Home Armas Nucleares Rafale lança com sucesso míssil de cruzeiro nuclear ASMPA

Rafale lança com sucesso míssil de cruzeiro nuclear ASMPA

5085
113

Em 9 de dezembro de 2020, a Direção-Geral de Armamentos (DGA) francesa, juntamente com a MBDA e a Dassault, realizaram com sucesso o primeiro teste de lançamento do míssil de cruzeiro nuclear ASMPA atualizado (missile Air-Sol Moyenne Portée Amélioré). O míssil está em serviço com os caças Rafale M da Marinha Francesa.

Este lançamento de desenvolvimento foi executado para a MBDA, que atua como contratada principal, de um caça a jato Rafale operado pela Dassault Aviation.

O teste de tiro foi apoiado pela Marinha Francesa e pela Força Aérea e Espacial Francesa. Ao longo da fase de voo, o míssil foi monitorado pela DGA Essais de mísseis em Biscarosse, Hourtin e Quimper, com a participação da DGA Essais en vol.

O ASMPA é um míssil de cruzeiro supersônico que carrega uma ogiva nuclear. É parte do componente nuclear aerotransportado da França. O ASMPA foi inicialmente usado no caça-bombardeiro Mirage 2000N-K3 até 2018, antes de ser integrado ao Rafale F3R. O míssil entrou em operação com a Força Aérea Francesa (Armée de l’Air) em 2009 e com a Marinha Francesa (Marine Nationale) em 2010.

A França lançou em dezembro de 2016 o programa de atualização de meia-idade ASMPA. O objetivo é antecipar a obsolescência e melhorar o desempenho dos mísseis. Para tal, a DGA conta com o apoio e experiência do centro nacional francês de investigação aeroespacial ONERA, já envolvido na versão anterior.

O ASMPA atualizado será o próximo míssil estratégico operado pela Força Aérea Estratégica (FAS) e pela Força de Aviação Naval Nuclear (FANu).

Este teste de disparo do fabricante permite a conclusão da fase de projeto detalhado e anuncia o lançamento da fase de qualificação em 2021 e da produção em série. A partir da data de hoje até à entrada em serviço, será efectuado um disparo de qualificação, sob a responsabilidade da DGA. Uma vez alcançado este segundo lançamento de teste, a Marinha e a Força Aérea da França poderão realizar disparos de treinamento.

O ASMPA será substituído pelo futuro míssil estratégico ASN4G, em desenvolvimento com a DGA.

Subscribe
Notify of
guest
113 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
7 dias atrás

Míssil fabricado para abater de uma só vez locais bem específicos, como portos, grandes bases militares e etc. Claro, pode ser usado em qualquer lugar, mas acredito que seu objetivo seja locais como este.

rui mendes
rui mendes
Reply to  DOUGLAS TARGINO
6 dias atrás

A bomba lançada sobre Hiroshima, tinha menos de 20 kiloton. , e destruiu praticamente toda a cidade, então a cabeça nuclear deste míssil, com 300 kiloton. só destrói um porto ou uma base militar??
Para destruir uma base ou um porto, nem sequer é preciso armas nucleares.

Kemen
Kemen
Reply to  rui mendes
6 dias atrás

Exatamente, se lançada num porto, arrasaria a cidade inteira e as regiões próximas e os efeitos radiativos ultrapassariam em muito essas regiões..

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Kemen
6 dias atrás

A loucura continua…

Antônio Palhares
Antônio Palhares
Reply to  Joao Moita Jr
5 dias atrás

É.
Os homens pensando-se sábios. Tornaran-se loucos.

Ricardo
Ricardo
Reply to  Antônio Palhares
5 dias atrás

Guarda o que tens, por que cedo vem.

Marcelo M
Marcelo M
Reply to  rui mendes
5 dias atrás

Sim. Míssil estratégico. De dissuasão nuclear. Talvez com a possibilidade de uso tático para enfrentar uma enorme composição de forças, como se imaginava na época da Guerra Fria, como uma enorme concentração de veículos do pacto de Varsóvia invadindo o ocidente pela Alemanha Oriental. Agora talvez a China?

Luis Aurelio Contin
Luis Aurelio Contin
Reply to  Marcelo M
3 dias atrás

Míssil nuclear tático ??? Se numa guerra entre duas nações nucleares, uma delas usar uma arma destas a outra irá retaliar de igual forma. Ou seja, usou armas nucleares é guerra total, tudo é alvo.

Tamandaré
Tamandaré
Reply to  DOUGLAS TARGINO
5 dias atrás

Caro Douglas,

Este míssil não é como uma arma tática. A França (ao contrário de EUA, Rússia, China, Índia e Paquistão) não possui mísseis balísticos “tradicionais” em seu arsenal nuclear. A mesma situação ocorre com o Reino Unido.

