Atlas Cheetah

Lakeland, FL (11 de dezembro de 2017) – A Draken International, líder mundial em serviços aéreos adversários avançados, anunciou a aquisição de doze aviões de combate Atlas Cheetah da África do Sul, reforçando o foco da empresa no fornecimento de capacidades avançadas para seus clientes. À medida que a demanda por maior capacidade de recursos adversários continua a crescer em todo o Departamento de Defesa (DoD) dos EUA e globalmente, os novos jatos Cheetah da Draken fornecerão à USAF, USN e USMC uma plataforma supersônica equipada com radar para treinar contra.

Visto como uma conquista importante para a Indústria da Defesa da África do Sul, Denel Aeronautics, a autoridade de design da aeronave, continua comprometida com a transferência expedita e completa regeneração de nove modelos Cheetah C (monoposto) e três modelos D (biposto) para garantir à que a frota da Draken atinja o status operacional em meados de 2018. Além da aquisição da frota de Cheetah, a Draken e a Denel criaram uma parceria que incluirá suporte ao serviço de acompanhamento para ajudar a garantir a confiabilidade do desempenho.

A Draken é atualmente o único fornecedor comercial de serviços aéreos que suporta o DoD com capacidades de 4ª geração. Os A-4 Skyhawks da empresa equipados com radares APG-66 e os L-159 Honey Badgers com radares GRIFO-L, provaram ser adversários altamente eficazes para a USAF, ANG, USMC e parceiros internacionais. Complementar a frota da Draken com estes Cheetahs de 4ª geração oferecerá aos clientes uma plataforma extremamente capaz e ainda altamente econômica. Os doze Cheetahs são complementados pela recente aquisição pela Draken de 22 Mirage F1M espanhóis equipados com radar.

A competência central da Draken é a sua capacidade de adquirir e operar aeronaves de combate acessíveis, suportáveis, críveis e capazes. A Draken também permanece dedicada a rastrear e avaliar aeronaves globalmente com frotas operacionais com sucesso comprovado que incluem o A-4 Skyhawk, L-159 Honey Badger e Aermacchi MB-339. Com os recém-adquiridos Cheetahs e os Mirage F1Ms modernizados na década de 1990, essas plataformas altamente capacitadas foram selecionadas no lugar do modelo inicial do F-16 e Mirage F1s não modernizados com base em suas verdadeiras capacidades de 4ª geração. Desenvolvido como uma variante do Mirage III, o Cheetah Mach 2.2 está equipado com radares, receptores de alerta de radar e outros aviônicos avançados. Os Cheetahs também têm uma média de 500 horas em cada estrutura e são consideravelmente mais jovens do que muitos dos F-16, F-15 e F/A-18s que vão desafiar na capacidade do Red Air.

Sean Gustafson, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios da Draken, afirmou: “Nossos clientes da USAF, USN e USMC pediram à Draken que evoluísse nossas capacidades para simular os adversários da quarta geração que os Estados Unidos talvez enfrentem no futuro. Enquanto a nossa extensa frota de A-4K Skyhawk e L-159 Honey Badgers é modernizada com radares sofisticados e suítes de sensores, é um desafio oferecer capacidades inimigas modernas a um preço baixo, o que é um requisito fundamental para a nossa indústria. No entanto, com a recente compra de nosso Mirage F1M de poucas horas e nossos Cheetahs da África do Sul, agora temos a capacidade de oferecer adversários de 4 ª geração representativos supersônicos, modernizados e verdadeiramente ameaçadores a um preço muito acessível”.

A demanda por aeronaves adversárias capazes dentro do DoD continua a exceder as expectativas e a Draken está trabalhando diligentemente para atender a essa demanda. Juntamente com a aquisição de 22 Mirage F1Ms e F1Bs modernizados, o Cheetah será oferecido para vários contratos dentro dos militares da USAF, USN, USMC e EUA. A Draken continua a ser um pioneiro na indústria de serviços ADAIR fornecendo treinamento essencial para todos os serviços militares. À medida que os atuais contratos da Draken evoluem para lidar com requisitos adicionais, nossa capacidade de oferecer suporte aprimorado aumenta para o treinamento de prontidão de combate.

Gustafson afirmou ainda: “Como líder no setor de serviços aéreos comerciais, não só pelo número de aeronaves operacionais, mas pela quantidade de contratos e horas de voo anuais totais, a Draken continuará a elevar o nível para todos se esforçarem. Capacidade e aptidão são os temas dominantes para o negócio ADAIR, impulsionados pelos requisitos contratuais de nossos clientes. Como o único fornecedor de Red Air para a USAF, incluindo a Weapons School e a Red Flag, a Draken está empenhada em oferecer uma ampla capacidade para gerenciar a maioria da enorme demanda de ADAIR em todo o DoD. É por isso que adquirimos os A-4, L-159, Mirage F1M, e agora os Cheetah, a primeira plataforma verdadeiramente de 4ª geração da indústria”.

