Home Aviação Militar Boeing Australia revela ‘Loyal Wingman’

Boeing Australia revela ‘Loyal Wingman’

9804
30

Em 27 de fevereiro de 2019, a Boeing divulgou sua mais recente plataforma não tripulada na Exposição Internacional Aeroespacial e de Defesa da Austrália, que aconteceu em Avalon, perto de Geelong.

É chamado de Boeing Airpower Teaming System e foi desenvolvido pela Boeing Australia. É a primeira vez que a empresa desenvolve uma plataforma não tripulada na Austrália.

Apenas um modelo foi apresentado, no futuro a Boeing e o governo australiano se unirão para construir um demonstrador de conceito chamado “Loyal Wingman”.

A aeronave não tripulada, que se assemelha mais a um caça a jato do que a drones existentes, complementará e estenderá as missões aerotransportadas por meio de equipes inteligentes com aeronaves militares existentes e poderá realizar uma variedade de missões.

O Boeing Airpower Teaming System irá:

  • Proporcionar desempenho semelhante ao de um avião de combate, medindo 11,7 metros de comprimento e capacidade de voar mais de 2.000 milhas náuticas;
  • Integrar pacotes de sensores a bordo para apoiar missões de inteligência, vigilância e reconhecimento e guerra eletrônica;
  • Usar inteligência artificial para voar de forma independente ou em apoio a aeronaves tripuladas, mantendo distância segura entre outras aeronaves.

O primeiro voo está previsto para 2020.

FONTE: Boeing

Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Maus
Maus
1 ano atrás

Estamos testemunhando o futuro das aeronaves militares.

FernandoEMB
FernandoEMB
1 ano atrás

E desenvolvido por uma empresa Boeing fora dos EUA… Os nacionalistas australianos devem estar revoltados…

Fred
Fred
Reply to  FernandoEMB
1 ano atrás

Fernando,

A Boeing Austrália, que nasceu subsidiária e morrerá enquanto tal, não tem a história da sua empresa. Aqui, criamos do nada.

Dignifique os esforços daqueles que ajudaram a cria-la evitando sarcasmos. Ainda que inconsciente, não incrementa o debate.

Abraços.

FernandoEMB
FernandoEMB
Reply to  Fred
1 ano atrás

Com certeza as histórias são muito diferentes…. e é por isso que esta questão Boeing-Embraer trará muita coisa para o Brasil. Daqui a alguns anos é que se poderá dizer se foi algo bom ou ruim, mas a impressão que tenho é que será muito positivo. Muito melhor do que o outro cenário que era a empresa ficar sozinha, pois assim estaria fadada a encolher. Surgirá uma nova Embraer (defesa + executiva) que deverá se reinventar (como já fez outras vezes) e vai continuar desenvolvendo aeronaves e outros produtos. E aind teremos outra empresa no Brasil, com produção e desenvolvimento.… Read more »

Fred
Fred
Reply to  FernandoEMB
1 ano atrás

Não compartilho do otimismo do confrade.

Mas se a estória que estão contando na interna mantém o recurso humano incentivado, ótimo para e empresa e para quem a adquirir.

Bons momentos!

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

A Inteligência artificial terá papel fundamental.

paddy mayne
paddy mayne
1 ano atrás

Acho que a profissão “piloto militar” sofrerá mudanças ainda mais drásticas em um futuro breve, podendo até ser extinta, infelizmente. Aliás, como muitas outras profissões.

Luiz Gustavo
Luiz Gustavo
1 ano atrás

Projeto feito pela Boeing Australia e projetado por engenheiros australianos..

Será que lá eles devem estar achando que só iam fabricar peças ??

E muitos ainda afirmam que a Engenharia Aeronáutica brasileira tinha acabado !!…

Fred
Fred
Reply to  Luiz Gustavo
1 ano atrás

Só ficaram 92 anos sem projetar uma pipa sequer nessa fábrica.

