sábado, setembro 25, 2021

Gripen para o Brasil

Comitiva sueca se encontra com Temer e Sarney

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Mercado internacional e desenvolvimento tecnológico pautaram visita de presidente do parlamento sueco ao Senado

A Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado publicou uma matéria de considerável extensão a respeito da visita de comitiva sueca ao Senado, na qual também se falou da visita dos suecos ao vice-presidente da República. Selecionamos abaixo alguns trechos. A íntegra pode ser lida no link para a fonte, no final.

 

“Somos um país pequenininho e precisamos do mercado internacional”, argumentou o presidente do Parlamento da Suécia no início da audiência com o presidente do Senado, José Sarney. Por sua vez, Sarney respondeu que há no mundo de hoje e do futuro algo mais importante do que o tamanho: “a importância dos países será medida pelo seu desenvolvimento tecnológico“.

À frente de uma delegação de parlamentares e empresários suecos que chegou ao Brasil no último dia 5, Per Westerberg tem focado seus encontros nos temas de inovação, alta tecnologia e direitos humanos. Na reunião com Sarney ele lembrou que a Suécia investe no país há mais de 100 anos: “As mais de 200 empresas suecas instaladas no Brasil geram cerca de 600 mil empregos”.

O PIB sueco de US$ 406 milhões equivale à metade do estado de São Paulo. Mas, em contrapartida, a Suécia, segundo dados do Banco Central, é o 19º maior investidor no Brasil. Também é o país maior consumidor do etanol brasileiro na União Europeia e importante aliado nos esforços para a criação de um mercado internacional de biocombustível. O intercâmbio comercial entre Brasil e Suécia é superior a US$ 2 bilhoes por ano.

Ao destacar as afinidades políticas entre Brasil e Suécia, José Sarney citou o princípio da neutralidade “onde o diálogo sempre é o melhor caminho para se conquistar a paz”. Como membros da Coalização da Nova Agenda, os dois países defendem que o desarmamento mundial passe não apenas pela redução numérica dos arsenais nucleares, mas também pela “deslegitimização” dos armamentos atômicos.

O parlamentar sueco informou a Sarney que no seu encontro com o vice-presidente Michel Temer tratou de assuntos relacionados à proteção de fronteiras e do processo de seleção de caças promovido pelo Ministério da Defesa. A empresa sueca SAAB, que concorre com os caças Gripen, inaugurou recentemente centro de pesquisa e desenvolvimento em São Bernardo do Campo/SP. Depois de ressaltar que a transferência de tecnologia “é um ponto sensível nessa concorrência”, Sarney disse estar confiante na condução desse assunto pelo governo brasileiro.

Os presidentes discutiram também a crise econômica europeia, o apoio da Suécia as Forças da OTAN na Líbia e no Afeganistão e demonstraram preocupação comum em relação ao Irã. Ao final do encontro, Sarney valorizou a afirmativa de Per Westerberg de que a Suécia participará ativamente da Conferência Rio+20: “Já compartilhamos conferências similares como a de Estocolmo em 1972 e a do Rio de janeiro em 1992”.

A delegação sueca comandada por Westerberg, é composta pelas parlamentares Cecilia Widegren (Partido Moderado), Carina Adolfsson Elgestam (Partido Social Democrata) e a diretora do Parlamento, Kathrin Flossing, além dos empresários Marcus Wallenberg Conselho Administrativo da AB Volvo, pelo presidente da Saab AB, Håkan Buskhe e pelo fundador e presidente da Fundação Spinalis, Claes Hultling.

Pelo lado brasileiro, além de José Sarney, a reunião contou com a vice-presidente do Senado, Marta Suplicy (PT/SP) e Waldemir Moka (PMDB/MS).

Em visita à Suécia em julho de 2008, o então Ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, formulou proposta de estabelecimento de parceria estratégica entre Brasil e Suécia. A proposta brasileira motivou a vinda ao Brasil, em março de 2009, da Ministra do Comércio Exterior, Ewa Björling, na qualidade de coordenadora do assunto pelo lado sueco.

Em maio de 2011, o Primeiro-Ministro Fredrik Reinfeldt realizou visita ao Brasil, ocasião em que manteve encontro com a Presidenta da República, Dilma Rousseff. A Suécia é importante aliado do Brasil nos esforços para liberalizar o mercado de etanol da União Europeia (UE), já tendo envidado esforços nesse sentido junto aos parceiros comunitários e à Comissão Europeia. Diante do interesse comum em promover o emprego de biocombustíveis e em desenvolver o mercado internacional do etanol, Brasil e Suécia concluíram, em setembro de 2007, Memorando de Entendimento sobre Cooperação na Área de Bioenergia, incluindo Biocombustíveis, em vigor desde abril de 2009.

Outra vertente importante da cooperação bilateral é a técnico-militar, ao amparo do Memorando de Entendimento sobre Cooperação em Assuntos Relativos à Defesa, celebrado em 2000. Oficiais do Brasil participam com freqüência de cursos de treinamento em operações de paz oferecidos pelo Centro Internacional das Forças Armadas da Suécia (SWEDINT).

