A versão lançada do ar do versátil míssil SM-6, também conhecido como RIM-174, apareceu nos caças F/A-18E/F Super Hornet da Marinha dos EUA no exercício bienal Rim of the Pacific (RIMPAC), o maior exercício marítimo internacional do mundo.

Os mísseis exibem claramente a designação (X)AIM-174B, indicando um míssil ar-ar de longo alcance. Essa arma também tem o potencial de atingir alvos terrestres de alta prioridade, como sites de defesa aérea e navios de guerra, atuando como um míssil quase balístico.

O fotógrafo aeros808 do X avistou um F/A-18E do Esquadrão de Caça de Ataque 192 (VFA-192), os “Golden Dragons”, na Base Conjunta Pearl Harbor-Hickam, no Havaí, ontem, carregando um par desses mísseis de treinamento. A unidade está atualmente desdobrada como parte da Ala Aérea Embarcada 2 (CVW-2) a bordo do porta-aviões USS Carl Vinson (CVN-70).

FONTEThe War Zone

LEIA TAMBÉM:

RIMPAC 2024 começa no Havaí

Subscribe
Notify of
guest

18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
GuiBeck

É impressionante a variedade de armamentos que podem ser disparados de um Super Hornet.

Fábio Vargas

Uma gambiarra sem sombra de dúvidas mas que devolve à USN a capacidade BVR de longo alcance perdida com a aposentadoria do AIM-54 Phoenix em 2004

De igual forma tal capacidade pode ser bem útil para os novos F-15EX, que passariam a ter uma interessante capacidade BVR de longo alcance

Carlos Campos

Não entendi a parte da Gambiarra, o míssil ótimo, sendo o mais verátil dos EUA, derruba avião, afunda navio, lançado de navio e avião, longo alcance, voa a MACH 3.5, tem um radar maior que o AIM 120, acho que nessa versão deve ter um 300Km de alcance

Fábio Vargas

Falo gambiarra porque ao contrário do AIM-54, que foi projetado desde o começo como míssil ar-ar, esse é a adaptação de um SAM naval.

Leandro Costa

A outra adaptação desse míssil rendeu o AGM-78 que era um excelente míssil anti-radiação até a entrada em serviço dos AGM-88.

Não vejo problema nessa adaptação.

Carlos Campos

entendi, mas pra mim por ser desde sempre um míssil antiáreo de ponta, tá muito bom, só é pesado tirando isso, tá perfeito

Rodolfo

Provavelmente maior alcance que o AIM260 em desenvolvimento tambem.

Bosco

A grande vantagem do AIM-260 é que terá basicamente as mesmas dimensões do AIM-120 D , mas combinado com quase o dobro do desempenho.
Já esse AIM-174 pesa 4 vezes mais.

Leandro Costa

Fábio, o AIM-120D tem alcance que é praticamente o mesmo de um Phoenix, tirando aí umas 5 milhas de diferença, basicamente.

Fábio Vargas

O AIM-54 interceptou um drone a 212 km da aeronave lançadora em testes realizados no Irã. Por seu turno o AIM-120D tem um alcance de 180 km então ainda havia um gap aí

Bosco

No Irã eu não sei mas nos EUA o recorde do Phoenix quando estava plenamente operacional foi de 160 km.
Recentemente a USAF divulgou o tiro ar-ar mais longo que se tem noticias utilizando um AIM-120D. Ela não deu maiores detalhes.
O AIM-120 D tem alcance de 180 km. O AIM-260 deve ter alcance de cerca de 250/300 km.
Esse AIM-174 deverá superar 500 km inclusive contra alvos na superfície.
*Não duvido que tenha capacidade “anti hipersônico” na fase intermediária.

Last edited 10 dias atrás by Bosco
Renato

Vendo essas fotos do parrudo F-18E me lembrei o quanto seria interessante ver aquele projeto F-18L operacional porém agora derivado da versão E/F, com novas asas e os pilones retos (e mais aerodinâmicos) melhorando o consumo/manobrabilidade, trem de pouso mais simples reduzindo muito o peso e consequentemente melhorando a relação peso potência entre outras melhorias. Provavelmente seria um baita avião, rivalizando talvez com o F-15 porém sendo mais barato sua operação.

Last edited 11 dias atrás by Renato
rfeng

Fazem caças invisíveis e descobrem que os misseis inimigos estão atirando cada vez mais longe, como colocar isso no F35.

Rodrigo Maçolla

Que beleza de foto!! Belo flagra feito pelo fotografo. particularmente não me recordo de ter visto alguma outra foto de Super Hornet amado com umpar destes,

Bosco

Não entendo citarem o SM-6.
Na verdade esse míssil deve ser uma versão do SM-2 Block III C.
O SM-6 conta com um booster e tem o dobro do peso.

Bruno Vinícius

Por causa da designação. A designação do SM-6 é RIM-174, ergo, é de se presumir que o AIM-174 seja uma variante lançada do ar deste míssil. Fosse derivado do SM-2, provavelmente seria designado AIM-66

Bosco

Rss
Realmente.

Groosp

Deviam integrar nos F-16 ucranianos para mandar os A-50 pra vala.