Home Aviação de Patrulha FAB celebra 77 anos da Aviação de Patrulha

FAB celebra 77 anos da Aviação de Patrulha

1574
13
P-3AM Orion
P-3AM Orion

Durante a solenidade foi realizada a entrega de medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura e do Prêmio Magalhães Motta

No dia 22 de maio foi realizada cerimônia militar alusiva ao Dia da Aviação de Patrulha da Força Aérea Brasileira (FAB). O evento aconteceu na Ala 9, em Belém (PA), e foi presidida pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez. Oficiais-generais, autoridades civis e militares das três forças, além de aviadores patrulheiros da ativa e da reserva, também prestigiaram o evento.

O Tenente-Brigadeiro Bermudez, parabenizou a Aviação de Patrulha pela data, destacando a importância da aviação para o país. “Eu gostaria de parabenizar a todos os patrulheiros de ontem e de hoje, que contribuíram e contribuem com a manutenção da soberania dos nossos mares, realizando uma gama de missões que perpassam desde o policiamento sobre as ações dos navios, que, de forma ilícita, realizam pesca sem autorização, até a proteção das maiores plataformas de petróleo do país, sobretudo as reservas existentes na camada pré-sal”, disse.

Durante a solenidade, o patrulheiro na ativa com mais tempo de serviço na FAB, o Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, realizou a tradicional aposição de flores no busto do patrono da Aviação de Patrulha, Major-Brigadeiro do Ar Dionysio Cerqueira de Taunay. “Foi uma honra fazer a imposição das flores ao nosso patrono, alguém que tem uma história longa dentro da aviação de patrulha, histórias essas que vem dos anos 1940, quando a FAB participou na Segunda Guerra com a patrulha costeira no nosso país”, lembrou.

Durante o evento também foi realizada a entrega do Prêmio Magalhães Motta ao Capitão Aviador Renan Miranda Richter, do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA). Instituído pela Associação Brasileira de Equipagens da Aviação de Patrulha (ABRAPAT), a premiação é concedida ao vencedor do concurso anual de trabalhos literários relativos a assuntos de interesse da aviação de patrulha. O Capitão Richter venceu com o trabalho “A Aviação de Patrulha e o combate eletrônico moderno: uma análise acerca do desempenho da aeronave P-3AM frente aos radares LPI (Low Probability off Intercept)”.

A cerimônia contou, ainda, com a imposição da Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura ao Comandante do Esquadrão Orungan (1º/7º GAV), Tenente-Coronel Erivando Pereira Souza. A medalha é uma distinção concedida a militares que exercem o cargo de comandante de Esquadrão Aéreo trabalhando em prol da operacionalidade da sua organização e da Força Aérea. “Para mim, receber a comenda foi uma honra, especialmente por acontecer no norte do país, onde vivi toda a minha vida”, comemorou.

Antes do encerramento da solenidade, o Grupamento dos Patrulheiros da ativa e da reserva entoou o grito de guerra dos Esquadrões de Patrulha.

História

22 de maio de 1942 é uma data marcante para a Aviação de Patrulha. Em plena Segunda Guerra Mundial, o “Batismo de Fogo” rememora o bombardeio do submarino italiano Barbarigo por uma aeronave de Patrulha. Hoje, os patrulheiros têm a responsabilidade de vigiar, 24 horas por dia, uma área de aproximadamente 13,5 milhões de quilômetros quadrados sobre o litoral brasileiro. A missão está por conta dos Esquadrões Netuno (3º/7º GAV), situado em Belém (PA); Esquadrão Orungan (1º/7º GAV), no Rio de janeiro (RJ); e Phoenix (2º/7º GAV), em Canoas (RS).

FONTE: Força Aérea Brasileira

13
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
8 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
kornetWalfrido StrobelMauricio R.Antonio AzevedoRinaldo Nery Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Pablo
Visitante
Pablo

Espero que futuramente, se possivel, ver alguns embraer E-190 ou E-195 cumprindo essa missao.

Leonel Testa
Visitante
Leonel Testa

Eu me contentaria com mais uns 12 Orions so que o modelo C mais novo para substituir os Bandeirulhas

Pablo
Visitante
Pablo

Qual a disponibilidade no mercado? A familia E-jet e moderna, so nao sei se pode ser adaptada para essa missao.

Mauricio R.
Visitante

Não precisamos de nada da Embraer, há no mercado 5 ou 6 ofertas que supririam muito bem as necessidades de nossa aviação de patrulha marítima.
Tanto como substitutos dos P-3, como dos P-95.
Não há que se reinventar a roda, pra Embraer posar de bacana, as custas de nós os contribuintes.

kornet
Visitante
kornet

Embraer? Isso não existe,mais.

JuggerBR
Visitante
JuggerBR

Qual o estado atual das aeronaves?

TeoB
Visitante
TeoB

Troca com a MB pelos A4, ai a marinha faz a patrulha, eu penso que é o que deveria ser….

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Caros companheiros pilotos de patrulha eu ,o seu comandante, tenho o prazer de lhes entregar, como presente a nossa instituição pelos 77 anos desta função,o documento de compra de 10 P-8 Poseidon e o projeto , já em andamento, do substituto do Bandeirulha !!!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Compra p MB…

Antonio Azevedo
Visitante
Antonio Azevedo

Meu pai que mora em Sao João del Rey fez também o patrulhamento nas B 17 no Atlântico.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Meus parabéns a ele, o patrulhamento era atividade secundária dos B-17 pouco equipados de Recife, pois era um Esq. SAR, o patrulhamento era feito pelos Lockheed P2 Neptune de Salvador.
. https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRsz1HjY5Ai1WRlWH9YrBE3CagKnJwNVa-KVnmdTThbDVJP5W6QZg

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Este era o B-17 SAR do Brasil, recebido para fazer missões de busca na região entre o Brasil e Africa que o Brasil assumiu.
. https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSatfWCMo0rrNnUZ9ejJKCsZVNLxq_AZuQYz41shc1qqgUvJuO0-NZwHbL9RA

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Depois em 1969 os B-17 foram substituidos pelos. 3 SC-130E SAR em Recife, na foto ainda só usavam designação C-130 na cauda.
Depois os C-130 foram fazer missões de transporte no RJ e o 1°/6° GAv só ficou fazendo aerofotogrametria e o Brasil com 4 Esq. de Bandeirulha praticamente deixou abandonada a área entre o Brasil e Africa, só retomando com a chegada dos P-3AM.
Teoricamente os dois SC-130E que sobraram no RJ poderiam fazer missões SAR, mas na prática operavam como aviões de transporte.
.comment image