Home Aviação de Ataque Pequim divulga munição destruidora de base aérea após contrato de F-16 de...

Pequim divulga munição destruidora de base aérea após contrato de F-16 de Taiwan

3708
21
YJ-6 500kg Satellite-Guided Cargo Aerial Bomb
YJ-6 500kg Satellite-Guided Cargo Aerial Bomb

Após a concessão de um importante contrato do governo dos EUA relacionado aos Lockheed Martin F-16s para clientes de vendas militares estrangeiros, Pequim divulgou informações sobre uma bomba planadora projetada para atacar bases aéreas.

Em 14 de agosto, o governo dos Estados Unidos anunciou que a Lockheed havia recebido um contrato de 10 anos no valor de até US$ 62 bilhões para os novos F-16s para clientes de vendas militares estrangeiras.

O pacote inicial é para 90 aeronaves. Embora os clientes iniciais do caça monomotor não tenham sido identificados, relatos da mídia sugerem que o pacote inclui 66 exemplares para Taiwan, bem como 24 para o Marrocos.

Em março de 2019, o governo dos EUA aprovou a venda de 25 jatos F-16C/D Block 72 para a Força Aérea Real Marroquina, seguida da aprovação do tão aguardado negócio de 66 jatos para Taiwan em agosto passado. O preço do acordo com o Marrocos foi originalmente fixado em US$ 3,8 bilhões e o de Taiwan em US$ 8 bilhões.

As vendas de armas dos EUA a Taiwan invariavelmente atraem a ira de Pequim, que reivindica a ilha democrática como uma província separatista e não renunciou ao uso da força para unificá-la ao Continente.

Embora a mídia chinesa não tenha abordado diretamente o contrato da Lockheed, a agência de notícias estatal Global Times mencionou o acordo em uma história sobre uma nova arma stand-off projetada para atacar bases aéreas com submunições.

“A mídia estrangeira noticiou no sábado que a ilha de Taiwan assinou oficialmente um acordo com os EUA para comprar 66 caças F-16V”, disse a matéria do Global Times.

“Analistas militares do continente chinês disseram que se uma operação de reunificação pela força irromper, o PLA destruirá os campos de aviação e centros de comando de Taiwan, não dando aos F-16Vs nenhuma chance de decolar e dando aos que já estão no ar nenhum lugar para pousar.”

A reportagem, citando a televisão estatal chinesa, disse que a nova arma foi projetada pela empresa estatal de armas Norinco, pesa 500 kg (1.100 lb) e usa winglets para voar por 32,4 milhas náuticas (60 km) até um alvo. Ao chegar, ele pode lançar 240 submunições em uma área de 0,6 ha (1,5 acres).

Além de destruir aeródromos, a arma pode ser usada contra formações blindadas. Aparentemente, pode ser transportada por caças como o Shenyang J-16 e o ​​Xian JH-7, bem como o versátil bombardeiro Xian H-6 de Pequim.

No evento Airshow China em Zhuhai nos últimos anos, a Norinco exibiu uma arma planadora designada YJ-6, com a descrição “YJ-6 500kg Satellite-Guided Cargo Aerial Bomb”.

Caso ocorra um conflito no norte da Ásia, analistas acreditam que Pequim buscaria destruir a capacidade dos rivais de gerar poder aéreo atacando bases aéreas vulneráveis ​​com mísseis balísticos e de cruzeiro. Uma arma capaz de usar submunições para atacar a infraestrutura da base aérea é consistente com essa estratégia.

Além de obter 66 novos F-16C/D Bloco 72, Taiwan também está atualizando sua frota de 144 caças F-16A/B para o padrão F-16V, que é o equivalente ao F-16C/D Bloco 72. A Lockheed tem um papel importante neste trabalho, que está sendo realizado localmente pela AIDC.

Em julho, Pequim disse que imporia sanções à Lockheed, citando a venda dos mísseis terra-ar Patriot para Taipei.

FONTE: FlightGlobal

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Eita, então chegou a hora desse pais começar a preparar suas avenidas para pouso e decolagem de aviões!

