Home Aviação de Caça Qual é a função da chave ‘WAR/PEACE’ no painel do Gripen?

Qual é a função da chave ‘WAR/PEACE’ no painel do Gripen?

16625
51
Cockpit do Saab Gripen JAS 39C

O moderno cockpit e painel do caça Saab JAS 39C Gripen possui uma série de botões e interruptores para ativação e desativação de vários equipamentos.

Os mais atentos podem observar que no painel lateral à direita existe um interruptor com as posições WAR e PEACE, com a última posição sendo a default.

Aparentemente, esse interruptor “desbloqueia” uma série de aprimoramentos de desempenho que normalmente não são usados, a menos que seja absolutamente necessário, possivelmente para evitar o desgaste da aeronave.

Diz-se que o interruptor quando colocado na posição WAR libera as capacidades máximas dos sistemas do Gripen, incluindo o motor. Mais empuxo, maior alcance de detecção de radar etc.

Segundo algumas fontes, a configuração WAR aumentaria o desempenho do Gripen em 30%, liberando o avião a ultrapassar o AoA máximo e o limite de +9G para manobras, podendo atingir até +12 G, o que pode ser útil para escapar de mísseis.

Outras fontes dizem que o interruptor WAR/PEACE acionaria também “características adicionais”, como o poderoso “jammer” do avião, que torna a detecção do Gripen mais difícil para os radares inimigos.

Observe que o interruptor no canto inferior direito mostra as configurações “PEACE” e “WAR”. Diz-se que a configuração GUERRA aumentaria o desempenho do Gripen em 30%, possibilitando puxar manobras de até +12 G

51 COMMENTS

  1. Se o piloto precisar executar uma manobra de 12Gs para escapar de um míssil é porque ele provavelmente já vai ser derrubado…

    Misseis modernos superam com extrema facilidade os seus 30Gs e dentro do seu NEZ o piloto pode virar uma bailarina com a aeronave que ele dificilmente vai escapar.

    Oque faria a diferença mesmo seria os chaff/flares e ECM.

    Fora da NEZ em distancias mais longas manobras fazem o trabalho (mas não se para de usar chaff/flares e ECM, obvio) porque o míssil não vai ter energia/velocidade para acompanhar ele, mas ai também ele não vai precisar puxar 12Gs

    Entretanto a capacidade de curva instantânea (até porque ninguém vai sustentar 12gs por muito tempo) de 12Gs é muito útil em Dogfight

    • Não é bem assim Victor. O raio de uma curva de 9 ou 12G varia bastante de acordo com a velocidade. Mesmo um míssil IR super ágil de 5ª geração, precisa fazer uma curva “quadrada” à baixas velocidades e no início do lançamento, porque ao atingir a velocidade máxima (mach 2 ou 3, depende do míssil) os 50G que ele pode puxar não significam um curva extremamente apertada.

      Mísseis BVR são ainda menos ágeis, e quando lançados de longe, só tem chance de 100% contra um alvo que não sabe que ele está chegando. Um alvo que manobre para baixo e para os lados rapidamente esgota a energia de um míssil BVR que só está voando por inércia.

      NEZ é algo que o fabricante diz, mas na prática não é algo garantido como eles querem que o cliente acredite.

      • BVR missiles don’t always fly by inertia

        Eg

        Solid fuel ducted ramjet propelled missiles retains near constant thrust throughout flight eg meteor.

        Dual pulse motor propelled missiles fires the 2nd pulse when within terminal to regain required optimal velocity to successfully engage the target eg I derby.

        SFDR better than dual pulse, dual pulse better than rocket motor.

  2. A função ‘Peace’ habilita os MFDs à mostrarem um belo repertório de piadinhas e trocadilhos atualizados de acordo com a posição geográfica do Gripen para o caso de interações via rádio com controladores e outras aeronaves originárias daquela região específica, enquanto a função ‘WAR’ habilita os mesmos MFD’s com xingamentos e ofensas, claro.

    Achei que não fosse mistério 😛

  3. Nos Su-27S é possível desligar o fly-by-wire e pegar a aeronave na mão, inclusive possibilitando aquelas famosas manobras dos shows aéreos, será que seria possível no Gripen?