Britânicos, franceses e americanos só deram a lapiseira hoje para os aussies. Valeu a espera, hã? Bom pra eles.

Canarinho
Canarinho
Reply to  Luiz Gustavo
1 ano atrás

E ai da Australia, se algum dia houver conflito de interesse com os Estados Unidos, no outro dia ficam sem nada. Ehh cada um que aparece aqui…. Luiz voce pensou para escrever seu comentário?

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  Canarinho
1 ano atrás

Se houver conflito de interesse entre Estados Unidos e Brasil os aviões da Embraer nem decolam, olha o quanto de peça é importada, começa pelo motor.
Não muda nada.

nonato
nonato
Reply to  Canarinho
1 ano atrás

E por que você está preocupado com isso?

GripenBR
GripenBR
Reply to  Luiz Gustavo
1 ano atrás

Não há uma relação minimamente similar ao que ocorreu aqui com a Embraer, a história lá é outra. Além de ser ingenuidade pensar que a parceria Brasil / Estados Unidos é igual. O Brasil está em outro patamar. Para Washington somos o México, no máximo! Há os Cinco Olhos (https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Aliança_Cinco_Olhos), aliados europeus, Coreia do Sul e Japão. Nosso caso o papel reservado para nós foi estabelecido pela Doutrina Monroe (que parece está sendo reeditada) que se inicia no final do século 19 e não trouxe desenvolvimento para América Latina. A descolonização espanhola, portuguesa e francesa principalmente, não resultou na América… Read more »

ROBERTO DIAS
ROBERTO DIAS
Reply to  GripenBR
1 ano atrás

Insistimos em colocar a culpa nos outros países, mas não enxergamos os brasileiros que vendem (ou se vedem) nosso país ao estrangeiro. A Embraer surgiu como alternativa estratégica para desenvolvimento da FAB e do Brasil. Agora que ela cresceu e incomoda os outros temos que vendê-la porque senão não irá sobreviver… será que é nossa única alternativa mesmo?

Luiz Antonio Marcondes Filho
Luiz Antonio Marcondes Filho
Reply to  ROBERTO DIAS
1 ano atrás

A Embraer tá longe de ter essa tecnologia igual a esse ‘Loyal Wingman’ apresentado pela Boeing Australia

É preciosismo de mais achar que a Boeing precisa da Embraer para desenvolver qualquer produto aeronáutico.
De fato o que o colega Luiz Gustavo acima mencionou é uma grande verdade, um produto de alta tecnologia feito por uma empresa americana, projetado e produzido por australianos.
Mais uma falácia que vai caindo a cada dia e mostrando que a Joint Venture foi excelente para a Embraer.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

O projeto Franco/alemão e agora também espanhol do caça europeu do futuro, tem como previsão o desenvolvimento de um furtivo que poderia comandar um avião menor não tripulado. No que vai dar isso apenas saberemos com o tempo, mas tudo indica que sera o caminho do futuro, todavia tudo cada vez mais caro e menos acessivel a muitos. Alguns já sairam na dianteira.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

Esse é só um dos projetos de drone armado dos EUA (no caso, para a Austrália), todos os mais recentes tem um certo nível de autonomia, e ainda tem gente que diz que os EUA estão a atrás na corrida dos Drones stealth com inteligência artificial kkkkkkkk devem estar atrás dos alcalígenas

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

corretor desgraçado kkkk

Bosco
Bosco
1 ano atrás

Esse sim terá o potencial de se manter firme na linha de frente enquanto atualiza a posição dos alvos para mísseis ar-ar. Ah! Se os “paquistanecentes ” tivessem meia dúzia…

nonato
nonato
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Qual a diferença desse avião para um F 35?
Muito próximo, um ucav ou caça stealth não é tão vulnerável quanto um caça comum?
São muitos novos equipamentos desses só não sei qual a vantagem deles.
Algo que queria ver era a capacidade de levar muitos mísseis ar-ar internamente.
Uns 12.
Faria uma grande diferença.