Portanto, os mísseis de cruzeiro aerotransportados utilizados por eles 🇫🇷 não carregam ogivas de baixa potência. São na verdade o seu principal meio dissuasório nuclear, não uma alternativa tática.

França só tem SSBN e ASMP.
Reino Unido só tem SSBN.

Forte abraço! 🙂

rui mendes
rui mendes
Reply to  Tamandaré
5 dias atrás

Não possuí mísseis balísticos tradicionais???
Os mísseis de cruzeiro nucleares, são o seu principal meio dissuasório??
Só novidades, então os mísseis balísticos intercontinentais M51 com 9000km de alcance e com capacidade de cada um transportar 6 cabeças nucleares, são o quê????

Tamandaré
Tamandaré
Reply to  rui mendes
5 dias atrás

Caro Rui, os M51 são mísseis lançados de submarinos, conhecidos pela sigla SLBM. O míssil balístico “tradicional” é aquele lançado de uma plataforma terrestre (baseado normalmente em foguetes longa marcha), conhecido pela sigla ICBM. Deste último, temos como exemplos o Minuteman americano e o Topol russo. Os franceses, portanto, não possuem uma tríade nuclear. Seus meios dissuasórios estão concentrados pela Marinha e Força Aérea. Países que não possuem ICBMs normalmente constroem mísseis de cruzeiro mais “completos”, já que possuem uma maior dependência destes. São mísseis como o ASMPA; supersônicos, maior alcance, maior ogiva… Já os países com tríade nuclear têm… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
7 dias atrás

Qual a potência da ogiva desse míssil?

Marcelo
Marcelo
Reply to  Willber Rodrigues
7 dias atrás

300 kt

Carlos Crispim
Carlos Crispim
Reply to  Marcelo
7 dias atrás

Bem grande, não imaginava.

Pablo
Pablo
7 dias atrás

Espero que possamos ver uma cena semelhante por aqui (apensar de falta de vontade política), no caso com o Micla.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Pablo
7 dias atrás

Antes de termos algo como tal, precisamos nos consolidar com o mínimo de equipamentos não-nucleares. Ou seja, podemos dizer que mísseis de cruzeiro, defesa aérea no geral, defesa naval no geral, satélites, enfim, precisamos construir uma rede de defesa primeira não-nuclear para depois pensar nisso.

Pablo
Pablo
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 dias atrás

me referi apenas ao míssil de cruzeiro

johnwolque
johnwolque
Reply to  DOUGLAS TARGINO
6 dias atrás

só complementando o teu post ,precisaríamos nos consolidar primeiramente como potencia econômica antes de tudo ,do jeito que estamos frágeis economicamente com certeza viriam sanções pesadas contra o Brasil

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
Reply to  Pablo
7 dias atrás

Talvez vc nunca verá! A não ser que o Tio Sam permita…

Pablo
Pablo
Reply to  Yuri Dogkove
7 dias atrás

Tu leu e entendeu meu comentário?

Andre
Andre
Reply to  Yuri Dogkove
6 dias atrás

É verdade. Deveríamos nós associar a algum ex feudo russo no desenvolvimento de novas tecnologias. Talvez a Ucrânia seja um parceiro mais confiável, ou talvez com a própria Rússia, os indianos estavam entrando no desenvolvimento do su57 e só saíram prq o projeto era ruim, na opinião deles, que foram os únicos que colocaram as mãos no projeto. Tem ainda a opção do Irã, eles ajudaram a Rússia no desenvolvimento da maquete do porta aviões deles.

Pablo
Pablo
Reply to  Andre
6 dias atrás

Os ucranianos nos deram o que no programa espacial?

Andre
Andre
Reply to  Pablo
6 dias atrás

É sério que vc está me perguntando isso?

Pablo
Pablo
Reply to  Andre
6 dias atrás

Tu nao falou nos ucranianos? Se nao estiver enganado, eles nos deram um prejuizo de 1 bi

Last edited 6 dias atrás by Pablo
Flanker
Flanker
Reply to  Pablo
6 dias atrás

Meu caro, o Andre foi irônico no comentário dele….

Alessandro
Alessandro
Reply to  Yuri Dogkove
6 dias atrás

Só o Tio Sam? Acho que esse clubinho do contra é muito maior, coloca ae a Europa inteira!!

Segatto
Segatto
Reply to  Alessandro
5 dias atrás

Coloca todo mundo, nenhum país quer o surgimento de mais potências, só ajudam se forem aliados próximos e o Brasil tem nenhuma grande potência nessa condição

Alessandro
Alessandro
Reply to  Segatto
5 dias atrás

Mas esses “dois” é o que mais jogam contra, usam o discurso do meio ambiente e direitos humanos pra nos atrasar.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
7 dias atrás

Me impressiona o fato da França, um membro da OTAN, já operar um míssil hipersônico há tanto tempo e os EUA só estarem começando agora

DSC
DSC
Reply to  Jadson Cabral
7 dias atrás

Oi?

