Home Aviação Comercial China produz parte da fuselagem frontal do CR929 em material compósito

China produz parte da fuselagem frontal do CR929 em material compósito

1905
9

A China produziu o primeiro protótipo de fuselagem dianteira feita de compósitos para o widebody CRAIC CR929 em desenvolvimento.

A estrutura de 15 metros por 6 metros marca a primeira vez que a China está usando um conceito de compósitos para toda a fuselagem, diz a Comac. Acrescenta que a estrutura fornecerá suporte técnico importante para o projeto preliminar da estrutura em compósito do CR929.

A China é responsável pela produção da fuselagem do jato widebody sino-russo em desenvolvimento. A montagem final da aeronave também será feita em Xangai. As asas em compósitos da aeronave, a seção de empenagem e cauda serão produzidas na Rússia.

O programa deverá progredir para uma definição conjunta no segundo semestre de 2019, após a seleção de fornecedores de motores e trens de pouso no início do ano.

A meta é entregar o assento de 280 pés em 2025. A gigante aeroespacial italiana Leonardo também assinou um memorando de entendimento para colaborar com a Kangde Investment Group na instalação de uma fábrica chinesa de produção de aeroestruturas para fornecer peças de fuselagem para o CR929.

Mock up do CR929

Motores

Durante a Exposição Internacional de Aviação e Aeroespacial da China em novembro de 2018, em Zhuhai, Viktor Kladov, Diretor de Cooperação Internacional e Política Regional da Rostec, disse que o CR929 provavelmente seria equipado com um motor da General Electric no primeiro estágio e depois seria substituído por um motor sino-russo em outra etapa da produção.

A sino-russa Commercial Aircraft International Corporation (CRAIC), uma joint venture entre a chinesa COMAC e a russa United Aircraft Corporation (UAC), tomará uma decisão final sobre o motor a ser usado no CR929. Um motor Rolls-Royce poderia ser outra opção, acrescentou Kladov.

A fase de projeto conceitual da fuselagem sino-russa começou em 2018. Os sistemas de aeronaves e fornecedores de equipamentos também serão selecionados em um ano e meio.

O wide-body bimotor será projetado para ter 280 assentos com um alcance de voo de 12.000 quilômetros (6.480 milhas náuticas) na versão básica. A aeronave será montada na China e projetada na Rússia. O orçamento total do programa é estimado em US$ 13 bilhões.

A joint venture foi lançada oficialmente em 22 de maio de 2017, em Xangai. O ano 2025 é direcionado para o voo inaugural e 2028 para a primeira entrega.

A parceria dos fabricantes de aeronaves chineses e russos é vista como um desafio ao duopólio da Airbus e da Boeing. O objetivo é pegar 10% de um mercado dominado pela Boeing e Airbus por 9.100 widebodies necessários ao longo de 20 anos.

Concepção do CR929

9
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
PiresRene Dos ReisWalfrido StrobelPaulo CostaBispo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Andrigo
Visitante
Andrigo

Não duvido que estes primeiros com motores GE sejam ótimas aeronaves, o desafio vai ser manter o padrão quando colocarem motores orientais.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Por mim que façam, não vou dizer que é melhor ou igual aos ocidentais, mas é uma aeronave a mais no mundo podendo baixar os custos de passagens, só fiquei com o pé atrás com esse motor russo que querem colocar nele, eu acredito que o melhor seria não ter esse motor russo, a não ser que se crie uma infraestrutura de nível internacional assim como uma logística do mesmo patamar, tendo várias áreas para mautenção do motor na Rússia, China, EUA, França, Alemanha, Reino Unido, Japão e Austrália e algum na America do Sul.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Com as empresas aéreas chinesas ganhando corpo, as possibilidades de encomendas do C919 e do CR929 são excelentes.

Bispo
Visitante
Bispo

Fato, ambos os países …Rússia/China tem tecnologia para tal empreitada… concorrência é vital para o progresso.
Aos poucos China/Rússia vão se livrando de qualquer dependência do “ocidente”… não seria surpresa anunciarem um missão conjunta para Marte…e quem sabe…. usando propulsão atômica em desenvolvimento pela Rússia.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Acredito que no caso, a ‘dependência’ seria por questões de mercado.
Algum cliente pode preferir um componente mais familiar por questões de operação ou manutenção.
Certamente que russos e chineses têm condições de produzir quaisquer destes componentes.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Motores made in USA … ou seja qualquer venda vai precisar aval Tio Sam …

E complicado esse embrolho e no mundo globalizado do comercio e da produçao a tendencia e piorar

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

A situação mostra ser cada vez mais importante para Rússia e China terem uma versão com conponentes ocidentais para exportação e uma versão com componentes nativos para uso interno, militar e venda a países embargados.

Rene Dos Reis
Visitante
Rene Dos Reis

Ótima noticia , viva a concorrência

Pires
Visitante
Pires

Coitada da Russia! Sendo usado como mula pelos chineses. Depois que a China dominar uns 90% dessas tecnologias; os chinas vão dar um chute no traseiro da Russia.