatal indiana de aviação HAL (Hindustan Aeronautics Ltd), o que é uma parte central do programa MMRCA (avião de combate multitarefa de porte médio) . Nesse programa, a oferta do Rafale francês foi selecionada há três anos para negociações exclusivas.

Para o jornal, até o momento o MMRCA, que foi concebido para modernizar o setor aeroespacial indiano, só beneficiará essa mesma área na França.

O anúncio, segundo o artigo assinado por Ajai Shukla, demonstra o contínuo fracasso dos dois países em chegar a uma conclusão lógica do programa iniciado em 2007 para a aquisição de 126 caças, dos quais apenas 18 seriam fornecidos pelo fabricante original e 108 seriam construídos na Índia pela HAL. Tudo isso estaria se tornando uma compra direta de um fornecedor único, numa negociação governo a governo – sendo que, desde que se iniciaram as negociações com a empresa francesa (após a sua seleção no início de 2012) o esclarecimento de inúmeras “áreas cinzentas”da proposta financeira levaram os negociadores indianos a concluírem que a oferta era significativamente mais cara do que parecia.

Rafale e Typhoon em patrulha conjunta - foto Luftwaffe via Força Aérea Francesa

Outros ofertantes podem contestar a decisão – Com essa mudança abrupta de regras, os ofertantes rivais derrotados – Lockheed Martin, Boeing, Saab, MiG e Eurofighter, em especial este último que chegou à fase final – podem de forma legítima levantar objeções. O grupo Eurofighter poderia mesmo argumentar que forneceria 36 de seus caças Typhoon “de prateleira” por menor preço que a Dassault, segundo o artigo. O argumento do articulista é que a Dassault tem apenas 180 encomendas do Rafale na França, além de 24 do Egito, enquanto as seis nações do consórcio Eurofighter encomendaram juntas 571 caças Typhoon, permitindo amortizar custos de desenvolvimento e infraestrutura em três vezes mais aeronaves.

Segundo o vice-marechal (reformado) Nirdosh Tyagi, que supervisionou a disputa do MMRCA, é difícil justificar a compra de um número pequeno de jatos Rafale numa força aérea que já opera sete tipos diferentes de caças: Su-30MKI, MiG-29, MiG-27, MiG-21, Mirage 2000, Jaguar e Tejas LCA.

A compra desses 36 jatos vai requerer uma cadeia logística e de infraestrutura para atender a apenas dois esquadrões de 18 aviões cada um. Tyagi afirmou que “36 caças não são nada aqui ou lá. Desde o começo, o MMRCA previu um contrato de 126 aviões, com opção para mais 63. A fabricação local por meio de transferência de tecnologia é crucial.”

Rafale  - Su-30MKI - MiG-27 - Garuda V na Índia - foto via Força Aérea Francesa

Caso a Índia assine o contrato para esses 36 caças Rafale, a Dassault estará numa posição superior para negociar termos favoráveis para os 90 jatos restantes (pensando-se num total geral de 126). E, caso a Índia não concorde com as condições da Dassault, ficará com apenas dois esquadrões de Rafale, sem nacionalização.

Bom para a França, ruim para a Índia – Às críticas do vice-marechal somam-se as do analista militar Bharat Karnad, que há tempos faz críticas à escolha do Rafale. Karnad considera essa compra indiana fundamental… para a Dassault. A falta de encomendas chegou a levantar questões sobre sua própria existência, e Karnad faz a pergunta provocativa: “O que a Índia ganha em retorno, enquanto a França sorri a caminho do banco?”

O analista prossegue: “Os planos de produção da HAL estão no limbo, a política “Make in India” (produza na Índia) está incerta, e estamos comprando o avião da oferta mais cara. Por que?”  Karnad estima que, com mísseis e outras cargas externas incluídas, cada Rafale poderá custar entre 150 e 200 milhões de dólares, fazendo a Índia pagar entre 5,4 e 7,2 bilhões de dólares por 36 caças Rafale, o que é praticamente o dobro do custo do Sukhoi Su-30MKI produzido no país.

Por fim, o artigo do Business Standard sugere que continuará incerta a continuidade das negociações do “Comitê de Negociação do Contrato” (CNC) pelos 90 caças remanescentes, dado que estas estiveram travadas por três anos. O CNC já havia deixado claro à Dassault que esta teria que melhorar sua oferta. Agora, segundo o jornal, a decisão do governo em comprar 36 caças Rafale “de prateleira” enfraquece significativamente o CNC.

Rafale em apresentação - foto Força Aérea Francesa

Oposição política – Outro meio, no caso a edição de Calcutá do jornal The Telegraph, traz reportagem com ameaça do membro do “partido popular” da Índia (Bharatiya Janata Party – BJP),  Subramanian Swamy. Este disse que tomará ações legais caso o governo prossiga nesse acordo para comprar os 36 caças Rafale, alegando que o avião tem desempenho ruim e que uma autoridade da administração indiana anterior havia sido subornada. Swamy diz que o caça é menos eficiente em consumo de combustível e que seu desempenho levou “a nenhum país no mundo a concordar em comprá-lo” – ainda que o Egito tenha contratado 24 exemplares, como fez questão de frisar jornal The Telegraph.

