Mudança de natureza: verbas de Gripen e KC-390 deixam de ser investimentos

158

Portaria do Ministério do Planejamento e Orçamento alterou para ‘outras despesas correntes’ a natureza de parte das verbas

No último dia 24 de junho, 384,7 milhões de reais mudaram de natureza na Lei Orçamentária de 2024, e nada menos que 312 milhões são referentes a dois importantes programas da Força Aérea Brasileira: o F-X2 (leia-se Gripen) e o KC-390. Ambos deixaram de ser classificados como “Investimentos” e passaram à categoria de “Outras Despesas Correntes”.

A PORTARIA GM/MPO Nº 190, datada de 21 de junho e publicada no Diário Oficial da União no dia 24 (entrando em vigor nessa data) alterou parcialmente “grupos de natureza de despesa no âmbito do mesmo subtítulo, constantes da Lei Orçamentária vigente, na Presidência da República e nos Ministérios das Comunicações; e da Defesa, e do Anexo da Medida Provisória nº 1.209, de 12 de março de 2024, nos Ministérios da Defesa; e dos Povos Indígenas, no valor de R$ 384.739.132,00.”

Na prática, entendemos que os recursos continuam a existir, porém tiveram sua natureza alterada, conforme pode ser visto logo abaixo nas reproduções dos anexos da portaria. As alterações foram em poucas palavras e siglas, mas acreditamos que possam representar mudanças significativas.

Numa tabela, os valores são designados no programa de trabalho como “acréscimo”. Já na outra, têm a designação de “redução”. Os montantes permanecem, mudando-se a natureza dos mesmos.

O que importa destacar aqui, nas duas tabelas, está no item “Outras Alterações Orçamentárias”. Na coluna GND, que significa “Grupo de Natureza de Despesa”, consta na tabela abaixo (de acréscimo, ou seja, para onde o recurso foi direcionado na classificação) a sigla 3-ODC, que designa o Grupo de Natureza de Despesa número 3: “Outras Despesas Correntes”.

Consultamos o Glossário de Termos Orçamentários do Congresso Nacional para mais detalhes. Trata-se de “despesas com a manutenção e o funcionamento da máquina administrativa do governo, tais como aquisição de material de consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras despesas da categoria econômica “Despesas Correntes” não classificáveis nos demais grupos de natureza de despesa”.

 

Já na tabela em que são discriminadas as despesas que entraram no Programa de Trabalho como “redução” (ou seja, de onde o recurso foi retirado na classificação) vemos a sigla 4-INV, que designa o Grupo de Natureza de Despesa de número 4: “Investimentos”. Conforme o já mencionado glossário, trata-se do grupo “voltado para planejamento e execução de obras, realização de programas especiais de trabalho, aquisição de instalações, equipamento e material permanente e constituição ou aumento de capital de empresas que não sejam de caráter comercial ou financeiro.”

 

 

Em nossa interpretação, essas parcelas das verbas dos dois programas deixam de fazer parte de uma categoria vista como mais nobre, de “aquisições de equipamento” e passam a uma categoria mais baixa, misturando-se às “despesas com a manutenção e o funcionamento da máquina administrativa do governo”.

E o que essa mudança significa pra você? Deixe sua opinião na seção de comentários.

Para finalizar, a título de exemplo, lembramos que no Projeto de Lei Orçamentária Anual para 2024 o programa F-X2 / Gripen contava, no total, com um orçamento de 1 bilhão e 395 milhões de reais. Será que a mudança de natureza de quase 304 milhões desse montante, passando de “investimentos” para “outras despesas correntes” deixa esse valor mais vulnerável a cortes ou bloqueios, enquanto se mantém o discurso de evitar cortes em investimentos? Nestas semanas em que Brasília discute a necessidade de bloqueios orçamentários, visando cumprir metas fiscais e “acalmar os mercados”, é bom ficar de olho.

NOTA DA REDAÇÃO: No gráfico abaixo, o Orçamento Federal aprovado para 2024, da auditoriacidada.org.br.

Subscribe
Notify of
guest

158 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

Sendo sincero, lí e relí 3x, mas como não sou “entendido do assunto”, ainda estou “boiando”.

Mas, teoricamente falando ( me corrijam se eu estiver errado ), a verba do Gripen e KC terem se transformado em “verba de custeio” ou “despesas correntes” não serviria pra blindar a verba deles, já que verbas de custeio não podem ser tesouradas, assim como verba pra salários?

Por favor, corrijam-me se eu estiver errado, ou se interpretei errado….

