Home Noticiário Internacional Caça sino-paquistanês JF-17 ‘Thunder’ (FC-1) poderá ser produzido na Argentina

Caça sino-paquistanês JF-17 ‘Thunder’ (FC-1) poderá ser produzido na Argentina

684
46

FC-1

Segundo o Grupo Jane’s IHS, funcionários da empresa aeroespacial argentina Fabrica Argentina de Aviones (FAdeA) informaram, durante o Paris Air Show 2013,  que tiveram várias discussões com as autoridades chinesas sobre o potencial de coprodução do caça multifuncional Chengdu Aircraft Corporation (CAC) FC-1/JF-17.

As discussões estão longe de serem concluídas, pois ainda há questões discordantes sobre “transferência de tecnologia”. No entanto, as discussões são o primeiro esforço formal, que poderá levar à coprodução de um moderno caça chinês na América Latina. Os funcionários da FAdeA disseram que o FC-1 produzido na Argentina poderia ser chamado de ‘Pulqui-III “, lembrando o FAdeA Pulqui-II, primeiro jato de asa em flecha da América Latina, que foi projetado pelo alemão Kurt Tank para o governo de Juan Peron.

fc-1 (1)

COLABOROU: Luiz Reis

SAIBA MAIS:

NOTA DO PODER AÉREO: será que a conclusão do Programa F-X2 da Força Aérea Brasileira vai demorar tanto que ainda veremos a Argentina produzindo caças antes do Brasil? O mais irônico é que o JF-17 já emprega armamento brasileiro, como os mísseis Piranha e MAR-1.

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
CorsarioDF
CorsarioDF
7 anos atrás

Sobre a Nota do Poder Aéreo: “Será o fim da picada!!!”

Tem que rir mesmo, pois dá vontade de chorar…

Até os falidos…

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Pulqui III: deve ser piada mesmo!

Em relação aos nossos caças, creio que o tempo acabou. Supondo que a governanta decida alguma coisa, vamos fazer aquela famosa conta de boteco:

Detalhamento de contratos: um ano

Primeiras entregas: um ano

Quanto tempo para toda a equipe ter plena proficiência? Dois anos?

Pois é!

Mayuan
Mayuan
7 anos atrás

Na boa? Eu vou achar ótimo se essas negociações avançarem. Quem sabe se nossa classe política finalmente não vai chegar a conclusão de que se até eles que estão mais quebrados que taça de champagne entregue pela Ricardo Eletro podem, porque não nós?

Palhaçada isso! Coisa de políticos muito mais interessados em suas carreiras e bolsos que no bem ou na segurança do país. E por favor, não me venham de novo com a balela do partido x, y ou z que nem a direita nem a esquerda resolveu essa parada até hoje.

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Decadance avec elegance…..

Parabéns aos argies…. pelo menos a senhora K decide…. enquanto em Banânia….. continuamos na terra da fantasia, da hipocrisia e da mentira.

Para quem não conhece o Pulqui II, citado na matéria….. abaixo:

comment image

Sds.

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Mais uma foto do Pulqui II…..

comment image

Não chores por mim BrasiuPutenfia…….

Sds;

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Engraçado…. o pessoal do Zona Militar não gostou…. e não acredita !!

Vai entender… para quem voa Mirage III e A-4AR do tempo do “epa” seria uma boa melhorada…. além reaprenderem a fabricar aviões….

Sds.

Renato.B
Renato.B
7 anos atrás

Quero só ver na hora em que ela der o primeiro piti e negar compras para a Força Aérea Argentina ou inventar algo para nacionalizar a fábrica. A Argentina está instável demais para negociar

Guilherme Poggio
Editor
7 anos atrás

Primeiramente já existe entendimentos concretos para a produção sob licença de aeronaves (quase) chinesas na Argentina. Este é o helicóptero CZ-11 (versão chinesa do Eurocopter Ecureil/Helibras Esquilo).

Em segundo lugar este deve ser o caça mais barato do mundo (pelo menos para comprar, manter é outra história)

E por último, isto pode ser um golpe para alguém no Ocidente vender algum equipamento para o pessoal lá do Sul.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Guilherme Poggio
7 anos atrás

“Baschera em 25/06/2013 as 1:40
…para quem voa Mirage III e A-4AR do tempo do “epa” seria uma boa melhorada…”

E pra quem vai precisar aposentar F-2000 do tempo do “opa”, sem falar dos F-5 do tempo do “epa”, e aguarda o fim de um F-X do tempo do “iiiiiissssssa”???