A Draken está empenhada em fornecer aos pilotos de caça dos EUA e aliados a solução de treinamento ar-ar mais avançado, investindo e expandindo a maior e mais avançada frota de aviões de combate táticos da indústria. Toda a sua organização, incluindo a propriedade, a gestão, os pilotos e o pessoal de manutenção, continuarão a oferecer o melhor serviço disponível a nível mundial.

Sobre a Draken International

A Draken International é o maior operador mundial de aeronaves ex-militares. A empresa é baseada no Lakeland Linder Regional Airport em Lakeland, FL. A organização estabelece um novo padrão no apoio adversário no ar, treinamento de voo, simulação de ameaças, apoio de guerra eletrônica, reabastecimento aéreo, pesquisa, testes, bem como outras missões exclusivamente adequadas à sua frota de aeronaves. Com mais de 100 aviões de combate táticos que incorporam capacidades modernas de 4ª geração, a empresa está em posição única para atender a crescente demanda global por serviços aéreos comerciais. A Draken emprega pilotos de combate de classe mundial, treinados militarmente, incluindo instrutores da Weapons School da USAF, graduados da Fighter Weapons School, instrutores TOP GUN, oficiais de ligação aérea e instrutores FAC-A. Para obter informações adicionais, visite www.drakenintl.com.

FONTE: Draken International

NOTA DO PODER AÉREO: com 100 aviões de combate a Draken é uma empresa que tem um poder aéreo maior do que muitas forças aéreas do mundo!

22
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
17 Comment authors
Rafael LCarlos A SoaresRamon GrigioJefferson FerreiraBavaria Lion Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

“e agora os Cheetah, a primeira plataforma verdadeiramente de 4ª geração da indústria”
.
Tá certo… Avisa lá pros sul-africanos que eles perderam tempo comprando o Gripen, pois já tinham uma plataforma “verdadeiramente de 4ª geração” nos hangares esse tempo todo…

fonseca
Visitante
fonseca

Aparece cada avião derivado do mirage… Cheetah… isso lá é nome de avião…
sem falar nos israelenses. muito gente fazendo avião baseado no mirage…

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Fonseca, esperava que um caça sul-africano se chamasse o que? ‘Ursinho Carinhoso?’ Cada um que aparece…

O Mirage III foi uma plataforma de sucesso, da qual já havia um histórico de upgrades e aeronaves baseadas nessa plataforma em que poderiam se espelhar, sem contar que a SAAF já operava o tipo. Foi uma escolha lógica.

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

Realmente é impressionante o “poder de fogo” dessas empresas!
Em relação ao Cheetah, se não me engano, já foi sondado pela FAB para ser tampão durante um desses FX’s da vida.. É um belo avião, mas derivado da fantástica família Mirage não poderia ser diferente, tem o DNA do sucesso.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O Mirage III é um dos caças de melhor relação custo-benefício da história.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

A Draken tem uma quantidade de caças maior do muitos países rsrsrs.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Alex Nogueira
Também me chamou atenção!
Será q tem ex-FABianos lá?

Walfrido Strobel
Visitante

Clésio Luiz, mas isso é uma realidade, a Africa do Sul nunca precisou dos Gripen, tanto é que nunca utilizou em combate e manteve metade estocada em hangares.
Se tivessem escutado a Atlas agora Denel tinham investido nos Cheetah e agora estariam com o radar AESA ELTA EL/M 2052 neles, como os Kfir da Colômbia para usar mais uns 10 a 15 anos.

Walfrido Strobel
Visitante

A Draken também usa os Mig-21 comprados da Polônia, segundo o site da Draken realizaram overhaul em 2013 para voar vários anos e são usados para treinamento ar-ar e ataque simulados a navios em velocidade supersônica, isto é feito para aferir sistemas de defesa e aumentar a capacidade de se defender de ataques contra navios.
. http://www.drakenintl.com/blog/blog/draken-international-news-for-2012/draken-international-acquires-25-mig-21-fighter-jets

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Agnelo, até aonde sei, não.

