sábado, junho 12, 2021

Gripen para o Brasil

Gripen na Suíça: parlamentares querem resposta do Departamento de Defesa

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Disputa entre apoiadores e detratores da escolha do Gripen pelo Departamento de Defesa esquentou, conforme declarações de parlamentares em reportagem do jornal suíço Tages Anzeiger – nota da World Radio Switzerland também diz que chefe do Departamento desconhecia relatório de avaliação desfavorável ao Gripen

Os argumentos dos que criticam a escolha:

A publicação de um relatório da avaliação de caças da concorrência suíça para substituir parcialmente seus F-5 (programa TTE), no qual o Gripen vem sendo classificado como “insuficiente”, está dando munição aos seus oponentes. Para parlamentares como Evi Alleman, “o Gripen está finalmente desacreditado. Ninguém que leia o relatório pode pensar no Gripen com seriedade”. Falando em nome dos verdes, o deputado Geri Müler disse que o chefe do Departamento de Defesa, Proteção Civil e Esportes , Ueli Maurer, teve o seu “Waterloo”, nessa disputa em que o caça só teria ganho devido ao preço.

Há opositores da escolha não só entre os parlamentares de esquerda. Para Thomas Hurter, “se o relatório é genuíno, o Gripen está em apuros”.

Os argumentos dos que apoiam a escolha:

Mas o caça sueco também tem seus defensores entre os deputados. Ueli Maurer garantiu que o Gripen atende aos requerimentos técnicos, segundo o parlamentar Hans Fehr.  Para Fehr, “até que fatos claros levem a uma diferente conclusão, eu apoio firmemente o Gripen”. De acordo com Fehr, que é da Comissão de Defesa, essa seria a decisão da maioria do seu grupo, lembrando que o chefe do Departamento de Defesa também destacou a confiabilidade da aeronave.

Erich von Siebenthal, que também é da Comissão, deixou claro que cada um dos jatos examinados tinham vantagens e desvantagens. Era necessário, porém, uma análise global que considerasse qual seria o mais acessível, e por isso o Gripen ainda tem cartas na manga.  Outro político, Walter Müller, não descartaria o caça ainda: “Se o Gripen atende aos requerimentos técnicos e o processo de seleção foi finalizado corretamente, não há razão para corrigir o curso.” Ele também disse que o Departamento de Defesa sempre informou de maneira correta os parlamentares, então “Maurer deve ter a presunção da inocência.”

O parlamentar Thomas Hurter quer ter certeza sobre em que bases se tomou a decisão, e o mandato do subcomitê que avalia a escolha foi estendido há duas semanas, com o apoio do chefe do Departamento de Defesa Ueli Maurer.

O que já disse o Departamento de Defesa da Suíça:

Segundo a porta-voz do Departamento, Silvia Steidle, esses relatórios da Força Aérea não eram de conhecimento de Maurer, que se baseou em relatórios das avaliações que diziam que o Gripen cumpria os requisitos técnicos. O Departamento deverá agora esclarecer como os relatórios foram pesados no contexto da avaliação como um todo.

Os relatórios da Força Aérea que o jornal “SonntagsZeitung” publicou ontem (domingo) dizem que os pilotos deram notas baixas ao caça do fabricante sueco Saab. No relatório datado de 2009, a aeronave não cumpriu os requerimentos em todas as áreas, enquanto o competidor considerado favorito pela Força Aérea, o Rafale da francesa Dassault, cumpriu.

Ainda segundo esse relatório, o “benchmark” (padrão) usado comparativamente para os testes realizados entre março e agosto de 2009, foi o F/A-18 em uso na Força Aérea Suíça há 15 anos. Nos testes, o Gripen não teria superado o F/A-18 em nenhum quesito, especialmente nas tarefas de policiamento aéreo, que são centrais para a Força Aérea.

Porém, esse assunto não é novo. Antes mesmo da decisão pelo Gripen, partes desses relatórios de avaliação foram divulgados por diversos meios. Na ocasião, Ueli Maurer disse que as partes mostradas não eram o “filé” da avaliação. Para o parlamentar Hurter, esse argumento não se sustenta mais.