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

Nunão
Para esse momento de instabilidade econômica e politicas, além da dificuldade que o governo tem para justificar compra de armamentos, até poderíamos adquirir uns JF-17, ou melhor, negociar produção conjunta com os argentinos. Mas posteriormente dever-se-ia comprar um Hi, podendo ser até mesmo o MiG-35 (que já usa a mesma motorização do chinês). Se chegássemos a essa conclusão logo (tanto do JF-17 quanto do MiG-35) poderíamos faze-los com maior comutatividade possível, economizado em manutenções posteriores.
É uma opção

Vader
7 anos atrás

Taí o caça sulamericano da Unasul.

Os argentinos já nos tomaram a dianteira no caso dos treinadores, agora tomarão no dos caças, caso o FX2 não vingue.

Que ninguém duvide que para os “cumpanhero” é muito mais palatável comprar um caça chinês de fabricação argentina do que “dusamericanu” ou dos franceses.

Senhores: este pode ser o substituto de nossos F-5 num futuro bem próximo.

Quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça…

Vader
7 anos atrás

Aliás, outro dia saiu num outro blog aí, que aliás, a julgar pelas últimas matérias, deveria mudar seu nome para Потолочные и видимость ОК, que há um país sulamericano seriamente interessado no JF-17.

Unindo as duas notícias fica claro que é a Argentina. E fica claro que os sino-paquistaneses tem sérias expectativas de produzir um caça para exportações na América Latina. E que a Argentina sairá obviamente ganhando com isso.

Se é que a Da. Cretina K. vai deixar…

wenerassis
wenerassis
7 anos atrás

Torço para que aconteça mesmo esta negociação e quem sabe assim o Brasil tome vergonha na cara e decida logo esse FX2.

JapaMan
JapaMan
7 anos atrás

Alguém aí poderia me informar se existe algum material sobre o JF-17 em números? dados técnicos sobre essa Geringonça?

Sds.

Nick
Nick
7 anos atrás

Esse JF-17 é bom para os argentinos, paraguaios, uruguaios e até venezuelanos. Mas para o Brasil não acrescenta nada. Um caça de baixo custo, que se perigar é inferior até aos F-5EM.

[]’s

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
7 anos atrás

JapaMan, há diversas matérias aqui no Poder Aéreo sobre o JF-17, com vários números e informações. Aqui está uma relação delas, a partir do “tag” JF-17 (evidentemente, a relação inclui esta matéria mais recente):

http://www.aereo.jor.br/tag/jf-17/

ernaniborges
ernaniborges
7 anos atrás

Esse caça lembra o F-5, vocês não acham ?

asbueno
asbueno
7 anos atrás

Vai ser interessante. O Chile já possui tudo o que já sabemos, Colômbia, Equador e Peru se mexem ou se mexeram. A Venezuela e os Su-30. Sobram a Bolívia, que poderia ir no encalço da Argentina (e que já tem treinador chinês), Uruguai (com F-5? Se sim, equiparariam-se a nós) e Paraguai, sem notícias aparentemente. E nossotros acompanhando o eterno féretro doméstico… Se a FAdeA está em negociações isso significa que o governo argentino endossa já que a fábrica é estatal. Mas como já dito Madame Kirchner é instável, tanto quanto seu país. Mas se o fizerem darão um olé… Read more »

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

Só lembrando a todos que o JF-17 é mais moderno do que qualquer caça hoje usado pela FAB. Podendo-se comparar com o Mirage 2000-9, só que o chinês pode receber um AESA e o IRST.
A Block II é muito boa.

Observador
Observador
7 anos atrás

Senhores, Primeira constatação: se o Brasil tivesse fechado com o Gripen lá em 2009, teríamos o mercado latino-americano nas mãos. Com exceção da Venezuela e do Chile, os demais países necessitam comprar novas aeronaves. E a maioria não tem dinheiro para comprar e manter nada mais caro do que um Gripen. Segunda constatação: como o Brasil nunca perde uma oportunidade de perder uma oportunidade, este mercado, por pequeno que seja, vai cair no colo dos caças chineses J-10 e JF-17. Terceira constatação: até o governo argentino da Cristina I, a Louca, é mais interessado no reaparelhamento de sua Força Aérea… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Prefiro os da Revell!!!

joao.filho
joao.filho
7 anos atrás

Muito bem, Argentina. Bom trabalho, Madame Kirchner. Enquanto o Brasil continua se arrastando a quase duas decadas com a palhacada fo FX.FX2, e etc os argies falam fouco e fazem muito. Voce prefere os da Revell, Marcos? Ou prefere os F-5 caindo aos pedacos da FAB? Como vao as coisas daqui a pouco a Argentina estara completamente reequipada, produzindo e exportando enquanto o FX Ad Infinitum continua. Acho que estes protestos e quebra pau por falta de servicos, educacao, saude publica e etc serao o ultimo prego no caixao fo FX-2. E nos aqui no Blog continuaremos eternamente a malhar… Read more »

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
7 anos atrás

estes aviões podem ser fracos, ching-ling, etc… mas em quantidade, para o cenário sul-americano, esta de bom tamanho.

