Home Asas Rotativas Mais um helicóptero Mi-28NE para a Argélia

Mais um helicóptero Mi-28NE para a Argélia

3435
33
Mi-28NE

Voou em novembro outro helicóptero Mi-28NE com controle duplo, construído pela JSC Rostvertol em Rostov-on-Don, no âmbito do contrato para a Argélia.

A Rosoboronexport concluiu em 26 de dezembro de 2013 um contrato para o fornecimento de 42 helicópteros Mi-28NE para a Argélia, produzido pela Rostvertol. Os primeiros helicópteros começaram a ser entregues em 2016.

A Argélia tornou-se o segundo cliente estrangeiro dos helicópteros Mi-28NE depois do Iraque, que encomendou 15 aeronaves em 2012.

Os Mi-28NEs argelinos estão equipados com o radar N025E montado sobre a cabeça do rotor principal e têm controle duplo, semelhante à modificação do Mi-28UB. O helicóptero também tem o sistema de auto-proteção President-S.

Domo do radar N025E
Antena do radar N025E

COLABOROU: Rustam Bogaudinov

33
Deixe um comentário

avatar
33 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
20 Comment authors
Paulo JorgeTomcat3.7BardiniGabriel2Walfrido Strobel Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
diego
Visitante
diego

Um lote de 12 Mi-28 para o EB utilizar na triplice fronteira iria acabar com 90% do trafico de drogas e armas no Brasil inteiro. No primeiro dia de operação com esse tipo de nave na triplice já se veria uma diferença positiva na segurança…

diego
Visitante
diego

… esse Mi-28 da Argelia me parece o mais completo desenvolvido até agora, qual o valor que saiu a unidade neste negocio??

Marcos
Visitante
Marcos

Esse radar tem capacidade apenas acima do horizonte das asas?

Marcos
Visitante
Marcos

Assisti o vídeo. Todo o maquinário que a Embraer utiliza, em grande parte, vem dos EUA, Inglaterra e Alemanha, pouquíssimas coisas do Brasil. No vídeo aparecem equipamentos automatizados produzindo peças. Fica a curiosidade se esses equipamentos tem origem russa.

Silva
Visitante
Silva

Se ou quando o CAVEX finalmente adquirir helicópteros de ataque, acredito que a disputa ficará entre o americano Viper e o italiano Mangusta. O Mangusta sai na vantagem por ser mais barato.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

O Mi-28 Causa terror no inimigo. A Rússia está com tudo. Bela matéria.

Alisson Mariano
Visitante
Alisson Mariano

diego 16 de dezembro de 2017 at 20:17

Qual seria a vantagem dessa aeronave na missão de patrulha de fronteira em relação às aeronaves já em uso pela FAB (A-29, F5-BR, E-99 e AH-1 Sabre)?

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Silva
Tanto o Mangusta quanto o Viper seriam excelentes…

Ádson
Visitante
Ádson

Off mas nem tanto. Qual o heli de ataque com menor dimensão? Pergunto isto pela provavel aquisição do Ocean pela MB. Ou seja um heli de ataque para os FN é essencial, mas também um de pequenas dimensões facilita muito a faina a bordo.

fonseca
Visitante
fonseca

Não dou valor ao complexo de vira-lata de ficar sempre reclamando e criticando o Brasil.
Mas não posso deixar de expressar minha surpresa ao ver países relativamente pequenos, e que não são potências do petróleo do oriente médio comprando 50 helicópteros de ataque de última geração.
Ou comprando 80 caças SU 30, enquanto nós estamos fazendo o maior esforço para termos meros 36 gripen monomotores…

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Ádson, o Mangusta é bem menor que os demais.

Diogo de Araújo
Visitante

Sei lá com esses manpads atuais (inclusive russos) não vejo o helicóptero de ataque como uma boa opção na maioria dos casos
https://youtu.be/53alaPLcOaY

Silva
Visitante
Silva

Ivan BC, Talvez, uma boa oportunidade para o Brasil, seria o Rooivalk. A Denel está estudando lançar uma nova geração do Rooivalk, com extensas melhorias. Os sul-africanos estão procurando por parceiros para esse possível projeto e o Brasil é um parceiro do interesse deles. O Rooivalk foi utilizado na África central com êxito em missões de pacificação da Onu. Como ele utiliza a plataforma do Super Cougar e muitos componentes são idênticos, e foi projetado para ser de certa forma rústico, para não necessitar de uma estrutura custosa e complexa em solo, acredito que seus custos seriam compatíveis com a… Read more »

donitz123
Visitante

Rooivalk é aquele helicóptero de ataque de fabricação artesanal? Aquele sem escala de produção?
.
É melhor adquirir um produto que tenha escala de produção como AH-1, AH-64 ou Mi-28.

Marcos
Visitante
Marcos

Volto a pergunta: quais as limitações desse radar?