Jonathan RO

Infelizmente podem sim ser bloqueadas/contingenciadas. Os gastos obrigatórios são aqueles cuja vinculação está expressa em lei, normalmente relacionadas a folha de pagamento (e a correspondente previdência dos inativos) e despesas financeiras (tipo o financiamento da dívida pública). Não é à toa que as universidades fazem barulho há anos falando que não tem grana pra pagar despesas de terceirizados, água, luz etc O que o governo poderia argumentar engrossando a rubrica de despesas correntes é que os gastos com esses projetos deixaram de ser uma despesa estratégica, mas contingenciável, pra virar custeio básico (ou seja, cuja não execução acarreta em prejuízo… Read more »

Rodolfo

O governo acabou de anunciar corte de 26bi de reais em despesa obrigatoria.

Esteves

Gerúndio.

Samuel Asafe

Em benefícios sociais indevidos. Se ater ao que o governo faz e assistir as entrevistas fora do Facebook faz bem.

orivaldo

ué, cade a imposto dos milionários ?

Carlos

Pois é…mas… quem tem mais força?

Cassius

No mesmo lugar da inteligência de quem votou ___________________ Comece a criar imposto sobre os ricos e veja o dinheiro sumir do país. Quer ver o povo ganhar e ter uma vida melhor? Diminua a despesa, o tamanho do governo e os impostos. Assim dará condições para as empresas, o comércio e o investimentos aumentarem. Acabe com a insegurança jurídica que o STF criou, acabe com a cultura ideológica nas faculdades, invista fortemente em educação, incentive a pesquisa, e facilite o investimento. Dessa maneira é que poderemos ser uma potência econômica. Historicamente, os governantes brasileiros só pensam em tirar dinheiro… Read more »

MMerlin

Muito pelo contrário.
E essa mudança não poderia surgir em pior hora, uma vez que o governo acabou de anunciar o corte bilionário em despesas.
A FAB poderia ter seguido o mesmo modelo adotado pela MB com relação a Engepron e o programa das Tamandarés.

MMerlin

Sabemos da time line dos programas. A forma expressada realmente deu a entender o que você comentou.
Mas há tempos existem problemas de orçamento com projetos das FA.
Se a MB chegou nesta solução, a FAB poderia ter identificado anteriormente e criado uma solução similar.

Rafael Oliveira

Não foi a MB que achou a solução foi o Ministério da Fazenda do Governo Temer, dentro da política de teto de gastos.
Não dá para esperar da FAB ou das outras Forças que inventem soluções orçamentárias sofisticadas, ainda mais na época do Governo Dilma, que não levava o orçamento a sério.

Esteves

Anunciar cortes não significa fazer cortes. O GF precisa mostrar ao mercado financeiro e outros que persegue um certo equilíbrio fiscal.

O problema são as demandas sociais como essa novidade da Justiça do Rio de Janeiro que pediu ao STF debater o pagamento de pensão aos militares trans.

Eu não ______
______

COMENTÁRIO EDITADO. NÃO DESVIE O ASSUNTO PARA TEMAS FORA DO ASSUNTO DA MATÉRIA.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

José Roberto

Boa tarde Willber!
E isso mesmo, isso quer dizer que o governo pode deslocar verba de um projeto para o outro e por não estarem explícitas no orçamento podem até nem ser disponibizadas !

Leandro Costa

Só reforça o que eu respondi à outro comentarista. Se alguém decidisse jogar uma nuke ___________

EDITADO. LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Esteves

Ra. Rara.

Nelson

Concordo! É dinheiro que vai pra sanguessugas,como os irmãos Batista,da Friboi. O governo federal,permitiu que os mesmos, comprassem usinas de energia,na Amazônia,por 17 bi, sendo que a empresa que as controlam,devem esse mesmo montante,mais juros de 150mi) mês! Em seguida,o governo federal,editou uma medida, passando esses ônus,para as contas de luz,dos contribuintes! Olha que jogada perfeita prós corruptos!!! Somos trouxas mesmo, né!!!

Esteves

Por favor…explica esse comentário.

orivaldo

socio da jbs ? rsrs

Marco antonio

Aos compadres tudo, ao povo circo.

Mig25

Editado! Brasilia DF é lar de 3 milhões de brasileiros, vindos de todos os lugares e estados do Brasil. E você aplaudiria de pé 3 milhões de seus compatriotas sendo obliterados atomicamente? Como um comentário desses passa? Espero que o meu passe tb edição (obs: eu mesmo me editei para poupar os moderadores)… Os políticos que estão aqui vieram do seu estado e dos outros estados da federação, colocados por vcs! Passam 3 dias aqui e voltam para suas origens…e vc aplaudiria armas atômicas caindo na capital do seu país, dizimando milhões? Vc é um Editado Editado Editado! (Eu mesmo… Read more »

Last edited 10 dias atrás by Mig25
Kommander

Nosso governo é paz e amor, pra que investir em defesa, não temos inimigos?!

Outra coisa, estamos ficando conhecidos como caloteiros, porque assumimos compromissos e não honramos contratos.