O perigo é a argentina se empolgar e querer “se crescer” frente a inglaterra e tentar invadir as malvinas novamente.

Vader
7 anos atrás

Digo mais senhores: esse caça pode ser fraco em desempenho e alcance perto dos caças “estado-da-arte” ocidentais, mas é muito além em performance do que qualquer caça que tenhamos, além de já estar integrado com mísseis brasileiros.

Para substituto dos F-5 cairiam como uma luva, caso o FX2 entre pelo cano, como alguns dizem que vai ocorrer.

Vader
7 anos atrás

Ah, e o detalhe: Consta que cada caça desses sai de US$ 20 a 30 milhões, dependendo da configuração. Com cada Kombi-Voadora da Apertaparafusobrás se compraria 2 ou 3 desses. Com metade do valor do FX2, ou seja, US$ 2,2 bi, dava pra comprar 96 desses, equipar 8 esquadrões e substituir TODOS os F-5 e AMX (os outros 3 esquadrões ficariam para o FXYZ, um dia…). Aí era negociar com os chinas e paquis a transferência de tecnologia dos códigos-fonte dos sistemas de armas, para integrarmos futuramente o que quiséssemos, e a montagem (pelo menos) e manutenção aqui. Voilá: estava… Read more »

Soyuz
Soyuz
7 anos atrás

Caça chines e carro a álcool, pode demorar 30 anos, mas um dia você ainda vai ter um. Ironias à parte, lembro da frase de Tito Lívio há 2000 anos atrás. “No momento mais difícil o plano mais ousado é normalmente o melhor plano”. A situação argentina é bastante difícil no tocante a aviação de combate e se os argentinos quiserem caças novos um dia será por meio de um plano “ousado” deste naipe. É claro que tudo é possível na Argentina, do licenciamento de caça chines até a simplesmente nada acontecer e a FAA se juntar a FAU, FAP… Read more »

Edgar
Admin
Reply to  Soyuz
7 anos atrás

Soyuz, se a purinha resolvesse, os caças teriam sido comprados em 2003…

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Mais bravata argentina como a colocação de motor nuclear um um de seus subs. Perderem o senso do ridículo.

Mas que quiserem ir adiante, boa sorte, avião chinês não quero nem de graça.

Vader
7 anos atrás

Edgar disse:
25 de junho de 2013 às 17:31

“Soyuz, se a purinha resolvesse, os caças teriam sido comprados em 2003…

Ou no 7 de setembro de 2009… 🙂

Edgar
Admin
Reply to  Vader
7 anos atrás

Vader, acho que nesse dia a independência foi comemorada regada à vin effervescent français de Champagne 😀

Gutex
Gutex
7 anos atrás

Ao menos poderiamos conseguir alguns clientes para nossos mísseis, já que nos mesmos não os compramos em numeros significativos…

Vader
7 anos atrás

Edgar, champanha “não dá liga” pra cachaceiro…

Mayuan
Mayuan
7 anos atrás

Vou morrer de achar graça quando elegerem algum neoliberal da oposicao atual e ele disser que nao vai comprar nada devido a austeridade de gastos do governo que o combate a inflacao exige. Do mesmo jeito que o ultimo fez.

Troca logo pra FAB Airlines vai!

eduardo pereira
eduardo pereira
7 anos atrás

Ja faz um tempao que eu falei que o JF_17 dentro de nossa atual condicao cairia como uma luva na Fab e da pra comprar uma grande quantidade,porem nao creio que va acontecer.

asbueno
asbueno
7 anos atrás

Mayuan disse: 25 de junho de 2013 às 20:43 De fato, FFHH poderia ter concluído o FX, mas não quis. NÃO QUIS! Não havia impedimento. Não fosse essa negligência o GDA teria, de um jeito ou de outro, 12 aviões relativamente novos hoje. Nosso país é uma coisa curiosa. Uma instância do GF (MinDef / FAB) tocava um programa de compra e não o governo de uma pessoa. Fosse assim tudo deveria ser paralisado para o seguinte dar sua anuência. Foi uma negligência, uma tirada de corpo violenta. Tão ruim ou pior é o que veio depois… Uma dica para… Read more »

Vader
7 anos atrás

Mayuan disse:
25 de junho de 2013 às 20:43

E o “pogreçista” Lula foi muito melhor que “usnéuliberáu”??? 😉

Carcará 01
Carcará 01
7 anos atrás

Rapai, essa maniazinha de chamar Fernando Henrique de “FFHH” é de uma tabacudice sem fim…

asbueno
asbueno
7 anos atrás

Carcará 01 disse:
26 de junho de 2013 às 9:47

Se preferir, também é possível FHH ou FFH.

