Gripens da Hungria são acionados mais de 40 vezes durante a missão báltica

    12453
    95
    Gripen húngaro escolta caça Su-30 russo (clique na imagem para ampliar)

    Os caças Gripen da Hungria que patrulham o espaço aéreo sobre os estados bálticos foram acionados mais de 40 vezes desde o início de sua missão em maio, disse o comandante da unidade responsável pela missão no dia 13 de agosto.

    Durante um dia de mídia realizado no Aeroporto Internacional Siauliai da Lituânia, os combatentes húngaros foram alertados duas vezes em poucas horas.

    Desde o início da missão, os Gripens húngaros completaram mais de 370 decolagens e mais de 400 horas de voo, disse o Brigadeiro General Csaba Ugrik.

    A missão de patrulha do espaço aéreo envolve, entre outras coisas, a identificação de aeronaves que não apresentaram seus planos de voo, não conseguem permanecer em contato com os controladores de tráfego aéreo competentes ou não operam com transponders. Além disso, eles são encarregados de fornecer apoio a outras forças estacionadas nos países bálticos e reforçar a sensação de segurança dos habitantes locais, acrescentou Ugrik.

    As Forças Armadas Húngaras lideram a missão de patrulha do espaço aéreo da OTAN dos países bálticos em parceria com a Espanha e a Grã-Bretanha, disse ele. A OTAN intensificou a sua presença na região desde que a Rússia anexou a Crimeia.

    Durante as patrulhas, os Gripens húngaros interceptaram várias aeronaves de carga e reconhecimento, incluindo os aviões AN-24, AN-26, TU-214R, IL-18, IL-38 e IL-76, disse ele. Eles também encontraram bombardeiros e caças russos, incluindo jatos SU-24M, SU-27P, SU-30SM e SU-35S.

    Ugrik observou que desde que nenhum dos três estados bálticos possui caças, seu espaço aéreo foi policiado pela OTAN desde que eles se juntaram à aliança em 2004. Os membros da OTAN se revezam no policiamento do espaço aéreo báltico, e a missão atual é a segunda desde 2015, acrescentou.

    A Hungria está realizando a missão com 96 militares e quatro caças JAS 39 Gripen, disse Ugrik, acrescentando que durante a missão, os militares também estão participando de exercícios e treinamentos internacionais.

    Piloto húngaro corre para seu caça Gripen para mais uma interceptação. Foto: Sándor Ujvári/MTI

    FONTE: Hungary Today/COLABOROU: Rustam Bogaudinov