Leia outra vez o texto…

O ASMPA é apenas supersônico (velocidade máxima de Mach 2-3).

https://www.mbda-systems.com/air-dominance/asmpa/

https://www.mbda-systems.com/?action=force-download-attachment&attachment_id=5253

Hipersônico é acima de Mach 5.

Last edited 7 dias atrás by DSC
Mario
Mario
Reply to  Jadson Cabral
7 dias atrás

Jadson, o ASMP-A tem alcance de 80-300 km (dependendo da altitude de lançamento) e velocidade de até Mach 3 de acordo com https://missilethreat.csis.org/missile/asmp/. Os mísseis hipersônicos em desenvolvimento nos EUA, China e Rússia têm velocidade acima de Mach 5 e alcances acima de 1000 km, pelo que eu sei

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
Reply to  Mario
7 dias atrás

Caro Mario, o Kinzhal da Rússia não está em desenvolvimento, está operacional.

Mario
Mario
Reply to  Yuri Dogkove
7 dias atrás

Obrigado pela correção Yuri

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Mario
7 dias atrás

Os franceses estão desenvolvendo o ASN4G, que deverá ser hipersônico, com alcance próximo de 1000 km.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Mario
6 dias atrás

Errado, o ASMP-A têm um alcance superior a 500km e é tri-sónico, não é hiper-sónico.

Bosco
Bosco
Reply to  Jadson Cabral
7 dias atrás

O ASMPA é supersônico e não, hipersônico.
Talvez você se refira especificamente a mísseis de ataque de longo alcance com ogiva nuclear, lançados por aeronaves. Se for o caso, os EUA já operou os seguintes mísseis supersônicos:
1- Hound Dog – Mach 2.2
2- SRAM – Mach 3+

*Os EUA opera vários mísseis supersônicos e hipersônicos de todas as classes.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Jadson Cabral
7 dias atrás

Não confunda supersônico com hipersônico. Supersônico é qualquer coisa acima de mach 1(~1200km/h), hipersônico é mach 5 ou superior.

Andre
Andre
Reply to  Jadson Cabral
6 dias atrás

Me impressiona nem ler a reportagem e falar isso.

Tanta opinião e tão pouca informação….

Kemen
Kemen
7 dias atrás

Para se ter uma idéia da capacidade de destruição desse missil, a bomba Atômica de Hiroshima tinha uns 16 Kilotons e a de Nagasaki 22 Kilotons, a carga termo nuclear desse relativamente pequeno missil tem 300 Kilotons., com um alcance de +- 500 km e pode chegar a mach 3. Outro detalhe os futuros submarinos Columbia que substituirão os Ohio, poderão levar 16 misseis Trident, com 455 Kilotons cada um. Atualmente os submarinos Ohio que serão subtituidos pelos Columbia tem capacidade de levar 24 Trident, mas levam apenas 20, as cargas nucleares podem ser de 7 , 80, 100 ou… Read more »

Genilson
Genilson
Reply to  Kemen
7 dias atrás

Vamos combinar, que alvo é esse que permite a aproximação de 300km sem ser identificado e abatido, só se for a Somália, pq os ditos inimigos da Otan vêem e intercepta rapidamente esse míssil ou a própria aeronave em questão que nem é de 5 ° geração, pra mim é o “francês” ver….

Bosco
Bosco
Reply to  Genilson
6 dias atrás

Genilson,
Ter uma segunda perna nuclear além dos SLBMs dá flexibilidade de resposta à França. Há inúmeros cenários onde um ALCM é interessante, mesmo com 300 km de alcance.
O caça pode se aproximar em baixa altura de um alvo protegido e logicamente, pelo alcance do caça e do míssil, ele não visa o interior da Rússia. Ele é um míssil para ser usado num perímetro defensivo ao redor da França, como se dissessem: “daqui ninguém passa”

rui mendes
rui mendes
Reply to  Genilson
6 dias atrás

Alcance de 500km, não de 300km, como dizes e com uma velocidade de Mach 3, e actualmente caças de 5g, só o F35 dos EUA está a começar a integração de armas nucleares, e se não me engano, é a bomba nuclear americana, em uso por vários países da NATO, e se achas que só países com defesa aérea como a Somália, estão vulneráveis, estás muito enganado.

Tiger 777
Tiger 777
Reply to  Kemen
7 dias atrás

Quantos kms quadrados de uma cidade estes 300 ktn são capazes de destruir???
Alguém tem alguma tabela, sobre este assunto?? Grato

pangloss
pangloss
Reply to  Tiger 777
7 dias atrás

O poder de destruição varia conforme o alvo. Uma cidade de topografia plana oferecerá menos obstáculos à expansão da onda de choque, e portanto sofrerá mais danos do que uma cidade de topografia acidentada.

