Home Aviação Civil Bombardier começa montagem de avião de testes da ‘CSeries’

Bombardier começa montagem de avião de testes da ‘CSeries’

497
10

Montagem do primeiro exemplar de testes de voo de aeronave ‘CSeries’ está em andamento, segundo a empresa – reportagem da Reuters destaca que jato é rival da Boeing e Airbus

Na segunda-feira, 15 de outubro, a Bombardier Aerospace anunciou que chegaram às suas instalações em Mirabel (Québec, Canadá) as partes da fuselagem para montar o primeiro exemplar de testes de voo (FTV1 – first flight test vehicle) de uma aeronave CSeries. As partes incluem todas as seções da fuselagem, além do cockpit (cabine de pilotagem), e a montagem das mesmas já está em andamento.

Além disso, as primeiras asas para novos aviões da CSeries estão sendo unidas à fuselagem que será usada durante os testes estáticos da célula completa (Complete Airframe Static Test – CAST). Também foi informado, pela empresa, que os testes de sistemas aviônicos, elétricos, de controle de voo, fly-by-wire, hidráulicos, de trens de pouso e de cabeamento, destinados aos CSeries, estão progredindo no “Aircraft 0” em Mirabel. No caso, trata-se do “Rig” do sistema integrado de testes de sistemas e certificação, no solo, do CSeries (Integrated Systems Test and Certification Rig – ISTCR), que também realiza os testes virtuais.

As asas dos novos aviões, segundo a Bombardier, são fabricadas nas novas instalações da empresa em Belfast, na Irlanda do Norte, que também projeta, fabrica e integra as asas em material composto para os jatos CS100 e CS300 jets. O uso de compósitos em estruturas tão grandes como asas permite economizar peso, mas também traz, como benefícios adicionais a clientes, a diminuição dos custos de manutenção devido à menor quantidade de inspeções.

Reportagem da Reuters, de 16 de outubro, destaca que aeronave de 100 a 149 assentos compete com jatos da Boeing e Airbus

A fuselagem e outras partes do primeiro avião CSeries, que vai incluir componentes produzidos no Reino Unido, China e em outras partes do mundo, estão sendo reunidas na fábrica da Bombardier em Mirabel, Québec, informou a companhia canadense.  “Estamos mirando um primeiro voo neste ano”, disse Marc Duchesne, porta-voz da Bombardier. “O mercado espera que comecemos a voar tão cedo quanto isso.”

A aeronave, para entre 100 e 149 passageiros, vai desafiar os modelos mais vendidos da Boeing e da Airbus, os jatos de corredor único das famílias 737 e A320. O avião vai usar tecnologia de compósito de carbono nas asas.

Boeing e Airbus travam uma disputa global por participação de mercado e, em um sinal de intensa competição, reduziram os preços para impulsionar encomendas de versões remodeladas e mais eficientes de seus aviões mais vendidos. Ambas as empresas estimam que a demanda global por jatos vai exceder 4 trilhões de dólares nos próximos 20 anos.

A Bombardier lançou o programa CSeries em 2008 e espera entregar o primeiro avião a um cliente não revelado no final do próximo ano. A Swiss International Air Lines, unidade da Lufthansa, foi a primeira companhia aérea a encomendar o modelo, disse a Bombardier.

A companhia canadense informou que recebeu 352 encomendas, incluindo 138 pedidos firmes, para o CSeries, que promete economia de 20 por cento no consumo de combustível em comparação com atuais modelos de aeronaves rivais.

O jato será equipado com motores Pratt & Whitney, unidade da United Technologies. Os preços de tabela do CSeries são de 58 milhões de dólares para o CS100 e 66 milhões de dólares para a versão CS300.

FONTES: Bombardier (também fotos e ilustrações) e Reuters

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
7 anos atrás

A primeira coisa que me lembrei quando vi as imagens foi do Farchild Dornier 728, o avião regional que ERA concorrente da Embraer.
Vamos ver no que dará!

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

O C Series já está interessando alguns operadores, mto próximo das capacidades dos B-737 e A-320,mas acima das do ERJ-195.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Lembrando que o Governo do Canadá está financiando o desenvolvimento do avião.

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

O financiamento do desenvolvimento destas aeronaves, é regulamentado tanto pela WTO como pela OCDE.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

É regulamentado tanto pela WTO como pela OCDE, mas está sendo financiado pelo Governo do Canadá!!!!

Leonardo Crestani
Leonardo Crestani
7 anos atrás

Sera que a Embraer não esta perdendo o bonde da vez, em 20 anos um mercado aproximado de 4 trilhoes de dolares não é de se jogar fora. Não sei posso estar falando besteiras, mais acredito que se a Embraer tivesse um avião com as caratcteristicas do A320 e 737, acredito que umas 25 unidades ano a Embraer colocaria no mercado brincando, pois se a Bombardier tem até o momento 138 pedidos firmes, imaginem a Embraer!

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Leonardo Crestan

A Embraer fez estudos e descartou a possibilidade. Acha extremamente arriscado entrar em uma concorrência direta com os dois gigantes.

É bom lembrar dos casos Tristar e DC-10/MD-11, no qual ambas as empresas, durante toda produção das aeronaves, trabalharam com lucro zero ou muitas vezes com prejuízos. Isso segundo os próprios fabricantes.

Leonardo Crestani
Leonardo Crestani
7 anos atrás

Marcos

Sim li sobre o assunto onde a Embraer fez os estudos e descartou a ideia, preferiu ser cabeça de rato do que cola de leão.

Mais os numeros (U$ 4 trilhoes) são impressionantes

Nick
Nick
7 anos atrás

O problema é que a Embraer dormiu no ponto. Não pelo fato de não querer entrar na briga com os 737 e A320, mas ao não ter já disponíveis versões avançadas dos seus E-Jets. Na realidade ela deveria fazer como a Boeing, que praticamente lança uma versão nova do 737 a cada ano.

[]’s

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

É disso que eu estou falando. “…told Flight International that the Pratt & Whitney PW1000G-powered CS300 has a 20% lower cost per seat over the current-generation CFM International CFM56-powered A319 and an 18% cost-per-trip advantage over the larger A320neo for the same cost per seat.” “Industry sources say that the 160-seat version is a genuine threat in a head-to-head competition against a high-density A319neo and 737 Max 7. As well as having a weight advantage over its heavier mainline rivals, the 160-seat CS300 also offers additional passenger capacity over both. In a high-density arrangement the A319neo will seat a maximum… Read more »