F-39E Gripen

Em matéria assinada pelo jornalista Victor Barreira, o Janes noticiou hoje que a Força Aérea Brasileira (FAB) está em estágio avançado de negociações com a sueca Saab para aquisição de quatro ou mais novos caças F-39E Gripen, segundo o presidente do Comitê Coordenador do Programa de Aeronaves de Combate (COPAC), Brigadeiro Antonio Luiz Godoy Soares Mioni Rodrigues.

Os jatos adicionais serão adquiridos por meio de um adendo ao contrato de SEK 38,9 bilhões (US$ 3,77 bilhões) assinado em outubro de 2014 para os 36 jatos iniciais, acrescentou.

Após a vitória da Saab na concorrência F-X2 no final de 2013, o Brasil adquiriu 28 F-39E monopostos e oito F-39F bipostos. Os últimos jatos estão programados para serem entregues à FAB em 2027, de acordo com o último cronograma de entrega.

O 1º Grupo de Defesa Aérea (Esquadrão Jaguar), localizado na Base Aérea de Anápolis, recebeu quatro F-39E de produção em série. A Embraer e a Saab utilizam um quinto F-39E em uma configuração de instrumentação de teste de voo (FTI) para testes de voo.

Outros dois F-39E estão a caminho do Brasil em um navio e outros dois serão recebidos até o final de 2023, de acordo com o Brigadeiro Soares.

Subscribe
Notify of
guest

285 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ferreras

Alguém sabe se há negociação em torno do KC-390 ou do A29?

Willber Rodrigues

KC-390 ou ST pra Suécia, você diz?

Filipe Prestes

A-29 para a Suécia nunca foi sequer aventado mas Embraer e SAAB se uniram pra oferecer o KC-390 pra os suecos, o que já é meio caminho andado.

J Moura

O governo anterior não tinha autorizado mais 4 aeronaves?

Santamariense

São essas que estão sendo negociadas agora.

Fernando "Nunão" De Martini

Autorizou a negociação.

André Luiz.'.

Falaram que sim, mas, ao final, não efetivaram nada…
Felizmente o governo atual (e não entremos na discussão das “cores pardidárias”) está demonstrando maior compromisso com a palavra empenhada, ao menos quanto a este tema!
E tomara que os Gripen adicionais não sejam apenas 4! Não acredito que haverá condições para uma frota de 108 aeronaves, mas acho desejável que haja mais um pedido de mais um lote de uns 30 Gripen E !

Nei

Onde você assistiu isso que acabou de dizer, sobre o atual governo?

O atual até agora, não fez nada de bom para o brasileiro em 100 dias governo e nem vai fazer.
Assim como o anterior também.

Alexandre

Não? Explique.

RSmith

A opinião dele é formanda a partir do veiculo de informações que ele acompanha… esta só repetindo o que vê na TV /www a fonte que mais lhe agrada… isso ocorre tanto com partidários do atual governo quanto do ultimo… pena, o povo brasileiro não tem costume de formar opinião propria… bando de ovelhas….

Nonato

EDITADO
6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

João Augusto

Você não deve estar por dentro, vamos lá: Reajuste do funcionalismo público Sem reajustes desde a gestão passada, o novo governo promoveu um reajuste linear de 9% para o funcionalismo público e de 43,6% no vale alimentação, que passou de R$ 438 para R$ 658. Reajuste de bolsas de pesquisa Aumento dos valores das bolsas de pós-graduação. Isenção do imposto de renda Anúncio do aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) para até R$ 2.640 mensais. Salário mínimo  Anúncio de aumento para R$ 1.320, que passará a valer a partir do mês de maio.… Read more »

Pragmatismo

Fatos!

Ricardo Cuore

Parabéns João Augusto. EXCELENTES REGISTROS. E mais virá.

Newton Borges

O pessoal já esqueceu da pandemia do COVID19? Do que foi gasto para sairmos deste buraco?

Este duplo padrão, dois pesos duas medidas, este não importa o que é dito, mas quem diz, este ódio do bem já encheu o saco

Cristiano GR

Excelente.

Mangano

Aumento linear para funcionalismo público: péssimo, a depender do setor já ganham 5 vezes mais que a iniciativa privada Bolsas de pesquisa e pós: deveriam estar condicionadas as áreas de interesse nacional e não são, vale qualquer projeto sobre “o papel dos transgêneros na luta de classes do sec 21” pra ganhar uma bolsa Isenção de IR: a isenção real representa um reajuste de apenas 11% porque na verdade a diferença entre a isenção passada e a “nova” é retirada da base de cálculo via desconto simplificado na fonte. Todo desconto é bem vindo mas quando o governo faz conta… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“ Bolsas de pesquisa e pós: deveriam estar condicionadas as áreas de interesse nacional e não são, vale qualquer projeto sobre “o papel dos transgêneros na luta de classes do sec 21” pra ganhar uma bolsa” Mangano, Não tome a parte pelo todo. Não faltam temas muito importantes das mais diversas áreas, com centenas de pesquisas do que você provavelmente consideraria interesse nacional, contempladas com bolsas ou na fila. E mesmo esse suposto tema, que representa apenas parte pequena dos diversos objetos de pesquisa que têm bolsa, pode ter sua utilidade se a pesquisa for bem realizada. Aproveito para avisar… Read more »

Camargoer.

Caro. Existem dois tipos de bolsas de estudo para a pós-graduação. De um lado existem as bolsas relacionadas a um projeto de pesquisa individual e as bolas relacionadas aos programas de pós-graduação. As bolas individuais (tanto no CNPq quanto na FAPESP, por exemplo, mas tem outras da FAPEMA, FAPERJ, FAPEMIG, etc, além de bolsas oferecidas por fundações privadas, como a Serrapilheira) só são outorgadas após uma análise de um comitê e de um parecer favorável. Então é o parecerista e o comitê que avaliam o mérito da bolsa baseada no projeto. Já as bolsas dos programas, oferecidas tanto pelo CNPq… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Prezados, mais uma vez aviso que esse desvio do tópico já deu o que deu, e já deletamos desde o último aviso mais uma dúzia de mensagens que (diferentemente desta que estou respondendo) partiram pra xingamentos e tudo o mais.

Solicito mais uma vez que foquem no tema. Último aviso.

Cristiano GR

É fácil querer falar sobre reajuste para o funcionalismo público, que aliás não funciona tanto, agora que a poeira baixou e tem pessoas que já nem lembram o que foi os anos de pandemia. É importante lembrar que uma grande parte da arrecadação federal foi usada na compra de vacinas, nas soluções para manter a economia funcionando e depois para recuperação, e em ajuda aos estados. Qualquer administrador que gastasse com novos equipamentos militares ou reajuste de uma elite que é o funcionalismo público seria tratado como irresponsável e sofreria uma série de contratempos. E, mesmo tendo sido muito coerente… Read more »

canarinho

Perfeito, comentario sensato.

Pragmatismo

“e nem vai fazer”. Mãe Dináh ou torcida contra. Leva o ex pra casa.

Last edited 1 ano atrás by Pragmatismo
Nonato

EDITADO
6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Douglas Rodrigues

O governo atual é o mesmo que tá repensando a situação dos KC-30, invés de convertê-los para MRTT, poderão ser convertidos em dois VIP.

BK117

Imagino que colega esteja sendo sarcástico, mas para evitar o surgimento de dúvidas, o processo de conversão para MRTT continua e está em cotação com a Airbus, segundo matéria recente da T&D.

Luís Henrique

Não, realmente saiu matéria dizendo que o Lula está estudando converter um ou os dois kc-30 em aeronaves VIP em vez de MRTT.

BK117

Caro colega, a matéria discute sobre as já longevas conversas sobre a necessidade de um avião maior para viagens presidenciais e sobre o uso compartilhado dos C-30, o que é possível e já foi feito no passado na própria FAB. A parte que trata da possibilidade de conversão das atuais em VIP é o mais puro boato, vinda de um “oficial da FAB em anonimato”, o que não vale quase nada. É bem improvável que a FAB vá abandonar a conversão em MRTT. Muita abobrinha já foi falada pelo nosso colega “oficial anônimo” ao longo dos anos. Se não vier… Read more »

Fernando Vidal

A FAB não possui a necessidade de duas aeronaves Vips do tamanho do KC-30, a possibilidade de um dos MRTT330 receber um kit de conversão para configuração VIP para as viagens longas da presidencia não prejudica em nada a sua destinação principal. Se eu não me engano a Alemanha possui um dos seus MRTT com uma configuração conversível para aeronaves ViP.