John Peter Scharnhorst Ott
John Peter Scharnhorst Ott
Reply to  pangloss
6 dias atrás

Errado. A topografia plana dispersa a energia de tal forma que sua onda de choque perde poder de devastação. O estrago causado pelas bombas Litlle Boy e Fat Man em Hiroshima e Nagasaki foi inesperado. Em Hiroshima uma área de 10 km2 da cidade foi devastada. A explosão foi sentida por mais de 60 km de distância. Em Nagasaki, a bomba destruiu uma área de 7,7 km2. Cerca de 40% da cidade ficou em ruínas.
As montanhas provocaram um efeito reverberando e as after shock waves voltaram terminando o “serviço”. Tal qual uma pedra jogada num tanque d’água.

antonio mattioli
antonio mattioli
Reply to  Tiger 777
6 dias atrás

Tiger no site: https://nuclearsecrecy.com/nukemap/ . poderás fazer uma simulação.

Kemen
Kemen
Reply to  Tiger 777
6 dias atrás

Poderia se consiferar + – 10 a 13 vezes mais que a destruição de Nagasaki, depende do perfil geografico (cotas) de toda a região, construções existentes, áreas como lagos, existencia de mar próximo, etc

Kemen
Kemen
Reply to  Kemen
6 dias atrás

Acho que preciso detalhar que esse 10 a 13 vezes mais acima se refere a área atingida, área de um teórico circulo, em relação ao tipo de estragos que a bomba poderia fazer em relação a tudo, desde construções a vida animal.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
7 dias atrás

França mostrando seu poderio nuclear.

sergio ribamar ferreira
7 dias atrás

aqui. #2 anos de atraso por conta de politicagem e falcatruas. agora sentindo o gosto de sanções. Bem, militares vivem numa bolha e não interferiram em nada para mudá-la. não temos poder algum de dissuasão que faça frente a agressão mesmo por palavras de uma potência. Vergonhoso como Defesa, Segurança, saúde e Educação foram colocados a margem em nosso país.

sergio ribamar ferreira
Reply to  sergio ribamar ferreira
7 dias atrás

32 anos de atraso.

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
Reply to  sergio ribamar ferreira
7 dias atrás

E contando…

Eliton
Eliton
Reply to  sergio ribamar ferreira
7 dias atrás

520 anos de atraso

pangloss
pangloss
Reply to  Eliton
7 dias atrás

Já éramos (muito) atrasados antes de 1500.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  sergio ribamar ferreira
6 dias atrás

Mas no reinado de D.Pedro II, a defasagem era pouca….

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  sergio ribamar ferreira
4 dias atrás

Principalmente Saúde e Educação. Um país que quer ser grande investe primeiro em Educação maciçamente e depois do resto das prioridades do país!

Adriano RA
Adriano RA
7 dias atrás

É impressionante a configuração de armas e tanques desse Rafale das fotos. Muito bonito.

filipe
filipe
7 dias atrás

esse Míssil é o Avó do MICLA-BR , por cá a FAB vai armar os Gripens com os Meteor e os Micla-BRs , se der certo … A Venezuela já tem mísseis iranianos e chineses.

rui mendes
rui mendes
Reply to  filipe
6 dias atrás

Nada a ver, o míssil da mesma família do futuro micla-br, seria o storm-shadow.

Paulo Sollo
7 dias atrás

Esta é uma arma estratégica, com um poder de destruição avassalador, diga-se, que numa guerra nuclear seria usada após os ataques com mísseis balísticos contra o que restasse, a não ser que eles mesmos iniciem a guerra com um ataque preventivo utilizando estes mísseis. Mas a França abriu mão de ICBMs em silos terrestres. A Rússia está prestes a efetuar o primeiro teste de lançamento do Sarmat, que levará 10 ogivas na classe dos megatons ou 16 ogivas menores a 10mil Km/h. E segundo dizem tem a capacidade de devastar uma área do tamanho da França. E dada a distância… Read more »

Last edited 7 dias atrás by Paulo Sollo
Mestre D'Avis
Mestre D'Avis
Reply to  Paulo Sollo
7 dias atrás

Paulo, apenas algumas considerações 1-O Sarmat não vem fazer nada que os actuais ICBM Russos não façam. Se carregar 16 ogivas não serão de mais de 300/400 kt cada. Isso de 1 missil que destroi “uma área do tamanho da França” são exageros publicitários. Pode ir aqui https://nuclearsecrecy.com/nukemap/ Para simular uma explosão e ver que nem com a Tsar Bomba se destrói toda a França. 2-Não ter ICMB terrestre retira o seu território de ser um alvo para “first strike”. A França mantém um arsenal suficiente para dissuadir um ataque. Os SLBM num unico submarino são suficientes para destruir as… Read more »

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Mestre D'Avis
6 dias atrás

Você está equivocado. O Sarmat vair ter de 10 a 16 ogivas de 3 megatons cada. Convertendo megaton para kiloton, seriam 3.000kt cada, cerca de 10 vezes mais do que os 300/400kt que você imaginou. O poder nuclear de 1 Sarmat, se carregado ao máximo, pode chegar a uns 45 megatons, ou seja, quase uma Tzar, que explodiu com o poder de 50 megatons. A diferença é que, na Tzar, a explosão teve seu epicentro num ponto só, mas no Sarmat seriam espalhada por 16 pontos diferentes. Sinistro.

