Home Asas Rotativas Sikorsky RAIDER X é o novo concorrente no programa FARA do US...

Sikorsky RAIDER X é o novo concorrente no programa FARA do US Army

3226
38
O Sikorsky RAIDER X vai disputar o programa Future Attack Reconnaissance Aircraft (FARA) do US Army

WASHINGTON, DC – A Sikorsky apresentou o RAIDER X, seu conceito para um helicóptero coaxial composto ágil, letal e de alta sobrevivência, projetado especificamente para garantir o domínio do transporte vertical contra ameaças em evolução de análogos e similares no futuro campo de batalha.

Por meio do programa Future Attack Reconnaissance Aircraft (FARA) do Exército dos EUA, o RAIDER X é a plataforma aberta na abordagem revolucionária do Serviço para rápido desenvolvimento e fornecimento de tecnologia “game changing” e recursos de combate, equipados para os ambientes mais exigentes e contestados. O RAIDER X permite que o alcance, a proteção e a letalidade necessários permaneçam vitoriosos em futuros conflitos.

“O RAIDER X converge tudo o que aprendemos em anos de desenvolvimento, teste e aprimoramento da tecnologia X2 e oferece aos combatentes um sistema dominante, passível de sobrevivência e inteligente que se destacará no espaço de batalha de amanhã, onde a superação da aviação é crítica”, disse Frank St. John, vice-executivo presidente da Lockheed Martin Rotary e Mission Systems. “A família de aeronaves X2 Technology é uma solução de baixo risco e é escalável com base nos requisitos de nossos clientes”.

O RAIDER X baseia-se na ampla experiência da Lockheed Martin no desenvolvimento de sistemas inovadores usando as mais recentes técnicas de design e fabricação digital.

O protótipo RAIDER X da Sikorsky oferece:

  • Desempenho excepcional: o rotor rígido X2 fornece desempenho aprimorado, incluindo; manobrabilidade altamente responsiva, voo pairado aprimorado de baixa velocidade, voo pairado fora do eixo e aceleração de nível e frenagem. Esses atributos nos tornam imbatíveis no X.
  • Design digital ágil: o design e a fabricação digital de última geração já estão sendo utilizados em outros programas de produção da Lockheed Martin e Sikorsky, como o CH-53K, CH-148 e F-35, e permitirá ao Exército não apenas reduzir o custo de aquisição, mas permite que atualizações rápidas e acessíveis fiquem à frente da ameaça em evolução.
  • Adaptabilidade: sistemas aviônicos e de missão modernos baseados em arquitetura de sistemas abertos (MOSA), oferecendo opções “plug-and-play” para computação, sensores, capacidade de sobrevivência e armas, beneficiando a letalidade e a capacidade de sobrevivência, adaptação de missões operacionais e aquisições competitivas.
  • Sustentabilidade/Manutenção: Projetado para reduzir os custos operacionais da aeronave, utilizando novas tecnologias para passar da manutenção e inspeções de rotina para o auto-monitoramento e manutenção baseada em condições, o que aumentará a disponibilidade da aeronave, reduzirá o esforço de sustentação e permitirá períodos operacionais flexíveis de manutenção.
  • Flexibilidade de crescimento/missão: focada no futuro e em constante evolução das ameaças, a tecnologia coaxial composta X2 oferece potencial e margem de crescimento incomparáveis ​​para maior velocidade, raio de combate e carga útil. Essa margem de potencial e crescimento permite ainda maior flexibilidade da missão operacional, que inclui uma gama mais ampla de configurações de carregamento das aeronaves para acomodar requisitos específicos da missão.

A equipe de fornecimento nacional que a Sikorsky fez para criar o RAIDER X se juntará aos líderes da empresa para apresentar o RAIDER X durante a conferência anual da Associação do Exército dos Estados Unidos em Washington, DC.

