sábado, julho 31, 2021

Gripen para o Brasil

Novas capacidades do F-22

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A operação do F-22 levou ao desenvolvimento de várias táticas novas. Uma delas é uma nova formação, chamada “formação sensor”, para aproveitar as novas capacidades da aeronave. As aeronaves voam bem mais espaçadas, a cerca de cinco milhas uma das outras, com uma frente chegando a dez a quinze milhas. Assim é possível cobrir uma área maior com o radar e permite que triangulem alvos com seus sensores passivos.

Outra tática do F-22 é atuar como um mini-AWACS para uma esquadrilha de F-15 Eagle, chamado de “quarterback”. Mesmo sozinho e sem munição, os pilotos perceberam que a capacidade furtiva do F-22 permite continuar voando em direção ao inimigo. Não desengajam e voltam para base, mas continuam voando aproveitando seus sensores para apoiar outros caças.

Para facilitar a operação com outras aeronaves, em 2014, os F-22 deverão receber a capacidade de receber dados do Link 16. Em 2015, deverão ser capazes de enviar dados para o Link 16 com a instalação de um gateway.

Os F-22 passaram a voar rotineiramente simulando item com pane como o GPS, rádios, etc, simulando situações reais de combate. Antes só decolavam com todos os itens funcionando.

Nas simulações de combate aéreo, quatro F-22 podem defender uma grande área. A simulação tem que ser contra uma força de 24 caças inimigos para ser realista. Então usam 20 alvos virtuais para economizar recursos. Os que não são derrubados, com simulação de falhas nos mísseis ou sucesso nas manobras evasivas, são os caças reais que irão para o combate aproximado contra os F-22.

Os esquadrões de F-22 estão recebendo os T-38 para atuarem como adversário. Treinos entre os F-22, só contra aeronaves furtivas, mostrou ser irrealista. Então tem que considerar que uma frota toda furtiva irá precisar de aeronaves não furtivas para treinar. O custo anual para manter forças agressoras varia com o tipo de aeronave. O T-38 Talon custa US$ 63 milhões contra US$132 milhões para o F-16. Já o F-22 atuando como agressor custa US$ 593 milhões por ano. É provável que o programa TX, que irá substituir os T-38, também tenham a missão secundária de atuar como agressores.

- Advertisement -

3 Comments

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
nunes neto

Off topic,vai sair a modernização de meia vida dos E99: EXTRATO DE DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº 1/2012 Nº Processo: 67701.025582/2012-52. Objeto: Prestação de serviços e fornecimento de bens necessários para a modernização dos sensores aeroembarcados de aeronaves E-99. Autoridade Solicitante: brigadeiro-do-ar Carlos de Almeida Baptista Junior. Autoridade Ratificadora: tenente brigadeiro-do-ar Juniti Saito. Contratado: Embraer Aviation International – EAI. Justificativa: aquisição cujo conhecimento das características do objeto coloca em risco a segurança nacional. Valor: Euros $86.907.588,64 (oitenta e seis milhões, novecentos e sete mil, quinhentos e oitenta oito euros e sessenta e quatro centavos de euros). Amparo Legal: Inciso IX do… Read more »

Baschera

O amigo G-Loc poderia nos elucidar melhor sobre os números apresentados. Dizer que custa “Us$ 63 milhões” para manter o T-38 diz pouco….. quantos vetores ?? que ou quais custos estão inclusos?? etc.

Sds.

Vader

A verdade é que a tecnologia stealth, aliado ao grande poder de sensores, à grande consciência situacional, ao datalink seguro e às comunicações em rede, e à precisão e confiabilidade dos novos mísseis ar-ar e armas ar-terra é uma completa revolução das táticas de combate, ao contrário do que querem alguns amiguxos que ainda acham que caça bom é o que faz a “Cobra de Chechelev”. Que caça bom é o “cruzado solitário”, tal qual aquele cavaleiro andante que com uma cruz no peito saía correndo mundo para enfrentar as hostes de Mafoma… O F-22 agora vem atingindo capacidades para… Read more »

Últimas Notícias

Teste do míssil hipersônico AGM-183A da USAF falha pela segunda vez

Em 28 de julho, o míssil foi acoplado com sucesso ao bombardeiro B-52H, mas quando foi feita uma tentativa...
- Advertisement -
- Advertisement -