Renato

Tomara mesmo colega, pois realmente existem boatos recentes sobre uma intenção do atual governo em redirecionar o(s) KC-30 para VIP..
Espero sinceramente que não passe de boatos infundados.

Camargoer.

Tem uma reportagem na AeroMagazine na qual fontes em off dizem que (talvez) a FAB compre um terceiro A330 para a presidẽncia… ou que um dos KC30 poderia ter uso compartilhado com a presidência para viagens longas… ou que os dois KC30 poderiam ter uso compartilhado… ou que um dos KC30…. ou que os dois KC30 concluiriam a sua conversão para o padrão MRTT… ou que os dois KC30 ficariam apenas com C30… mas as mesmas fontes que dizem que tudo isso é possível também dizem que não existe qualquer estudo. Tudo em Off. OU seja, pode ser qualquer coisa… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Ou seja, é o velho bordão do Boris Casoy: tudo pode acontecer, inclusive nada.

Camargoer.

“é uma verrrgóógna!”

BK117

Caro Camargoer, essa é a famosa matéria de Schrödinger.

RSmith

… hum?! fiquei tonto!

André Sávio Craveiro Bueno

Nesse caso, deveriam vender o A 319 ACJ.

Camargoer.

Olá Andre. O VC1 é menor que o KC30 e tem autonomia para ir para a América do Norte, África e Europa. Seria um desperdício ir para a Argentina, por exemplo, voando em um KC30. A FAB pode usar tanto o VC1 quando o VC2 para estas viagens curtas e o VC1 para as viagens mais longas. Eventualmente, o VC1 pode ser usado parar ir para a Ásia fazendo uma escala na Europa ou usar o KC30, ainda que nas viagens comerciais para o Japão e China, mesmo os 777, A380 e A330 fazem ao menos uma escala.

BK117

Provavelmente são boatos, caro Renato. Imagino que tenham surgido nos usos recentes da aeronave pela PR. De fato, os C-30 são infinitamente mais adequados para missões presidenciais de longa distancia que o A319, tanto pelo alcance quanto pela capacidade de carga e passageiros, por isso não me importo com o uso em tais missões. É algo que já prevíamos que aconteceria. Contudo, no momento turbulento atual (e dos anos recentes), seria extremamente impopular, tanto adquirir uma nova quanto converter as atuais em VIP (alguém esqueceu de avisar aos hermanos del sur, o 757 novo deles chega nos próximos dias rsrs).… Read more »

BK117

“reabastecimento e REVO” é triste rsrsrsrs, quis dizer transporte presidencial e REVO

RSmith

… ta perdoado 🙂

Cristiano de Aquino Campos

Não sei porquê a conversão dessas aeronaves para o padrão vip, seria impopular, os aviões ainda são comerciais, nem as portas de carga tem ainda. De qualquer maneira, terão que passar por reengenharia estrutural.
Do jeito que estão agora, se a FAB quiser, pode até vendemos para transporte de passageiros em qualquer companhia aérea.

Santamariense

Para missões VIP tem o GTE. Tem que converte para MRTT e ponto final.

RSmith

Sim senhor vossa majestade!

Santamariense

Isso mesmo, caro súdito.

Rinaldo Nery

GTE é um câncer… Odiado na FAB.

Santamariense

Pois é…mas, a classe mandante jamais vai abrir mão dessa mamata.

Maurício Veiga

É para aqueles que não tem a visão 20/20 !!! Alguém precisa fazer o trabalho sujo…

Jadson Cabral

Por quê? Ele tem que existir, não tem?

Rinaldo Nery

Não, o Segundo Esquadrão (apoio aos ministérios) não tem.

Salomon

Palpitando, um C-30 Presidencial seria uma propaganda e tanto, além da moral para a Embraer e indústria brasileira.
Seria um outdoor do Brasil em qualquer situação.
E se venderia o 319.
Só um palpite.
Grato

Santamariense

O que o C-30 teria a ver com Embraer e indústria brasileira?

Rinaldo Nery

O C-30 é da AIRBUS…

Santamariense

Eu já penso diferente. Quando o atual ocupante do planalto foi para a china, foi com o VC-1, não? Se ele foi para o outro lado do mundo de VC-1, então não tem que usar os C-30 para missão VIP. Esses dois aviões são para missões operacionais aero-estratégicas. Já temos aeronaves VIP demais!! O GTE tem uma frota enorme. Se querem uma aeronave maior para os ocupantes do planalto, então leiloem uma parte da frota do GTE, incluindo o VC-1, e comprem essa aeronave maior. O que não pode é usar uma, de apenas duas, para servir político.

BK117

Caro Santamariense, creio que o uso do VC1 se deve ao fato de ser basicamente um quarto de hotel voador, ou seja, mais conforto em uma viagem tão longa. Isso, contudo, não salvou o C-30. Alguns dias antes, o FAB2902 fez a mesma rota da viagem presidencial, imagino que levando alguma comitiva de negócios, retornando dois dias antes da viagem oficial (lembrando que esta foi adiada). Não me lembro exatamente se ele também foi enviado junto do VC-1, mas ele pode ser visto em foto logo atrás do A319 na Base Aérea de Brasília. Como eu disse, não concordo com… Read more »

Last edited 1 ano atrás by BK117
Santamariense

Caro BK, discordo. Aeronave pra político tem que ser do GTE. Um esquadrão como o Corsário, com um número ridiculamente baixo de aeronaves, não pode ceder aeronave para esse tipo de missão.

Sensato

Prefiro que reduzam as comitivas. O erário agradece.

Sensato

Por qual razão não foi então comprado um avião adequado na ocasião em que adquiriu o ACJ com cama de casal?

tango-echo

Desconfio que num primeiro governo do PT, com todos os olhos críticos voltados para ele, com o sucatão já completamente fora de cogitação, foi o possível. E veja que Lula aproveitou o >>>AeroLula<<< muito bem, tanto que foi chamado de caixeiro-viajante

Agora imagine se ele propusesse pegar um widebody novo, ou um avião em meia-vida da Varig já em crise (provavelmente um MD-11, com todos os problemas que lhe acompanhavam). Teria sido um escândalo ainda maior. E de toda forma acredito que o avião já estaria meio obsoleto a essa altura, se ainda estivesse em uso. Faz 20 anos, afinal.

Sensato

A configuração vip encarece razoavelmente o avião. Se ele queria evitar escândalos (o que duvido considerando o histórico) deveria comprar um avião comercial usado do mesmo modelo.

Renato

Sim BK, Também não tenho nada contra usa-lo como transporte presidencial quando preciso.
(Independentemente de quem seja, a questão é institucional).
Inclusive se não me engano, nesse “pacote” MRTT existe uma provisão nesse sentido, na forma de uma espécie kit ou coisa que o valha, para configura-lo de forma rápida para esse fim, porém sem que ele perca as demais capacidades. (Já li alguma coisa assim).
O que seria ruim seria usa-lo unicamente para outra finalidade (VIP) para a qual a FAB não havia planejado não é mesmo?
Sds.

Last edited 1 ano atrás by Renato
Cristiano de Aquino Campos

Para mim tanto faz se esses aviões seram internamente para transporte VIP ou não, afinal se o forem e capaz de serem mais usados nessa função do que de transporte e abastecimento em vôo estratégico. No governo anterior, não se queria enviar tropas Brasileiras em missões da ONU, nem ali do outro lado da fronteira, dirá em outro continente onde realmente o transporte estratégico seria usado.

Camargoer.

Colega. Cuidado com os boatos e rumores. Segundo o que consta, os contratos de conversão dos A330 para o padrão MRTT estão em vigor, aguardando apenas a conveniência da empresa contratada, que possui um cronograma definido pela sua carteira de clientes. O problema é estes boatos se transformam em versões e as versões em fatos.

RSmith

Hum…. “Contratos em vigor”? …. já assinaram estes? nem sabia! tem certeza disso?

Camargoer.

Olá RS. Bem, sabemos com certeza do contrato de aquisição, o que incluiu uma revisão do avião e nova pintura (creio que pelo menos uma delas foi feita no Qatar e a outra nos EUA, mas teria que checar). Sobre o contrato de conversão, eu teria mesmo que checar isso.