“O RAIDER X é o culminar de décadas de desenvolvimento e um testemunho da nossa inovação e paixão por solucionar as necessidades de nossos clientes”, disse Dan Schultz, presidente da Sikorsky. “Ao alavancar a força de toda a Lockheed Martin Corporation, forneceremos a única solução que dará ao Exército dos EUA a superioridade necessária para atender às exigências de sua missão”.

Tecnologia X2 comprovada: escalável, sustentável, acessível

Com o RAIDER X, a Sikorsky apresenta o mais recente projeto em sua família de aeronaves X2. Até o momento, as aeronaves X2 alcançaram/demonstraram:

  • Velocidades superiores a 250 nós
  • Operações de alta altitude acima de 9.000 pés
  • Manobras de baixa e alta velocidade envolvem mais de 60 graus de ângulo de inclinação
  • Qualidades de manuseio de nível 1 ADS-33B (Aeronautical Design Standard) com vários pilotos
  • Otimização de controles de voo e mitigação de vibrações

“O poder do X2 está revolucionando. Ele combina os melhores elementos do desempenho de helicópteros de baixa velocidade com o desempenho de cruzeiro de um avião”, disse Bill Fell, piloto de testes experimentais da Sikorsky, piloto aposentado do Exército que voou em quase todos os testes do RAIDER. “Todos os voos que realizamos em nosso S-97 RAIDER hoje reduzem os riscos e otimizam nosso protótipo FARA, RAIDER X.”

O desenvolvimento da tecnologia X2 e o programa RAIDER foram financiados inteiramente por investimentos significativos da Sikorsky, Lockheed Martin e parceiros da indústria.

Sediada em Bethesda, Maryland, a Lockheed Martin é uma empresa global de segurança e aeroespacial que emprega aproximadamente 105.000 pessoas em todo o mundo e atua principalmente na pesquisa, design, desenvolvimento, fabricação, integração e manutenção de sistemas, produtos e serviços de tecnologia avançada.

FONTE: Lockheed Martin

NOTA DO EDITOR: Até agora são quatro os concorrentes ao programa FARA – Future Attack Reconnaissance Aircraft do US Army: em sentido horário partindo da esquerda:
AVX Aircraft CCH, Bell 360 Invictus, Karem AR40 e Sikorsky Raider-X.

Subscribe
Notify of
guest
38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

É… Parece que os EUA começaram a se movimentar para se posicionar de novo como o primeiro em armas no mundo… Vamos que vamos…

FERNANDO
FERNANDO
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Será que eles vendem um para mim??

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Nunca deixaram esta posição, estão longe em quantidade e qualidade, olhando Gerald Ford, Zumwalt, F-35, F-22, B-2 dentre outros exemplos da pra se ter uma ideia, eles já estão elaborado sua segunda geração de “tilt rotor” e a China acabou de lançar um cópia do black hawk, estão muito na frente com orçamento três a quatro vezes maior, se não fosse a ameaça nuclear hoje a China caberia no bolso dos EUA militarmente falando!

teropode
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Nunca deixou de ser o primeiro , isso faz parte da cultura Americana , de tempos eles renovam suas armas , sempre com o objetivo de se manterem na liderança .

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Luiz Trindade,

Os EUA sao o maior vendedor de armas no mundo, seguido pela Russia.

Augusto
Augusto
1 ano atrás

Helicóptelo lápido e intelessante, bom pla leplicar.

DENYS
DENYS
Reply to  Augusto
1 ano atrás

Eles já estão fazendo isso, em 1 ano vai aparecer um igual no exercito chines.

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  DENYS
1 ano atrás

Igual.. mas diferente… sem metade das capacidades…

MBP77
MBP77
1 ano atrás

Sei que são meras imagens e design não se traduz em desempenho melhor ou pior que os concorrentes… mas de todos até agora, naquele quesito, o que mais gostei foi o Bell 360 Invictus.
Além de me parecer menos custoso e/ou complexo de desenvolver que os demais (rotor de cauda mais convencional, por exemplo).
Vamos ver quem sairá vitorioso desta concorrência.
Sds.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  MBP77
1 ano atrás

Tamo junto nesta visão MBP77.

