Calidus B-250 Bader

Por Helen Haxell

A empresa com sede nos Emirados Árabes Unidos, Calidus, revelou pela primeira vez sua nova aeronave de ataque leve, a B-250, com capacidades multifuncionais no Dubai Airshow 2017, em 12 de novembro.

O B-250 faz parte do programa Bader que se originou em 2015 com uma série de parceiros, incluindo a empresa brasileira Novaer, fornecedora da estrutura da aeronave, e Rockwell Collins, fabricante do sistema de aviônica de bordo com a tecnologia Pro Line Fusion.

A aeronave é o primeira de emprego militar a ser desenvolvida no país e foi resultado de uma lacuna de capacidade, disse Hamdan Abdulla Al Shkeili, engenheiro-chefe de software da Calidus, à Shephard. A primeira entrega da aeronave é esperada para breve.

“Hoje estamos apresentando nosso projeto B-250. Tem uma aviônica de ponta muito forte para permitir que a aeronave cumpra suas missões corretamente e com precisão”, disse ele.

A série de aviônica Pro Line Fusion terá interfaces gráficas que estão integradas com um HUD digital e janelas de exibição multifunções. A percepção do terreno e os mostradores de vídeo EO/IR também devem fornecer aos pilotos uma maior consciência situacional do espaço aéreo.

As capacidades de missão da aeronave de voo único/duplo serão centradas em contra-insurreição, ISR, suporte aéreo próximo e operações de treinamento avançado.

Em relação às capacidades de armas, o B-250 pode lançar uma série de armas com capacidade para sete tipos de munições, bem como um sistema de EO/IR.

Cockpit do Calidus B-250 com aviônica Pro Line Fusion da Rockwell Collins

“É projetado para ser flexível para usuários finais. Pode transportar diferentes tipos de armas e foguetes. Está cumprindo uma lacuna que o mercado precisa para a guerra moderna com custos operacionais muito baixos “, comentou Al Shkeili.

Ele explicou ainda que a empresa está recebendo muito interesse nacional e internacional no B-250 e a “comunicação ativa” está ocorrendo atualmente com os usuários finais.

A Novaer desenvolveu a estrutura da aeronave, que é composta por fibra de carbono, que era um requisito fundamental da Calidus devido às suas capacidades leves.

“Tem um excelente desempenho devido ao fato de ser a primeira aeronave nesta categoria a ser totalmente feita de fibra de carbono. A fibra de carbono significa que tem menor peso e anti-fadiga [componentes], o que dá mais tempo de vida à aeronave “, disse Al Shkeili.

A instalação de produção da aeronave está em estágios iniciais de desenvolvimento e estará localizada em Al Ain, embora Al Shkeili tenha confirmado que há uma oportunidade para uma “produção muito alta” no local.

Nesta fase, o B-250 já realizou mais de 50 horas de voo. Segundo informes, acredita-se que, no verão deste ano, o primeiro protótipo da aeronave realizou sua primeira rotação do motor.

Atualmente, existem duas aeronaves no show, uma em exibição estática e uma que participa na exibição em voo. Não houve mais confirmação de nenhum outro B-250 nesta fase.
Ele utiliza um motor PT6A-68 de 1.600shp P&WC e a carga útil máxima do B-250 é de 1.796kg. o teto do serviço da aeronave é de 30.000 pés (9.150 metros) com uma autonomia de 2.400 milhas náuticas a 301 nós de velocidade.

FONTE: Shephard Media

57
Deixe um comentário

avatar
57 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
FlankerTúlioDelfim SobreiraAntonio de SampaioMikhail Bakunin Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
camargoer
Visitante

Olá Colegas. Há algum tempo atrás, sugeri a adoção de um display WAD no A29 quando chegasse o meu upgrade de meia-vida.. e não é que o B250 já tem esse tipo de cockpit? E olha que apanhei

JT8D
Visitante
JT8D

“Ele utiliza um motor PT6A-68 de 1.600shp P&WC e a carga útil máxima do B-250 é de 1.796kg. o teto do serviço da aeronave é de 30.000 pés (9.150 metros) com uma autonomia de 2.400 milhas náuticas a 301 nós de velocidade.”
————————————————————————————————————-
Desempenho superior ao do ST

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

JT8D 12 de novembro de 2017 at 11:25
Só em carga, mas tem que provar, algo que o Super Tucano não necessita fazer.
De toda forma, anos luz do KT1 e Texan II, seu painel também é bem melhor.
Tem que voar muito ainda, homologar, tem chão ainda a percorrer.