A World Radio Switzerland (WRS) também traz a informação de que Maurer alega não ter conhecimento do relatório confidencial em que a Força Aérea Suíça recomenda a compra de caças franceses (Dassault Rafale) ou de um consórcio europeu (Eurofighter Typhoon) para substituir sua frota envelhecida, ao invés dos caças suecos (Saab Gripen) que foram escolhidos pelos políticos. O relatório, publicado pela imprensa no domingo, disse que os testes de 2008 feitos pela Força Aérea mostraram que o Dassault Rafale e o Eurofighter Typhoon tinham o melhor desempenho. De acordo com os testes, o Gripen foi considerado inadequado para manter a supremacia aérea frente a ameaças previstas para além de 2015.

Segundo a nota da WRS, o Departamento de Defesa, Proteção Civil e Esportes vai esclarecer que peso foi dado a esses relatórios no processo de avaliação. Espera-se que o Gabinete dê sua aprovação à escolha no final deste mês, quando então o Dossiê seguirá para o Parlamento, que deverá tomar uma decisão por volta do final do segundo ou do terceiro trimestre.

FONTES: Tages Anzeiger  e World Radio Switzerland (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Força Aérea Suíça, via Saab

- Advertisement -

46 Comments

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Os deputados daquele país, ao que parece, querem que a Dassault distribua algumas malas por lá também!!!

Marcelo

caramba…será que rolou uma mala preta sueca, para selecionarem o avião mais mal avaliado? hehehe…

uitinaxavier

Trecho que eu tirei do jornal suíço Le Matin. http://www.lematin.ch/suisse/standard/Ce-quUeli-Maurer-a-cache/story/13757863 Na Armasuisse e nas equipes de avaliação da força aérea, o desgosto é sensível desde a escolha do Conselho Federal, com base em apenas critérios financeiros. Alguns comentam até mesmo uma possível “demissão”. E esperam ser convidados por parlamentares para se explicar. “Se eles me fizerem perguntas, vou responder-lhes, obviamente, muito precisamente”, promete uma dessas pessoas, que deseja permanecer anônimo. A maneira na qual o caça Gripen foi elaborado para obter, no final, o valor que “satisfez os requisitos da trupe” e a contagem total de 6,0 é um mistério.… Read more »

Marcelo Martins

Caramba, escolher um caça está cada vez mais difícil…….a pressão
para vender é tamanha que ninguém sabe perder.

edcreek

OLá, Pelo visto fica cada vez mais claro que algo de errado rolou na concorrencia Suiça, o relatorio disse o que todos já sabiamos: O Gripen é inferior ao antigo F-18 Hornet, e que é bem inferior ao F/A-18 Super Hornet, que concorre por aqui. Os pilotos Suiços voaram o Gripem e o qualificaram como pior que o velho Hornet, ou a Suiça cometeu um grave erro, ou alguem levou algumas coroas Suecas por baixo dos panos. Como o mundo da voltas a duas semanas a SAAB comemorava uma vitoria, agora sua proposta está e cheque e por outro lado… Read more »

Giordani RS

Para a suíça é problema, pois eles saíram do F-5 para o F-18, queimando a etapa F-20(até pelo fato de não ter seguido adiante o projeto…), até aí tudo bem, é lógico, mas então querem voltar para o F-20, o que parece ilógico, claro, é um F-20 moderno, dirão uns, mas é um F-20 e aqueles que acompanham o mundo da aviação sabem que a suécia só não comprou o F-20 por detalhe…detalhe que desempregaria muita gente na suécia, algo que o governo sueco jamais poderia ter arcado…

Guilherme Poggio

Giordani RS

A Suíça procura um caça para ficar na segunda linha e voar com os pilotos da reserva. O famoso mix hi-lo.

O Hornets foram modenizados recentemente e vão permanecer como linha de frente principal. A agora eles querem substituir os F-5.

Na minha visão eles não querem o melhor caça de desenpenho de todos diante disso.

Quanto ao F-20 na Suécia, eles estudaram a opção por compra externa (o F-16 era o mais cotado) ou desenvolvimento de um caça próprio. Chegaram a conclusão que o desenvolvimento era a melhor saída.