Antoniokings
Antoniokings
2 meses atrás

É o que eu venho afirmando aqui.
A China varreria do mapa as instalações militares de Taiwan no primeiro dia de guerra.
Com relação à arma, seria um processo eficiente de saturação contra as defesas das instalações.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Kings, só quem morre de véspera, é aquela ave de natal….(urubu também kkk). Abraços

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Saldanha da Gama
2 meses atrás

Bem.
Isso é verdade.
Mas não custa lembrar essa possibilidade que é bastante real.
SDS tricolores!

rodrigo
rodrigo
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

China tem muita retorica, ela saber que um ataque a Taiwan seria um desastre para sua economia…Guerra são causadas por causas de dinheiro.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
2 meses atrás

A convergência para a guerra cada vez mais se acentua, seja contra twain, seja contra índia, seja contra os eua. Os tambores rufam de forma mais frenética a cada minuto que passa

Luiz Antonio
Luiz Antonio
2 meses atrás

Para o meu vizinho saber, eu tenho um Tomahawk na minha casa e se ele ficar com muita provocação atiro o míssil bem na casinha do cachorro dele.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
2 meses atrás

Acho que tá na hora do titio Donald Trump mandar imediatamente para pagamento posterior mais mísseis patriot de longo alcance com alvos já definidos inclusive alguns sendo direcionados para Pequim para dar entender de uma vez por todas a China que ela pode sim conquistar Taiwan mas não sem adquirir uma ferida bem profunda e difícil de sarar!

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Luiz Trindade
2 meses atrás

Patriots🤔❓ Aqueles que funcionaram muito bem na Arábia saudita🤔😂⁉️

Ayron
Ayron
2 meses atrás

Raça imunda.

JuggerBR
JuggerBR
2 meses atrás

Taiwan estará sozinha na defesa da sua soberania? Se estiver, não tem chances.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  JuggerBR
2 meses atrás

A China poderia fazer igual Putin fez na retomada da Chechênia em 2000: destruição total a distância via misseis balisticos, pricipalmente em regiões comerciais, minando o acesso a alimentação e água potavel, depois reconstroe tudo de novo. Pode ser uma tática de carnificina, mas que sempre funcionou e continuara funcionando.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Vinicius Momesso
2 meses atrás

No começo Putin tentou uma retomada via terrestre, mas logo se assustou com o tamanho despreparo do exército russo. Há videos no youtube dessa ofensiva que mostram perfeitamente isso. Hoje podemos facilmente separa a Rússia antes e pós Putin: no começo um “catado” de homens sem esperança alguma, agora o que podemos chamar de um exército bem preparado e municiado.

Dario
Dario
2 meses atrás

Como tudo que a China divulga, essa informação é apenas para consumo interno.
Taiwan não está surpresa, EUA e aliados não estão surpresos, eu não estou surpreso e ninguém vai cancelar o negócio bilionário (e político) de armamentos por que a China ameaça atacar os aeroportos de Taiwan no caso de uma guerra.

Templario Tuga
Templario Tuga
2 meses atrás

Ufa um míssil para destruir bases ok ok antes foi um míssil para destruir Porta aviões ok .. então estamos bem entregues aos chinas o próximo míssil vai destruir o coronovirus kkkkk…chinas esquecem que não tem experiência de combate como os americanos devem pensar que é só construir misseis para tudo pois pois…

horatio nelson
horatio nelson
2 meses atrás

Q MEDA !!!

Tiger 777
Tiger 777
2 meses atrás

Tem 200 quilômetros de mar, separando China de Taiwan… Que eu saiba só Moísés abriu o mar vermelho, os chineses não. Rsssssssss

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

Acredito que com Washington armando Taiwan, Pequim possa agir de mesma forma com os desafetos americanos, como os iranianos no Oriente médio…

Adriano
Adriano
2 meses atrás

Essa bomba tem alcance de 60 Km, é isso? Então isso significa que os aviões chineses vão ter que chegar a menos de 60 Km de Taiwan pra poder lançar a bomba. Será que os chineses acham que a força aérea de Taiwan vai ficar olhando e aguardando os aviões inimigos chegarem tão perto do seu território?

rui mendes
rui mendes
Reply to  Adriano
2 meses atrás

Verdade, até porque tanto os EUA, como a Europa, têm em vez de bombas com sub-munições de 60km range, mísseis de cruzeiro com sub-munições para destruir pistas de bases, com 300km range, como o míssil de cruzeiro Apache, isto não é, nenhuma novidade, existem á décadas.

Victor Filipe
Victor Filipe
2 meses atrás

Os chineses mostraram que tem um equipamento que a OTAN já usou durante a guerra do golfo… só que os ocidentais não encararam isso como uma super arma…