Aerococus
Visitante
Aerococus

Eita…
Mas com Rockwell Collins à bordo, vai também tomar tinta do DoD dos EEUU nas vendas que o Tio Sam não aprovar. Contudo, ser um Clean Sheet design pode significar um desafio ao A29. Fica a pergunta… será que tem alguma coisa do Sr Kovacs nesse daí?! No A29 só tinha o que foi herdado do A27.

Kobáμca
Visitante
Kobáμca

Teria como melhor as capacidades do A-29??? Sem necessidade de fazer um novo projeto!!!
Dar um upgrade na eletrônica, melhorar a estrutura das asas e adicionar mais uns dois pontos duros, se claro não forçar a estrutura!!! De repente teria que re-projetar as asas!!! Iria mais combustível, melhorando alcance..

Walfrido Strobel
Visitante

Antonio de Sampaio, o Texan II e o KT1 são aeronaves de instrução avançada, tem que comparar o B-250 COM O ST e AT-6.
.
Estes aviônicos da série Pro Line Fusion da Rockwell Collins são os usados no KC-390.

Luciano
Visitante
Luciano

E esse pod de foguetes que está montado nele? Parece mais robusto que os mais comuns. Ele tem outra função além de carregar/disparar foguetes? Utiliza foguetes de 70 mm ou maiores?

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

Walfrido Strobel 12 de novembro de 2017 at 11:46 Esse aí faz as duas coisas, instrução e também entra no nicho do Super Tucano: ataque. Se ele for mais barato que um A-29, o que é provável que seja, e seu preço estiver mais próximo de um KT-1, então é fim da linha do avião da KAI, não falo do Texan II pois me parece já no final de sua vida operacional, dado os concorrentes atuais. Então ao que tudo indica, treinadores mais simples como KT-1 ou o T-6 serão eclipsados pelo B-250 da Novaer, e é provável que ele… Read more »

Walfrido Strobel
Visitante

Luciano, pela inscrição LOGIR nele é o Low-Cost Guided Imaging Rocket da Coreia do Sul com tecnologia americana. . The Low-Cost Guided Imaging Rocket was a weapons system under development for the US Navy as part of ONR’s Low-Cost Imaging Terminal Seeker (LCITS) FNC.It transitioned as the weapon used in the Medusa Joint Capability Technology Demonstration with South Korea. The program provided a precision guided 2.75 inch (70 mm) rocket for use with existing Hydra 70 systems in service, as such it has many similarities with the Advanced Precision Kill Weapon System program. The principal difference between the systems is… Read more »

Ádson
Visitante
Ádson

Não adianta chorar o leite derramado, o que faltou foi investimento nacional na NOVAER, talvez governamental.

Roberto F. Santana
Membro
Famed Member
Roberto F. Santana

Não dá para ver direito, mas parece que eles escolheram uma Hartzell de quatro pás, o A-29 e o PC-21 usam uma de cinco pás com diâmetro menor e com corda bem larga, a velocidade máxima e de cuzeiro do Super Tucano deve ser maior. Interessante seria ter uma melhor visão da asa desse avião.