Tá cada vez mais difícil viver no Brasil, imposto pra cá, imposto pra lá, as coisas aumentando de preço, o poder de compra diminuindo. O certo seria o governo cortar na própria carne, cortar benefícios dos políticos, mas não… É melhor colocar_________________ para trabalhar e sustentar as mordomias de Brasília.

EDITADO
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Dudu

O Gripen, o KC 390, o R-99 e toda a gama de produtos da EDS e da BID, só terão futuro se houver uma política específica para exportações de material de Defesa. O Gripen NG é uma máquina fantástica, mas nós devemos mudar o seu foco: Em vez de sonhar equipar o grosso das nossas unidades com Gripens NG, é melhor, por enquanto, a gente substituir parte desse grosso por Super Tucanos. O futuro tanto do Gripen NG, quanto do KC 390 está nas exportações. Deveríamos renegociar com a Saab os direitos de comércio da aeronave para incluir a África,… Read more »

Last edited 11 dias atrás by Dudu
Gilberto

“Nem tenho figurinha pra isso”

Emmanuel

_____
_____

COMENTÁRIO APAGADO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATAQUES PESSOAIS. MANTENHA O RESPEITO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

francisco

_____
_____

COMENTÁRIO APAGADO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATAQUES PESSOAIS. MANTENHA O RESPEITO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Ricardo

Vc está falando de qual pais

ln(0)

Acredito que esses investimentos em infraestruturas devem ser realizados majoritariamente pela iniciativa privada, o Brasil é muito grande para o governo ter que fazer tudo, ainda mais com 46% do orçamento para pagar juros. O financiamento dos projetos das FA deveria ter uma fonte diferente do tesouro nacional. Por exemplo, a Marinha poder usar uma procentagem do fundo da marinha mercante para se reequipar e a FAB uma porcentagem do que a ANAC recebe pelas concessões dos aeroportos e das empresas aéreas.

Bille

Essa mudança significa que tem itens do projeto que são “consumíveis” (gaxetas, teflons, químicos, etc) que não viram patrimônio (ou seja: não é algo que vai virar material carga, vai ser “consumido”, mas precisa ser adquirido para o avião voar).

Simples.

Palpiteiro

E o cara faz um lançamento errado deste valor?

Jaguar

infelizmente toda discussão no fórum leva política, mas entra ano e sai ano, político entra e sai, mas o grande problema das Forças armadas está no próprio pessoal ! Gastamos mais com previdência de ex militares do que com a ativa. Em caso de guerra… Vai colocar aqueles que tem pensão para lutar ? Terá a mesma eficiência ?

Walter

Um dia o militar da ativa se torna da reserva, e nesse momento ele deve ser esquecido por tudo que fez na ativa? Deve ser tratado de forma desigual?

Esteves

Não. Ele deve contribuir para sustentar a própria aposentadoria. Ajudar a custear.

Vitor Botafogo

ja existe a contribuição e ela continua na reserva. A questão é que como entra no orçamento da Defesa, todo mundo pontua isso. Se fosse no orçamento de outro ministério era nada perante tantos outros.

Esteves

A contribuição carece de atualização. Existem setores estatutários que contribuem com zero.

Rinaldo Nery

Ajudo com 10,5% do meu salário.

Cerberosph

E vai receber o salário integral, eu contribuo com 14% para no futuro receber metade do meu salário pelo INSS. Assim tenho que contribui com mais 12% em pp. Total 26% para ver se consigo manter o salário na aposentadoria.

Rommelqe

Deve contribuir como qualquer outro cidadão civil. Ja ajudaria muito. _________
________

COMENTÁRIO EDITADO. MAIS UMA VEZ, SOLICITAMOS A TODOS MANTER O FOCO NA MATÉRIA, SEM DESVIAR O ASSUNTO PARA TEMAS QUE GERAM UMA BOLA DE NEVE DE COMENTÁRIOS FORA DO TÓPICO.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Esteves

_______
_______

COMENTÁRIO APAGADO. MAIS UMA VEZ AVISAMOS: DISCUSSÕES SOBRE TRANSGÊNEROS NÃO SÃO O TEMA DA MATÉRIA.
NÃO INSISTAM.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG.
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rinaldo Nery

Ajudo c 10,5% do meu salário.

orivaldo

quem e tratado de forma desigual é a maioria da população que realmente produz algo para esse pais. Não funcionários públicos que recebem seu salario com dinheiro dos nossos impostos

Rinaldo Nery

Ajudo c 10,5% do meu salário.

Orivaldo

Ok amigo. O meu ponto é que, funcionários públicos recebem o seu salário dos impostos de quem realmente produz. Um auxiliar geral, um dono de mercearia, um são essas pessoas que levam o Brasil nas costas e só se lascam

Last edited 10 dias atrás by Orivaldo
Santamariense

Meu caro, esse pensamento é muito comum em relação aos funcionários públicos, por parte de quem não é funcionário público. “Sou eu que pago teu salário com meus impostos”. Só que tem que lembrar e entender uma coisa simples: funcionário público, seja civil ou militar, também paga imposto em tudo que compra, desde um doce até um automóvel, ou qualquer outra coisa. Funcionário público também paga imposto de renda….ou seja, funcionário público também paga ICMS, IPI, ISSQN, ITBI, e toda outra infinidade de impostos desse país.