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  100nick-Elã
5 dias atrás

Fonte? Aqui estão as minhas: https://www.deagel.com/Offensive%20Weapons/Sarmat/a002919 https://www.jstor.org/stable/resrep19984.7?seq=2#metadata_info_tab_contents http://www.military-today.com/missiles/rs28_sarmat.htm Todas apontam, 10 ogivas de 750kt ou 16/24 menores, o que é uma carga normal para um ICBM pesado. Não são de 300/400kt mas estão muito longe dos 3Mt. Mas vai arranjar algo para mostrar que estou equivocado, vê se tem ai um whatsapp do Putin a dizer “16 ogivas de 3MT!!!” Todos os armamentos nucleares têm vindo a diminuir de potencia nas ultimas décadas, á medida que se aumenta a precisão e manobrabilidade. Sejam Russos ou Americanos! Já não estamos nos anos 60 Mas na cabeça de alguns maluquinhos de teclado,… Read more »

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  MestreD'Avis
4 dias atrás

A minha fonte é a Sputnik https://br.sputniknews.com/defesa/2018072111770489-russia-eua-arma-nucleares-sarmat/ Eles podem estar mentindo? claro que podem, mas da mesma forma, as suas fontes ocidentais também podem estar mentindo. Eu acredito neles, nunca vi russo blefar em questão de poderio nuclear; já você, acredite no que quiser. Quanto aos submarinos franceses, para sempre manter o poder de dissuasão contra a Rússia, melhor a França sempre manter alguns, 24h por dia, 7 dias por semana, em alto mar, porque a Rússia possui o Status-6: são só 100 megatons – duas Tzar – para transformar qualquer submarino ancorado em paçoca. Esses torpedos “tsunâmicos”, assim batizados… Read more »

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  100nick-Elã
4 dias atrás

Uma noticia do Sputnik.br mal traduzida e que nem sequer sabe as diferenças kt/Mt vs um relatório do “Bulletin of the Atomic Scientists” Para ver quão isenta é a noticia, basta ver que para o Trident consideram apenas 1 unica ogiva de 100kt quando o missil pode transportar 10 W88 de 450kt cada. Já para o Sarmat, e mesmo que a teoria das 10 ogivas de 5Mt fosse real, usaram o valor total da carga. Boa matemática! São essas as fontes que se comparam aqui a dá para ver quais são as preferidas Dizem que a potencia do Sarmat são… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  100nick-Elã
4 dias atrás

100, Esse artigo do Sputiniknews foi escrito pelo especialista em culinária. No dia o especialista em tecnologia bélica tava com COVID-19. Há inúmeros erros ali. Foi feito para abastecer a cabeça de leigos de primeiro grau. Por exemplo, ele cita que o míssil Trident tem rendimento de 100 Kt. Ora! Um Trident II pode levar 14 ogivas de 100 Kt (W76) , ou 8 de 475 Kt (W88). Ele cita o rendimento só de uma. Quanto ao Minuteman ele cita que tem poder de 475 Kt. BEEENNNN …. Errado de novo. O Minuteman III pode levar 3 ogivas de 335… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  100nick-Elã
5 dias atrás

Serão poucos Sarmat e o bom senso não aconselha colocar muitos ovos em uma cesta.
Os americanos possuem 400 Minuteman cada um com apenas uma ogiva na faixa de 300 Kt. É necessária 1 ogiva para neutralizar cada ogiva americana. No caso de um Sarmat ser atingido por uma ogiva são neutralizadas “16” ogivas.
*As estimativas mais realistas a respeito do Sarmat dão conta que ele possa carregar de 10 a 12 ogivas de na faixa de 750 Kt

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Bosco
4 dias atrás

“serão poucos Sarmat” – com todo o respeito que você merece e tem de mim, Bosco…conhece mesmo o que se passa na cabeça deles para afirmar isso?

Bosco
Bosco
Reply to  100nick-Elã
4 dias atrás

100,
Não é questão da cabeça deles. O tratado INF acabou , mas o START continua valendo e ele limita a quantidade de ogivas estratégicas. Como os russos têm outros meios de entrega eles não poderão ter muitos Sarmats.
Sem falar que o Sarmat vem para substituir o SS-18 que teve 46 unidades implementadas, e é muito pouco provável que o novo míssil o substitui um por um.

Junior
Junior
Reply to  Paulo Sollo
7 dias atrás

E os submarinos nucleares franceses ficariam aonde nisso tudo?

