Home Aviação de Treinamento USAF testa Alpha Jet como avião paquera

USAF testa Alpha Jet como avião paquera

7743
35
Alpha Jet da MTSI
Alpha Jet da MTSI

O 412º Grupo de Operações da Força Aérea dos EUA explora opções para aumentar sua frota de aviões de caça com o Alpha Jet

O 412th Operations Group (412 OG) da USAF está explorando maneiras de aumentar sua frota de aviões “paquera” (“chase plane”) e uma opção é usar aeronaves Alpha Jet.

Quando um avião de teste voa, em muitas ocasiões ele é acompanhado por um avião paquera ou “chase plane”, que pode fornecer suporte de segurança, dando feedback visual, servir como um alvo voador e documentar a surtida de teste através de fotografia e vídeo feito por um membro da tripulação adicional. O teste de novos sistemas em quase todos os tipos de aeronaves no inventário da USAF, com várias saídas a cada dia, pode ser uma tarefa difícil e a demanda por aeronaves paquera é maior do que nunca.

“A aeronave de suporte de teste principal é o F-16, que é muito capaz”, disse Christopher Klug, diretor técnico do 412 OG. “A demanda por suporte de teste, principalmente perseguição de segurança e voo como alvo, excede a capacidade do F-16. Embora o Alpha Jet não seja tão capaz quanto o F-16, ele pode atender a parte da missão de suporte de teste que não exige os recursos mais avançados do F-16.”

Atualmente, a Base de Edwards tem dois Alpha Jet contratados através da Modern Technology Solutions, Inc. (MTSI) e pela Gauntlet Aerospace para dar suporte a certas missões de teste como uma experiência para verificar o que eles podem oferecer.

De acordo com a Gauntlet Aerospace, proprietária dos jatos, os Alpha Jet de dois lugares foram projetados para serem aviões de ataque leve e de treinamento na década de 1970, por meio de uma parceria entre a empresa francesa Dassault e a alemã Dornier.

O Alpha Jet também foi projetado para ser lançado rapidamente após cada surtida e não requer equipamento de apoio no solo. Os jatos ainda estão em serviço militar na França, Bélgica, Egito, Portugal e Tailândia, e são operados pela escola de pilotos de teste da EPNER e pela Empire Test Pilot School da Grã-Bretanha, de acordo com a Gauntlet.

Klug acrescentou que o Alpha Jet pode ser bem adequado para lidar com missões de suporte de teste de duração menor executadas a cerca de 30.000 pés e com velocidade inferior a 0.8 Mach. Até agora, o Alpha Jet apoiou missões de teste com F-16, F-15, F-22, B-1 e F-35, disse ele.

A capacidade de capturar dados visuais é outro papel importante de um avião de perseguição e o 412 OG espera que mais missões possam ser adequadamente documentadas com missões de teste de menor prioridade obtendo a documentação fotográfica necessária.

“O F-16 é uma plataforma de foto muito mais versátil que o Alpha Jet, mas não há modelos D suficientes (versões de dois lugares)”, disse Christian Turner, gerente da Media Fusion Aerial Photography. A USAF Test Pilot School é uma prioridade muito alta quando se trata de obter modelos D, já que eles precisam ter instrutores para a maioria de seus voos. Ter acesso ao Alpha Jet simplesmente nos dá maior acesso a uma plataforma de perseguição fotográfica de dois lugares.”

Como em todos os testes da Edwards AFB, os dados serão analisados ​​e os líderes decidirão se o Alpha Jet pode ser usado como equipamento permanente para suportar testes futuros.

FONTE: USAF

Subscribe
Notify of
guest
35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bueno
Bueno
1 ano atrás

olha, mais uma oportunidade para o gripen! 🙂

Marcelo
Marcelo
Reply to  Bueno
1 ano atrás

nao acho, para a USAF usar o Gripen vai ficar mais caro que usar o F-16 que ja tem toda a logistica pronta, no caso querem algo mais simples e barato que o F-16 para parte das missoes.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Bueno
1 ano atrás

Não teria nenhuma lógica comprar ou arrendar um Gripen para isso, que eles querem é um jato simples para paquera, a Embraer tem um Hawker Hunter para isso.
. http://www.airliners.net/photo/Embraer/Hawker-Hunter-T72/506651

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás
HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
1 ano atrás

Esse Alpha Jet da foto é um exemplar produzido na Alemanha, caracterizados pelo nariz pontudo. Agora seria melhor tentarem obter um BAe Hawk para a tarefa.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  HMS TIRELESS
1 ano atrás

Não tem empresa alugando Hawk e eles preferem usar aviões terceirizados, para não ter mais um avião para complicar a logistica da USAF.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Pega um T-45 emprestado da USN..rs!