Orivaldo

É difícil você entender que funcionário público paga impostos, com dinheiro dos impostos de quem produz?

Carlos

Não foi isso que ele disse.

orivaldo

assim, politica reclamar dos gastos exagerados com pessoal, blz

Marco antonio

Defesa é politica.

Vitor Botafogo

Eu arrisco a dizer que se o valor com a previdência dos militares desaparecesse do orçamento, o orçamento cairia por igual valor. E aí reclamariam de salários e dos efetivos até um dia acabar as FA e quando precisar dela reclamarem dos militares que não resistiram.

Santamariense

Eu arrisco a dizer que se o valor com a previdência dos militares desaparecesse do orçamento, o orçamento cairia por igual valor.”

Meu caro Vitor, isso é óbvio, líquido e certo!! Não há a menor dúvida disso!

Daniel

O que me preocupa é estar na parte de “despesas correntes” e não “despesas obrigatórias”. Como o governo é gastão, não tenho dúvida nenhuma que se precisar, eles vão cortar “alguma” despesa.

Adriano RA

Tudo agora faz sentido. A FAB vai precisar de F-16, porque 24 Gripens serão cortados.

Esteves

Aonde você leu isso?

Adriano RA

Na entrelinha, logo abaixo do L maiusculo.

Gynaviacao

Discordo, vai colocar F-16 pq os Gripens vão demorar mais.

Vitor Botafogo

Se todo ano a verba de custeio é tesourada e seguimos de pernas bambas, já fico receioso. Por esta razão estes programas eram incluídos no “PAC”.
Esse filme a gente já viu, reviu e agora vem a paródia.

Rodolfo

Ou seja, aquele PAC-3 anunciado em Ago/23 que continha o Gripen e KC390 como investimento em
Defesa morreu… durou menos de 1 ano.

https://www.gov.br/defesa/pt-br/com-novo-pac-defesa-investira-r-53-bilhoes-em-tecnologias-estrategicas-que-garantem-a-soberania-nacional

Esteves

Não.

Esteves

Não precisa de chiliques. Haverão cortes em investimentos (despesas com capital) e cortes em despesas correntes (juros da dívida, por exemplo). O que fizeram foi uma blindagem ou colocar a obrigação na alínea com menor chance de contingências.

https://www.estrategiaconcursos.com.br/blog/entenda-as-diferencas-entre-despesas-correntes-e-despesas-de-capital/

Penso que o governo deveria fazer um ou dois leilões da moeda norte-americana. Mas…como os norte-americanos elevaram os juros existe o risco dos dólares irem pra lá e talvez seja essa a intenção dos nova-iorquinos.

Vida dura.

Last edited 11 dias atrás by Esteves
Rodolfo

Acho que é o BC que faz leilao, nao a Fazenda. O atual presidente do BC nao deve vender reserva no momento.

Esteves

Os dólares estão no BC. Um dos motivos das rusgas.

MCcruel

Ainda bem que o BC não está na mão do GF, pois já estariam imprimindo dinheiro e baixando juros na caneta da, o que não funcionou em lugar nenhum do mundo e não seria aqui que funcionaria.

MMerlin

Palavras da salvação. A rivalidade entre os Chefes de Estado que passaram presidência demonstra que sempre existiu a tendência de desfazer o que seus antecessores fizeram. Em todos os governos, com exceção da atual presidente do NDB (o que é uma piada pronta). E todos falam que pegar o país quebrado, também quase sem exceção. Agora a voracidade com o que o atual Chefe de Estado ataca ótimas políticas publicas, como a blindagem do BC e da gestão de estatais chega ser medonho. Nós já somos conhecidos, devido a percepção (real diga-se de passagem) que passamos, pela “tolerância” com a… Read more »

Esteves

Quais foram as ótimas políticas públicas dos últimos 20 anos?

MMerlin

Dá uma pesquisada Esteves. Não é difícil…
Toda pessoa que já exerceu o cargo de Presidente deste país (falando pós-redemocratização) apresentou tanto péssimas soluções quanto ótimas.
Algumas dependem da opinião pessoal, mas outras trouxeram benefícios evidentes. As lei de autonomia do Banco Central e a Lei das Estatais são os exemplos apontei no comentário. Mas existem outras…
Importante que o exemplo que dei envolve mais o Legislativo que o Executivo.

Last edited 10 dias atrás by MMerlin
Esteves

Não é o BC que imprime moeda. É a Casa da Moeda conjuntamente com o BC. A autorização vem do Senado.