JT8D
Visitante
JT8D

Roberto F. Santana 12 de novembro de 2017 at 12:07
Sim, a velocidade do ST é maior. O B-250 tem maior capacidade de carga e uma autonomia muitíssimo maior

Walfrido Strobel
Visitante

Antonio de Sampaio, como instrutor o B-250 poderia ser comparado ao Pilatus PC-21 ou até o ST que o Brasil usa na instrução em Natal com sucesso, esqueça qualquer comparação com KT-1 e T-6 II ou PC-9 e T-27 que estão um nível abaixo na instrução avançada.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

De fato esse projeto se aproveita de alguns pontos que seriam de possível melhora no ST, como o perfil das asas e a quantidade de pontos duros, e apesar de ter uma capacidade de carga um pouco maior, acredito que seja em função de ter um peso bruto menor, por utilizar materiais compostos, o que não sei se é vantagem em termos de resistência a impactos quando na função de coin. Para mim é um avião que fica no meio entre o o Tucano e o Super Tucano, e acho que poderia ter um hélice de cinco pás para aproveitar… Read more »

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

NOVAER/CALIDUR B-250 BARDER Velocidade Máxima: 301 nós x 1,852 km/h = 557,452 km/h Carga útil: 1.796kg Metralhadoras: Serão instaladas nas asas como o EMB-314 ST? Teto Máximo: 30.000 pés (9.150 metros) Autonomia: 1mn = 1,60934 km => 2.400 mn x 1,60934 km = 3.842,41 km Motor: PT6A-68 de 1.600shp P&WC . EMB 314 SUPER TUCANO Velocidade máxima: 593 km/h Velocidade de cruzeiro: 520 km/h Carga Últil: 1.500 kg Metralhadoras: 2 metralhadores .50 nas asas Teto de serviço: 10 665 m Autonomia de voo: 4.820 km Tipo de motor: Pratt & Whitney Canada PT6 (Fonte: EMBRAER) . Resta esperar mais dados… Read more »

Walfrido Strobel
Visitante

Ádson 12 de novembro de 2017 at 12:07 Adson, não há motivo nenhum para ninguem reclamar, a Novaer tinha dois produtos que não interessam ao Brasil no momento, um substituro do T-25 e um concorrente do A-29, nada mais natural que com apoio do Ministério da Defesa seus produtos tenham sido oferecidos a países que se interessem em investir na produção. Felicidades a Novaer nesta empreitada. O mesmo aconteceu com o An-132D e An-178, como a Ucrânia não tem como investir neles agora estão procurando quem invista, a Arábia Daudita investiu no An-132D como coprodutor e a China está avaliando… Read more »

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Quanto o perfil das asas, realmente a que se levar em consideração que o ST tem as .50 instaladas e ao meu ver isso é um ponto a favor, e a menor quantidade de pilones não representam necessariamente uma desvantagem pois representa menor arrasto, e muitas das armas podem ser levadas em cachos e casulos (como SDBS e foguetes guiados ou não).

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

JT8D 12 de novembro de 2017 at 12:10 Tem que ver com que carga, mas acho que a autonomia do Super Tucano é maior. ________________________ Walfrido Strobel 12 de novembro de 2017 at 12:11 Quem pode o mais, acho que neste caso pode o menos também, vai cumprir o papel que caberia ao KT1 e similares, e vai entrar no papel de Super Tucano. Só achei que sua área é pequena, pelo menos visualmente, é menor que o A-29, que parece ser mais bem distribuído, nariz grande por conta do motor, e pouca traseira, talvez isso traga algum desequilíbrio, mas… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Gonçalo Jr. 12 de novembro de 2017 at 12:27
A autonomia do ST que você colocou é para ferry flight. É preciso conhecer melhor os dados do B-250 para poder fazer uma comparação correta

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

JT8D 12 de novembro de 2017 at 12:51
Por isso, no último parágrafo do meu post e escrevi o abaixo:
“Resta esperar mais dados sobre o B-250 Bader pois comparando o que diz a reportagem sobre o B-250 Bader, o ST ainda se sai muito bem. Quanto à aviônica e sistemas, é mais do que óbvio ST pode sofrer atualizações. Veremos.”