Rinaldo Nery

Não há contrato, ainda, para conversão para MRTT.

Santamariense

“ Segundo o que consta, os contratos de conversão dos A330 para o padrão MRTT estão em vigor, aguardando apenas a conveniência da empresa contratada…”

Vc afirmou que o contrato está em vigor. Então, se não tens certeza, escreva: “na minha opinião”

Last edited 1 ano atrás by Santamariense
Douglas Rodrigues

De concreto ou contrato assinado não existe nada mesmo… Quer dizer, vai depender da boa vontade do Governo Federal em autorizar a conversão para MRTT. Se os mesmos puderem ser usados em configuração VIP para viajar pro exterior (como o Voyager VIP da RAF), tudo bem, faz parte… Para isso vendam o A319 VIP e usem apenas o VC2 quando a viagem não demandar maiores distâncias (fora do nosso continente por exemplo) ou comitivas enormes (não que seja legal e correto levar tanta gente para uma visita na China, onde foi até o líder do MST).

Santamariense

“… onde foi até o líder do MST”

Sério?? Tu tá brincando, né? Isso não pode ser verdade!

Douglas Rodrigues
Camargoer.

Olá Douglas. O KC30 foi usado em uma viagem presidencial em sua visita aos EUA porque o VC1 estava em manutenção aqui em São Carlos. Poderia tê-lo usado para ir para a China, mas foi de VC1 aproveitando as escalas para visitar Portugal, Emirados e Espanha. Considerando que o VC1 tem autonomia para ira até a Europa ou EUA e que é um avião menor que o KC30, parece-me razoável que ele seja usado para as visitas aos países americanos, europeus e africanos. Para a Ásia e Oceania precisaria mesmo de um avião maior ou fazer escalas. Sobre as comitivas,… Read more »

RSmith

Lembrando que, converter o C-30 em MRTT não o impede, de forma alguma, de ser usando também, dependendo da necessidade, como transporte VIP…

Santamariense

Vendam o VC-1 e alguns dos VC-99A/B/C e comprem um avião para levar o ocupante do planalto pra onde ele quiser.

Rinaldo Nery

Vendam tudo e não comprem mais nada. E os ministérios q se virem com táxi aéreo.

Jadson Cabral

Aí é que a mamata e a lavagem de dinheiro usando empresas de táxi aéreo dos amigos dos amigos iam rolar soltas…

Rinaldo Nery

Problema deles.

Camargoer.

Olá Rinaldo. Sua ideia, de modo geral, é correta. Contudo, ao invés de taxi aéreo, acho razoável que o transporte de autoridades seja por voos comerciais, com exceção do presidente, cujo avião serve de gabinete presidencial, Chamo a atenção para a página do GTE disponibilizada pela FAB na qual aparecem quais autoridades usam o GTE e em quais trajetos. Sempre estranhei o fato dos comandantes da forças armadas terem o privilégio de usarem os aviões do GTE. O que é mais estranho á que a maioria das viagens são para as capitais, principalmente Rio de Janeiro, para onde existem inúmeros… Read more »

Rinaldo Nery

Essa história de transportar ministros começou por conta do atentado à bomba (pela guerrilha) no Aeroporto de Recife. E, infelizmente, continua até hoje. Por mim, podem ir até de jegue!

Luís Henrique

Foi autorizado no governo anterior. Mas negociações desse tipo são complexas. E um novo governo pode melar tudo.
Isso é motivo para exaltar o novo governo e criticar o anterior? Claro que não. Afinal o governo anterior foi o único que vi em mais de 30 anos que não contingenciou os investimentos em defesa. Único.
Difícil comparar porque cada época tem suas particularidades. O azar foi uma pandemia mundial com duração de 2 anos e uma guerra na sequência.
Então não dá para exigir um desempenho estratosferico. Mas só de proibir o contingenciamento já fez muita diferença.

Fernando "Nunão" De Martini

“Afinal o governo anterior foi o único que vi em mais de 30 anos que não contingenciou os investimentos em defesa. Único.”

Não foi bem assim.

Houve contingenciamentos e valores represados em investimentos. Podem ter sido menores do que em outras épocas, mas houve sim.

Uma coisa é a propaganda e a conversa, outra é a realidade.

Basta acessar e ler com atenção os relatórios de gestão das três forças, publicados anualmente. Nos últimos anos houve renegociações de contratos, atrasos em pagamentos e represamento de recursos, todos obrigatoriamente relatados ao TCU, como em administrações anteriores.

Von Richtoffen

Em compensação destruiu a Educação, Saúde e C&T…

Jbs

E tem gente que negativa! Incrível

André Sávio Craveiro Bueno

Só o discurso do anterior já era devastador.

Nonato

Destruiu educação? Saúde? Ciência e tecnologia?
Nunão nao vai editar?
Essa afirmação não corresponde à realidade.
Mas se eu não puder argumentar, a afirmação também deve ser retirada.

Nonato

O que passou 8 anos e não comprou caça algum?

Nonato

A afirmação é a realidade.
Numa época em que se dizia que o Brasil estava nadando em dinheiro.
“Pagou divida externa”.
Descobriu pré-sal.
Decidiu fazer copa, olimpíadas e trem bala.
Mas a compra de um caça que se arrastava desde FHC, passaram 11 anos para decidir.
Isso é um fato.
E só decidiram porque a FAB forçou a barra.

Nonato

EDITADO
6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Bachini

Sinceramente, atualmente nem goveno temos…

Rodrigo

De fato o antigo governo no desespero da reeleição prometeu tudo…até afundou o país…mas serei realista, se fizeram o 36+ 4 +(segundo lote uns 20 caças).já estou feliz…acho difícil passa disso.

Pitágoras Eugênio Batista da Silva

Sim, mas agora tem que negociar os termos do contrato.

Ruberval

Nao adianta só autorizar,tem que liberar a verba pra concluir o contrato
De aquisição !!!!
A saab só entrega os aviões depois de pago .
Aquele papo de finaciamento sueco para entrega de todas as aeronaves e governo brasileiro começar a pagar as aeronaves depois de todas as aeronas recebidas e operacional é balela .

Fernando "Nunão" De Martini

O grosso do pagamento do financiamento do Gripen continua com carência, mas foi renegociada para não ser tão longa. Está nos relatórios de gestão da FAB.

Camargoer.

Caro. Como existe um contrato de financiamento, o banco sueco paga diretamente para a Saab fabricar os aviões. Estas parcelas são liberadas segundo o cronograma de fabricação. O Tesouro (não a FAB) faz os pagamentos para o banco segundo o cronograma. Originalmente, a proposta era uma carência para pagar a partir do último exemplar entregue. Pelo que acompanhei, isso foi mudado acho que na assinatura do contrato. Os pagamentos começaram com a entrega do 4100.

Willber Rodrigues

Até aí era o esperado, e fico realmente feliz que isso realmente esteja indo em frente, e fico ainda mais feliz em ver que, talvez pela primeira vez no Brasil, um ToT esteja sendo realmente bem empregado aqui no Brasil.

A questão de bilhões seria….qual a quantidade de caças do segundo lote?
Chuto em + 28. Alguém quer dar palpite?

Luis H

provavelmente uns 12, fechando a conta em pouco mais de 50, isso se houver segundo lote e não inventarem outra necessidade social mais importante (pro bolso dos amigos).

DanielJr

Não acho que será 28 não. Será entre 12 – 18 aeronaves. É o que dá pra “equipar” 3 esquadrões e ter algumas em manutenção.

Com o câmbio do dólar atual, e o cenário político/econômico, não vejo o governo bancando quase 30 aeronaves de uma vez só.

Sensato

Há que se considerar que os valores unitários de um segundo lote tendem a ser mais baixos, exceto pela variação cambial, pelo fato de não ter mais a Tot

Fernando "Nunão" De Martini

Não contaria com valores unitários muito mais baixos. A ToT de fato já foi incluída no primeiro acordo, mas outros itens deverão ser incluídos neste, relacionados a mais apoio logístico (o apoio para 36 aeronaves não vai cobrir as que se somarem num segundo lote) e pelo fato de que houve inflação considerável dos componentes aeronáuticos por conta da pandemia e da guerra na Ucrânia.