Junior
Junior
Reply to  MBP77
1 ano atrás

Concordo, mas desses quatro, o único que tem um protótipo já voando é o Sikorsky Raider-X. Não duvido nada que o exercito americano de a vitória para o Bell valor 280 em uma concorrência(o protótipo da Bell esta mais avançado naquela concorrência do que o protótipo da Sikorsky) e de vitória para a Sikorsky nessa concorrência ai (aqui acontece o contrario, o protótipo da Sikorsky esta em estagio mais avançado do que o da Bell) Avx aircraft e Karen são meras coadjuvantes nessa concorrência, chances quase nulas de ganhar

teropode
Reply to  Junior
1 ano atrás

O Bell valor já nasceu derrotado , sem chance , ja basta o devorador de dolares Osprey.

MBP77
MBP77
Reply to  Junior
1 ano atrás

Junior, pode até acontecer isso realmente.
Só acho que o US Army deveria priorizar um fornecedor que não fosse a LM, pois esta já ganhando horrores com o programa do F-35*.
Sim, desde que a concorrência apresente um produto de custo-benefício parelho (ou melhor) que o da Sikorsky (nada contra esta em si, só para deixar claro).
Ficar centralizando a maior parte das compras militares num único grupo/conglomerado industrial, não me parece inteligente.
Enfim, vamos ver mais à frente quem vence.
Sds.
*Ainda que estejamos falando de mercados, produtos e necessidades diferentes.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  MBP77
1 ano atrás

Eu fico com o Bell tambem.

Bosco
Bosco
Reply to  Tadeu Mendes
1 ano atrás

Tadeu, O “problema” do Bell é que é um helicóptero convencional. Eu espero que um helicóptero composto ganhe para empurrar o conceito pra frente. Já tá passando da hora de vermos helicópteros compostos serem colocados em operação. Ainda não há nenhum e o potencial é enorme, oferecendo 50% a mais de velocidade e o dobro do alcance. Será uma revolução nas asas rotativas maior que foi o convertiplano V-22, que é complexo e caro de operar. *Os futuros helicópteros elétricos de passageiros serão “compostos”, mas não se adequam a uma série de usos onde se exige melhor desempenho. Aí, nesses… Read more »

Tomcat4.0
Tomcat4.0
1 ano atrás

Torcendo pelo Bell 360 Invictus e pro Karem AR40.

H.Saito
H.Saito
1 ano atrás

Sikorsky tem expertise, mas a Lockheed estraga tudo, não estão conseguindo fazer o king Stallion voar, sem contar que tá caro pacas, se bobear o preço desse Raider X também deverá custar bem caro!

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Russos saíram na frentecomment image

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

E, ao que parece, farão um helicóptero super-pesado em associação com os chineses.
Pelos renders, será um monstro.
No bom sentido, é claro.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Antunes 1980,
Na fuselagem está a sigla da antiga União Soviética, CCCP.
Na parte dianteira da fuselagem está escrito Aeroflot .
Em que ano êste helicóptero deve ter sido projetado?

Luiz Fernando -
Luiz Fernando -
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Mil MI-12 de 1965

Gelson
Gelson
1 ano atrás

Boa tarde,
Uma dúvida…pelo que dá para ver nas imagens dos protótipos (ou propostas), somente o Bell continuará usando uma turbina à jato. Nos outros modelos aquela hélice propulsora traseira substituirá a turbina(s). Ou estou equivocado!?

