Home Armée de l´air Esquadrões Dauphiné e Belfort: as novas dissoluções do Armée de l’air

Esquadrões Dauphiné e Belfort: as novas dissoluções do Armée de l’air

428
12

Força Aérea Francesa continua seu processo de desativação de esquadrões, no contexto da racionalização da aviação de caça, reconhecimento e ataque, e da adoção de um novo vetor, o Rafale

No dia 29 de junho, foi dissolvido o Esquadrão de Caça 1/4 “Dauphiné”, equipado com Mirage 2000 N

No dia 17 de junho de 2010, foi realizado o último voo operacional de um Mirage 2000 N do Esquadrão de Caça 1/4 “Dauphiné”, especializado em ataque nuclear. Pouco mais de dez dias depois, em 28 de junho, era realizada a cerimônia religiosa e militar de dissolução do esquadrão, presidida pelo comandante das forças estratégicas, o general Paul Foilland.

Uma demonstração aérea de um Mirage 2000 N e de um Rafale, representando passado e futuro, colocaram um ponto final em quase um século de história do esquadrão, a não ser que seja reativado um dia, o que já aconteceu antes com outros esquadrões da Força Aérea Francesa – mas não parece ser esse o caso, dado o processo de racionalização pelo qual passa a força (veja mais a respeito no primeiro link da lista ao final da matéria).  A pintura especial de uma aeronave, o batismo de uma avenida com o nome de “EC 01.004 Dauphiné”, na Base Aérea de Taverny, uma galeria de retratos de pilotos e navegadores desde 1960 e a publicação de um livro também marcaram a dissolução da unidade.

O “Dauphiné” foi criado durante a Primeira Guerra Mundial, em 1916. Quando veio a Segunda Guerra Mundial, o esquadrão lutou na Campanha da França, mudando-se depois para a África do Sul e do Norte. A partir de 1943, passou a lutar ao lado das Forças Aliadas nas campanhas da Córsega, da Itália, da Alsácia e da Alemanha. Após a II GM, esteve também na Indochina, antes de se estabelecer, em 1961, em Luxeil.

Em julho de 1988, o esquadrão foi declarado como operacional no Mirage 2000 N (substituindo os Mirage IV P), passando para a subordinação do comando das Forças aéreas estratégicas em 1º de setembro de 1991. Logo acima e mais abaixo, pode ser vista a heráldica do esquadrão e de suas três esquadrilhas, a SPA 37 “Charognard”, SPA 81 “Lévrier” e SPA 92 “Lion de Belfort”.

A missão principal do esquadrão era o ataque nuclear, sendo o ataque convencional a sua missão secundária.

Pouco antes, em 24 de junho, foi a vez do Esquadrão de Reconhecimento 1/33 “Belfort”, equipado com Mirage F1 CR

Com uma cerimônia presidida pelo general Joël Martel, foi dissolvido esse esquadrão também quase centenário, o 1/33 “Belfort”, cuja trajetória mais recente está bastante ligada aos seus desdobramentos no Chade (veja links mais abaixo, com fotos e vídeos), assim como operações no Afeganistão.

Segundo o o tenente coronel Vincent Fournier, último comandante do esquadrão, as tradições do “Belfort” deverão continuar no esquadrão de UAV “Adour”, baseado em Cognac, especialmente em sua esquadrilha “La Hache”, que chegou a integrar o 1/33. Trata-se de uma transferência lógica de tradições, dado que os Veículos Aéreos Não Tripulados do “Adour” cumprem a missão de reconhecimento, que era a função primária dos Mirage F1 CR do “Belfort”.

Uma parte de suas aeronaves deverá ser transferida para o último esquadrão do Armée de l’air a operá-los, o 2/33 “Savoie”, com o qual nos últimos anos compartilhou a Base Aérea de Reims, assim como uma parcela de seus pilotos (os demais integrarão esquadrões de Mirage 2000 N e Rafale, entre outros). Com o 2/33, também ficará o acervo do célebre piloto Saint-Exupéry, que serviu no esquadrão. A outra parte dos Mirage F1 CR deverá ser sucateada, segundo o tenente coronel. Uma curiosidade é que Fournier, ao longo de sua carreira, também viveu outras dissoluções de esquadrões de caça bastante tradicionais da Força Aérea Francesa, o 1/30 “Alsace” e o 2/30 “Normandie-Niemen”.

As origens do 1/33 ” Belfort ” também remontam à Primeira Guerra Mundial, quando, em 2 de outubro de 1914, foi criada a Esquadrilha MF 33, equipada com aeronaves Farman 11 e que, em 1916, passaram a portar a insígnia “La Hache”.

Nos anos 30, já como 33ª Esquadrilha de Reconhecimento, a unidade era equipada com bimotores Potez, que em fevereiro de 1940, já durante a Segunda Guerra Mundial, foram substituídos por caças Bloch. Em 22 de junho daquele ano, transferiu-se para a África do Norte. Reequipada com aviões norte-americanos P-38 em março de 1943, voltou a combater sobre a França em 1944.

Após o conflito, já redenominada GR 1/33 ” Belfort “, passou a ser baseada em Cognac. Em 1952, recebeu jatos F-84G e, em 1956, participou da Campanha de Suez. A denominação definitiva de Esquadrão de Reconhecimento veio nos anos 60, que viram a unidade operar a partir de Luxeil e Strasbourg. Nessa última base, recebeu seus primeiros Mirage III R, em janeiro de 1967.