Sensato

Concordo com tudo mas creio que o fato do processo de treinamento e de produção no Brasil já estar mais maduro, reduz a tendência de dolarizacao dos custos. Some-se a isso o fato de que a venda de KC390 para a Suécia é um uma possibilidade maior agora. Caso isso ocorra, trará reflexos na composição financeira do contrato. Seja como for, não creio que sejam muito mais caros nem muito mais baratos, apenas levemente mais baratos.

Camargoer.

Olá. Aposto 2 bilhões de Kichite$ que serão 26 aeronaves, mas não sei dizer quantos serão F ou E.

Baschera

Buenas…
Contentamo-nos com 4 + 4 e olhe lá !

Sds.

Camargoer.

Ola Baschera. MInha filha pediu para mandar um abraço para você. Ela é fã do Yodinha, ainda que a imagem seja do Yoda.

carlos alberto soares

30.

rommelqe

Eu acredito que a diferença de preços/custos relativas entre o 39E e o 39F possam ser a razão das renegociações. Em tese o maior custo de produção dos bipostos resultaram com que a economia devida à transferrencia da fabricação do Brasil para a Suecia seja suficiente para pagar os 4 novos monopostos adicionais. Notar que todos os custos de desenvolvimento estariam sendo certamente contemplados, inclusive com a indispensável fabricação de pelo menos um protótipo que não viria a ser operacional.

Cristiano de Aquino Campos

Acho que ficaremos com um total de 72 caças.

Zigg

No slide da FAB prevê a possibilidade de implantação em mais uma base aérea.

Esse custo para implantação em outra base me parece que não foi orçado/planejado…

O que poderia ser de diferente daquele já implementado em BAAN ??

Vi na apresentação dos novos F-39 que novos prédios foram construídos para a operacionalização dos caças.

Todos eles teriam que ser replicados em nova implantação?

Onde isso seria mais viável em menor tempo de execução?

Rinaldo Nery

Qual Base será não faz diferença. São obras de construção civil. Todas têm área disponível.

wiliam

se o Brasil como nação soberana quiser ter a capacidade real de dissuasão aérea eu imagino que 03 lotes seria o ideal e teríamos: 84 caças Gripen Monoposto e 24 Biposto totalizando 108 caças. complementando com pelo menos + 3 GlobalEye AEW & C da SAAB, exigindo a contrução ou no KC 390 Embraer ou nos e195.. basta continuar com uma programação de construção aqui no Brasil e a FAB manter a demanda que em 5 10 anos teríamos uma Força de dissuasão muito interessante

DanielJr

108 caças era o plano original, mas como diria Mike Tyson “todo mundo tem um plano até levar um soco na boca”. Vai ser 60 aeronaves no talo, depois vão inventar outro plano estratégico pra desviar a atenção e encerrar esse projeto.

Não será possível construir mais AEWACS do jeito que você escreveu, pq a SAAB agora só monta o Globaleye nos jatos da bombardier. Se a FAB for comprar mais aviões dessa categoria da Embraer, terá que ser com equipamentos da RAFEL/ELBIT (Israel) no jato E195. Se for KC, mais investimentos para reprojeto serão necessários.

BK117

Caro colega, de fato a SAAB atualmente oferece o Globaleye montado exclusivamente num Bombardier Global (por isso o nome) como um produto próprio, porém não imagino que haja exclusividade dos sistemas. Logo não seria obrigatória a transição para sensores Elbit, pois outra empresa, como a Embraer, poderia integrar a mesma suíte de sensores do Globaleye, incluindo o Erieye ER e o Seaspray 7500, em outra aeronave (como foi feito com o E/R99). Peço que os colegas corrijam-me se estiver incorreto.

Last edited 1 ano atrás by BK117
DanielJr

Posso estar enganado, mas quando vi a reportagem sobre a SAAB e o sistema do Erieye entendi que esse sistema seria exclusivamente implantado nos bombardier.

BK117

Eles mesmos vendem outra aeronave com o Erieye, o “SAAB 2000 AEW&C”. Provavelmente se referiam ao pacote completo de sensores que o Globalhawk tem. O que eu quis dizer é que se o cliente quiser uma aeronave pronta, desenvolvida e testada, a oferta da SAAB é o Globalhawk no Bombardier. Se quiser uma plataforma diferente, vai ser um projeto bancado pelo cliente, e a SAAB vai ser só uma fornecedora de sistemas.

Wilson

Sinal de que as aeronaves já recebidas provavelmente estão entregando o desempenho prometido. Pelo menos é isto que se espera, não teria sentido negociar mais aeronaves se o desempenho não estivesse agradando.

Luis H

fico imaginando qual seria a referência do pessoal da fab para avaliar se o desempenho do saab jas39e estaria ou não agradando. muito provavelmente é a experiência de G’s em acrobacias por pilotos oriundos dos f5, sua interação com pilotos de outros caças em exercícios e conversas com o pessoal da elbit/ael que fabricam o wad. fora isso não tem muito mais do q qualquer leigo aficionado consegue. mais útil seria comparar a suíte de guerra eletrônica do sueco com a variante brasileira para sabermos o quanto perdemos em desempenho.

Fernando "Nunão" De Martini

Está falando sério?

Nunca ouviu falar de voos de certificação para IOC e FOC?

Rinaldo Nery

Avaliar por carga ¨G¨… Cada uma que leio aqui…

Fernando "Nunão" De Martini

Pois é, seria uma avaliação por hemorroidômetro, talvez. Coitados dos pilotos de provas.

Magalhaes

“fora isso não tem muito mais do q qualquer leigo aficionado consegue.”.

Parei de ler aqui. Só falta falar que vai ser por super trunfo!

Wilson

Por “agradando” você deve entender o atendimento aos critérios de desempenho prometidos no contrato de venda sob vários aspectos como: disponibilidade, dinâmica e desempenho de vôo, custos de manutenção, plug-and-play de armamentos, desempenho da aviônica e radar, capacidade de atuar em rede e vários outros fatores. A FAB pode voar F-5 mas isso não quer dizer que sejam ingênuos quanto ao desempenho de aeronaves mais avançadas – pelo menos eu assim espero.

Adriano Silva

Já não está confirmado…que seria 40 Gripens, no primeiro lote?

Willber Rodrigues

Os 4 adicionais ainda estão sendo negociados, nada confirmado ainda.
A única coisa concreta seriam os 36 Gripens do 1º lote.

Fernando "Nunão" De Martini

Só foi confirmada a autorização para negociar.

Neto

Então ainda há chance do F ser montado aqui?
.
Ou essa parte já ficou firmada?
.
Abrir mão do contratado para negociar um adendo é peso.
.
A não ser que atraso de pagamento tenha sido negociado por essa “abertura de mão” da construção dos Fs.
.
Então colocaram o adendo de +4 És como parte da negociação para ficar bem na fita. Trocando um certo por um possível, porém negociável e não ainda fechado. Reverberaria bem a política do antigo governo.

Fernando "Nunão" De Martini

A parte do F, até onde sei, é outra coisa, outro aditivo ao contrato.

Há vários aditivos que mudaram o total do valor do contrato ao longo dos anos, tanto para mais quanto pra menos. Sugiro acessar os relatórios de gestão da FAB.

Talvez você esteja tirando conclusões demais em cima de fatos de menos, num programa de muitos anos.

Last edited 1 ano atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Neto

Obrigado Nunão.
.
Na sobreposição das informações dadas ano passado e trasado, ficou parecendo que a FAB tinha aberto mão de ter a montagem do F aqui, nós que pagamos por seu desenvolvimento, para ter mais 4 Es nesse primeiro contrato.

Fernando "Nunão" De Martini

Uma coisa não é necessariamente causa ou consequência da outra.

Neto

“Desde abril, algumas mudanças em relação aos Gripen da FAB foram reveladas. A principal delas foi a decisão de montar os caças bipostos (Gripen F) na Suécia. Isto permitirá que mais unidades do monoposto (Gripen E) sejam produzidas no Brasil.”

Em uma reportagem sobre a negociação do segundo lote e do aumento do primeiro para 40.

https://aeromagazine.uol.com.br/artigo/fab-ja-negocia-segundo-lote-do-f-39-gripen.html

Fernando "Nunão" De Martini

São coisas paralelas que não necessariamente envolvem o mesmo aditivo de contrato.

Neto

Eu entendi no seu comentário anterior Nunão.
.
Postei a matéria do vizinho apenas para indicar que informações apresentadas sobrepostas, sem uma devida indicação que são referentes a aditivos diferentes (que você sabe, mas nós não) acabam gerando essa falsa conclusão.