Ps: salvo engano uma dessas empresas que terceirizam combate dissimilar opera o Hawk

Washington Menezes
Washington Menezes
1 ano atrás

Caramba, acho que muitos que frequentam o site não sabem bem o que é o gripen e suas reais capacidades.

Claudio Luiz
Claudio Luiz
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

Concordo inteiramente contigo.

Ivan
Ivan
1 ano atrás

Missão para o futuro T-X da USAF.
.
– Custo menor que F-16 ou qualquer outro caça da linha de frente;
– Logística compartilhada com os futuros LIFTs;
– Disponibilidade para encomendar uma versão otimizada para “paquera”.
.
Sds.,
Ivan.
.
Em tempo:
Gosto muito do Alpha Jet.
Teve múltiplas missões durante a Guerra Fria:
– LIFT de vários países da OTAN;
– CAS para Luftwaffe e Armée de l’Air Française; e
– Demonstrações (shows) aéreas na Patrouille de France.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
1 ano atrás

Votação rapidinha, sem justificativas: qual o treinador a jato mais simpático dos anos 70?

1- L-39
2-Alpha jet
3- MB-339
4- Hawk

Maurício.
Maurício.
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

L-39

Dr.Telemaco
Dr.Telemaco
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Meu voto vai pro MB-339

Tamandaré
Tamandaré
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Eu vou de Hawk!!

pangloss
pangloss
1 ano atrás

Empate entre Alpha Jet e Hawk, decidido no photochart a favor do Alpha Jet, por ser bimotor – o que aumenta os custos, mas dá maior segurança.

TJLopes
TJLopes
1 ano atrás

Hawk, os Hawk 208 e 209 são muito simpáticos.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  TJLopes
1 ano atrás

Vc está fazendo confusão, os Hawk serie 200 são monoplace operacionais com radar, sonda REVo e bem armados para a categoria, não são de instrução, o 208 é o da Malásia e o 209 da Indonésia, os de instrução deles são os 108 e 109 respectivamente.

Nadim Chaachaa
Nadim Chaachaa
1 ano atrás

Porque não usam os T45 Goshawk da marinha que são o Hawk?

BILL27
BILL27
1 ano atrás

2

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Será que o A-1 biplace serve ?

André
André
1 ano atrás

Ouvi dizer que a força aérea Argentina mandou uma comissão para analidar o avião…

pangloss
pangloss
1 ano atrás

No Super Trunfo “Aviões de Combate” que eu ganhei de presente de Natal dos meus avós em 1981, a categoria “Treinamento” apresentava as seguintes cartas: Alpha Jet, Hawk, Xavante e T-38 Talon.

Marco
Marco
1 ano atrás

Depois que em 82 um MB339 da Armada Argentina atacou solo a frota Inglesa de desembarque em San Carlos Water (passou entre os navios) com canhoes de 30mm e foguetes de 125mm e saiu vivo, ele se tornou muito simpatico! Vi que um Xavamte pode ser uma grande dor de cabeca ao iimigo!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Marco
1 ano atrás

Os danos foram mínimos, se é que houve algum, e ao final do conflito os argentinos foram derrotados e as ilhas voltaram a ser o que eram ou seja, as Falklands.

Enquanto isso os argentinos, passados 36 anos, continuam a se iludir com feitos inexistentes como o ataque ao HMS Invincible.

Ps: todos os MB339 que foram enviados para as ilhas foram perdidos, um deles está em exibição na GB como troféu de guerra.

Marco
Marco
1 ano atrás

O dia que um Pampa for armado com algo como o Maverick e com sonda de reabastecimento puder ser arrastado por um KC130 1000 milhas mar adentro se tornara uma boa ameaca a qq frota sem PA, obriga ao inimigo sempre ter cobertira aerea. Mesmo para seus comboios de suprimento, tarefa para la de dificil!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Marco
1 ano atrás

Sem NAe os Pampas teriam de enfrentar os Typhoon…..