Paulo Sollo
Reply to  Junior
7 dias atrás

“a França revidaria com seus SLBM”.
Dê uma pesquisada pra saber o que significa isto que citei…

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Paulo Sollo
7 dias atrás

O problema é você achar que silos em terra são mais abrangentes que submarinos nucleares lançadores de mísseis balísticos. Tudo o que importa na Rússia é destrutível só com a carga dos subnucs franceses. Quando subir a primeira ogiva nuclear, sendo os dois lados portadores delas, acabou. Quem aperta o botão em 2021, onde as defesas balísticas ainda não são confiáveis, condenou a si próprio ao extermínio.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
Reply to  Fernando Turatti
7 dias atrás

As milhares de ogivas russas transformariam a França em um inferno de chamas e destruição, o revide francês quase não haveria. Apenas os EUA estão em pé de igualdade com a Rússia.

nonato
nonato
Reply to  Fabio Jeffer
6 dias atrás

Realmente numa situação de revide, não sei qual a utilidade desse míssil, avião pois ambos têm curto alcance e diferente de um bombardeiro, acho que esse Rafale não fica 24 h no ar.
Como seria usado, então?

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Fabio Jeffer
6 dias atrás

Deixa eu te perguntar: achas que o arsenal russo vai varrer os mares? Porque caso contrário, sobrarão os rafales no CdG e o pior: os submarinos de mísseis balísticos. A Rússia voltaria pra idade da pedra e teria sua população urbana toda extinta.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
Reply to  Fernando Turatti
6 dias atrás

Eu entendo muito bem, apenas fui irônico em relação a alguns comentários acima afirmando que agora a Rússia se borraria nas calças por causa desse míssil. A Rússia nunca temeu os EUA e não seria agora que temeria a França com um arsenal bem menor. Não querendo desmerecer o potencial nuclear francês mas vc esqueceu de mencionar que a frota de SSBN russa é muitas vezes maior que a França, e que ela possui muito mais vetores aéreos que a França, inclusive bombardeiros de longo alcance, e claro, todos podendo carregar milhares de ogivas nucleares de todos os tipos. Como… Read more »

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Fabio Jeffer
5 dias atrás

Você definitivamente leu errado. Uma guerra nuclear, que seja entre França e Rússia é o fim de ambos como países.
Literalmente não precisa ser do mesmo tamanho para fazer estrago semelhante, muito pelo contrário. 50 ogivas já estragariam qualquer país do planeta.

Kemen
Kemen
Reply to  Fabio Jeffer
5 dias atrás

Meu caro, os paises que estão no seleto clube de armas termo nucleares, todos eles temem a todos, pois a destruição seria incalculavel, me atrevo a afirmar que não haveria ganhador, todos os envolvidos seriam perdedores, e ainda sobraria alguma coisa para os paises limitrofes com os beligerantes, infelizmente.

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Fernando Turatti
6 dias atrás

Numa hipotética guerra nuclear França (sozinha) x Rússia, nuclear, a França causaria grandes danos à Rússia, mas essa poderia sobreviver e se reconstruir. Já a França, poderíamos apenas conhecê-la nos livros de história e a língua francesa sobreviveria, já que ainda seria falada em Quebec e nas ex-colônias francesas da África, Ásia e América.

Kemen
Kemen
Reply to  Fabio Jeffer
6 dias atrás

Numa guerra com armas nucleares, fica dificil imaginar que haveria dirigente que calculasse assim.

  • Do lado inimigo morreriam 80 milhões.
  • Do nosso lado morreriam apenas 30 milhões.

Só loucos elevados ao poder caculariam assim, também haveria os efeitos radioativos remanentes..

rui mendes
rui mendes
Reply to  Fabio Jeffer
6 dias atrás

Sabes nada sobre este assunto, as ogivas nucleares Francesas, embora em muito menor número, são capazes de destruir um continente, e embora sejam em muito menor número que as Russas, conseguem fazer os Russos, nem sequer pensar em atacar em primeiro a França, mas isto é conversa de café, pois contra a Rússia, em caso desta atacar qualquer país da NATO, seria a Própria NATO.

Kemen
Kemen
Reply to  rui mendes
6 dias atrás

Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN

Last edited 6 dias atrás by Kemen
rui mendes
rui mendes
Reply to  Kemen
6 dias atrás

Sim, tens razão, em português é OTAN.

Kemen
Kemen
Reply to  Fabio Jeffer
6 dias atrás

Esqueceu que a França faz parte da OTAN.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Fernando Turatti
6 dias atrás

Exactamente, ele está bem errado, pois os mísseis SLBM lançados dos SSBN são a escala máxima, no que respeita a dissuasão nuclear, isto dito pelos militares e analistas militares, basta ler um pouco, pois os ICBM, são muito mais fáceis de ser destruídos pelo inimigo.