FONTE / FOTOS: Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado

FOTO DO ALTO: Agência Brasil

- Advertisement -

13 Comments

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JapaMan

Pois é, enquanto o País que nos apoia, investe aqui, e nos oferece uma “Real Parceria” é tratado como última opção, o País que nos deixou na mão na questão do Irã, que vetou a entrada dos nossos produtos na UE, e ainda chamou o KC 390 e “Carrinho de Mão” é que levou bilhões e tem o nosso ( PeTralha, porque meu não é ) apoio incondicional, esse País é uma VERGONHA, como pode uma coisa dessas.

Sds

edcreek

OLá,

Se os Suecos quizerem levar para o cenario macro economico a coisa piora ainda mais as estimativas é que atualmente temos cerca de 500 empresas Francesas instaladas no Brasil, em dois anos o investimendo Frances no Brasil passou de 7 bilhoes de euros, para se ter uma ideia na China foi menos de 3 bilhoes…

http://www.global-approach-consulting.com/actualites/revue-de-presse/franceses-ampliam-investimentos-no-brasil-fr

É como eu disse se for levar para esse lado o que era ruim(as chances do gripado) ficam ainda pior….

Abraços,

Mauricio R.

Ah, se a suécia fabricasse helicópteros…
Seria a “parceria estratégica dos sonhos”, não esse trubuzú aí empatando nosso desenvolvimento.

Antonio M

Se a Suécia fabricasse submarinos atômicos também …..

A SAAB estar a 70 anos no Brasil não siginifica nada também…..

Mauricio R.

Esse aí não tem jeito, SSN ou vc desenvolve sua própria tecnologia ou então ficará na roça.

Edgar

Antonio M e Mauricio R., temos também que levar em conta que a Suécia só faz carros de luxo (Volvo) e a França instala fábrica de populares aqui no Brasil (Peugeot-Citroën e Renault – que por acaso tem péssima fama).

De herança boa deles aqui só o pão francês, a baguette e o croissant.

Edgar

E se for seguir o argumento do edcreek, temos que comprar pra FAB algumas unidades do J-10 e entrar no projeto do J-20, pois de parceria comercial no quesito injeção de dinheiro, creio que apenas os americanos pra baterem o dragão oriental.

Marcos

Bom, pelo menos os suecos foram mais espertos. Foram procurar alguém que também manda nessa porcaria de país: Bigodes Del Fuego, o último propreitário de duas Capitanias Hereditarias.

Almeida

Correção ao erro crasso do texto original:

PIB da Suécia é de U$ 458 BILHÕES. http://goo.gl/UruZY

edcreek

OLá, Edgar não deturpe o que eu disse, leia denovo meu argumento: ” Se vor levar por esse lado a coisa vai ficar ainda mais feia para a Suecia “, eu quiz disser a Suecia foi lá encher liguiça…. Sobre os carros, quem anda em um Peugeot,citroën, Renault, Jack, Nissan etc, nunca mais volta para um carro das montadoras “antigas(Volks, GM, Fiat e Ford)” na mesma faixa de preço, os carros “novos” essas montadoras a anos vendem lixo aos Brasileiros que acham bons, mas a coisa está mudando chega de sofrer em carros sem equipamento nenhum….As antigas já perderam o… Read more »

Edgar

edcreek, você montou uma linha de raciocínio “refutando” a iniciativa sueca utilizando-se de parte do argumento deles. O que fiz foi seguir sua linha de raciocínio e chegar à China, e não à França. Em nenhum momento sua fala foi deturpada.

Números por números, fiquemos com quem é o maior parceiro então, não um dos maiores. Que venham os F/A-18E/F!

asbueno

Os carros franceses não são ruins. Mas não são muito (se é que são) melhores do que seus pares das “quatro irmãs”. O que é muito maior é o preço das peças de reposição. Fato mencionado por meu cunhado, proprietário de uma oficina mecânica e, portanto, conhecedor nato do ramo. E isso não é apenas regional. A fama dos “franceses” (talvez não penas deles), é de valor de revenda muito baixo e manutenção cara. Alguém já ouviu falar disso em outro ramo?

Giordani RS

Ih…a realeza está só tomando o precioso tempo do “coroné”…

Manual de como conquistar apoio político “nefte paíf”.

Manual dos 4P´s.
1º P – Papo: Seja agradável, sociável, converse, ria muito…
2º P – Presentinho: Faça um agradinho, uma agenda aqui, uma mont blanc ali…um voozinho aqui…
3º P – Propina: Mete a mão no bolso, uma ajudinha pra campanha..
4º P – Putaria : Modo agressivo mas eficiente de conquistar seu político!

Últimas Notícias

USAF seleciona o turbofan F130 da Rolls-Royce para o programa de remotorização do bombardeiro B-52

A Força Aérea dos EUA anunciou em 24 de setembro que deu à Rolls-Royce um contrato de US$ 500...
- Advertisement -
- Advertisement -