Com NAe serão os F-35B apoiados pelos Merlin de AEW…

Não tem como dar certo

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

Uma versão interessante era o limitado Alpha Jet com Exocet AM39 e Magic 550 do Egito, mas tinha uma aplicação específica, afundar navios no Canal de Suez se necessário,não era para mar aberto.
. https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQx6xIV8_rBeZUEC–TQQQUYLEd7-Jh1SiKan_E–5aZ2Fmii7B047aFnmZ

Marco
Marco
1 ano atrás

Tireles nao adanta querer diminuir a facanha o MB339, ele estava sem bombas, estava com foguetes e os Ingleses nunca darao a info do que um foguete de 125mm faz de dano numa Fragata, para meu alivio muitos aqui sabem o estrago que um Oto Breda 40mm fez em nossa Type22, entao imgine o foguete de 5pol, naquele incidente de treinento com a Argentina. Nunca afundara um navio mas vai baixar algo la

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Marco
1 ano atrás

Mais algumas “informações” que os ingleses nunca darão (até porque não existiram): – O ataque ao HMS Invincible – Como os velhos S-2 Tracker da Armada Argentina “botaram os SSNs da Royal Navy para correr…” – Como o Capitão Garcia Cuerva, com sua aeronave incontrolável após ser mortalmente ferida pelo AIM-9L disparado pelo Squadron Leader Paul Barton, com pouco cumbustível, vazando fluido hidráulico e com uma cacofonia de sons na cabine, ainda conseguiu voar até o HMS Hermes e abater um Sea Harrier que estava pousando na vertical; – Como o BIM 5 poderia ter “jogado os britânicos de volta… Read more »

Marco
Marco
1 ano atrás

Tireless o foco eh quao util pode ser um jato de treinamento, entao com as armas certas, deve ter sempre em mente ussar seus peqienos jatos o mais agressivamente possivel, pode dar um bom retorno, ao menos mais duzias de preocupacao para a caca inimiga correr atras! Tenho um pe nas “Terras Altas” mas desmerecer os feitos de aeronaves arcaicas contra protecao missilistoca completa, isso eu nao vou me deixar cegar nao! As taticas ainda sao validas!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Marco
1 ano atrás

Marco, caças de treinamento apenas podem ser úteis em cenários com pouca ou baixa oposição! O dado válido da missão do MB 339 não foi infringir algum dano a algum navio britânico, algo que não fez, mas sim ter informado ao comando argentino a magnitude do desembarque. Outrossim ele deu muita sorte, talvez porque quando sobrevoou a área de San Carlos as baterias de Rapiers ainda não estavam operando.

Marco
Marco
1 ano atrás

Esta errado, atacou a primeira escolta, que nao era indefesa, esquivou e entrou no meio dos navios. Perderam somente dois 339 em voo, um para missil terra-ar e outro em acidente. Total 5 com os que ficaram, outros retornaram em voo ao continente. Quanto ao resto leia o TOMO III como o 25 de Mayo foi defendido de dois subs a espreita e como sao importantes os Trackers e Sea Kings, que o Belgrano nao tinha ao sul. Leia “One hundred days” do alm Woodward sobre a manobra de pinca da Armada Argentina, na qual ele afortunadamente teve como quebrar… Read more »

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Marco
1 ano atrás

Na boa Marco mas os argentinos, feridos com a derrota em uma guerra inglória sobre um território que erroneamente julgam seu, contam muitas histórias sem fundamento algum! Essa do ataque do MB-339 é uma delas visto que os danos causados no HMS Argonaut foram leves. Quanto aos aparelhos enviados para as ilhas (6) dois foram perdidos (um em acidente e outro para um SAM Blowpipe) e três capturados. Portanto sobrou apenas um, talvez o de Crippa…rs Por fim os Trackers estavam completamente desatualizados, não teriam como detectar um SSN rápido como o HMS Splendid, que de fato perdeu o contato… Read more »

Marco
Marco
1 ano atrás

Esta tudo no TOMO III, as catapultagens, tripulacoes, lancamento de sonoboias, deteccao e ataque. Provaveis subs detectados Onix e SSN Stark. Vale a pena! Obtuvo rumor hidrofónico, continuando la explotación del contacto mientras el 2AS-24 obtenía ocho contactos MAD con característica “no sub” y también rumor hidrofónico en tres sonoboyas. A 1006 el 2H-231 obtuvo un contacto sonar, guiando al 2AS 24 para ejecutar un ataque (MAD VEC). El 2AS-24 lanzó un torpedo buscador antisubmarino MK-44-MOD 1 en latitud 44º33′(S) longitud 64º16′(W). El torpedo es verificado en su funcionamiento, (siendo correcto), produciéndose la duplicación de su emisión sonar (índice de… Read more »

Marco
Marco
1 ano atrás

Ssn Sparta e nao Stark erro aqui no teclado