Bosco
Bosco
Reply to  Gelson
1 ano atrás

Gelson, Todos as duas propostas são propulsadas por dois motores turbojatos, mais especificamente, turboeixos, como são denominados os motores a turbina de helicópteros. A proposta da Bell é de um helicóptero convencional com um sistema antitorque a base de um “fan” carenado, denominado fantail. É um conceito já antigo com mais de 40 anos de uso. A proposta da Sikorsky é bem mais avançada sendo de um “helicóptero composto” com potencial de ter 50% a mais de velocidade e o dobro do alcance de um helicóptero convencional de mesmo porte. Num helicóptero composto geralmente há uma ou mais hélices ou… Read more »

Gelson
Gelson
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Bosco,
dá para observar uma abertura na parte superior da fuselagem traseira mas, como é apenas uma arte, daí a dúvida. Interessante o conceito. Os Kamov russos já usam as hélices principais contra-rotativas para a sustentação mas a propulsão ainda é feita pelas turbinas.
Bonitas máquinas!
Muito obrigado pela tua atenção.
Abraços.

Bosco
Bosco
Reply to  Gelson
1 ano atrás

Gelson, Nenhum helicóptero convencional é propulsado na horizontal pelos jatos das turbinas. As turbinas (turboeixos) só servem para fazer funcionar o rotor (os rotores) . O rotor é responsável tanto pela sustentação quanto pela deslocamento horizontal. Apenas “helicópteros compostos” experimentais ou de “prova de conceito” usaram turbinas para a propulsão horizontal. Ex: S-69, S-72, XH-51A. Nenhum chegou a ser fabricado e o uso de turbina foi só por conta de ser mais fácil adaptar turbinas já prontas do que bolar hélices propulsoras para aeronaves “conceito”. Em relação aos helicópteros compostos do futuro provavelmente nenhum irá ser propulsado por jato. Todos… Read more »

Gelson
Gelson
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Bosco,
muito obrigado novamente. Muito bom!
Abraços.

TJLopes
TJLopes
1 ano atrás

Aposto no Raider X, o Bell 360 Invictus tem um desenho muito tradicional agregando pouco ao que já existe e, por não ser composto, deve ter uma velocidade bem menor que os demais. Além do fato de, por não possuir rotor de cauda, o Raider X é bem menos vulnerável sob fogo inimigo.

Space jockey
Space jockey
1 ano atrás

Credo, bicho feio.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Resta parabenizar algumas empresas norte americanas, em particular a Sikorsky e a Lockheed Martin, empresas que sempre estão buscando melhorias, atras de inovações, é a forma principal para conquistar mercado, se arriscam bastante, com projetos caros e tecnologicamente inovadores que podem ou não no inicio dar os resultados esperados, mas se arriscam mesmo assim, perseguindo bons resultados com seus projetos inovadores.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

Raider mata baratas rsrs

Mas falando sério , um brinquedo desses deve custar uns 40 milhões de dólares a unidade .

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

Mata mosquito da dengue tbm!!! 😉

Mauro Cambuquira
1 ano atrás

Eu sei… Aqui não é o Poder Naval, mas esse Raider X lembra demais um submarino com asas rotativas.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Mauro Cambuquira
1 ano atrás

Mauro,

De acordo. Me lembra o Thyphoon russo.

Bosco
Bosco
1 ano atrás

Dos 4 concorrente no programa FARA três são helicópteros compostos e apenas um é helicóptero convencional
Dois deles utilizam rotores coaxiais contragiratórios que não produz torque e um deles utiliza uma hélice basculante em 90º capaz de neutralizar o torque quando o rotor está “ativo” e faz a tração quando o rotor está no modo autorrotação.
Finalmente o mundo parece que irá ver surgir os helicópteros compostos tão estudados no passado.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
1 ano atrás

Se eu fosse dar um palpite, apostaria minhas fichas no Bell 360 Invictus

PradoAR15
PradoAR15
1 ano atrás

Interessante

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Bacana. Parece que as coisas na área de “asas rotativas” começam a descobrir “novos caminhos” a serem trilhados.

Lá no oriente conseguimos ouvir de novo: “Caraca, como é que nunca conseguimos pensar nisso antes que esses caras???? Toca copiar”.

Tiago Alves
Tiago Alves
1 ano atrás

Acredito que Invictus ou Raider X entrem em produção.