Home Divulgação Grupo Thales inaugura Centro Tecnológico Espacial em São José dos Campos

Grupo Thales inaugura Centro Tecnológico Espacial em São José dos Campos

439
2

photo_centro_brazil - Thales Alenia Space

A Thales Alenia Space e a Omnisys inauguraram na terça-feira, 10 de março, o seu Centro Tecnológico Espacial conjunto no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). A cerimônia de inauguração teve a participação do presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), delegações dos Ministérios de Defesa da França e do Brasil, da Agência de Compras de Defesa da França (DGA), entre outros.

O Centro Tecnológico Espacial reflete claramente a estratégia da Thales Alenia Space de ser um parceiro fundamental no desenvolvimento da indústria espacial brasileira, estando de acordo com as medidas implementadas dentro do escopo do contrato do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), firmado pela Thales Alenia Space em 2013. O centro está idealmente localizado no Parque Tecnológico de São José dos Campos, que já hospeda a empresa Visiona, não muito longe da Embraer e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Inicialmente, o Centro Tecnológico Espacial desenvolverá parcerias tecnológicas com empresas brasileiras do setor espacial.

Parque tecnológico São José dos CamposCom sua sólida e reconhecida experiência na indústria espacial brasileira, a Omnisys é peça-chave para o desenvolvimento das atividades de Engenharia e Design para aplicações espaciais em futuros contratos. Olhando mais à frente, o Centro Tecnológico Espacial poderá também abrigar um centro de análise de dados associado ao programa europeu Copernicus, permitindo que o Brasil possa definir mais claramente os seus requerimentos em satélites para o gerenciamento ambiental, com um foco especial na região da Amazônia.

Desde a assinatura do contrato do SGDC, a Thales Alenia Space já implementou um número de ações concretas com relação ao desenvolvimento de uma parceria espacial com Brasil. Em particular, o novo Centro Tecnológico da Thales pretende ajudar universidades brasileiras a estabelecer um Mestrado em Engenharia em Sistemas Espaciais, já tendo estabelecido uma cadeira universitária voltada a satélites e coordenado e financiado várias teses de doutorado e estudos conjuntos. Além disso, dentro do escopo do plano de absorção de tecnologia, cerca de 40 engenheiros brasileiros estão aprendendo mais sobre as tecnologias espaciais nas instalações da Thales Alenia Space na França.

Em 2013, a TAS assinou um memorando de entendimento (MoU) com a Agência Espacial Brasileira (AEB) para ser a principal parceira no desenvolvimento da indústria espacial brasileira. A Thales Alenia Space e a AEB assinaram também o Acordo Definitivo de Transferência de Tecnologia, que especifica as ideias gerais do MoU original, os assuntos que foram escolhidos, o cronograma e as condições para aplicações. O modelo do contrato tripartite Thales Alenia Space/AEB (empresa brasileira) também foi finalizado, permitindo a rápida implementação, sob demanda, de contratos de transferência de tecnologia.

“Com a inauguração deste centro, a Thales Alenia Space, junto com a Omnisys, reforça o seu compromisso como maior parceira industrial fundamental no desenvolvimento da indústria espacial própria do Brasil. Todas as nossas ações são orientadas a permitir que a indústria espacial brasileira possa produzir seu próprio satélite de baixa órbita dentro de três a cinco anos,” explicou Joël Chenet, Vice-Presidente da Thales Alenia Space no país.

“O Brasil é um dos países chaves para a Thales como parte de nossa estratégia internacional de crescimento sustentável focado nos mercados emergentes. A nova unidade em São José dos Campos é nossa sexta no país e reintegra a nossa estratégia local de transferência de tecnologia, estabelecendo uma base industrial local e desenvolvendo parcerias locais. Como uma das empresas mais inovadoras do Brasil e pilar da Thales no país, a Omnisys é a líder no mercado de gerenciamento de radares de trafego aéreo, um parceiro chave da Marinha Brasileira e também um ator chave na indústria espacial”, afirmou Ruben Lazo, Vice Presidente da Thales na América Latina.

Sobre a Thales Alenia Space

Líder europeia em sistemas de satélites e um dos principais players em infraestruturas orbitais, a Thales Alenia Space é uma joint-venture entre a Thales (67%) e a Finmeccanica (33%). A Thales Alenia Space e a Telespazio representam a “Aliança Espacial” entre ambos os grupos. A Thales Alenia Space é referência global em soluções para telecomunicações espaciais, observação da Terra óptica e por radar, defesa e segurança, navegação e ciência. Com faturamento consolidado de 2 bilhões de euros em 2013, a Thales Alenia Space tem 7.500 colaboradores em França, Itália, Espanha, Alemanha, Bélgica e Estados Unidos.

Sobre a Omnisys

A Omnisys é uma empresa brasileira de altíssima tecnologia sediada em São Bernardo do Campo (SP). Afiliada à Associação Brasileira das Indústrias de Material de Defesa e Segurança (ABIMDE) e à Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (AIAB), a Omnisys integra a rede internacional de centros de excelência em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) do Grupo Thales, do qual recebe tecnologias e know-how para intensificar a sua produção local e ampliar a sua atuação nos mercados doméstico e internacional, exportando a partir do Brasil. A Omnisys possui competência técnica e gerencial em áreas estratégicas de aplicação civil e militar tais como defesa aérea e controle de tráfego aéreo, guerra eletrônica naval e, no mais alto grau de desenvolvimento tecnológico, áreas espaciais e de aviônicos, além da prestação de serviços.

DIVULGAÇÃO / FOTO: CDN / Thales

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Wellington GóesKojak Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Kojak
Visitante
Member
Kojak

Muito bom.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Se a Thales for esperta, ela venderia 51% das ações da Omnys para outro grupo brasileiro, aí eles recebem a certificação de Empresa Estratégica Nacional, assim eles terão mais chances nos contratos futuros com as FFAA.

A AEL já começou este processo e outros terão que ir pelo mesmo caminho se quiserem ter mais participação no mercado nacional.

Até mais!!! 😉