Fernando "Nunão" De Martini

Entendo. Mas o próprio trecho que você postou dá a entender que se trata de uma série de decisões ao longo de um certo tempo.

O que sinceramente não vai mudar nada no resultado esperado, seja tudo junto, seja separado. O objetivo final é ter mais aviões pelo que se pode pagar, otimizando os recursos e a produção para que isso seja possível.

Sensato

Essa realidade do último parágrafo, infelizmente tem sido a constante não apenas aqui como em inúmeros sites. Sempre me questiono como conseguem ter tantas “certezas” partindo de tão poucas informações.

glasquis7

Sei não, não acho uma boa…

A FAB deveria focar num salto pra próxima geração visando se envolver em algum programa de desenvolvimento de um novo caça.

Com os Gripen e alguns F5 remanescentes consegue esperar ate 2035/40.

Depois disso, poderia chegar um caça 5.5 ou quem sabe até 6.0 geração. Se comprar mais gripen, ficará pressa a um caça 4.5 até depois de 2045. Muito tarde pra entrar numa nova geração.

JSilva

Em se tratando da realidade brasileira, não é um bom negócio trocar o certo pelo duvidoso. Se pagou ToT, o mínimo esperado é que seja contratado um segundo lote.
Esse seu raciocínio caberia mais para um eventual terceiro lote, este sim estaria tardio em relação à 5+ geração.

Andrey

Não é porque pagamos bilhões por esse TOT que teremos que comprar ad infinitum,volto a repetir a FAB já deve começar a pensar no caça de 5 geração ou vamos ficar bem para trás.

Fernando "Nunão" De Martini

Onde você viu que a transferência de tecnologia sozinha custou bilhões? Quantos bilhões? De dólares, reais, coroas suecas?

Andrey

A aquisição envolveu a participação no de desenvolvimento do Gripen NG(E) que ensejava a famosa ToT ao custo de 3,77 bilhões de dolares.
O Camagoer deu uma boa explicação sobre o custo total,o que eu questiono é vamos ficar presos só ao Gripen porque participamos do projeto e estamos recebendo o ToT?Ou seja,vamos ficar parados numa geração ,enquanto os outros irão evoluir numa superior a nossa?
O Tot não foi de graça e nem barato,então foram bilhões de coroas,dolares,reais .

Fernando "Nunão" De Martini

Audrey, eu já respondi aqui.
Um dos itens da ToT é a capacitação para projetar caças de nova geração. Se não houvesse essa intenção, não tinham pedido isso.
Mas antes é preciso fazer valer o investimento no Gripen com pelo menos um lote adicional.

Camargoer.

Caro. O FX2 custou cerca de Sek$ 37 bilhões, ou US$ 4 bilhões na cotação de hoje, além de outros US$ 200 milhões usados para adquirir armamento. Uma conta de padaria isso significa um custo unitário de US$ 110 milhões por aeronave, isso incluindo o treinamento dos pilotos, dos engenheiros, do desenvolvimento da versão E e da versão F e do desenvolvimento e fabricação dos simulares. Ainda fazendo uma aproximação Panem et circenses, podemos assumir que o custo da aeronave em si seja cerca de 2/3 deste valor. Isso significa que os aviões teriam custado algo em torno de US$ 2,6… Read more »

Andrey

Obrigado pelos esclarecimentos,a dúvida é qual o preço do Gripen:110,120 ou 150 milhões de dólares?

Camargoer.

Olá Audrey. Isso depende. No contrato do primeiro lote, cada avião saiu pelo preço de padaria de US$ 110 milhões, mas isso envolver treinamento dos pilotos, manuais e ferramentas de manutenção, treinamento de mecânico, simuladores, etc…. uma estimativa para o preço dos aviões de um segundo lote seria adotar algo como 2/3 deste valos. ou algo entre US$ 70~80 milhões por cada caça. Acho que o aditivo daqueles 4 caças dará uma boa pista de quanto custará cada caça de um segundo lote.

Santamariense

O contrato do lote de 36 Gripen é de 39,3 bilhões de coroas suecas que equivalem, no câmbio de hoje, 03/05, à US$ 3.831.750.000,00, ou US$ 106.437.500,00 por aeronave.

glasquis7

Em se tratando da realidade brasileira, não é um bom negócio trocar o certo pelo duvidoso. “

Mas, não foi o que fizeram ao fechar contrato com o Gripen? Era pra chegar quando, quanto tempo atrasou o programa?

O Brasil é o líder da região, deveria estar pensando entrar no universo Stealt há muito tempo.

Fernando "Nunão" De Martini

Glasquis,
Pensando está.
No programa F-X2 um dos objetivos da transferência de tecnologia é a capacitação para projetar caças de quinta geração. Se o Brasil vai fazer isso eu não sei, mas que engenheiros e técnicos estão sendo capacitados para, no mínimo, terem o conhecimento para participar de um programa de novos caças avançados, estão.

glasquis7

Pensando está.”

Só pensar não tem sido suficiente.

Fernando "Nunão" De Martini

Não tem sido sob qual parâmetro da realidade e dos objetivos do programa? Você acha que em plena fase de implantação inicial do Gripen, com um lote que mal dá para reequipar metade dos esquadrões que a FAB tinha em operação há dez anos, já era pra estar comprando caças de quinta geração? É preciso viabilizar a compra de mais caças Gripen primeiro, aproveitando toda a infraestrutura implantada, pessoal e material. E conforme equipes de desenvolvimento do programa Gripen cumpram seus objetivos e passem a estar disponíveis para novos programas ao longo da produção das aeronaves encomendadas, usar esse pessoal… Read more »

Last edited 1 ano atrás by Fernando "Nunão" De Martini
glasquis7

Então vc considera que, os engenheiros que participam do TOT na SAAB não poderiam participar numa parceria com a KAI (por exemplo) no desenvolvimento do seu caça 5a geração?

Entenda o meu ponto.

O Brasil está muito atrasado quanto a esta parte e considerar o Gripen como a sua salvação é um erro.

Até agora eu não vi nada que demonstre que a FAB esteja se perfilando pra um programa com caças de 5a ou 6a geração. Tudo está focado no Gripen.

Au meu ver, muito pouco pra uma força com a importância regional da FAB.

Fernando "Nunão" De Martini

“Então vc considera que, os engenheiros que participam do TOT na SAAB não poderiam participar numa parceria com a KAI (por exemplo) no desenvolvimento do seu caça 5a geração?” Onde eu disse que não considero? Claro que eu considero que engenheiros brasileiros que receberam conhecimento, trabalhando lado a lado com os suecos no programa do Gripen, poderão trabalhar num programa de caças de quinta geração. Quando estiverem liberados pra isso. Escrevi de forma bem clara, pelo que me lembro. E eu nunca escrevi nada sobre Gripen ser a “salvação”, quem está dizendo isso é você, não sei de onde tirou… Read more »

glasquis7

poderão trabalhar num programa de caças de quinta geração. Quando estiverem liberados pra isso.”

Bingo!

Então a minha colocação:

“Só pensar não tem sido suficiente.”

É mais uma assertiva do que uma colocação.

Fernando "Nunão" De Martini

Bingo só se for na sua cabeça.

É a sua interpretação enviesada do que eu escrevi.

Ter engenheiros brasileiros efetivamente trabalhando no programa Gripen, e que tem como um dos objetivos qualificar para projetar futuras gerações de caças não é pensamento. É ação.

Pensamento foi lá atrás, quando os objetivos foram colocados no pedido de propostas para os concorrentes do F-X2.

glasquis7

É a sua interpretação enviesada do que eu escrevi.”

Será?

Vamos ver:

“poderão trabalhar num programa de caças de quinta geração. Quando estiverem liberados pra isso. Escrevi de forma bem clara, pelo que me lembro.”

Ou seja, ainda não estão trabalhando num programa de quinta geração e nem tem data pra começar. Então até agora “só pensam”

Aonde tem minha interpretação enviesada???

Entendo o que vc escreve literalmente, não o que vc quer escrever.