Kemen
Kemen
Reply to  rui mendes
6 dias atrás

Sim, pois submarinos a energia nuclear são dificeis de localizar na imensidão dos mares e saber aonde estão.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Paulo Sollo
6 dias atrás

Os mísseis nucleares lançados dos submarinos SSBN, são o top do armamento nuclear, são a melhor e mais eficaz, mas também a mais difícil de construir das armas nucleares, por isso até hoje, a Índia têm ICBM, mísseis de cruzeiro nucleares lançados de aviões, mas ainda está a desenvolver os seus primeiros SLBM e respectivos SSBN’s, que são ainda muito inferiores aos Americanos, Russos, Franceses e Britânicos, e também aos Chineses, e mesmo a China só há pouco tempo, conseguiu se aproximar do nível dos SSBN’s e SLBM Ocidentais e Russos.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Junior
7 dias atrás

Lê ali em cima de novo considerando que SLBM significa Submarine Launched Ballistic Missile.

Paulo Sollo
Reply to  Junior
6 dias atrás

Vou ajudar aos ignorantes: SLBM-Submarine-launched ballistic missile.
Sacaram?

rui mendes
rui mendes
Reply to  Paulo Sollo
6 dias atrás

Não, é precisamente ao contrário, com um país quase todo destruído, só os mísseis dos SLBM serão capazes de ripostar, e só os 4 bommers Franceses, embora não destruísse por completo a Rússia, mas devastaria praticamente todas as grandes e médias cidades Russas, tornando a vida humana impossível por séculos, mas isto é só a França, pois se a Rússia atacasse a Europa ou a América do Norte, aí seria a NATO a lançar a resposta, o que seria aniquilação praticamente total do mundo, por isso nenhuma das potências nucleares até hoje ousou atacar o inímigo com armas nucleares, tirando… Read more »

Paulo Sollo
Reply to  rui mendes
6 dias atrás

Amigo, foi exatamente o que eu disse. Que a França revidaria com seus slbm e seus aliados também revidariam.
Levantei uma discussão sobre a duvidosa possibilidade de emprego destes mísseis com Rafales numa situação destas. Aí vocês saem da curva e fixam-se em questões óbvias. E ninguém opinou sobre a questão que eu levantei.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Paulo Sollo
5 dias atrás

Disseste que uma resposta mais abrangente, que só os ICBM conseguem dar, é aí que eu disse errado, pois os únicos que conseguem responder, depois de o seu próprio país ser desvastado por um ataque nuclear, são os SLBM e não os ICBM.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
6 dias atrás

A França sempre gostou desses Disuazores táticos.

filipe
filipe
Reply to  Sérgio Luís
6 dias atrás

Mas tal como na 2WW , construiram a linha Maginon e armaram ela até aos dentes , o mesmo poderá acontecer hoje, Armas nucleares são dissuasores eficazes desde 1949 (altura em que URSS fez o seu teste) , mas essas armas não impediram a derrocada da URSS, hoje em dias as armas são outras , armas de complexas de organismos microescopicos de biologia evolutiva tal como o Covid 19 ,Covid 20 e Covid 21 , armas biologicas + altas tecnologias são as terríveis armas do nosso tempo, A 3WW poderá não ser nuclear , poderá se cybernética ou biologica.

Cleber
Cleber
6 dias atrás

Sera um recado a certo pais da America do Sul ? Com a nova Geopolitica Mundial na regiao ?

Jean Jardino
Jean Jardino
Reply to  Cleber
4 dias atrás

Nao, eh so um teste de um novo missel.

Mike
Mike
6 dias atrás

E nós ainda vamos ficar apoiando esse papinho de não proliferação de armas nucleares?? Vai nessa!!

Icarus
Icarus
5 dias atrás

Até o momento foram conduzidas guerras contra todos aqueles que não se submeteram à “nova ordem mundial”, “em nome da humanidade e liberdade”. Esses países foram libertados de seus líderes através de bombas, para serem então apoiados com “empréstimos para a reconstrução”, que coincidentemente têm um pequeno aporte de ” juros “. Naturalmente, tais “ajudas humanitárias” são concedidas somente se a nova liderança corresponder ao conceito de “democracia” do credor. Pois é, que “diversidade” é essa na qual as diversas culturas e raças são destruídas em favor de uma massa homogênea sem cultura, sem história e sem qualquer identidade, cujo… Read more »

Last edited 5 dias atrás by Icarus
carvalho2008
carvalho2008
5 dias atrás

Off Topic:

Morre no Reino Unido uma das últimas mulheres pilotos da Segunda Guerra
https://www.bbc.com/portuguese/internacional-55612818

Heitor
Heitor
5 dias atrás

Não se esqueçam que fazemos fronteira com eles…

Kemen
Kemen
5 dias atrás

Ter armas nucleares não é uma necessidade no nosso cenário sul americano. Mas se quisessemos quando terminado o AV TM 300, e tivessemos apoio politico, denunciando o TNP e nos retirando dele, poderiamos desenvolver um explosivo termo nuclear, com isso teriamos a alternativa de armar o AV TM 300 que seria um belo começo para ter uma arma disuasória, depois faltaria desenvolver a versão aérea e outra para submarinos.

