quinta-feira, março 4, 2021

Gripen para o Brasil

Gripen versus J-11: destaques do exercício Falcon Strike 2015

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A edição de maio de 2016 da Air Forces Monthly forneceu algumas informações sobre o exercício conjunto Tailândia-China “Falcon Strike 2015”, e abaixo estão os destaques desse artigo:

  • Antes do exercício, um piloto tailandês pilotou um J-10 Vigorous Dragon na China, enquanto um piloto chinês pilotou um JAS-39 Gripen na Tailândia.
  • A Tailândia pediu permissão primeiro à Força Aérea Sueca e à Saab antes de colocar o Gripens contra as aeronaves chinesa, e ambos concordaram, mas enviaram observadores e conselheiros para o exercício.
  • A China desdobrou quatro Su-27 e dois J-11 Flankers, enquanto a Tailândia colocou em campo cinco aeronaves Gripen. Os tailandeses não usaram sua aeronave Saab 340 Erieye Airborne Early Warning and Control (AEW&C) durante o exercício.
  • Os tailandeses admiraram os pilotos chineses, que eles descreveram como melhores do que qualquer um dos pilotos ocidentais que haviam enfrentado até então.
  • O Su-27 e o J-11 usaram tecnologia analógica (os chineses enviaram as primeiras versões da aeronave) e estavam em grande desvantagem durante os engajamentos  Beyond Visual Range (BVR). Ambos os lados sofreram “perdas” no exercício, mas em um dterminado cenário, o Gripen obteve uma vitória de 4:0 contra os chineses.

Outras fontes confirmam que o Su-27 usado pela China no Exercício era o Su-27SK, um modelo russo de exportação do Flanker que foi montado na China.

Quanto ao J-11, provavelmente era o J-11A, uma versão inicial da cópia chinesa do Su-27SK.

Cockpit do Gripen C

Cockpit do J-11A

- Advertisement -

65 Comments

Subscribe
Notify of
guest
65 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

Tô impressionado com a diferença de tamanho entre os dois caças na primeira foto.
Por qual motivo a Tailândia teve que pedir permissão a Suécia?
Se, hipoteticamente falando, a FAB for se exercitar com o Gripen contra os Mig peruano ou os Sukhoi Venezuelano, teríamos que pedir permissão tambem?

Carlos Eduardo Broglio Gasperin

Se bobear daqui uns anos teremos o Xingripen…

Peter nine nine

Talvez para não ferir a sensibilidade dos aliados ocidentais.
Com sensibilidade refiro me, a não criar tensão desnecessariamente

Fabio Araujo

O menor tamanho o faz ter menor RCS e torna mais difícil de ser localizado! Essa é uma das vantagens dos F5’s!

kaleu

O “Baixinho” é invocado irmão ! rsrsrsrs

Bira Lopes

Sukhoi X Gripen . Uma diferença de uns 8 m no comprimento

Leandro

Simples amigo… A China tem fama de clonar aeronaves e se vc notou a diferença o grifo é superior em tecnologia… Então éisso

Observador.

40:0? não é 4:0? Será que a defesa da china é mais vazada que a do Brasil x Alemanha no 7×1?

Observador.

kkkkk, que susto! Valeu pela correção Galante.

Luís Henrique

Pelas imagens da para ver que os Gripen C são bem mais modernos que os J-11A.
Acho que teria que ser o J-11B para ficar mais próximo em eletrônica embarcada.
E contra o Gripen E aí precisa ser o J-11D.

Kemen

Na minha opinião nesses exercícios o que vale é o que se aprende. Foi em 2015, fazem 4 anos, quidado com o que os chineses aprenderam no exercício, se como escreveram aqui varios colegas ao longo desse ano os chineses copiam tudo… talvez tenham aprendido ou copiado as operações do Gripen na fase dos exercicios em que os velhos J-11 perderam pesado.

Sérgio Luís

Digital e analógico o óbvio vence!

Vinicius Momesso

Essa postagem deveria ter saido antes da de título
“Em 2015, caças Gripen tailandeses venceram os J-11 chineses por 4:0” pois quem leu pensou que a China enviou suas melhores versões, o que através desta, prouve-se errônea.

