Hungria quer dois esquadrões operacionais de caça e discute aquisição do Gripen E

34

Saab JAS 39E Gripen

Informação sobre discussões entre Hungria e Saab foi revelada polo vice-presidente de Aeronáutica da empresa sueca, Åsa Thegström

Foi noticiado pelo portal Jane’s que a Hungria está discutindo uma potencial aquisição de caças suecos Gripen E. O país, que já opera 14 exemplares das versões C/D do caça num único esquadrão, pretende voltar a manter dois esquadrões operacionais de linha de frente, e para isso discute a aquisição da nova versão do caça da Saab.

A informação foi dada pela vice-presidente da área de Aeronáutica da Saab, Åsa Thegström, em visita de jornalistas às instalações da empresa em Linköping, no sul da Suécia. O editor do Poder Aéreo, Alexandre Galante, estava presente à visita de jornalistas europeus e americanos à empresa (Saab Press Trip 2024) e confirmou que o assunto foi abordado conforme a notícia publicada no portal Jane’s.

 

Segundo Thegström, a Saab está em “interessantes discussões com a Hungria sobre o Gripen E”. Outro executivo da empresa, Richard Smith (da área de marketing) acrescentou que a Força Aérea Húngara pretende, com essa possível aquisição, cumprir seu requisito de voltar a possuir dois esquadrões operacionais de linha de frente, ainda que os prazos para essa aquisição não sejam conhecidos. Em fevereiro, a Força Aérea Húngara contratou 4 caças Gripen C adicionais (clique para acessar matéria). o que deverá elevar sua frota de 14 Gripen C/D (operados por leasing) para 18 aviões.

O leasing dos caças Gripen da Hungria foi originariamente contratado em 2001, com entrada em serviço em 2006, sendo que o contrato já passou por extensões mais de uma vez: em 2012 foi renovado por dez anos e, mais recentemente, incluiu atualização para o padrão MS20 Block 2 e extensão do leasing para 2026.

Subscribe
Notify of
guest

34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Santamariense

Será que agora sai a primeira venda “externa” do Gripen E??? Tomara que sim!!!

Last edited 29 dias atrás by Santamariense
Marcelo Soares

Tomara!! Na torcida também por aqui.

Bueno

na torcida!

Heinz

Não seria a segunda,? já que a primeira foi para o Brasil.

Santamariense

O Brasil faz parte do programa, produzindo algumas partes do avião. Por isso, coloquei como não sendo uma venda externa. Mas, dependendo de como se analise, pode-se dizer que o Brasil é o primeiro cliente externo. Esse dubiedade é o motivo das aspas na palavra “externa” no meu comentário inicial.

Jefferson Henrique

Efeito Rússia.

Henrique

destruir a otan por incapacidade de conseguir gerir tanto material bélico e tantas vendas
kkkkkk

comment image

Frederico Boumann

Rapaz, eu fico imaginando a participação nos lucros e as comissões que o “maior vendedor da indústria bélica” ganha no fim do ano, o sr. Vladimir Putin..

Henrique

cada dia que passa aquela fanfic do putin ser um infiltrado da otan fica mais real kkkkk

Matheus R

E aquele processo de seleção da Colômbia para substiruir o Kfir? Estavam entre o Gripen, F-16 e Rafale. Alguma notícia?

Last edited 29 dias atrás by Matheus R
Rogério Loureiro Dhiério

Os caras vem para a CRUZEX, acho que justamente com esse propósito.
Analisar de perto o Gripen E.

Welington S.

Não há muito o que ser avaliado, meu amigo. A SAAB recebeu pilotos colombianos em sua base principal e eles voaram no caça Gripen. Eles sabem quais são os benefícios de escolher esse caça. O Gripen foi amplamente divulgado para eles. O que eles realmente necessitam agora é a aceitação da caça, ou não.

RSmith

Hum…. o leasing dos Gripen C/D, que equipam um esquadrão, termina em 2026…. a Hungria quer ter dois esquadrões operacionais e esta “conversando” com a Saab sobre a aquisição (leasing ou compra?) do Gripen E/F… Será que vão manter os Gripens versão C/D em um esquadrão e comprar o E/F para outro, ou será que vão comprar aeronaves suficientes para equipar dois esquadrões?