Cel. HPF
1 ano atrás

Inteligência Artificial no comando de tudo em breve, pobre dos pobres e seus teco-tecos dos ares.
Aliás, esse acordo com a Saab de transferência de tecno, o Brasil nada ganha. Vai aprender fazer motor de caça, sistemas de combate, radares, etc? Claro que não. O próprio avião é um projeto para daqui uns 2 ou 3 anos, sem contar o que se diz na mídia acerca da escolha.
Inteligência Artificial ou não falta por aqui.

marcelo kiyo
marcelo kiyo
1 ano atrás

Parece uma reedição do Mig-25 na primeira foto.

WFonseca
WFonseca
1 ano atrás

Ok, então somos subdesenvolvidos por causa dos USA, praticamente nos obrigaram a vender a Embraer. Tenho até pena dos principais parceiros deles pois não passam de lambe botas (Japão, Coreia Sul, UK, Austrália, Israel, Canadá etc). Boas são parceiros russos (Cuba, Irã, Venezuela) ou chineses (Coreia Norte, Paquistão). As calçadas de BH estão repletas de fezes, os prédios pichados… posso colocar a culpa nos colegas portugueses? “o Araketu, o Araketu quando toca” – Ufa! O carnaval acabou, hoje é sexta feira mas a cidade continua quieta. Quando as faculdades irão retomar as aulas? Como desenvolver alguma coisa se diversão (bagunça)… Read more »

Wagner, o original
Wagner, o original
Reply to  WFonseca
1 ano atrás

Até que enfim um comentário sensato.

Señor batata
Señor batata
1 ano atrás

Essa ideia de loyal wingman feita por drones é bem promissora. Já levantando a lebre será que a FAB estuda ou pelo menos mantem alguma vigilância no programa NEURON? Seria interessante saber se eles tem interesse em um eventual lote e se não acarretaria numa perca séria de recursos para eventuais futuros novos lotes de gripen.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

Neuron é muito recente e pelo que sei não leva armas, os EUA tem pronto para venda o Avenger, armado, e stealth, pra mim a MB deveria investir mais em drones movido a turbina, cobrem uma área maior, é mais barato de adquirir e manter que um Navio de Patrulha

Señor batata
Señor batata
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

Po Carlos tudo bem? Em relação a drones para patrulha acho uma boa ideia, mas não vejo ele como substitutos dos navios patrulho, afinal o tempo de persistência nos navios é muito maior e ainda tem a questão de quem em muitos casos precisa de presença humana para diversas tarefas como: revista de navios, resgate e etc. Um tema já levantado d’antanhas se não me engano pelo Bardini é uso de drones embarcados em navios patrulha, isso deveria ter grande foco na MB (sim eu estou ciente q a nova classe de patrulhas contempla uso embarcado de drones). De todo… Read more »

Señor batata
Señor batata
Reply to  Señor batata
1 ano atrás

Po=oi*

Bispo
Bispo
1 ano atrás

Assim como na F1 …onde “software” determina a equipe vencedora da temporada..sendo o piloto “ainda necessário, não fundamental”.
Em breve se dará nos aviões caça…. a dúvida é , pode o jogo mudar …seriam Russos/Chineses melhores “programadores” que EUA/Otan ?
AI militar esta mais avançada em qual lado…façam suas apostas ?

erico
erico
1 mês atrás

Eu vou escrever aqui com a esperança de alguem na Embraer ler.. penso que no futuro um E190 equipado com um super radar e medidas de guerra eletronica poderia coordenar um grupo de caças robôs como esse.. imaginem as possibilidades de ações que esse tipo de aeronave poderia desempenhar.. tem que começar a desenvolver essa tecnologia gente.. o futuro esta ai.. integrar os grippens tripulados com esses caças robos é uma necessidade..