Fernando "Nunão" De Martini

Glasquis7, Seu primeiro comentário desta série incluiu isto: “O Brasil é o líder da região, deveria estar pensando entrar no universo Stealt há muito tempo.” Mostrei pra você que pensa há muito tempo. Ao ser contrariado, você então passou a questionar que pensar não tem sido suficiente. Mostrei que da fase de pensar, planejar a esse respeito, já passou há vários anos para a fase de capacitar pessoal, o que não é só pensamento, é ação rumo a um objetivo, de “entrar no universo Stealt”. A partir daí, você começou a patinar no mesmo argumento de que é só pensamento,… Read more »

glasquis7

“Mostrei pra você que pensa há muito tempo.” Não, vc disse mas não mostrou nem demonstrou. “Ao ser contrariado, você então passou a questionar que pensar não tem sido suficiente.” Não, não questionei, AFIRMEI que só pensar, não está sendo suficiente. Isso considerando a importância do Brasil como potência regional. “Mostrei que da fase de pensar, planejar a esse respeito, já passou há vários anos para a fase de capacitar pessoal, o que não é só pensamento, é ação rumo a um objetivo, de “entrar no universo Stealt”.” Negativo. Toda força capacita seu pessoal técnico constantemente. Na atualidade, a FAB… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“Negativo. Toda força capacita seu pessoal técnico constantemente. Na atualidade, a FAB capacita o seu pra operação do Gripen, não tem nada a ver com entrar ou não no universo Stealt.”

Aí que está a diferença: você está raciocinando apenas com pessoal técnico da FAB. Eu estou falando desde o começo de engenheiros e técnicos da Embraer, Akaer, AEL e outras empresas envolvidas no processo de desenvolvimento e absorção de tecnologia. São eles que vão participar de um projeto de novo caça.

glasquis7

Eu estou falando desde o começo de engenheiros e técnicos da Embraer, Akaer, AEL…”

Entendo a sua colocação mas eu me referia exclusivamente à FAB.

“São eles que vão participar de um projeto de novo caça.”

Como disse antes, não estão participando.

VÃO participar. Acho que o correto seria IRÃO participar.

glasquis7

E embora vc não goste, continuo livre quanto a pensar e debater sobre o meu ponto de vista.

Fernando "Nunão" De Martini

Não sei de onde você tirou essa história de que não gosto.

Eu não fico tirando conclusões do que você gosta ou não, eu discuto apenas seus argumentos, então solicito a mesma gentileza.

A maior prova de que gosto de discutir esses temas é que, mesmo dizendo que encerrava minha parte na discussão, voltei pra mostrar a diferença dos pontos de vista: você estava focado em pessoal técnico da FAB, enquanto eu falava de engenheiros e técnicos das empresas envolvidas na absorção da tecnologia do Gripen, com treinamento e desenvolvimento conjunto.

glasquis7

“Eu não fico tirando conclusões do que você gosta ou não, eu discuto apenas seus argumentos, então solicito a mesma gentileza.”

Me alegra saber disso.

Assim sendo, se se sentiu ofendido, peço desculpas.

Não é essa a minha intenção.

Last edited 1 ano atrás by glasquis7
Renato B.

Inovação é algo arriscado e é só a ponta do iceberg de muito pensamento e esforço. Tem muita ideia genial que não chegou a se tornar inovação. O problema é que é difícil manter um ecossistema de inovação estável e por tempo o suficiente para render. Embraer, Embrapa e Petrobrás, são exceções que confirmam essa triste regra.

glasquis7

Investir num programa de quinta geração não é inovação, é o caminho natural a ser seguido.

Nilo
Renato B.

Eu concordo na questão do certo pelo duvidoso. Mas, que eu sabia, as tecnologias aprendidas na época do AMX foram muito úteis nos aviões da Embraer que vieram depois. O que temos que aprender é como criar tecnologias que sirvam para uso militar, mas também sejam economicamente sustentáveis. Isso é um dos fatores que explica a produção chinesa de navios militares.

Last edited 1 ano atrás by Renato B.
Nilo

Disse tudo chileno, pode até pedir um segundo lote, desde que como vc diz, não procedamos novamente com o que fizemos com o F-5 em décadas só de estudos para substituição.
Urge, prioridade, para que possamos já está fazendo acordos para conversarmos uma parceria com os suecos seja (dentre outras possibilidades) em radar ou turbina já que os mesmos estão investindo em pesquisa nestas áreas.

Last edited 1 ano atrás by Nilo
Allan Lemos

e comprar mais gripen, ficará pressa a um caça 4.5 até depois de 2045

Isso vai acontecer de qualquer jeito. Sem chance do Brasil operar um caça de 5º geração antes de 2050. O problema foi que demoraram muito para tomar a decisão do FX, agora o Gripen chega em uma época em que as principais forças aéreas do mundo já estão operando jatos de nova geração.

rui mendes

Grippen E é de nova geração, mas para muita gente, só sendo stealth é que é de nova geração.
Daqui a poucos anos, stealth ou não, pode já não ser importante, muita coisa vai acontecer, e radares para ”ver 5G” podem começar a aparecer.

Allan Lemos

Não, colega. O Gripen E é tipo aquela atualização de meia vida, como o PS4 Pro. Traz algumas melhorias mas não chega a ser uma nova geração.

glasquis7

Grippen E é de nova geração,…”

Qual geração, quinta, sexta?

Continua a ser um caça de 4.5 geração.

Henrique A

A FAB precisa de células, se ficar só no primeiro lote terá menos Gripen do que tinha de F-5 há alguns anos atrás, e mesmo o Gripen está sendo díficil, imagine um caça ainda mais avançado (e possivelmente mais caro).

PauloOsk

Esse sempre foi meu pensamento, o natural seria o Brasil entrar no projeto do caça de nova geração sueco e britânico. Maaaaaas, nem tudo sao flores.

Sensato

O ideal seria que tivéssemos uma classe política interessada em aumentar a eficiência e enxugar os custos do Estado e, ao mesmo tempo, criasse condições para o desenvolvimento cultural e econômico da sociedade. Isso acontecendo, naturalmente a questão dos recursos necessários a participar de programas de alta tecnologia estaria naturalmente resolvida ou no mínimo encaminhada.

glasquis7

O ideal seria que tivéssemos uma classe política interessada em aumentar a eficiência e enxugar os custos do Estado e…”

Se o problema fosse esse. Não se pode culpar por tudo aos políticos. O estado é caro mas, os aposentados também, a educação também e a saúde também. As aposentadorias nem se fala. E por aí vai. Tudo é caro mas, sem aproveitamento e continuidade, fica mais caro ainda e o pior, não consegue tirar nenhum proveito desse “caro”.

Os políticos são apenas uma parte do problema.

PauloOsk

Com todo respeito, mas isso eh balela. Se for assim pode fechar as portas dos quarteis e pronto. Sempre vai ter um “motivo especial” em detrimento de um investimento pesado nas FA.

Sensato

Quanto mais pobre é o Estado e a sociedade, menos verba há para investimento. Dinheiro não brota da terra nem de discursos bonitos. Ou este país cria as condições para gerar riqueza e entrar num círculo virtuoso de desenvolvimento ou permanecerá eternamente neste círculo vicioso de atraso em que estamos nos últimos cinco séculos.

PauloOsk

Dinheiro tem, eh so um stf da vida parar de viver de lagosta que sobra. Falar que o Brasil nao tem dinheiro eh um absurdo sem fim.

Underground

Segundo lote: quatro aeronaves.
Vou me jogar no chão e rir.
Ninguém segura esse país.

Nilo

É o que tem de certo para hoje na FAB.
Já limpou o chão?
O último que tentou segurar perdeu a eleição e logo vai está com um monte de processo a responder.

Victor

Esse não é ainda o segundo lote. Seria apenas um acréscimo de 4 aeronaves ao primeiro lote de 36.Se houver mesmo o segundo lote, será uma outra negociação, com outras condições (talvez 100% da produção aqui no Brasil) e outras quantidades (A galera ta chutando entra 12, os mais pessimistas, e 32 os mais otimistas)

Felipe

26 até 32

Fernando "Nunão" De Martini

Você leu a matéria?
Não é segundo lote, é aditivo ao primeiro lote.

Felipe

Estas 4 aeronaves são um adendo previsto no contrato. Assim como o contrato das TAMANDARÉ prevê 2 fragatas extras. Não são o segundo lote, este terá um contrato próprio e vai ter de passar pelo Congresso.

Camargoer.