100nick-Elã

Faltou um pequeno trecho da frase: “em um determinado cenário”… ele não especificou em qual cenário e não contou os outros cenários em que o j-11 teria levado vantagem… o trecho Ambos os lados sofreram “perdas” no exercício é importante também.

Mas a frase que mais me marcou foi: Os tailandeses admiraram os pilotos chineses, que eles descreveram como melhores do que qualquer um dos pilotos ocidentais que haviam enfrentado até então.

Isso é música para meus ouvidos.

JBS

Pq? Vc é Chinês?

JT8D

Brasileiro é que ele não é

Alexandre

Existe brazileiros que afirmam que os melhores pilotos são dos EUA ou de Israel de tal forma que tudo indica que são legítimos brazileiros!!!!

Flanker

Eu considero os pilotos israelenses os melhores do mundo….mas, não considero isso como música para meus ouvidos….consideraria se eu ouvisse um estrangeiro dizer que os melhores pilotos do mundo são os brasileiros! Entende a diferença disso para o que o sujeito acima escreveu acerca dos pilotos chineses?

Munhoz

Esses detalhes fazem toda a diferença no contexto !

Paulo

Gentileza entre anfitrião e convidado

Resumindo: lorota para enganar tolos.

GripenBR

O meteor, o R99 e eletrônica saindo do forno. Da ao Brasil além do melhor custo benefício. Para o Brasil, o caça mais letal que poderia se adquirir dentre os do correntes do Fx2.

Delfim

Mais acessível, o que cabe no bolso da FAB.

Evgeniy (RF).

Em geral, as notícias originais não vêm dos próprios chineses, mas de uma publicação específica de Taiwan.

Maurício.

Em uma revista tecnologia e defesa acho que de 2003, estavam falando de possíveis sistemas incluindo radar que poderiam ser instalados nos A4 da Marinha, um especialista disse que um A4 modernizado com um bom radar poderia ser um adversário perigoso até mesmo para um F-16A. Eu acho muito difícil um A4 representar um perigo para um piloto de F-16, mas a eletrônica embarcada representa sim uma grande vantagem, e se o piloto entrar no envelope do avião inferior, essa vantagem aumenta ainda mais, nas Malvinas os argentinos tinham caças superiores em performance, mesmo assim foram derrotados por um caça… Read more »

Kemen

Mauricio, os Sea Harrier FRS1 e também os GR3 não eram inferiores em desempenho aos A-4B / A-4C / A-4Q da Argentina, na gurra das Malvinas.
Também lembro que apenas 8 A-4 da Argentina foram derrubados pelos FRS1, porque os A-4 em sua missão de atacar a frota britanica, não levavam misseis, apenas seus canhões de 20 mm e bombas não inteligentes.

Maurício.

Kemen, eu estava comparando com os caças da força aérea, Mirage e Dagger, embora eu não tenha detalhado no meu comentário.

Kemen

Mauricio entendi, na minha opinião isso aconteceu em parte porque os Sea Harrier estavam equipados com os modernos AIM-9L na época, de busca infravermelha cedidos pelos norte americanos, o radar dos FRS1 era o Ferranti Blue Fox, um radar muito bom na época, que foi superado mais tarde pelo Blue Vixen dos FRS2 considerado o melhor radar na época. A tecnologia, a disponibilidade de armas modernas, e os radares da frota orientando seus pilotos, outros detalhes também prevaleceram. O conceito de combate BVR só viria muito mais tarde com misseis com maior precisão e maior alcance, radares com eletrônica moderna… Read more »

Antunes Neto

Olhando a primeira foto me lembrei de um bem-ti-vi brigando com um carcará. O carcará apanha bonito do bem-ti-vi.

Kemen

Carcará x falcão peregrino, muito porreta.

Filipe Prestes

Um carcará nem é tão grande assim rsrs

Antunes Neto

Duas aves lindas, diga-se.

Vinicius Momesso

“…Ambos os lados sofreram “perdas” no exercício…” Seriia melhor se fosse explicitado “quem enfrentou quem” e em “quais condições” para um melhor aproveitamento do conteúdo.