Billy
Billy
4 dias atrás

Tem uns panacas que juram que não precisamos de armas nucleares!

Kemen
Kemen
4 dias atrás

Repetindo o que já escrevi: Ter armas nucleares não é uma necessidade no nosso cenário sul americano, imediata. Mas na estratégia militar a análise deveria ser objetiva e visando possibilidades ou problemas futuros. Por exemplo, temos fronteira com a Guiana francesa, pais que tem poder nuclear. Também não podemos descartar que algum pais vizinho, venha a ter armas nucleares, ou por alianças de apoio ou por desenvolvimento próprio. Temos de ser os primeiros! Sem analisar a causa, apenas o efeito, ameaças verbais, ainda que atualmente econômicas ou mesmo outras, em relação a problemas em nosso território, é ingerência em nossos… Read more »

Last edited 4 dias atrás by Kemen
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Kemen
4 dias atrás

se conseguirmos ter um míssil naval de longo alcance assim como meios para direcioná-los já seria incrível, em breve as bases na Guiana Francesa e as do UK poderiam ser atingidas com MICLA, o que precisamos é do STF permitir o desenvolvimento, o Congresso aumentar o número de centrifugas para que em questão de meses, se for preciso, podermos ter uma arma nuclear.

Kemen
Kemen
Reply to  Carlos Campos
4 dias atrás

Que seja do meu conhecimento, a nossa Constituição não estabelece nada a respeito de armas nucleares, usinas ou centrifugas. Tendo em vista esta perspectiva, o STF não teria como julgar algum recurso relativo à produção ou não de armamento termo nuclear. Um tratado é assinado pelo poder de um estado num determinado periodo, o poder do Estado em outro periodo poderia rescindir o acôrdo. Sem analisar a causa apenas o efeito, romper tratados ou acôrdos, tem varios precedentes, por exemplo o presidente norte americano rescindiu o tratado com o Irã. O que é mais cômico aqui no blog é que… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Kemen
4 dias atrás

Desculpem meu engano, fui verificar e descobri que a nossa Constituição feita no regime democratico, consta que o uso da energia nuclear não podera ser para uso militar bélico e seu uso deve ser aprovado antes pelo Congresso. Artigo 21, insiso XXXIII, alinea A. Imagino eu que no caso do reator do Alvaro Alberto foi aprovado pelo Congresso. Posso ter uma opinião contraria, mas somos obrigados a respeitar a Constituição. Fizeram de nós vassalos eternos das grandes potências, aja! Por isso não foram engendrados desenvolvimentos nessa área pelas Forças Armadas, ou seja capacidade temos, mas não podemos. Poderiamos tomar uma… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Kemen
4 dias atrás

Kemem como estudante de Direito te digo que o STF pode sim permitir o desenvolvimento de uma arma nuclear, desde que ela seja usada para fins pacíficos, aí entra a malandragem, poderíamos pedir do STF para nos dizer o que seria a aplicação para fins pacíficos? somente atacar com armas nucleares se formos atacados com armas nucleares? ou seria somente usar caso uma potência estrangeira invada de fato o país? não sei, cabe ao STF interpretar a CF, e eles interpretam do jeito que eles querem, impressionante a imaginação na hora da interpretação.

Heitor
Heitor
Reply to  Kemen
3 dias atrás

Não é somente ter ogivas.. mas meios de se defender contra ogivas inimigas, dado o tamanho do Brasil, impossível… Onde for impactar faria um estrago sem precedentes, enquanto países como a França, por exemplo, tem mais facilidade de se defender… Desenvolver meios de ataque e defesa nucleares levaria uma geração para nós, isso para chegar a um nível que nos atendesse.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Kemen
2 dias atrás

Pelo amor de Deus!
O interesse sobre o Brasil ñ é oriundo de países sul-americanos!!!
Parece que a leitura esta pouca!!

Natan
Natan
4 dias atrás

Sou meio leigo, mas o tratado de desnuclearização permite o desenvolvimento de armas nucleares de pequeno porte, ou alcance?

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Natan
4 dias atrás

Se tu for uma potência nuclear e econômica igual a França, pode até cometer crimes de guerra e invadir os outros países por nada, então pode sim.

Kemen
Kemen
Reply to  Carlos Campos
4 dias atrás

Não tem muito a ver com o poder econômico, a França esta apenas no degrau acima de nós, Israel esta abaixo, também a Coréia do Norte e a atual Russia.

Kemen
Kemen
Reply to  Natan
4 dias atrás

O tratado não permite, mas tratados se rejeitam, afinal o clube de paises com capacidade de armas nucleares cada vez é maior. Na minha opinião é um engodo.