Olá Felipe. Mais ou menos isso. Um contrato de compra pode constar opções. Isso facilita a contratação de unidades adicionais porque já consta no contrato inicial. È praticamente uma decisão administrativa. No caso dos F39, junto com o contrato de aquisição das 36 unidades, também foram assinados inúmeros contratos secundários. Também foi assinado um contrato de financiamento com um banco sueco. Neste caso, o financiamento tem que ser aprovado pelo Senado. Toda nova dívida do setor público tem que passar pelo Senado. Por outro lado, se for usar recursos do Tesouro, só é preciso uma lei orçamentária na Câmara. Aditivos… Read more »

Matheus

EDITADO
2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas

Satyricon

A lei de licitações permite um acréscimo de 25% aí contrato original, sem a necessidade de nova licitação
(Lembrando-se que compras militares relacionadas à segurança nacional estariam desobrigada à obedecer este limite, sob certas condições)
“Em tese”, poderiam ser mais 9 unidades, totalizando 45 (neste contato).

Sensato

Sem licitação? Tenho medo.

Camargoer.

Caro. No caso dos caças, a licitação foi feita para a escolha do modelo. Uma vez definido o F39, não há mais necessidade de outra licitação, Um navio de patrulha, por exemplo, pode ser construído por diferentes estaleiros. Neste caso, é razoável uma nova licitação para cada lote. No caso do F39, só existe um fornecedor que já foi escolhido. Outra licitação apenas se a FAB estivesse disposta a adquirir outros modelos diferentes.

Leonardo

Só teríamos uma soberania área decente com pelo menos o dobro do número da aquisição inicial e com a aquisição de várias unidades de Sistemas Antiaéreos a serem distribuídas por pontos estratégicos do país! Sem isso, basta um porta aviões dos EUA pra liquidar com nossas defesas aéreas…

Maurício.

Contra os EUA, nem com o triplo de Gripen e sistemas de defesa aérea, sejam eles quais forem, contra um país do nível dos EUA, só se o Brasil possuísse artefatos nucleares e seus meios de entrega, veja a Coreia do Norte, só possuí sucatas em sua força aérea, mas possuem artefatos nucleares, ou seja, nunca será invadida pelos EUA.

Leonardo

Não falo CONTRA OS EUA, mas pelo menos contra UM PORTA-AVIÕES dos EUA, já que na atua conjuntura nem contra isso temos defesas suficientes…

Maurício.

Ah, se for apenas contra um porta-aviões, sozinho, sem escoltas, nem precisamos do dobro de Gripen, mandamos o Tikuna e já eras, é fim de jogo para o porta-aviões.😂

Sensato

Se fosse contra um dos NAes deles, como não seria contra eles? Será que tem algum arrendamento em negociação? Se não, por qual razão você acha que eles mandariam apenas um? O planejamento militar é sempre para se lutar na maior vantagem possível. Ninguém vai para o combate buscando um mano a mano.

Leonardo

Acho que funcionaria, ao menos, como uma certa “dissuasão” saber que não é suficiente apenas um NAe para “sobrepujar” toda a defesa aérea de um país…

Sensato

Eles tem 11. Se precisar de um mandam 3. Se precisar de 2, mandam 5, por aí vai. A lógica é sempre a da superioridade tão esmagadora quanto possível.

Leandro Costa

Na verdade não foi por isso que a Coreia do Norte ainda existe. Caso contrário ela teria desaparecido em algum momento nas décadas anteriores a quando eles detonaram seu primeiro artefato nuclear. A Coreia do Norte ainda existe, única e exclusivamente, porque a China quer que exista.

Maurício.

Pode ser, mas hoje, com os artefatos nucleares, dúvido muito que ela sofra uma invasão de um país alheio, como está acontecendo na Ucrânia e como aconteceu com Georgia, Iraque, Síria, Líbia e tantos outros.

Leandro Costa

A sua premissa é de que a Coréia do Norte ainda existe e não foi invadida devido à suas armas nucleares. A premissa é falsa sob qualquer ótica, justamente porque de 1950 até os dias atuais, quem banca a existência da Coréia do Norte é a China. E ela só tem armamento nuclear porque a China deixou ela ter para que existisse um elemento de instabilidade e ameaça à mais na região, mas decididamente sob seu controle. É uma forma de pressão mais do que uma forma de manter a integridade territorial da Coréia do Norte, que após 1953 simplesmente… Read more »

Maurício.

Eu concordo que quem banca a CN é a China, a CN é um capacho da China, agora, dizer que a premissa é falsa, aí eu já não concordo, eu lembro que Trump e Kim viviam um “amor e ódio” em uma semana apertavam as mãos mas na outra discutiam para ver quem tinha o “botão nuclear maior”. A CN foi praticamente dizimada na guerra, afinal, praticamente tudo que se movia era alvo de ataques, e isso os próprios americanos afirmam, inclusive os civis, foram anos de ataques aéreos, sem distinção entre alvos civis ou militares, exatamente o que a… Read more »

Leandro Costa

Maurício, quando falo que sua premissa é falsa, é por causa dessa frase: “(…) veja a Coreia do Norte, só possuí sucatas em sua força aérea, mas possuem artefatos nucleares, ou seja, nunca será invadida pelos EUA.” Ela parte do princípio de que a Coréia do Norte precisa de armas nucleares para não ser invadida, e por isso ela é falsa. A Coréia do Norte já foi muito, mas muito mais agressiva pós 1953, inclusive capturando navio americano, atacando e matando militares tanto dentro da DMZ quanto em ações de infiltração dentro de território Sul-Coreano, e ainda assim não foi… Read more »

Maurício.

Leandro, então se eu entendi, na sua opinião, o que garante de fato uma não invasão da CN é a sua aproximação com a China, e não suas nukes, é isso? De resto, sobre a guerra da Coreia, a CN foi praticamente dizimada, não tem como alguém tentar negar isso, não importando o meio que os americanos escolheram, é como escolher entre matar alguém com um único disparo de .40 ou com vários disparos de .22, o resultado é praticamente o mesmo! Mas, não vou me aprofundar muito nesse tema, já que está saindo do tema da matéria, logo, algum… Read more »

Leandro Costa

Acho que como estamos debatendo como adultos, ao invés como aborrecentes, não vai ter muito problema com moderação não hehehehehehe Mas enfim, sim, é básicamente isso mesmo. Sem a patronagem da China, a Coréia do Norte não teria subsídios para existir, e isso bem antes das armas nucleares, e isso foi estabelecido em Novembro de 1950 e formalizado em 1953. A Coréia do Norte nunca precisou de armas nucleares. Ela nunca foi ameaçada, mas sempre tentou se manter como uma ameaça, como um cão que ladra, dá umas bicadinhas, mas efetivamente não ataca. A coisa foi tão clara que esse… Read more »

Maurício.

Leandro, só para deixar claro, eu não estou defendendo a CN, nem durante a guerra, nem agora, eu acho o Kim um ditador da pior espécie, mas, não podemos negar os excessos cometidos pelos americanos, afinal, uma coisa não exclui a outra, de resto, eu concordo com você, guerras são sempre uma calamidade.

Leandro Costa

Pois é, nisso concordamos. Acho que nenhum abuso deve ser negado. Mas eu traço uma linha quando algo é ‘efeito colateral’ enquanto algo é feito ‘de projeto’ com a intenção de se acertar civis. E a coisa varia bastante mesmo durante a Segunda Guerra Mundial. Diferentes comportamentos em diferentes teatros de operação e por aí vai. Mesmo assim ainda é complicado enxergar um parâmetro universal para esse tipo de comportamento. Vamos nos seguir pelas orientações gerais da carta da ONU ou pela cultura de cada país, pelas práticas das épocas analisadas, etc.? A visão de um americano dos dias de… Read more »

Allan Lemos

Não, ela existe porque pode destruir Seul com sua artilharia, que seria impossível de ser completamente neutralizada em um curto espaço de tempo. É uma situação sui generis.