Carlos

ACIMA “” I .F. F. BRASILEIRO “”

Vinicius Momesso

Provavelmente ‘dezenas de alvos falsos’ apareceriam no display de radar do F-14, fazendo-o ejetar instantaneamente.

Kemen

O AESA faz bastante diferenca, junto com os sistemas eletrônisos e os misseis sem dúvida muito mais modernos e eficazes, mas não apostaria nisso 100 %, tem muitas outras coisas envolvidas, apostaria uns 95%. Top Gun já teve sua época…

Welt

Chega a ser bizarra a diferença de tamanho.
Isso que alguém postou esse dias justamente a comparação de tamanhos com outras aves.

Rodrigo Maçolla

A diferença de tamanho é mesmo notável mais a que se lembrar que o Su-27 ou no caso o J11 (sua copia) é mesmo uma caça muito grande !! ele não é só maior que o Gripen, ele também é bem maior que o Rafale, Tornado, Super Hornet , Typhoon, e outros bi motores, só se compara em tamanho o F-15

Antunes 1980

Mídia progressista de esquerda sempre encaixa alguma matéria elogiando o profissionalismo e super poder dos países comunistas.
Os pilotos são ruins, as doutrinas ultrapassas e os caças são de segunda linha! Simples assim.
O modelo atual Gripen E/F deve ser surpreendente!

Rprosa

Antunes ja tomou seu rivotril hoje?

Nilton Reis Jr

Mais uma vítima do discurso sedutor kochiano. Há 59 milhões de brazileiros nesse mar de negação. Uma coisa é professar a inequívoca superioridade ESTADUNIDENSE em armamento e treinamento (quantitativo), outra é desrespeito e negação de que não se trata de destino manifesto, e sim de investimento.

Mauro Viana

Caramba, até aqui a gente encontra essa conversa chata de direita e esquerda.

Carta Branca

Como o Su-27SK se compara ao Su-30MKV venezuelano? Já sabemos as diferenças do JAS-39 (C/D) tailandês pro nosso NG (E/F), AESA, IR, mais combustível, motor mais potente, supercruise, EW e etc, mas e os sukhoi, o que mudou de um pro outro?

carcara_br

Acho que a mudança mais significativa num enfrentamento ar-ar sem dúvida é a utilização de mísseis com guiagem ativa. A versão SK transporta apenas os Mísseis ar-ar R-27R e R-73, isto implica que o piloto do Su-27/J-11 precisa manter a aeronave alvo iluminada por todo o trajeto do míssil, podendo no máximo atrasar a aproximação entre as aeronaves implementando uma manobra chamada F-pole (limitada a 60º em cada lado da aeronave) e também implica que cada Su-27 pode atacar apenas uma aeronave por vez, claro não estou considerando o uso dos R-27T/P nem a possibilidade de guiamento cooperativo por meio… Read more »

Carta Branca

Minha intenção era extrapolar os resultados pro cenário latino-americano mas o R-77 mais o aprimoramento do radar é uma melhoria que realmente aumenta muito a eficiência de engajamento dos sukhoi quanto ao Gripen C/D, ainda mais considerando a agilidade o pequeno perfil do Gripen pesando na eficiência das outras armas. Isso provavelmente equilibraria mais a disputa frente a disputa com os tailandeses, entretanto, a evolução do Gripen E/F com o radar AESA mais poderoso aumentando a distância de detecção, além do EW defensivo e o Meteor com ramjet, acho que criam uma situação difícil de extrapolar os resultados dessa disputa… Read more »

Delfim

O Flanker foi eliminado na primeira fase do F-X2, e agora sabemos porquê.
Eu gostaria de ver um exercício entre os finalistas do F-X2 : F-39 x Rafale F3 x F-18SH block3.

carcara_br

Delfim, você é um dos caras mais equilibrados do fórum leia minha postagem acima e verá que não é tudo lindo e maravilhoso, existem razões e motivos, não devemos menosprezar nem os chineses nem russos, vamos nos respeitar…

Delfim

Meu caro, se um Flanker, com todo seu desempenho exuberante, tivesse um radar AESA de capacidade compatível com o tamanho do seu radome, mísseis Meteor e aviônica avançada, seria um páreo duro até para caças de 5G.
Mas não tem.
.
E quanto a ser um “caça pesado” contra o J-39, sabe-se desde que o Me-110 confrontou o Spitfire que isso não tem importância quando a distância aperta e começa o dogfight.