Quase vinte anos depois, em 1986, foi reequipada com os Mirage F1 CR, com os quais vinha operando desde então. Com essas aeronaves, participou das operações Epervier, no Chade, em 1989, assim como da Tempestade no Deserto, de 1991 (realizando missões de bombardeio e de reconhecimento).  No mesmo ano, também integrou a operação Aconit, na Turquia, de proteção às populações Curdas no Norte do Iraque e, em 1993, esteve na operação Crecerelle, a partir da base de Istrana, na Itália. Desde 2006, o esquadrão operou com regularidade sobre o Afeganistão (operação Serpenaire).

FONTE / FOTOS: Armée de l’air (Força Aérea Francesa)

VEJA TAMBÉM:

12
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
fagnerVplemesNunãoZEIvan Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Antonio M
Visitante
Antonio M

Pois é. Fica muito caro mesmo manter os Rafale ……

Marcos
Visitante
Marcos

Realmente, tem que se desfazer praticamente de todo efetivo para operar uns poucos…..

Francisco AMX
Visitante
Member
Francisco AMX

Poucos, que darão conta dos renomados, provados e aprovados em combate…

e para quem dizia que o Rafale não está pronto heim? vai ver os “imbecis” franceses estão tirando um avião capaz para defesa estratégica da nação e colocando um “lixo” para a tarefa…

Enquanto isso lá no norte, tem um monte de franzino e perna curta aposentado… nem no hangar estão…

esta foi dura, desculpe uma dose de realidade, gripetes! rsrsrsrs

Ivan
Visitante
Member
Ivan

Francisco AMX, Quero, neste momento, registrar um veemente protesto contra o uso de palavras impróprias contra um povo, que merece respeito como qualquer outro. Se referir aos franceses da forma acima (que vc usou) é imperdoável. Até mesmo contra Les Bleus, a seleção francesa de futebol… Agora falando sério, o Rafale é um excelente caça… para a França. Eu explico: – É caro… mas o seu alto custo fica dentro da economia francesa; – Suas turbinas são fracas… mas no clima temperado da Europa resolve e quando tem que lutar em outras paragens é sob o guarda-chuva dos Estados Unidos;… Read more »

ZE
Visitante
ZE

Nunão, eu acho que eles vão ter que rever isso. O site Secret Défense (site francês ultra-super-mega puxa saco do Rafale) noticiou que, a Força Aérea e a Marinha juntas tenham que contar com um total de 180 aviões de combate. Como eles terão que cortar o orçamento de defesa de uma forma mais séria do que já foi cortado no ano passado, creio que os Mirage ainda vão dar muito pano para manga. Eles terão que ser usados até o osso. É bom lembrar que, antes, se pensava em construir 336 Rafale. Posteriormente, esse número caiu para 294 Rafale.… Read more »

Ivan
Visitante
Member
Ivan

ZE,

Vc quer matar do coração nossos amigos Rafalemaníacos?

Brincadeira amigo, pega leve.
Notícias como esta tem que ser apresentadas com jeito, devagarzinho, tipo “gato subiu no telhado”.

Mas falando sério agora.
Se este cenário se confirmar, as perdas não serão apenas para o Rafale e a Dassault.
Na verdade isso será o mínimo.

O problema estará na redução da presença europeia no mundo, seu poder de fogo mesmo, pois tenho certeza que, se este movimento se confirmar na França, será adotado igualmente em toda a Europa Ocidental.

Um verdadeiro movimento de gangorra, onde a ponta européia desce e a asiática sobe.

O mundo mudou…

Abç,
Ivan.

Ivan
Visitante
Member
Ivan

ZE,

Neste cenário de mudanças, lembro sempre de uma frase de William George Ward, teólogo inglês do século XIX:

“O pessimista se queixa do vento,
o otimista espera que ele mude
e o realista ajusta as velas.”

Sei que é totalmente off topic, mas é sempre atual.

Abç,
Ivan, o Antigo, mas do século XX.

Vplemes
Visitante
Vplemes

Zé,

Postei esta noticia do “secret defenses” alguns dias atrás na alide, e alguns foristas tentaram me desqualificar de todo jeito. O interessante, é que quando querem noticias pró-rafale o site é considerado o ultimo biscoito do pacote. Agora, quando a noticia não agrada, ele passa a não ter credibilidade. Vai entender!

Marcos
Visitante
Marcos

Francisco AMX

Poucos, que darão conta dos renomados, provados e aprovados em combate…

Que Combates?

Francisco AMX
Visitante
Member
Francisco AMX

Marcos, não vou facilitar para vc assim! vá pesquisar… rsrsrs
mas uma dica… mediterrâneo… Grecia Vs Turquia… Iraque… India…
poderia citar todo o sucesso do MIII, seu irmão mais velho… mas acho que deste vc já está careca de saber…

Sds!

fagner
Visitante
fagner

conheci essa unidade durante a cruzex creio q em, 2005 aqui em anapolis ” tenho um poster da unidade autografado peços colegas franceses ”’ ” q agora e recordação do esguadraõoo ” q acabouu ”