Leandro Costa

Não é nem por causa disso, Allan. É a China que paga as contas, foi a China que fez com que a Coréia do Norte não ruísse de dentro para fora por todos esses anos. É ela quem patrocina todos os armamentos Norte-Coreanos e que possibilitaram inclusive que a Coréia do Norte tivesse toda essa artilharia. Em 1953 a Coréia do Norte mal tinha exército. A maior parte de seu equipamento pesado (blindados, artilharia, etc.) havia sido totalmente destruído. Não fosse pela China ela teria deixado de existir já em 1950. Uma barragem de artilharia em Seul seria terrível, mas… Read more »

Allan Lemos

Concordo, você não está errado, de modo geral é a China que sustenta o regime. Mas falando de um ponto estritamente militar, não há dúvida que a Coreia do Sul aniquilaria a outra, mas creio que o custo para isso seria proibitivo. Nós sabemos que regimes totalitários não se importam com vidas humanas, mas não acho que os sul-coreanos aceitariam pagar a vitória com a vida de 100k compatriotas, talvez até mais, a menos que fossem atacados primeiro. Ainda tem outra questão, por pior que seja, o regime da família Kim mantém uma certa estabilidade no país(sabemos que de louco… Read more »

Leandro Costa

Acho que o receio maior seria econômico. A Coréia do Sul de repente teria que bancar um outro país do mesmo tamanho, fora a questão de reconstruir o que quer que fosse destruído dentro de seu próprio território. Mais ou menos como a Alemanha quando se reunificou. Ninguém achou que a Alemanha teria condições econômicas de bancar a reunificação e se recuperar economicamente por décadas e décadas, mas deu no que deu. Claro que a situação era completamente diferente, já que a Coréia do Norte é praticamente um feudo que fazia a Alemanha Oriental parecer um país extremamente futurista. Mas… Read more »

Up The Irons

Por isso defendo que tenhamos uma força de submarinos imponente. Partindo do princípio que o invasor não apele pra guerra nuclear, seria muito difícil desembarcar aqui. Olhem o Japão: território nanico, mas com 22 submarinos ativos. Duvido algum carrier strike group tentar chegar muito perto dali… É certeza de se juntar aos corais.

Dod

quantos caças tem em um esquadrão na FAB ?

Santamariense

Depende. Uns tem 12…outros 14…outros 16.

Fernando "Nunão" De Martini

Atualmente cerca de 14, no caso dos caças F-5M.
Mas se está perguntando de asas rotativas, transporte, patrulha, os números variam muito.

Dod

obrigado pela resposta 🙂

Pitágoras Eugênio Batista da Silva

É muito importante para o Brasil adquirir esse segundo lote de F39 Gripen, pq é necessário termos uma massa significativa de aeronaves. A Força Aérea deveria adquirir pelo menos 30 aeronaves, na minha opinião.

rommelqe

Eu acredito que a diferença de preços/custos relativa entre o 39E e o 39F possa ser a razão das renegociações. Em tese o maior custo de produção dos bipostos resultaram com que a economia devida à transferencia da fabricação do Brasil para a Suecia seja suficiente para pagar os 4 novos monopostos adicionais ainda no âmbito do primeiro lote. Notar que todos os custos de desenvolvimento estariam sendo certamente contemplados, inclusive com a indispensável fabricação de pelo menos um protótipo (que não viria a ser operacional), o qual seria de propriedade sueca, uma vez que entendo que o fabricante possa… Read more »

JORGEMATEUS77

Dá vontade de rir quando vê esse cronograma original e o “atualizado” ….

Koprowski

Acredito que, na situação econômica atual e futura, este Lote 01 + 04 aeronaves sejam para equipar 02 esquadrões: o 1. GDA e o 1. GAvCa (deve ser extinto um dos 02 esquadrões). O Esquadrão Adelfi não será mais ativado, na BAAN. Já o Lote 02, composto de 12 à 16 aeronaves, deverá substituir os últimos F-5M, concentrados na BACO, além dos A-1M, cujos Esquadrões Centauro e Poker poderão ser extintos. A BASM não terá mais aeronaves de caça e ataque. Os 08 F-39F deverão ser distribuídos entre estas 03 unidades, nas BAAN, BASC e BACO.

Fernando "Nunão" De Martini

Acredito que, na situação econômica atual e futura, este Lote 01 + 04 aeronaves sejam para equipar 02 esquadrões: o 1. GDA e o 1. GAvCa (deve ser extinto um dos 02 esquadrões).”

Os dois esquadrões do 1º GAVCA há muito tempo operam como uma unifade só e com dotação de aeronaves de um só esquadrão (a mesma dotação do 1º/14º GAV). A divisão na prática é apenas para manter tradições, competição / rivalidade interna (tipo Grifinória x Sonserina…), com dois códigos de rádio, mas apenas isso. Ou seja, não precisará extinguir um dos dois esquadrões da tradição do grupo.

Santamariense

Na minha opinião, se a BASM não operar aeronaves à jato, vai operar A-29. Seria muito desperdício da grande infraestrutura dessa Base se ela ficasse apenas com os 6 H-60L do Pantera e os 5 Hermes 450/900 do Horus.

Felipe

Há chances reais de Santa Maria receber um lift, M346FA italiano provavelmente.

Rinaldo Nery

É pergunta ou afirmação? Quem disse?

Santamariense

Isso é o que você imagina e torce ou é uma informação real??

Koprowski

Também entendo ser esta a opção lógica, mantendo um esquadrão com aeronaves na fronteira sul do país.

Koprowski

Aeronaves A-29

Allan Lemos

Para quê? No Sul só tem cachorro morto, faria mais sentido na Amazônia ou em Natal.

Santamariense

Natal já tem A-29. E na Amazônia tem 2 esquadrões de A-29.

RPiletti

No RS existem Canoas e Santa Maria. Muita base e pouca aeronave.

Felipe

A FAB trabalha com o planejamento de 66 até 70 aviões Gripen, 40 + 26/30, lembrando que o segundo lote poderia ter um adicional assim como o primeiro em breve terá +4.

Leopoldo

Essa ideia de transferência de tecnologia para um país que não possui continuidade nos programas estratégicos e muito mesmo orçamento é perca de tempo. É mais razoável adquirir lotes prontos com um pacote de logística generoso e seguir a vida. Além disso, não vejo muita responsabilidade orçamentaria por parte das 3 forças, principalmente a Marinha que vem a muito tempo comento erros. Aquisição mesmo dessas fragatas via transferência de tecnologia não faz o menor sentido, pq a única coisa que faremos aqui é apertar parafusos e rebites.

Fernando "Nunão" De Martini

“Aquisição mesmo dessas fragatas via transferência de tecnologia não faz o menor sentido, pq a única coisa que faremos aqui é apertar parafusos e rebites.” Leopoldo, Já faz muitas décadas que fragatas não têm mais cascos construídos com rebites. Também acho que você precisa se atualizar sobre o que realmente vem sendo feito nos processos de transferência de tecnologia. Tem bastante matéria publicada aqui e no Poder Naval, sobre Gripen e Tamandaré. Pode-se concordar ou não, criticar a falta de continuidade posterior, valores etc, e o espaço aqui é pra isso mesmo. Mas a transferência de tecnologia vai muito além… Read more »

Zehpedro

O TOT inclui a instrução dos engenheiros envolvidos nos projetos, mas quem garante que esses engenheiros vão ficar desenvolvendo projetos aqui o Brasil? A própria embraer reclamou de um revoada de profissionais “roubados” recentemente pela boeing….

Fernando "Nunão" De Martini

O que garante é começar um novo programa. É assim que funciona.
Funcionou várias vezes, em outras tantas não.

Allan Lemos

Acho que o que ele quer dizer é que essa tecnologia não será usada no sentido de buscar o desenvolvimento de um caça nacional.

Gastou-se uma fortuna pela “ToT” do Gripen, sendo que daqui a 30 anos, quando precisarmos novamente de um caça, o compraremos de algum outro país.

Faria muito mais sentido usar o dinheiro da “ToT” para comprar mais unidades do Gripen. Até porque a tecnologia recebida não é algo de outro mundo.

Fernando "Nunão" De Martini

Não necessariamente, Allan. Há casos bem-sucedidos de aplicação futura de tecnologia de uso militar absorvida, no Brasil, e casos mal-sucedidos. Tanto em épocas de bonança quanto restrições de recursos. Não dá pra dizer de antemão em qual dos dois vai se enquadrar o caso do Gripen, isso seria puro achismo. E a transferência de tecnologia não está restrita a desenvolver futuros caças, seja um desenvolvimento nacional ou parceria. Este é só um dos itens, ainda que eu considere fundamental. Tem diversos itens outros que se referem à manutenção dos caças ao longo das próximas décadas, e spin-offs possíveis para outras… Read more »

M4l4v|t4