Samuel Asafe

Acho sem nexo a moeda subir da forma que subiu sem o Banco central fazer nada. Isso afeta a estabilidade econômica do país; achei muito estranho um subida tão vertiginosa sem contrapartida do banco central.

Mcruel

De fato foi estranho. Opero o mercado de dólar e estava receoso que o BC fizesse leilão (eu estava comprado, evidentemente). Só não podemos esquecer que o BC estava sob batuta de Galipolo, que indicação de Nine, pois o RCN estava em Portugal desde o dia 28/06.

“Galípolo já estava à frente do Banco Central desde o dia 28 de junho quando o titular da função viajou a Lisboa, Portugal” – Portal G1

Walter

Banco Central não reage com elevações abruptas sem sentido (nervosismo instantâneo do mercado, ou especulação), sabe que vai baixar quando tudo se acalmar.

Esteves

Não existem amadores em finanças públicas.

José de Souza

Aliás ô gentinha sensível! Qualquer coisinha ficam nervosinhos e faturam milhões às custas de especulação. Tudo é um bom negócio, que se dane o país.

Esteves

Dólar alto é bom para exportadores. Também é bom para a contabilidade do Tesouro.

O dólar não sobe ou desce. As outras moedas é que desvalorizam ou valorizam em razão da taxa de juros nos EUA.

Marco antonio

Cortes , atrasos , contigenciamento, no nosso pais isso sempre houve, somos um grande pais com cobertor de criança ,ou cobrimos a cabeça ou os pés.

Fernando Bello

Não façam jornalismo “com o fígado”!! Despesas correntes: são como as contas do dia-a-dia, por ex. Aluguel, água, luz etc..
Investimentos: É o dinheiro que guardamos em aplicação bancária ou bolsa, por ex.
Tava MUITO FÁCIL de entender.

Esteves

Muito fácil de entender…então, por favor, explique os motivos da mudança.

Bueno

kkkkk
O que queremos entender é o motivo da mudança e suas implicações.
O fígado do mandatário não deve esta muito bem , será que é uma nova modalidade de pelada fiscal?

Last edited 10 dias atrás by Bueno
Maurício

Kkkkk 🤣

Orivaldo

Boa, gostaria de ser perspicaz assim. Se fosse eu já teria xingado

Maurício

Termo investimento não é isso não, guardar dinheiro pra render.

Saldanha da Gama

https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2024/07/03/mulher-trans-luta-na-justica-para-receber-pensao-de-pai-militar.htm

Pelo visto vai aumentar

AVISO DOS EDITORES: SOLICITAMOS EVITAR DESVIO DO TEMA DA MATÉRIA.

Saldanha da Gama

Ok !!!

Só acompanhei a postagem. tentarei não infringir novamente.

Esteves

Muito.

Orivaldo

Kkkkkk aposto que já tem jurisprudências nos EUA

Matheus R

Como outros países fortes militarmente, com equipamentos modernos e menores orçamentos enfrentam essa situação? Porque eles devem ter uma realidade parecida.
Em 2023 o Brasil foi o 14° país do ranking de gastos militares (24,2 bilhões de dólares).
Pena que 85% desse valor foi para pagamento de pessoal.
Fonte: https://gizmodo.uol.com.br/estes-sao-os-15-paises-com-mais-gastos-militares-veja-posicao-do-brasil/

Esteves

Na Europa existe a austeridade alemã: despesa com pessoal não ultrapassa 50% dos orçamentos de Defesa. França e Itália pouco passam…entre 55% e 60%.

A OTAN exige meta de 40% para despesas com pessoal nos orçamentos de Defesa dos países membros.

Marco antonio

Bem foi criado vários programas para as forcas armada , há que ter pessoal para por em pratica os tais programas , pois bem isso infla a folha de pagamento, ai no meio do caminho , os tais programas sao descontinuados , o que fazer com o efetivo, você mantém na folha até a sua aposentadoria.

ln(0)

Mas isso incluindo os inativos? Ou só para os da ativa? Lá o dinheiro para os aposentados/pensionistas/inativo saem do orçamento da defesa?
Se, na OTAN, os inativos não recebem via defesa, aqui não há nenhuma justificativa para manter os nossos lá.

Orivaldo

Concordo Esteves. Polícias é Bombeiros é que deveriam ter mordomias, pois eles sim trabalham.

Thomaz

A tendência é piorar

Last edited 11 dias atrás by Thomaz
Rafael

Sim.
Agora é cortar “alguma coisa” para não ver o dólar e os juros futuros dispararem, obrigando o Banco Central a manter por tempo indeterminado (ou até aumentar) a Selic…o “mercado” está jogando duro e forçando o governo a fazer algo.
Sendo especulação do mercado financeiro ou não, não é animador para os programas da área de defesa.

