sexta-feira, dezembro 3, 2021

Gripen para o Brasil

Molhando o bico dos bicudos: Corsários treinam REVO com os F-5EM

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A missão mais desafiadora do Segundo Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (2º/2º GT), o Esquadrão Corsário, é o reabastecimento de caças pela aeronave KC-137 Boeing. A aeronave do esquadrão realizou uma missão de reabastecimento em voo (REVO) de dois caças F-5EM do Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1o GAVCA), Esquadrão Jambock, nesta quarta-feira (21/03), no exercício operacional TRANSPORTEX 2012, na Base Aérea de Belém, em Belém (PA).

O KC-137 Boeing decolou às 10h para cumprir o circuito e chegar ao ponto combinado para o encontro com os caças. A tripulação do REVO é composta pelo piloto, pelo co-piloto, chamado de Comandante do REVO, e pelos observadores. Na missão de reabastecimento com o KC-137, o Comandante do REVO é também o navegador.

O Comandante do REVO é o responsável pelo planejamento da missão até o voo. A parte técnica fica a cargo do engenheiro de voo, que libera o sistema de REVO e controla a saída de combustível. O observador verifica a aproximação dos caças e se comunica com o Comandante e o engenheiro de voo.

“A missão REVO é a mais operacional do Esquadrão Corsário. Pode-se dizer que este procedimento é muito importante para garantir a soberania das Forças Armadas em qualquer lugar do território nacional”, explica o Capitão Josemir Ribeiro Lima, que assumiu a função de Comandante de REVO nesta missão.

Não é para menos. O KC-137 pode transportar até 158 passageiros e carga, dependendo da configuração. O tanque central de combustível fica no dorso da aeronave e se comunica com o compartimento das asas. O KC-130 Hércules tem restrições para o transporte de passageiros por causa dos dois tanques de combustíveis no seu interior.

“A vantagem de ter uma aeronave como o Boeing, que transporta passageiros e faz reabastecimento é a mobilidade. Podemos levar, por exemplo, um esquadrão de caça e o material de apoio e, assim, realizar o transporte completo da missão”, explica o Capitão Ribeiro.

FONTE / FOTOS (Sgt Sim0): FAB

- Advertisement -

10 Comments

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

Acho que houve um pequeno equivoco: “O tanque central de combustível fica no dorso da aeronave e se comunica com o compartimento das asas” Acho que ele quis dizer que o tanque fica no ventre, já que os tanques extras do KC-137 ficam nos porões da aeronave, não no compartimento de passageiros.

Marcelo

sempre bacana ver o esq. Corsário em ação. Não são muitos países com essa capacidade e operacionalidade. Parabéns!

Rep. Tcheca por exemplo, precisa usar emprestado “o único” KC-130 da Flygvapnet para fazer isso.

eriksondb

Muito bacana isso, mas Nunão o que eu gostaria de saber é se existe capacidade de REVO noturno na FAB, acredito que pelo tempo de existência do Corsário eles já poderiam ter desenvolvido essa capacidade.

ci_pin_ha

Será que a modernização do Kc-137 não é viável?
Dizem que nossas unidades são as com menos horas de uso.

Almeida

Que cheguem logo os A-330 MRTT na esteira do Aerodilma!

Almeida

ci_pin_ha, nossos KC-137 são antigos e não atendem as modernas normas de aviação, especialmente na questão de níveis de ruído. Para continuar utilizando-os, além da modernização nos aviônicos seria necessário também trocar seus motores, como os KC-135 dos EUA e França. Mas aí acho que ficaria demais, pra quantidade de horas de voo restantes nas células.

A solução é partir para uma aeronave mais moderna e capaz, nova, que atenderia não apenas as missões do Corsário mas também de transporte de longa distância da Presidência da República.

Corsario137

Sou suspeito demais pra comentar qualquer coisa kkkkk 😉 Foi essa a casa que me acolheu quando criança. Meu tio serviu aí durante quase duas décadas, e foi conhecendo esse esquadrão que surgiu minha paixão por aeronaves e respeito pela FAB. Devia ter uns 10 anos quando entrei no KC 137 pela primeira vez. Foi amor a primeira vista. Até hoje tenho relíquias como o boné negro da caveira, edição comemorativa dos 30 anos do esquadrão. Coincidências da vida, acabei vindo morar na Ilha do Governador e todos os dias, quando pego a ponte pra sair “pro continente” dou uma… Read more »

eriksondb

Obrigado pela “info” Nunão, é que eu nunca tinha ouvido falar de revo noturno na FAB, fico feliz por saber que ela tem essa capacidade.

Guizmo

Legal Corsário……..
Tenho recordações similares às suas, de quando era criança, mas no meu caso era o muro do Campo de Marte, em SP. De vez em tinha (ainda tem) uns aviões da FAB estacionados.

Me lembro de uma vez que um Búfalo estava na final pra pouso a uns 30 metros de altura já quase na cabeceira da pista. De repente, meteu o nariz pra baixo num mergulho incrível e pousou…..malandro, aquilo foi animal….

Últimas Notícias

Do ’14-Bis ao 14-X’ – a história por trás da Operação Cruzeiro

O projeto 14-X foi batizado desta forma em homenagem ao centenário, em 2006, do primeiro voo do 14-Bis A história...
- Advertisement -
- Advertisement -