Walfrido Strobel
Visitante

Agnelo e Rinaldo Nery, a Draken é formada basicamente por pilotos aposentados da USAF, com alguns da US Navy e USMC.
Vejam a seus chefes, quase todos ex-USAF com excessão de um USMC e um US Navy e dois civis na parte financeira.
. http://www.drakenintl.com/profile/management-team

ronaldo de souza gonçalves
Visitante
ronaldo de souza gonçalves

E os argentinos vendo essa noticia e nada de aviões para eles,essa firma pode invandir aereamente o Brasil e argentina juntos jogar umas bombas e ir embora quase ilesas.Emprezas com esse grau de poder em maõs erradas e por dinheiro acho muito perigosas.

Walfrido Strobel
Visitante

Ronaldo, estas empresas tem pessoal altamente especializado, mas seus aviões tem todo o armamento retirado e operam desarmados, nem que quisessem poderiam fazer um ataque.
A França mesmo agora está retirando todo a capacidade de operar armado dos Mirage F1 para poder entregar a ATAC da Textron para que possam receber matrícula civil americana, a Espanha fará o mesmo com os Mirage F1 vendidos a Draken.
Sua especialidade é treinar Forças Aéreas e a Aviação Naval e treinar defesa terrestre de locais contra ataques aéreos simulados pelos seus aviões.

Flanker
Visitante
Flanker

fonseca 17 de dezembro de 2017 at 5:12
Aparece cada avião derivado do mirage… Cheetah… isso lá é nome de avião…
sem falar nos israelenses. muito gente fazendo avião baseado no mirage…

fonseca, Cheetah é o nome do veloz e ágil felino das savanas africanas, também conhecido como guepardo, e que é o animal terrestre mais veloz do mundo. E, só pra complementar, se pronuncia “chitá”….

Abraço

Jeff
Visitante
Jeff

Pena que o Brasil não tem vontade de contratar os serviços dessas empresas pra avaliar/ treinar nossos pilotos.

Bavaria Lion
Visitante

Estranho essa fala, pois o Cheetah não tem FBW (a característica primordial da 4ª geração), nem é mais novo que os F1 espanhóis…

Os sulafricanos fizeram experimentos com a Klimov RD-33 no lugar do impotente atar. A performance ficou maravilhosa, só que não se podia usar toda a potência da klimov, sob pena de despedaçar o velho aço francês, e, no fim, pelos custos, decidiram-se acertadamente pelo Gripen C.

São grandes adversários os Deltas, os A-4 e os F1, podem simular adversários nas três principais arenas da caça aeronáutica.

Jefferson Ferreira
Visitante
Jefferson Ferreira

Então como falaram ai esses caças tem toda suíte e armamentos retirados para a empresa não ter poder de fogo para um eventual ataque ou formação de milícia armada, mas o que impede eles de poderem rearmar as aeronaves ?! Ou fica inviabilizado de forma permanente com a retirada?

Porque uma coisa que estamos vendo ultimamente e com bastante frequência em guerras é a terceirizações, temos empresas que fornecem pessoal treinado e armado para guerra (blackwater, dyncorp entre outas por exemplo) o que impende te daqui um tempo isso também ocorrer com forçar aéreas?

Agnelo
Visitante
Agnelo

Cel Nery e Walfrido, obrigado.

Walfrido Strobel
Visitante

Jefferson Ferreira, nada impede que tecnicamente se possa rearmar estes aviões, mas enquanto operarem com matricula americana da FAA a partir dos EUA terão que se submeter as suas regras.
Para viabilizar um serviço terceirizado com aeronaves de caça será necessário que um país permita sua utilização desta forma, para que a empresa tenha uma sede onde faça a manutenção e tenha um centro de apoio.
Operar um caça exige uma infra estrutura muito maior do que combatentes terrestres, veja que com todo o poderio e recursos do ISIS, eles não tem uma aviação de combate.

Ramon Grigio
Visitante
Ramon Grigio

Bavaria Lion, Os Cheetah usam o Atar 09k50 com 15.873 lbf e com peso por volta de 3.400lb, bem melhor que o 09C de 13.240lb e 3.210lb de peso.

Claro, inferiores aos RD-33 com seus 18.285lbf com peso de 2330lb.

Esses aí já voam bem melhor que os F-103E que a FAB tinha, mas também fico imaginando como ficaria a disposição desse delta. Aceleraria tão bem quanto ou melhor que um gripen, possivelmente.

Carlos A Soares
Visitante
Carlos A Soares

Os Argies perderam uma oportunidade e barata, ainda com 3 bi postos.

Os Equatorianos ficarão com a Denel.

Creio que esses 12 eram os últimos operacionais, os demais são fonte.

Rafael L
Visitante
Rafael L

Um bom avião para se modernizar, seria uma melhor opção em relação aos nossos F-5.