Esteves

Faca de 2 legumes. Cortar a despesa e arriscar uma retração ou fazer leilão da moeda estrangeira e…a volatilidade dos mercados tornar a ação sem efeito.

Orivaldo

Vão taxar nossa picanha, caro Esteves

Claudio Moreno

Nada de novo no front… Vale lembra que a “maquina” precisa estar azeitada para funcionar bem, e para isso é necessário o tal… Vale lembrar que nossa ecônomia anda da seguinte maneira: De 2022 a 2023, as contas públicas pioraram em R$ 282,5 bilhões em valores atuais. O deficit de 2023 corresponde a 2,1% do PIB (Produto Interno Bruto), bem acima da promessa do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de ter um rombo de até 1% do PIB. Foi o 2º pior resultado da série histórica, iniciada em 1997. O saldo negativo só não foi maior que em 2020, o… Read more »

Esteves

O déficit de 2023, sem esquecer que o orçamento de 23 foi feito em 2022, refere-se a dois grandes calotes do governo anterior: precatorios federais e acordo do ICMS dos combustíveis retirados pelos estados. Foram pagos em 2023.

O plano do “jenio” Paulo G era uma PEC que permitiria negociar os precatorios federais com bancos por 50% do valor de face e compensar o acordo do ICMS dos combustíveis dos estados nas dívidas com a União.

Entre os bancos…Estava o banco do Paulo G.

Emmanuel

Você lembra que teve uma pandemia e as contas públicas foram para o buraco?

Esteves precisa _____________

COMENTÁRIO EDITADO. MANTENHA O RESPEITO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Maurício

Esqueceram que o último governo furou teto de gastos durante 4 anos. Memória seletiva.

Esteves

O teto acabou no governo Temer.

Walter

É como sempre tudo que tá dando errado é culpa do governo anterior e o Lula nunca soube de nada…

Esteves

O que deu errado em um ou em outro governo?

Orivaldo

Uma parte do deficit é dos precatórios. E ICMS. O resto é gastando. Sem contar no auxílio para sempre de 600 conto que nem sei mais se entra no deficit

Last edited 10 dias atrás by Orivaldo
EduardoSP

Está estranho mesmo. Aquisição de aeronaves é despesa de capital. Existem regras para a classificação das despesas, não é algo que o gestor faz a bel prazer.
Mas esse é um tema bem técnico. Precisa de alguém do Ministério do Planejamento – MPO para explicar.

Esteves

Tolice.

Nilo

Mais vale como despesa do que como investimento, como se diz, mais vale um na mão que dois voando… Vale tudo, antes prevenir 😂😂😂para deputado e senador investimento, só se for na mala dele.

Last edited 11 dias atrás by Nilo
Esteves

Todos tem suas razões.

Wesley

Tomara que surge logo a 3 guerra aí quero ver se esse governo não vai investir nisso as armas do Brasil está sucateado ja

Wesley

O Brasil está dormindo sono profundo a hora que acordar e tarde

BraZil

Bom dia colegas, na minha opinião de não especialista, boa coisa não é, para a Defesa Nacional. Entendo que facilita ainda mais o processo de contingenciamento de recursos da área de investimento, agora podendo ser remanejados para outras áreas de despesas correntes, ou seja, está faltando papel e míssil na área de determinado comando, a verba que iria para a compra da munição vai, sem nenhum impedimento legal e pouca burrocracia, para a compra do papel. Se fosse papelão, ainda poderiam fazer uns drones com ele em uma emergência, .

Bispo de Guerra

Resumindo…

A alteração na classificação orçamentária das verbas dos programas Gripen e KC-390, de “investimentos” para “outras despesas correntes”, é preocupante.

Essa mudança sinaliza uma possível despriorização de projetos estratégicos de defesa em prol de custos administrativos, comprometendo o desenvolvimento e a modernização das forças armadas brasileiras.

Além disso, essa reclassificação pode tornar esses recursos mais suscetíveis a cortes orçamentários em tempos de austeridade, prejudicando a continuidade e eficácia dos programas militares de longo prazo.

Essa decisão pode ter impactos negativos na capacidade operacional e tecnológica da aviação militar brasileira.

Last edited 11 dias atrás by Bispo de Guerra
Nilo

Por parte da FAB, é justamente garantir os recursos.

Esteves

Não.

francisco

Vai ficar mais fácil desviar a verba dos aviões para outras despesas, com esse governo perdulario.

Nilo

Da uma lida no comentário do Esteves acima.
Acrescento. Campanha eleitoral que custou 300 bi reais aos cofres públicos, não ganhou a eleição mesmo assim. Saiu dinheiro pelo ventilador rsrs

Eduardo Bueno Costa

Na verdade nenhum governo toca na ferida…..Juros da dívida pública que levam metade do orçamento no Brasil.enquanto isso falta dinheiro pra saúde, educação, segurança etc… e os neo liberais dando risada dos “patriotários” que não enxergam o óbvio e caem nas pegadinha de que o problema principal é corrupção.