carcara_br

O ponto é que a versão SK é muito básica, e não sabemos exatamente como se deu o exercício, mas concordo, o fato de ser um caça leve ou pesado pode ser irrelevante num combate mano a mano. Em relação aos finalistas acredito que todos cumpriram os requisitos de desempenho e exigências políticas com primor (observe o “e” é bem importante), já operam juntos como parte OTAN, realmente não vejo um desempenho disruptivo em nenhum dos concorrentes. Creio que o Rafale entregaria um pouco mais em desempenho, o F-18 em suporte e armamento, mas o Gripen nos deu o melhor… Read more »

Bardini
Lyw

Mas em que tipo de “performance” o F-14 poderia ser melhor que as aeronaves que citastes?

JT8D

A lógica é a seguinte Lyw, se o caça é bimotor e é pesado, então ele é “superior”. Deviam ter explicado isso para os Spitfires que teimavam em abater os “superiores” Bf 110

Lyw

Não é por ser bimotor que um caça pode ser considerado superior… Aliás, o Rafale também é bimotor…

Minha indagação é que os caças citados, além da óbvia superioridade da eletrônica, têm desempenho cinético melhor que o F-14. São muito mais manobráveis em basicamente todos os perfis de vôo. Por isso não entendi como o F-14 teria uma”performance” melhor que a de F-16v, Rafale e Gripe E.

Lyw

Roberto, grato pela resposta. Realmente o F-14 era uma aeronave que tinha bom desempenho em vôo supersônico, como também outras de seu tempo. Inclusive, a esse respeito, tem uma situação interessante: o Mirage 2000, principalmente da versão 2000-5 em diante, tinha um desempenho em vôo supersônico melhor que todos os delta/canards atuais. Ou seja, era um interceptador muito mais rápido. No mano a mano entretanto os modernos deltas com canards se sobressaem, com sua grande taxa de curva instantânea, sua maior autonomia e seu incomparável desempenho em altas velocidades subsônicas (próximas a Mach 1) e “baixas” velocidades supersônicas (até Mach… Read more »

Gonçalo Jr

A Real Força Aérea da Tailândia opera uma frota de 12 caças Gripen, sendo 8 modelo C e 4 modelo D. As primeiras seis aeronaves foram entregues em 2011, e as últimas seis em 2013.

EDSON MOREIRA BRIGIDO

Acho que o Brasil fez um excelente negócio ao comprar este avião.

Heitor

Por que apagaram meu comentário? ofendi alguém?

Vitor Hugo

Wilber, era exatamente o que eu ia dizer: Grupen fica minusculo diante do J11.

GripenBR

Acho que a China entrou nessa principalmente para aprender e testar. Levou um avião qua não entregaria nada de nada. E além disso, em condições de 1×1 na CNTP, o que nunca ocorre em combate, o Gripen deixa muito vencedor de super trunro literalmente no chão. Energia, agilidade e avionica moderna. O nosso F-39 E, mais pontente, mais ágil, com radar AESA, comunicação com R99, o meteor, bom alcance e super velocidade de cruzeiro, aliado a hora de vôo relativamente barata. Considerando ainda a confiabilidade dos Suecos e a tradição da SAAB, é sem dúvida o melhor negócio em termos… Read more »

Chris

Mas eu duvido mesmo que a mulher do estocar vento… Tenha realmente algo haver com essa escolha !

EDNAN AUGUSTO CLEMENTE

Isso mesmo, o inimigo que detectar o outro antes ganha a batalha. Manda um míssil que o outro nem sabe de onde veio!

Rafael Schaidhauer

A diferença de tamanho se dá também pela capacidade de “miniaturização” dos componentes do avião?

Combates Aéreos

Franceses comemoram 100 anos da primeira vitória em combate aéreo

Comemorações realizadas na Base Aérea 113 de Saint-Dizier, que incluíram exibição em voo de caça Rafale, ocorrem no mesmo...
- Advertisement -
- Advertisement -