      • Não sei se o cobra exatamente, mas algumas fontes informam um angulo de ataque máximo em torno dos 70 a 80° (It is capable of flying at a 70–80 degrees angle of attack) wikipédia Eng.
        Nunca percebi nada próximo disso em apresentações públicas então tenho quase certeza que existe algum grau de “controle relaxado” que pode ser ativado caso exista a necessidade.

    • Apesar de impressionante, essa manobra não tem a menor relevância ou importância em um combate aéreo, a não ser se o piloto queira se suicidar!!!

      • Ai depende se o combate será na arena BVR ou não. Fato que no vídeo de dogfighter entre rafale e F-22 precisou de duas curvas pra velocidade cair de 500 pra 90 (unidades do hud do rafale). E olha que o Rafale é reconhecidamente um caça capaz de guardar energia.

      • Não é bem assim Marcelo. Num combate real vale tudo. A cobra pode ser executada em qualquer direção, não apenas para cima como nos shows aéreos. Se for o caso de passar dos 30 graus de AOA garantir a vitória, qualquer piloto usará o recurso para derrotar o oponente e sair vivo.

    • Desligar 100% o FBW não, pois não existe ligação mecânica entre os comandos e as superfícies de controle.

      O que pode ser feito é desligar a limitação eletrônica de certas coisas, como ângulo de ataque e G máximo. E isso é possível até no F-16. Imagino que seja algo padrão em todos os caças FBW.

        • Tenho a impressão que mesmo nas demonstrações públicas o 39 pode executar manobras mais ousadas. Quanto ao cobra, independentemente da testosterona que nos cabe, seria a quebra de um tabu, com certeza.

  4. It believe that’s related to training and combat mode with respect to sub systems involved in active emissions and passive receptions.

    During peace missions like training with friendly countries fighters etc or even during operational missions like CAPs in the vicinity of hostile airspace , there is 100% probability of falling prey to premeditated probing friendly or hostile ELINT / SIGINT detectors through their active or passive detectors or both.

    The said war / peace switch counters that IMO.

    • Adding……..

      Operational frequencies of both emitters and receivers is a closely guarded secret , if found out handicaps the EW capabilities of the aircraft and increases the ECM / EW capabilities of the adversaries or friends who stole it.

      Threat library of frequencies of EW systems of a aircraft is constantly updated with latest recorded data captured from hostile aircrafts even during peacetime.

      One reason why IAF did not allow the SU30 to fire their R77 at DMAX-1 because that would have exposed the radars guiding frequency and that too without any possibility of confirmed kill firing solution.

      The PAF had exposed their frequencies of the datalink by firing and guiding the 5 AMRAAMs to SU30 that too without a kill.

      If the IAF picked up the frequencies of the guidance channel than next time they meet PAF , their jammers with the updated threat library will be able to start jamming the AMRAAMs moments after it is launched the moment it enters the jammers range.

      • AMRAAM has been fired several times in combat and exercises and the Su-30MKI’s electronic warfare system is Israeli, it is very possible that they already have AMRAAM guidance frequencies.

        AMRAAM já foi disparado várias vezes em combate e exercícios e o sistema de guerra eletrônica dos Su-30MKI é israelense, é muito possível que eles já tenham as frequência de orientação do AMRAAM..

  5. Falando de painel e controle a única observação que faço é a de que talvez os projetistas tenham perdido a oportunidade de implantação de um manche lateral ao invés do central como no 35 e o Dassault.

  6. Uma vez sentei numa Ferrari, no volante tinha uma chave seletora com as funções Fun, Race, e F-1 guardada as devidas proporções deve ser mais ou menos, na hora que o pau tora, muda pro WAR e utiliza todo o potencial do avião.

  7. Abrir para + 12 G é uma realidade no Rafale e eu acredito também que seja no Gripen, porém sugerem-se tempos pequenos de uso, ou seja não sair fazendo manobras nesse limite a toa, apenas em emergências e por pouco tempo para não causar danos extruturais. Nesse caso se asume o limite real da extrutura sem a margem de segurança que em geral limita os dois em + 9 G. De certa forma esses dados não são divulgados ao público em geral, mas sempre escapa alguma coisa.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here