Antonio M
Visitante
Antonio M

Quem sabe isso “provoque” a Embraer para projetar um “Super Tucano II” com motor um pouco mais potente, novos materias, aviônica (talves para vôo autônomo/drone) e talvez canhões de 20mm nas asas para quem sabe criar um novo nicho com menos concorrentes onde até mesmo possam concretizar uma possibilidade que li algum tempo atrás, o de uma versão de patrulha marítima e SAR

http://sistemasdearmas.com.br/ca/p29.html

Antônio Carlos C. de Araújo
Visitante
Antônio Carlos C. de Araújo

Tendo um grupo propulsor similar ao A-29 sua maior capacidade de carga útil deve ser pelo menor peso de sua estrutura em fibra de carbono e talvez uma maior área total de asa. Quanto a questão de um upgrade de meia-vida no nosso A-29 seria a inclusão de uma aviônica mais moderna e partes da estrutura em fibra de carbono visando redução do peso.

Silva
Visitante
Silva

“A Novaer desenvolveu a estrutura da aeronave, que é composta por fibra de carbono, que era um requisito fundamental da Calidus devido às suas capacidades leves.” ” “Tem um excelente desempenho devido ao fato de ser a primeira aeronave nesta categoria a ser totalmente feita de fibra de carbono. A fibra de carbono significa que tem menor peso e anti-fadiga [componentes], o que dá mais tempo de vida à aeronave “, disse Al Shkeili. ” Vejo a Novaer como uma empresa promissora. Acredito que o que está faltando á ela é incentivos governamentais. A FAB em breve precisará de um… Read more »

Walfrido Strobel
Visitante

Eu vejo várias pessoas sugerindo modernizações para o ST, mas não conheço nimguem na FAB que ache necessária qualquer atualização na sua aviônica que ja é atual para o que se pretende dela.
Se um dia precisar tem a Elbit aqui no Brasil para providenciar.

Hélio
Visitante
Hélio

Afinal, o projeto é brasileiro ou árabe?

PilotoUno
Visitante
PilotoUno

O ideal é colocar o WAD desenvolvido para o Gripen no A-29 MLU da FAB e nas novas aeronaves Super Tucano. Assim teremos comunalidade na aviação de caça e um sistema muito moderno capaz de fazer o diferencial nas novas operações.

Walfrido Strobel
Visitante

Piloto Uno, que vantagens teria um ST com WAD em relação ao atual, algo que justifique a troca do sistema atual?
O que ele poderia fazer que um ST não faz atualmente?
Se não trouxer melhorias, não vale a pena o investimento.
O cockpit do ST ja teve uma atualização em relação aos primeiros da FAB, foto aqui do Poder Aéreo com o da FAB e o atual com 3 displays.
. http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads/2010/04/Cockpit-Super-Tucano.jpg

Bardini
Visitante
Bardini

Isso aí tem mais cara de Tucano do que Super Tucano…

nunao
Visitante
nunao

“Hélio 12 de novembro de 2017 at 15:54
Afinal, o projeto é brasileiro ou árabe?”
.
Os dois, dependendo do ponto de vista.
Há projetistas brasileiros, numa parceria de uma empresa dos Emirados com uma empresa brasileira.
O dinheiro é dos Emirados.
O dono do projeto é quem paga por ele.

Sérgio Luis
Visitante
Sérgio Luis

Me lembrou o Pilatus e que telas LCD show quase igual a do F35!
Tucano se bobear já era!

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

PilotoUno 12 de novembro de 2017 at 16:02
Somente o WAD do Gripen custa mais caro, muito mais que dois A-29 Super Tucano completos, e ainda sobra um bom dinheiro.
Estamos falando de um equipamento usado em caças de quinta geração, e não num avião que deixa cair bolotas de ferro pré fragmentado com recheio de trotil.
___________
Quem sabe a Calidus não se interessa pelo KC-390 nesses mesmo moldes??? produção local e venda para os E.A.U e países vizinhos..

nunao
Visitante
nunao

“Somente o WAD do Gripen custa mais caro, muito mais que dois A-29 Super Tucano completos, e ainda sobra um bom dinheiro.”
.
Sério? De onde vem essa conta?

