Home Indústria Aeroespacial Novas peças turcas para o F-35

Novas peças turcas para o F-35

391
8

partes-estruturais-f-35-fornecidas-pela-turquia-foto-northrop-grumman

A Northrop Grumman, empresa que participa do programa do F-35, liderado pela Lockheed Martin, noticiou no último dia 18 o recebimento das primeiras partes estruturais da seção central da fuselagem da aeronave, produzidas pela empresa TAI – Turkish Aerospace Industries, Inc.

Conforme matéria anterior do Blog do Poder Aéreo (clique aqui para acessar e conferir mais detalhes sobre  assunto), a TAI recentemente forneceu os primeiros painéis de material composto para a cobertura externa da mesma seção, e a expectativa é chegar, gradualmente, à produção de 400 seções centrais de fuselagem pela empresa turca, de modo a se consolidar como o segundo fornecedor mundial do item dentro do programa F-35, na versão de decolagem e pouso convencionais.

As estruturas metálicas, que contém mais de 100 partes cada, são inspecionadas por um funcionário da Northrop Grumman na foto acima.

Fonte e foto: Northrop Grumman

8
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
F-35: entregue a primeira seção central de fuselagem de produçãoCarlos AugustoTailhookerSir Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Sir
Visitante
Sir

Jamais imaginei que a Turquia tivesse tal capacidade industrial.
Parabéns aos turcos.

Sir
Visitante
Sir

Jamais imaginei que a Turquia tivesse tal capacidade industrial.
Parabéns aos turcos.

Tailhooker
Visitante
Tailhooker

Se hoje a Turquia tem indústria aeronáutica, foi em função do offset de montagem sob licença dos F-16 adquiridos dos EUA.
Muito se discute aqui sobre a “transferência de tecnologia” que o processo do FX-2 poderia oferecer ao Brasil. Na minha opinião, pelo relacionamento histórico e pela quantidade de aviões a serem encomendados, o máximo que conseguiríamos seria uma montagem sob licença pela Embraer, o que não deixa de ser um offset interessante e proveitoso para o País.

Tailhooker
Visitante
Tailhooker

Se hoje a Turquia tem indústria aeronáutica, foi em função do offset de montagem sob licença dos F-16 adquiridos dos EUA.
Muito se discute aqui sobre a “transferência de tecnologia” que o processo do FX-2 poderia oferecer ao Brasil. Na minha opinião, pelo relacionamento histórico e pela quantidade de aviões a serem encomendados, o máximo que conseguiríamos seria uma montagem sob licença pela Embraer, o que não deixa de ser um offset interessante e proveitoso para o País.

Carlos Augusto
Visitante
Carlos Augusto

Tailhooker, dificilmente os americanos farão parceria com o Brasil, o interesse deles maior com relação ao Brasil é a nossa total dependência com eles. Na verdade o que eles querem é o Brasil fraco e subserviente à eles. Eles não irão armar o Brasil nunca.

Carlos Augusto
Visitante
Carlos Augusto

Tailhooker, dificilmente os americanos farão parceria com o Brasil, o interesse deles maior com relação ao Brasil é a nossa total dependência com eles. Na verdade o que eles querem é o Brasil fraco e subserviente à eles. Eles não irão armar o Brasil nunca.

trackback

[…] de decolagem convencional; de decolagem curta e pouso vertical; e a de uso em porta-aviões (clique aqui para ler matéria sobre o trabalho da Turquia para se consolidar, mundialmente, como segundo […]

trackback

[…] de decolagem convencional; de decolagem curta e pouso vertical; e a de uso em porta-aviões (clique aqui para ler matéria sobre o trabalho da Turquia para se consolidar, mundialmente, como segundo […]