RSmith

Excelente analise…

Rui Mendes

Os caças Húngaros C e D , no final do contracto de leasing, serão definitivamente, propriedade da Hungria, li isso em uma revista militar.

Fabio Araujo

Será que agora vai? O fato do Gripen E já esta em uso no Brasil deve ajudar poisagora já tem deles operacionais.

Fabio Araujo

Ele operam o Gripen C/E vão só de Gripen E mantendo os Gripens D para treinamento como a Suécia fez ou vão querer o Gripens F também?

Renato

Deixa eu adivinhar… No final vão anunciar o F-35..

Fábio CDC

Exatamente. Ou na pior das hipóteses, F-16 Block 70. Eu nem perco tempo comentando porque é um jogo de cartas marcadas e besta é a SAAB que ainda se mete nisso.

Rui Mendes

A Hungria quase não compra meios militares dos EUA.

RSmith

Poxa Renato tu es um verdadeiro desmancha prazer 🙂 brincadeira a parte como já vimos em outras novelas não ficaria nada surpreso….tudo pode acontecer! :-O

Henrique

só se o EUA oferecer F35 pelo preço/custo de operação de Gripen E

Alecs

Não sei. O posicionamento do Primeiro Ministro da Hungria Viktor Orbán sobre a Ucrânia pode ser um dos motivos de estarem negociando o Gripen E. Eles podem já saber que os Estados Unidos não venderiam o F-35. Só achamos meu.

Rui Mendes

Nem que os EUA ofereçam o F-35 para venda, os Húngaros não o comprariam.
Basta ver os meios aéreos, da sua força aérea ou os meios do seu exército, é praticamente tudo Europeu, com o avião de carga, sendo Brasileiro.

André Barbosa

Creio que se for efetuada a venda não irá favorecer o Brasil pois somente caças adquiridos na regiao nos favoreceria

Santamariense

Diretamente, não. No caso específico de uma suposta venda de Gripen E para a Hungria, todas as partes do caça que são feitas aqui no Brasil, serão enviadas daqui para lá, para serem integradas ma Suécia e entregues para os húngaros. Então, o Brasil, de uma maneira ou outra, também ganha.Eu não sou daqueles torcedores fanáticos, que agitam bandeirinha para a Embraer, Akaer, etc, pois no final das contas, são empresas privadas. Mas, geram empregos e renda, tecnologia e profissionais de alto nível…e isso é ótimo para o país.

Bueno

Vejo como uma questão estratégica ter mais operadores do Caça, a grande quantidade de operadores de F-16 esta facilitando a formação de pilotos e o suporte logístico que darão a Ucraniana ,

E ter mais operadores do Caça Gripen se torna também uma garantia de continuidade de linha de produção, longevidade de operacionalidade e redução de custos.

O Brasil deveria usar de sua influencia e diplomacia na região para que a Colômbia venha escolher o Gripen, isto é uma visão estratégica.

Last edited 25 dias atrás by Bueno
adriano Madureira

Acho que o Viktor Orban não quis seguir a boiada que está comprando o F-35…

Para os que tem grana para bancar o Lockheed, não é problema, mas aqueles que não tem em breve saberão que o negócio não será bom.

Abymael

Aposto que a Hungria será a próxima nação a ser entubada com o F-35.
Aliás, o Bill Sweetman escreveu um livro sobre essa aeronave com o sugestivo título Trillion Dollar Trainwreck, o que fala por si.

General de Sofá

Peço aos editores que imediatamente excluam a matéria, se alguém da MB souber que o leasing acaba em 2026, e a Hungria não renovar, vai ser um perigo.

Rui Mendes

Os aviões vão ser Húngaros , mas qualquer força aérea gostaria de ter esses caças, pois são e continuarão a ser excelentes, por muitos anos.

Franklin junior

E um” gigante ” c/ 7 a ” a passo de preguiça”.

Felipe S

Hungria e talvez Filipinas e Tailândia.