Ao que parece, justificadas ou não as críticas que já se fazia à época da disputa do MMRCA (alimentadas pelo lobby de cada concorrente ou por disputas políticas de longa data) têm tudo para ressurgir e crescer na Índia diante da surpresa deste anúncio de compra “de prateleira” de 36 caças Rafale, após anos de negociação para produzir os aviões na Índia, ainda mais pelo fato do governo de Narendra Modi ter como mote a política “Make in India”.

FOTOS (em caráter meramente ilustrativo): Força Aérea Francesa

COLABOROU: Penguin

18
Deixe um comentário

avatar
17 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
HamadjrAndre LuisVaderLywFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Iväny Junior
Visitante
Member

Bem, a chiadeira interna já começou. E com razão. Agora é esperar pra ver se a oposição vai levar adiante o processo contra a compra e se isso vai surtir algum efeito.

A compra é indiana, o produto é francês, mas, o drama é mexicano.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Lá, como cá!

off topic

Licitação dos caças da FAB volta a emperrar

Ministério Público apura favorecimento de empresa ligada a oficiais da aeronáutica, a AEL Sistemas, subsidiária local da israelense Elbit (Veja)
—–

Pelo que consta no artigo, o aluguel, empréstimo ou seja o que for, dos Gripen C/D, foi para as cucuias. Mais: se fala em Gripen E lá por 2025.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Outro contrato que está emperrado, mas curiosamente não recebe muita atenção da mídia, é o de fabricação do Typhoon na Arábia Saudita.

Mesmo problema da Índia: falta de mão de obra especializada local impede o andamento da fabricação local do caça.

Penguin
Visitante
Penguin

India to buy 36 Rafale jets in fly-away conditions from France; deal to be worked out
By Manu Pubby, ET Bureau | 11 Apr, 2015, 01.00AM IST

Link:
http://economictimes.indiatimes.com/articleshow/46881597.cms?utm_source=contentofinterest&utm_medium=text&utm_campaign=cppst

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

A AEL na berlinda, agora só falta o MPF questionar o que raios a Embraer, que de avião de caça não sabe nada, faz nesse projeto!!!

Penguin
Visitante
Penguin

Se há um questionamento com relação a brasilianidade da AEL, então o que dizer da Helibrás?

Lyw
Visitante
Member
Lyw

“36 caças não são nada aqui ou lá…”

Caramba, quanta diferença do Brasil! Aqui a compra de 36 caças é motivo comemoração.

Vader
Visitante
Member

Fica um pouco mais evidente que o MMRCA ficou pras calendas gregas.

Sim, porque qual poder de negociação vai ter agora o tal comitê? Ora, se por fora das “regras do jogo” a Índia já comprou o jato, que esforço a Dassault vai fazer para vender via MMRCA?

Ou o MMRCA foi pras cucuias ou o governo indiano fez uma baita de uma “agada”.

Sds.

Andre Luis
Visitante
Andre Luis

O Problema dos Indianos é que eles querem ter tudo ao mesmo tempo. Isto traz vantagens e desvantagens.

Agora as desvantagens desta política estão sendo mais evidentes que as possíveis vantagens.

O fato de a ìndias ter várias fornecedores faz com que ele não sejam reféns de um país e ainda consigam diversas tecnologias que cada um pode oferecer.

Por outro lado agora eles não sabem o que fazer com sua aviação de caça, porque tudo vai sair muito caro ou demorado ou os dois ao mesmo tempo.

Andre Luis
Visitante
Andre Luis

Se eu fosse o governo Indiano teria escolhido o fornecedor com maior escala de produção já realizada e com tecnologia superior para suprir a falta de caças.
No caso o F-18.

Para o desenvolvimento interno, o Tejas com cooperação dos EUA ou da Suécia.

Assim, em pouco tempo, a Índia teria um poderoso caça bi-turbina ocidental como o F-18 e teria a cooperação

para um caça leva avançada como o Tejas.

E continuaria desenvolvendo o caça de 5a geração com a Rússia, ou mudar para uma cooperação com o Japão e seu avião Shin-shin.

Hamadjr
Visitante
Member
Hamadjr

Eta aviãozinho difícil de vender

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Antes de resolver um problema, parece que essa “compra de prateleira”, irá criar novos: “Is the new deal an admission that the M-MRCA selection process & ‘L1’ centric procurement process has essentially failed?” “Does the new deal essentially say that the Indian procurement process cannot be purely technical, and will always finally need a political push?” “Could this decision have repercussions within the framework of the M-MRCA, in terms of possible action by Eurofighter, the L2 in the contest?” “How does the government combat perceptions now that an ‘out of the box’ political solution was necessary to push through a… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Antes, ao ser anunciada a possibilidade da compra de prateleira: “I don’t get what the Indians are doing. First they’re delaying the development of their own aircraft industry. Second they’re paying abnormally high prices for this jet…they could get Super Hornets at about half the price…and last, they’re throwing away interoperability with the US Navy that has a much stronger presence in their neighborhood than the French.” (http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2015/04/india-on-verge-of-deal-for-french.html) Depois, da caca feita e anunciada, pelo ministro de Defesa hindu: “It may take two to two-and-a-half years to get the first plane,…” “Fly-away means not tomorrow, it has to be designed… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Nunão,

De fato, por enquanto mta especulação, melhor mesmo aguardar a poeira levanta abaixar.
O Twitter deve estar em chamas, c/ este assunto!!!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

E o M-MRCA acabou!!! A Dassault, penso eu venceu!!!

(http://www.livefistdefence.com/2015/04/its-final-mmrca-dead-rafales-coming.html)