Sérgio Luis
Visitante
Sérgio Luis

42 ?!?!!
Estocar,revender ou iniciar uma guerra?!?

donitz123
Visitante

Marcos 17 de dezembro de 2017 at 10:00 .
.
Volto a pergunta: quais as limitações desse radar?
.
Eu não saberia dizer as limitações mas os pilotos russos combatendo na Síria reclamaram da falta dele por lá.

Fabiano Martins
Visitante
Fabiano Martins

Quanto aos heli de ataque para o EB ,não vindo a bucha do Tiger já agradeço a Deus.

Agnelo
Visitante
Agnelo

O custo de um Heli Atq pra patrulhar fronteira é muito alto.
Melhor esquilos com olho da águia.
No Sul, logicamente.
Se fossem terroristas, aí seria outra história.
Sds

diego
Visitante
diego

puts… esquilo na patrulha?? vai ser anão assim la longe! Na triplice fronteira dobradinha A-29 mais Mi-28 NE (completo) é uma barreira pra lá de respeitável, trafico de drogas, armas, explosivos iria despencar em cerca de 90% caso essa dobradinha entrasse em ação… más na terra dos bananas de pijama vai com aquela coisa ridícula de esquilo frankestain, o piadinha de mau gosto que criaram além de ser , não parcialmente más, totalmente inutil!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Diego, os Mi-28NE iam “sentar fogo” nos bandidos no solo? É por isso que o Fennec não serve?

Walfrido Strobel
Visitante

O traficante não usam uniforme e mascara como os Irmãos Metralha, podem passar vários quilos de cocaína através de uma senhora de aparencia inocente de mãos dadas com sua filhinha.
Um helicoptero armado na triplice fronteira seria inútil, o que precisa é um trabalho sério de inteligencia policial, sem isso não adianta colocar helis de ataque e Guaranis na fronteira para combater o tráfico.

Marcos
Visitante
Marcos

A tia Marvada comprou um monte de drones e… e nada!
Então sair comprando equipamentos sem ter uma doutrina, nada resolve.

Gabriel2
Visitante
Gabriel2

diego
Para patrulhar fronteira o que temos já serve…aliás uma força policial poderia executar esse trabalho inclusive , nem precisa ser forças armadas em tempos de paz.

Alisson Mariano
Visitante
Alisson Mariano

Tbm não entendi a linha de raciocínio… Como o MI-28 reduziria 90% do tráfico de drogas e armas no Brasil? Para patrulha aérea temos A-29 e F5-M (Gripen em breve) apoiados pelo E-99. Até o AH-1 já foi usado nessa função. Se o objetivo fosse metralhar traficantes em terra (desconsiderando que, como já exposto acima, as cargas ilícitas são transportadas de forma dissimulada por pessoas aparentemente comuns), os meios que possuímos já seriam suficientes (AH-1, A-29, Fennec e até os H-60 e H-36 com metralhadoras). O que, por exemplo, o Mi-28 NE faria tão melhor que o Mi-35 (AH-1) nessa… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

O Diego nunca ouviu falar numa tal de Operação Ostium. Aliás, parece que o endereço http://www.fab.mil.br é bem pouco visitado. Talvez os editores pudessem colar mais matérias de lá por aqui.

Ádson
Visitante
Ádson

Cel Nery, tem informação se deram solução na caixa do Caracal?

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Não tenho. Estive num churrasco da turma na PREFAER SP mês passado mas esqueci de perguntar. Também tenho curiosidade nesse assunto, bem como na manutenção do Sabre.

Ádson
Visitante
Ádson

O Sabre é mais “simples”, é só pagar o suborno dos russos que vem tudo.

Bardini
Visitante
Bardini

“Um lote de 12 Mi-28 para o EB utilizar na triplice fronteira iria acabar com 90% do trafico de drogas e armas no Brasil inteiro. ”
.
Baita porcentagem…
.
Deve ser verdade, já que “compraram” MI-35 justamente usando esta baboseira como desculpa na tal “concorrência”: Combate ao Narcotráfico. Pessoal do Hell de Janeiro é o que mais sentiu o impacto desta “baita aquisição”, para bater foto nas operações enxuga gelo.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Diego
Para prender traficantes no solo, vc usaria um Heli Atq, se pode utilizar um Fennec q tem o custo bem menor?
Ainda bem q vc não administra as contas das FFAA…

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Agnelo 18 de dezembro de 2017 at 14:50

Boa.kkkkkk
Bardini 18 de dezembro de 2017 at 13:51
Fato.

Ninguem para pra pensar que se algum piloto metralha traficantes por estas bandas é capaz de perder a farda antes de aterrissar o helicóptero né. Os Fennec’s se forem capacitados,assim como os Pantera, a levar mísseis ATGM já darão um caldo e tanto dentro de nosso TO, fora isso há outras prioridades.

Paulo Jorge
Visitante
Paulo Jorge

Usar o Mi-28 para patrulha de fronteira é um total desperdício do potencial dele. Sai mais em conta utilizar drones e colocar o ST na linha de interceptação.

Sds