Observador

Isto só mostra que político é político em qualquer lugar, Brasil, Botswana, Suíça… Todo mundo querendo tirar a sua casquinha (dividendos políticos) atacando a decisão e posando de bom-moço para o eleitorado. Engraçado, ninguém leu o relatório antes? Ninguém falou sobre ele? Conseguiram escondê-lo e, somente agora, AGORA que a decisão foi tomada, ele aparece? E somente AGORA os pilotos da Schweizer Luftwaffe resolveram abrir a boca para espressar a sua opinião? Isto tudo em um processo técnico e num país democrático e transparente. Tem que ser muito ingênuo para acreditar nesta história da carochinha. Isto só mostra a LAMA… Read more »

Vader

Transparência é sempre bom. Quem sabe os suíços não nos brindam com os preços do Rafale? 🙂 De quebra poderiam mostrar também quem foi que vazou os “relatórios” que só agora aprecem. Deixa investigar. O que é justo é justo e o melhor sempre vence no final. País sério é assim. Mas há que se pontuar que tem um monte de político suíço que acha que a Suíça não tem de ter arma alguma (o grupo “Suíça sem Exército”). Posição até respeitável, mas que há de ficar clara para o eleitorado. Porque se alguma porcaria acontecer algum dia, lá, ao… Read more »

ricardo_recife

Toda esta celeuma é um processo fabricado. A fabrica fica em Paris e seu financiador já disse a todos em alto é bom som: “everyone pays commissions”. (WARNER, 2007: 38). Todos os jornais que lançam informações “de fontes importantes e idóneas” são de língua francesa, coincidência, claro que não! É o mesmo complô que foi descoberto nas investigações da morte de André Cools e permitiu descortinar o escândalo Agusta-Dassualt. O “errado” no processo de escolha suíço, que deixa estes senhores revoltados é que o atual governo não é o mesma quadrilha que enganou a todos na compra dos Mirages IIIS.… Read more »

Ivan

Guilherme Poggio,

Melhor?

Penso que o ideal é o mais adequado a cada missão.
Um caça que precise ficar por longos períodos de tensão em realizando constantemente PAC (patrula aérea de combate) precisa ser também econômico de voar e manter, pois a logística no solo não é infinita.

Polícia aérea seria manter aeronaves no ar constantemente durante períodos críticos, que podem ser curtos ou, provavelmente, longos.

Sds,
Ivan.

Ivan

Nunão, Reconhecimento é uma missão que o Gripen NG pode cumprir tão bem quanto qualquer outro caça eurocanard, dependendo muito do equipamento escolhido pelo operador. O Gripen, obviamente, é mais flexível neste quesito. Outro ponto é a antena Swashplate oferecida para o radar AESA do Typhoon e do Gripen NG. Como elas podem girar para o lado, permitem ao caça em PAC voar perpendicularmente à fronteira observando o terreno lateral. Algo só possível com aeronaves AEW ou grandes caças que venham a ter antenas laterais, como o PAK-FA promete. Um plus, sem dúvida. Quanto a missão de ataque ao solo… Read more »

Ivan

Muito tem se falado em vazamento de relatórios secretos, partes de relatório faltando e ninguém explica qual a data dos mesmo. Mas como o Lord Vader defende, o melhor é ter tudo apurado e transparência nos dados que alimentaram a decisão, …tanto lá como cá. Mas enquanto isso, podemos tentar montar uma análise informal, dando uma olhada no dados conhecidos dos caças em evidência no Brasil, Índia e Suíça: Gripen NG, Rafale F3 e Super Hornet F-18E, Typhoon e Hornet (Legacy) F-18C. Gripen NG – Peso Vazio _____________ 15.400 lbs. – MTOW ________________ 35.200 lbs. – Combustível interno ______ 7.390… Read more »

Antonio M

É por essas que o parlamento sueco deveria ter permitido que a força aérea suéca cumprisse qualquer tipo de missão na Líbia. O Rafale fez isso e está levando a fama, mesmo que em termos de abater outro avião tenha ficado restrito a acertar um “Xavantão” no chão. Os Gripens foram elogiados e muito requisitados para missões de reconhecimento por lá e se pudesse ter participado de outras ações, teria ajudado a dissipar essas desconfianças alardeadas por “gene expecializada. E duvido que o Gripen C/D e ainda mais o NG, não possam cumprir as missões para que foram projetados ainda… Read more »

Corsario137

Isto já está enfadonho.