Esteves

O governo precisa manter os juros elevados para conter a inflação e tornar os papéis do Tesouro atrativos para investidores.

Santamariense

Tu acha isso ou está sendo irônico?

Esteves

Tu vive em um país com demanda reprimida.

Maurício

Outras despesas custeia os programas finalisticos, ou seja, entrega de bens e serviços pra sociedade, ao menos em teoria. Pelo que entendi vai ser receita do orçamento fiscal e não mais do orçamento de investimentos, estes que servem pra custear estatais dependentes.

Joe Safo

Ficou mais fácil “contigenciar”, serão quase 400 milhões devidamente “tesourados” nesse exercício, para ajudar o governo federal a manter a gastança com políticos e empresários parceiros…

Alexandre Galante

comment image

Esteves

Uma das formas de reduzir a rolagem da dívida é desvalorizar o Real.

Bueno

Foi Auditado pelo Cidadão da Divida, pode confiar!

Tem a conta Agricultura consumindo 0,54% e um puxadinho chamado Organização Agrária puxando 0,06% e Gestão Ambiental 0,28% …

Urbanismo com 0,19% um puxadinho Habitação levando 0,01%
Outros encargos Especiais 0,95% Outros 0,46% — deviria ter a conta Outros despesas que não lembramos kkkk

Reserva de contingência 1,76% , esta conta só perde para a conta do Trabalho

Last edited 10 dias atrás by Bueno
Orivaldo

E assim, vamos aumentando a parte amarela e vê se consegue manter o resto kkkk

Jagder#44

_____
_____

COMENTÁRIO APAGADO. NÃO USE O ESPAÇO DE COMENTÁRIOS COMO PALANQUE NEM PARA ATACAR OUTROS COMENTARISTAS.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Aldair Della

Na teoria só mudança, na prática cortes pra manter a elite da máquina pública

Nilo

Cortes? O tema não é sobre corte de recurso. Rsrs

Esteves

Não está sendo fácil.

Gilberto Ribeiro

Não devemos esquecer da frase famosa e realista: Se queres a paz, prepara-te a guerra.
Se queremos paz, na forma de defesa, devemos ter capacidade para isso, marítima, terrestre e aérea, principalmente aérea, porque assim serão as guerras do futuro. Já estão sendo.

Clecio Dias

A minha interpretação é oposta à de vocês. Vejo essa mudança de natureza como uma forma de garantir os pagamentos, já que os cortes são feitos primeiro nos investimentos. Despesas correntes são as últimas a serem cortadas porque impactam diretamente no funcionamento do estado.
Ou seja, não houve um “rebaixamento” da natureza, mas uma blindagem, ou proteção.
As verbas deixam a excepcionalidade e passam a ser fundamentais, essenciais.

Esteves

Exato.

Rodrigo Maçolla

1º Vou ser otimista:Com essa mudança agora não pode haver mais cortes nos programas pois agora são despesas correntes e obrigatórias e a grana tem que cair… eaidna sobra até espaço para um novo tipo de investimento. 2º Vou ser pessimista: Agora como é uma despesa corrente pode haver cortes, por que como é despesa pode ser diminuida sem prejuizo para os Investimentos em aquisições por exemplo. Agora o que acho que vai acontecer, a 2º opção (tomara que esteja errado) mais verdade que essa mudança da clasificação pra min não quer dizer nada…. Fazem o que quizerem se necessário… Read more »

Esteves

Se.

Se os editores. Tudo culpa dos editores. Como sempre.

Jorge Cardoso

“A solução pro nosso povo eu vou dar
Negócio bom assim, ninguém nunca viu
Tá tudo pronto aqui, é só vim pegar
A solução é alugar o Brasil!!!”

Seixas, Raul

Marcos Tadeu

Interessante. Minha opinião é a de que ao transferir a verba do Grippen e do KC 390 para uma rubrica de despesas correntes, fica estabelecido que estes gastos fazem parte efetiva do contexto de recursos necessários para manter a máquina das FFAA. Investimentos podem ser postergados. Despesas de custeio significam necessariamente encolhimento do setor afetado, e o atual governo tem demonstrado grande resistência em encolher suas estruturas, de um modo geral. Por isto me perece algo positivo esta manutenção. Infelizmente no Brasil nem tudo é exatamente o que parece, e o tempo dirá. O país não tem mais como assegurar… Read more »

Marcelo

Pra que manter instituições como o ITA e o IME, se não investimos na nossa própria industria de defesa? Porque não vendemos a Embraer, assim como deixaram acontecer com a Avibras, e focamos na produção massiva de tomates? Assim, se formos atacados um dia, podemos contra-atacar com uma grande tomatina.

Rinaldo Nery

A EMBRAER já é privada… Não te contaram?

