Home Noticiário Internacional Lockheed Martin vai comprar Sikorsky Aircraft por US$ 9 bilhões

Lockheed Martin vai comprar Sikorsky Aircraft por US$ 9 bilhões

229
10
100415-F-3759D-2145
Um Lockheed C-130 Hercules reabastece helicópteros Sikorsky H-60 Blackhawk. Agora essas aeronaves passarão a ser produzidas pela mesma empresa

A PLANEJADA COMPRA DA SIKORSKY, QUE PERTENCIA À UNITED TECHNOLOGIES, AMPLIARÁ OS NEGÓCIOS DA LOCKHEED DE JATOS DE COMBATE, MÍSSEIS E SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA

ClippingNEWS-PAA Lockheed Martin concordou em pagar US$ 9 bilhões pela Sikorsky Aircraft e anunciou planos para reduzir muitos negócios comerciais e estatais e voltar a se concentrar em ser a maior empresa de defesa do mundo em receita. A planejada compra da Sikorsky, que pertencia à United Technologies, ampliará os negócios da Lockheed de jatos de combate, mísseis e serviços de inteligência a um preço que também permitirá que a empresa mantenha a política de retorno aos acionistas que tem elevado os preços das ações nos últimos dois anos.

Separadamente, a United Technologies informou que pretende usar os recursos gerados pela transação para recomprar ações.

O programa de recompra é a mais recente indicação da diretoria da empresa de reduzir partes menos lucrativas de sua carteira e acalmar os investidores, que estão cada vez mais impacientes com o fraco desempenho das ações da companhia.

A Lockheed vai pagar cerca de US$ 7,1 bilhões pela Sikorsky após benefícios fiscais e analistas preveem que o acordo enfrentará contestações de órgãos reguladores antes de ser fechado no fim deste ano ou começo de 2016.

A empresa anunciou que teve lucro de US$ 929 milhões no segundo trimestre deste ano, acima de US$ 889 milhões no mesmo período do ano passado. O lucro por ação subiu para US$ 2,94, de US$ 2,76, e as vendas aumentaram 3%, para US$ 11,6 bilhões.

A Lockheed também elevou sua previsão para o lucro por ação neste ano em US$ 0,15, para a faixa de US$ 11,00 a US$ 11,30, e manteve a estimativa para vendas entre US$ 43,5 bilhões e US$ 45,0 bilhões.

FONTE: Dow Jones Newswires.

10
Deixe um comentário

avatar
10 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Marcelo PamplonaJackal975Justin CaseVaderClésio Luiz Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Joner
Visitante
Joner

“A Lockheed também elevou sua previsão para o lucro por ação neste ano em US$ 0,15, para a faixa de US$ 11,00 a US$ 11,30”.

Caramba, isso sim que é elevar o preço das ações!!!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Das duas, ambas!!!
Ou a Northrop-Grumman fatura tanto o TX, como tb o LRS-B, ou em breve o mercado americano de defesa ficará restrito somente Boeing e Lockheed-Martin.
Falando em TX, discretamente a USAF passou a asa em italianos e ingleses:

“This pushes out the T-100, which its Italian manufacturer says can sustain 5.3g at 15,000ft. The Hawk is also out of the race.”

(http://www.flightglobal.com/news/articles/USAF-reaffirms-ambitious-T-X-sustained-g-requirement-414531/)

Nick
Visitante
Member
Nick

Logo logo a Lockheed-Martin mudará o nome para OMNI Corporation…..:)

Sério, cadê os órgãos reguladores?

[]’s

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Nick, o outro lance pela Sikorsky foi feito pela Bell. Então pelo menos o nº de fabricantes de helicópteros nos EUA permanece o mesmo.

Maurício, tenho visto gente dizendo que nem o T-50 da KAI atende 100% dos requisitos dessa concorrência. Acho que no final vai ganhar um projeto novo mesmo.

Vader
Visitante
Member

Quanto ao T-X, tenho afirmado há muito tempo que irá ganhar um projeto novo, que aproximasse o treinador das aeronaves que a USAF voará nas próximas décadas, vale dizer, o F-22 e, sobretudo, o F-35. Um treinador com pelo menos algumas características stealth, baias conformais, alto nível eletrônico, de comunicações, comunalidade e consciência situacional, contramedidas no estado-da-arte, etc. É simplesmente lógico que a USAF, desejando operar uma força apenas de caças de 5a geração, não irá aceitar um treinador de caças de 4a geração, a não ser que seja totalmente forçada a isso, o que duvido. Assim, tenho a Boeing-SAAB… Read more »

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Vader, bom dia.

Não vejo motivo para conceber treinadores com características stealth ou baias conformais.
Basta degradar as capacidades de detecção de sensores do treinador oponente, via software, no nível que for desejado.
A não ser que se tenha algum interesse em usar as aeronaves em operação real, o que eu duvido.
A finalidade deve ser treinamento puro, com o menor custo e a maior simplicidade possível.
Abraço,

Justin

Vader
Visitante
Member

Justin Case 22 de julho de 2015 at 8:02 # Justin, é uma possibilidade que já cogitei. É possível. Entretanto, e o Sr. deve saber disso muito mais do que eu, os simuladores no estado-da-arte atuais simulam praticamente tudo, inclusive força G. Lado outro, nos caças mais modernos é possível se simular no caça (HUD, HMD, sistemas de defesa, radar, etc.) um oponente virtual, que pode simplesmente estar em um simulador. Assim sendo, porque um treinador? Pra que uma aeronave dedicada a isso, com todos os seus custos, se um simulador pode inclusive atuar em “combate” em exercícios com os… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Esse treinador da USAF não deve sair barato não.

Além do requerimento de G x altitude ter quebrado as pernas dos concorrentes europeus, existe a vontade da USAF para que esse treinador seja usado como oponente nos exercícios Red Flag, no lugar dos F-15 e F-16.

Isso por si só já demonstra que tal aeronave deverá ter performance de caça operacional e é bem provável que uma fuselagem com características furtivas influenciará a USAF na escolha.

Fica a entender que o que eles querem é algo como antigo EADS Mako:

https://en.wikipedia.org/wiki/EADS_Mako/HEAT

Jackal975
Visitante
Jackal975

Falando puramente do valor, achei US$9 bilhões pela Sikorsky (e toda a sua história, tecnologia, know-how, etc.) um preço bem razoável, digamos que “pagável” por muitas corporações, se formos considerar que atualmente se fala em números muito maiores quando uma empresa composta de patrimônio puramente virtual adquire outra similar (Ex.: aquisição do whatsapp pelo facebook). Bem possível que a explicação para isso esteja dentro da Sikorsky, mas nunca teremos acesso a ela.

Marcelo Pamplona
Visitante
Member
Marcelo Pamplona

Prezados editores;

OFF TOPPIC:

http://ciencia.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-rompe-acordo-com-ucrania-para-a-construcao-de-foguetes,1730190

A pá de cal em mais um elefante branco do “governo”.

Sds.