No mais foi um presidente fraco, um pouco melhor do que o sapo barbudo e a atual criatura que ocupa o assento, infelizmente não ejetável. Em tempo, a mediocridade do presidente de plantão é devida, principalmente, aos conchavos para a manutenção do poder e a fraqueza do congresso. Com “c” minúsculo mesmo.

asbueno
asbueno
7 anos atrás

Corrijo-me. Não foi um presidente fraco. Fernando Henrique, como todo indivíduo, erra, mas era uma pessoa mais competente para o cargo. O problema grave era a necessidade de agradar os aliados e todos sabemos que muitas concessões precisam ser feitas. Mas esse é um problema de nosso sistema político.

Ainda com relação às letras, quis apenas dar um toque de humor. O momento nacional é grave o suficiente e a situação da FAB, com relação aos caças, começa a beirar o precipício, salvo uma atitude “corajosa” da mandatária mor de hoje.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
7 anos atrás

Vamos imaginar que a notícia realmente seja verdadeira, a produção em série se materialize e diante desse “Pudê” aéreo a Senhora K, a rainha louca dos pampas, em mais um de seus delirios movidos à toxina botulínica, se empolgue e resolva tomar de volta as Ilhas Falklands. As únicas consequências possíveis seriam:

a) Os caças soltam pecinha no caminho e caem no mar, submetendo seus pilotos à hipotermia;

b) Viram presas fáceis para os Typhoon da RAF e os F-35B da RN.

Façam suas apostas!

eduardo pereira
eduardo pereira
7 anos atrás

HMS TIRELESS disse: 26 de junho de 2013 às 12:04 c) …ou os caças sao bem utilizados e afundam algun(s) navios e a doidona k tem exito (contra a vontade dos moradores da ilha ,claro) e invade a dita cuja da ilha da fantasia, calando bocas e mais bocas heinn??? Ninguém pode avaliar mau(ja com certeza) um caça que ainda nao virao em açao até que aconteça ,afinal a China peita o Tio Sam e nao uma Venezuela ,Chile da vida e nao colocaria porcaria pra defender suas bilhoes de cabeças nao é mesmop!!! OBS.; e nem a Turquia a… Read more »

Mayuan
Mayuan
7 anos atrás

Vader disse: 26 de junho de 2013 às 7:54 E o progressista Lula foi muito melhor que os neoliberais??? Os dois (ou os 3 se colocarmos a atual presidente) tem seus méritos e deméritos mas essa essa é uma discussão infindável além de não ser o foco desse fórum. O que eles tem em comum, e esse é exatamente o ponto que sempre defendo é o que tange à defesa dos interesses do país e da defesa do país propriamente dita. No frigir dos ovos, o que importa nesse espaço é que a decisão sobre o projeto tem sido protelada… Read more »

rogeriol
rogeriol
7 anos atrás

O Thunder, pelo baixo preço, 25 milhões de dólares em média, custa um quarto do Gripen que é o mais barato.
Ou seja, entrega muito pelo que custa.
Excelente opção para colocar no lugar dos gloriosos F-5EM e um tampão novo até um caça Hi.
Temos que entrar nessa com a Argentina sem dúvida.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
7 anos atrás

Rogeriol,

Cuidado com comparações de preços “fly away” (ou seja, só o avião) com outras de pacotes que incluem participação industrial, desenvolvimento, treinamento, manutenção, peças sobressalentes, publicações técnicas, garantias etc.

A diferença entre Gripen e Thunder certamente existe, mas talvez não seja tão simples assim de se dizer que seja de 4 para 1, assim como comparações com outros preços de caças.

rogeriol
rogeriol
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 anos atrás

Nunão,
É verdade que a fabricação sob licença com acesso a codigo fonte tem o seu preço mais alto do que o de prateleira.
Boa intervenção sua.
Mas ainda seria ao menos a metade do Gripen creio.
A China já superou a fase de cópias e deverá ser uma exportadore forte de armas doravante.
E temos que aproveitar isso a nosso favor.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
7 anos atrás

De fato, Rogeriol, há muitos indícios de que a exportações de armamentos chineses vai ganhar impulso nos próximos anos.

Procuramos explorar esse tema em matéria do número 7 da revista Forças de Defesa, com a reportagem sobre o Airshow China 2012.