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

nunao 12 de novembro de 2017 at 20:29 954 milhões de dólares / 36 = 26,5… milhões de dólares Um Super Tucano custa 13 milhões de dólares??? Se esse valor total incluiu a transferência de tecnologia ou não para AEL, e mais outras pagamentos que nunca saberemos, não importa, importa é que o contrato do Gripen brasileiro foi acrescido em 954 milhões de dólares por conta desse WAD exclusivo. Então é essa a conta que faço. No duro é isso… Na matéria sobre o Gripen no Estadão agora recente, Roberto Godoy, sempre preciso, informou o valor do contrato do Gripen… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Antonio,
O contrato com a SAAB foi fechado em coroas suecas. Dependendo da cotação do dia, pode ser 4,5 bilhões de dólares ou 5,4 bi….ou outro valor.
Roberto Godoy nem sempre é preciso (estou sendo legal com ele).
O aumento do preço não foi só por causa do WAD. Teve outras coisas que explicam o aumento do preço. Então sua conta está errada.

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

Conceito: Por enquanto essa aeronave é um demonstrador de conceitos que aliás sem nada de novo. Os fabricantes estão formando um DNA, portanto comparar com o A-29 já praticamente consagrado é piada. A Novaer me lembra a GURGEL, que apoiou um conceito de automóvel em uma plataforma de um possível concorrente.
Se evoluir e ganhar a 1ª concorrência tem chances. Caso contrário vai se juntar aos YF-23 ou F-20 ou similares da vida.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Antonio de Sampaio 12 de novembro de 2017 at 21:19 nunao 12 de novembro de 2017 at 20:29 954 milhões de dólares / 36 = 26,5… milhões de dólares Um Super Tucano custa 13 milhões de dólares??? Se esse valor total incluiu a transferência de tecnologia ou não para AEL, e mais outras pagamentos que nunca saberemos, não importa, importa é que o contrato do Gripen brasileiro foi acrescido em 954 milhões de dólares por conta desse WAD exclusivo. Então é essa a conta que faço. No duro é isso…” . Sua conta está errada. O WAD não custou 954… Read more »

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

Rafael Oliveira 12 de novembro de 2017 at 21:36 MATÉRIA DO G1, é fácil achar, tem em toda parte: _______________________ Segundo o CEO e presidente da Saab, Hakan Buskne, “basicamente [o preço subiu] devido aos pedidos do cliente. Nós oferecemos algo e eles fizeram novos pedidos, como o Wide Area Display [WAD, um display panorâmico]”, disse ele a jornalistas brasileiros na capital sueca na última semana. O display não existe em nenhuma das versões do jato que a companhia desenvolve desde 1980. (veja detalhes no vídeo acima). As mudanças são a justificativa para a elevação em US$ 900 milhões do… Read more »

Luciano
Visitante
Luciano

Walfrido Strobel 12 de novembro de 2017 at 12:04

Muito obrigado!

Mas fiquei curioso com o formato do pod. É apenas pra se ter menor arrasto ou há eletrônicos nele para “pintar” o alvo?

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

Foi drone.. quem mora por aqui já sabe, esse aeroporto nunca para, é direto, saiu no G1, li agora, ficou mesmo fechado agora noite por mais de duas horas por conta de um drone.. foi mais ou menos na hora que eu falei acima que vi tudo em silêncio… olha o risco… tem avião pousando ainda….. ___________________ G1 Um drone causou o cancelamento de pousos no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, na noite deste domingo (12), informou a Infraero. O problema afetou o funcionamento do terminal por mais de duas horas, entre as 20h15 e até… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Antonio de Sampaio 12 de novembro de 2017 at 22:38 Rafael Oliveira 12 de novembro de 2017 at 21:36 MATÉRIA DO G1, é fácil achar, tem em toda parte” . Sim, tem aqui também: http://www.aereo.jor.br/2014/11/20/conheca-a-versao-personalizada-do-caca-sueco-que-o-brasil-comprou/ . “E quem diz que o preço subiu em função do WAD em 900 milhões, é Hakan Buskne, presidente da SAAB.” . Não, ele disse que subiu devido aos pedidos do cliente, e entre esses pedidos está o WAD. Mas não é o único. Na mesma matéria constam os seguintes itens além do WAD, segundo Bjorn Johansson, engenheiro-chefe do novo caça (conforme a matéria do… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Quero ver vídeos dele voando e geral.
______________________