Santamariense

O maior problema é que no Brasil, as Forças Armadas são muito fechadas sobre seus assuntos. O caso do Gripen é apenas mais um. Existem vários tópicos aqui sobre o programa, onde se discute em milhares de comentários a causa ou motivação dos atrasos e aumentos de prazos do cronograma. Se criam teorias das mais variadas para os motivos. Agora, essa mudança da natureza das verbas é mais um ingrediente. Bastaria a FAB ou MD vir a público e esclarecer em que pé anda e os motivos para os atrasos. O caso dos hipotéticos F-16 é outro exemplo, pois a… Read more »

Esteves

Você acompanhou a entrevista da MB ao Diarinho. Déficit de quase 3 bilhões de reais em um programa (Tamandares) de 10 bilhões deveria receber um debate nacional.

Ainda não iniciamos o pagamento do Gripen e já vem a historinha com F16.

Muito drama.

Santamariense

“Ainda não iniciamos o pagamento do Gripen e já vem a historinha com F16.”

Já iniciamos, sim. Há alguns anos. Tem previsão no orçamento desde 2018 ou 2019…e desde 2020 o valor liberado é menor que o previsto no orçamento…mas de um jeito ou outro, já está sendo pago. E o F-16 entrou na história sem uma explicação oficial que o justifique, dando margem para milhares de comentarios com tódo tipo de elocubrações. E esse tipo de falta de transparência que eu critico.

Esteves

Poder paralelo. Falta de confiança. Qual o bote da Trilogia?

“Desenvolver uma mentalidade…”

Da uma olhadinha no Portal da Transferência, ops, Transparência. Veja as despesas das Tamandares. Material de informática. Fornecedor em Duque de Caxias.

Quem faz a gestão dos contratos? Uma estatal sem receitas recebe 10 bilhões dolarizados. Bacana. Já falta 1/3.

Carlos

Investimento : pode seguir o orçamento e adquirir empréstimo ou incentivos;

Outras Despesas Correntes: no planejamento orçamentário é show, mas depois pode ter ou não cortes

fulcrum

ou seja, não gera retorno e não serve pra revender

DANIEL ALVES E SILVA

Na prática agora será mais fácil contingenciar esta despesa parcialmente ou totalmente de acordo com o caixa do governo. O que para ser muito sincero, pouco ligo. A Força Aérea tem de ter são vários jatinhos executivos para transportar políticos e autoridades. Para que caça? Ironia à parte é desanimador. Graças a Deus pela reserva. Já vendi quase tudo aqui no Brasil e em Agosto estou indo embora.

Alecs

E o que essa mudança significa pra você? Deixe sua opinião na seção de comentários. ” Se eu falar o que penso dessa decisão e de muitas outras absurdas do atual (des)governo, serei banido dos comentários.

Gynaviacao

2 Trilhões de Juros, meu amigo, quem é rentista tá rindo atoa.

Luciano

Resumindo, o inicio do fim dos programas F-39 e KC-390! R.I.P.

fewoz

Duas coisas chamam a atenção neste gráfico:

1 – Defesa está entre os 10 maiores orçamentos

2 – O valor de juros da dívida é simplesmente absurdo. Imagine o quanto o Brasil poderia investir com 2,5 trilhões? Há alguma maneira de reduzir este valor futuramente?

EduardoSP

Absurdo não. Veja as dividas da Itália, Japão, Alemanha e EUA. A China tem uma dívida parecida com a do Brasil (em % PIB), o que dá uns 14 trilhões de dólares.

Orivaldo

Sim, é veja a qualidade de vida desses citados e compare com o Brasil

fewoz

Sim, estou ciente das dívidas destes países. Mas minha pergunta é mesmo maior do que isso: há alguma forma de renegociar? Além do país perder “fama” de bom pagador, o que aconteceria na prática? Redução de investimentos, provavelmente? De que constituem estas dívidas? Há alguma forma de resolver isso a médio/longo prazo? Penso num cenário hipotético maluco onde o governo brasileiro daria calote em todas estas dívidas ou em grande parte delas. O valor inteiro arrecadado com impostos “sobraria” para investimentos? Ou não é simples assim?

Orivaldo

Se começarmos a parar de gastar mais que arregadamos, nossos tataranetos terão uma vida melhor

Fabio

Um calote mundial alavancaria e muito a vida da maioria dos países do mundo, os credores já lucraram pra caramba com tantos anos de juros

fewoz

Não entendo. Por que negativam uma simples pergunta?…

Gerson Carvalho

Como na pratica os produtos já foram adquiridos, foram reclassificados como outras despesas correntes, que são despesas orçamentárias com aquisição de material de consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras despesas da categoria econômica “Despesas Correntes” não classificáveis nos demais grupos de natureza de despesa. Assim elas ficam garantidas no orçamento.

mattos

Vão cortar e deixar as FFAA de calças na mão. Muita malandragem.