Sou mais o T 27 com MRO.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Antonio de Sampaio, Conhecia a matéria do G1 e lendo o trecho que você transcreveu com atenção, já dá para perceber seu erro. “basicamente [o preço subiu] devido aos pedidos do cliente. Nós oferecemos algo e eles fizeram novos pedidos, como o Wide Area Display [WAD, um display panorâmico]” “”””novos pedidos, como””””” Novos pedidos = plural, mais de um pedido. Como = advérbio, no caso, usado para exemplificar um dos pedidos. Uma frase semelhante para torná-la mais clara: A FAB tem aviões, como o F-5M. O F-5M é um dos aviões da FAB, mas não é o único. Ela tem… Read more »

Luiz Fernando
Visitante
Luiz Fernando

Antônio, quando vai ser a marcha?
Mande fotos.
Boa marcha.

Tio Dan
Visitante
Tio Dan

“Tem um excelente desempenho devido ao fato de ser a primeira aeronave nesta categoria a ser totalmente feita de fibra de carbono. A fibra de carbono significa que tem menor peso e anti-fadiga [componentes], o que dá mais tempo de vida à aeronave “, disse Al Shkeili. Tecnicamente ele está errado, os metodos de calculo mudam, mas ele não é imune a fadiga. Dependendo de como foi projetada a estrutura, a Vida em Fadiga da pode ser até menor do que um avião como Super Tucano que usa a filosofia de projeto de “Estrutura TOLERANTE a Dano”. Só esperando os… Read more »

EParro
Membro
Member
EParro

Antonio de Sampaio 12 de novembro de 2017 at 21:19

Quando você diz:
“…faço a marcha de 36 com o tubo e placa base do 81 nas costas, o reparo eu levo em bandoleira, mais equipamento individual completo,…”

Por favor, poderia explicar, a um leigo, qual o significado desta frase?

Saudações

Mikhail Bakunin
Visitante
Mikhail Bakunin

Ele disse que faria uma marcha (caminhada a 5 ou 6 Km/h) carregando sozinho um morteiro médio, fora o equipamento individual (armamento, munição, ração, etc). Muito embusteiro acaba pagando pela língua grande. Rsrsrs

Walfrido Strobel
Visitante

Luciano 12 de novembro de 2017 at 22:46
Luciano, existem pods lançadores de 70mm ou 2.75 polegadas de vários desenhos, a opção é de cada fabricante, este LOGIR sul coreano parece ter optado por um mais aerodinâmico.
. https://www.google.com.br/search?q=70mm+pod+launcher&client=tablet-android-om-lge&hl=pt-BR&prmd=sivn&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjA-J6m07vXAhUCkZAKHftyAyoQ_AUIEygC&biw=800&bih=1232

Luciano
Visitante
Luciano

Foi o que pensei, Walfrido. Obrigado!

Antonio de Sampaio
Visitante
Antonio de Sampaio

EParro 13 de novembro de 2017 at 9:50 Amigo, marcha é um movimento tático, – um pobre paisano aqui diz que marcha é uma “caminhada”, dizer o que?? – caminhar onde?? no Ibirapuera? eu já “caminhei” muito mas no Gericinó… deixa esse cara pra lá… esse aí é daqueles que já deu milhares de tiros de pistola Desert Eagle por exemplo, mas tudo virtual – a tecnologia de hoje dispensa que se colecione coisas como Guerra na Paz ou Guia de Armas de Guerra – ele deve passar o dia inteiro “atirando” com aquele velho dos EUA que é patrocinado… Read more »

Nunão
Visitante
Nunão

Ahahaahahah, em vez de marchar, bateu em retirada. Nem despacho do MPF informando que o valor do WAD não é o que ele acha convence o sujeito.
.
Que coisa feia, Antonio. Já pedimos: vai marchar e manda depois o link do vídeo. Agora que vc já descreveu toda a relação de equipamentos e detalhes sobre a marcha, ficará mais fácil da gente conferir se está fazendo certo, ou se terá que repetir pra cumprir sua palavra.