A Suíça é o “quintal” da França e da Alemanha, então é inadimissível para os criadores da linha Maginot perder essa para os frios, gélidos e acquaviteiros suecos. É ver a sua zona de influência sem tanta influência assim.

Vão berrar até o primeiro Gripen Suiço entrar em produção, não tenham dúvida.

Eu se fosse a Suíca, fazendo fronteira com a França, Alemanha, Austria e Itália, ficava só com os F-18C mesmo e lambendo as beiça!

Eles lá precisam de tanta defesa aérea assim pra que? Um país do tamanho da ilha de Marajó. Fazfavô.

DrCockroach

O que se espera de resposta: 1) Qual eh a missao a ser cumprida pelos 22 Gripens? Sem definir isto eh coisa de maluco (mesmo vale p/ o Brasil)?; 2) Qual foi o Gripen avaliado em 2009: o demo (ainda meia-sola) ou que virah a ser o E/F (NG), inclusive com um “pedacinho” made in Brazil ?; 3) Qual serah o lifetime costs (ou life-cycle costs), comparativamente do Rafale e do Gripen? O MinDef, explicitamente, disse que este era o fator determinate pois liberaria mais recursos p/ outros fins. No mais, continuo com minha campanha para que vaze os custos… Read more »

Grifo

Caro DrCockroach, para mim é muito bom que os franceses tenham resolvido divulgar algumas páginas de um relatório antigo sobre uma versão anterior do caça. Acho que o que virá a tona será que o Gripen NG, na configuração a ser adquirida pela Suíça, atende aos requisitos colocados pela Armasuisse. E o faz pelo menor preço de aquisição e principalmente de operação. Os trechos escolhidos pelos franceses para o vazamento tem um dado interessante. Uma delas é a de que todos os três caças naquele momento foram considerados inferiores ao F/A-18 (a “vespinha”, não o Super Hornet) nos requisitos de… Read more »

ricardo_recife

Cada vez mais que olho estes relatórios tenho mais certeza de que SÃO FALSOS. Os relatórios estão em inglês, e esta NÃO é uma das quatro línguas do país (francês, alemão, italiano e romanche). Como um relatório OFICIAL não está em uma das línguas oficiais do país? Será que os membros da avaliação não conhecem as línguas oficiais do país? Imaginem se o COPAC fizesse um relatório em inglês ou os franceses fizessem seus relatórios em alemão? Isto está cada vez mais estranho. O francês não aparece em nenhuma linha e o alemão nos finais e pelas leis suíças os… Read more »

Grifo

Caro ricardo_recife, para mim a coisa mais estranha é o comandante da Força Aérea estar designado como “Three Star General” ao invés do seu posto (“Lieutenant General”).

Seria como o Tenente-Brigadeiro Saito assinar um documento como “Brigadeiro de Quatro Estrelas”, algo impensável.

Ainda acho que teremos novidades sobre estes documentos.

Grifo

Senhores, falando nisso, teremos daqui a pouco entrevista coletiva do Ministro da Defesa, dos comandantes da Força Aérea e do Exército, e do Diretor Geral de Armamentos da Suíça, explicando a escolha do Gripen NG.

RA5_Vigilante

“Uma delas é a de que todos os três caças naquele momento foram considerados inferiores ao F/A-18 (a “vespinha”, não o Super Hornet) nos requisitos de combate ar-ar.” Não é bem assim. Se vc se refere a seção III o que é citado é que o Hornet tem melhores capacidades em relação aos 3 no quesito WVR devido uso de HMS e AIM-9X. Logo abaixo porém é dito que o Rafale é muito melhor em DCA (Defensive Counter Air) que o Hornet, assim como o Typhoon é melhor também que o Hornet. O mesmo resultado se repete para a seção… Read more »

Grifo

Não é bem assim. Se vc se refere a seção III o que é citado é que o Hornet tem melhores capacidades em relação aos 3 no quesito WVR devido uso de HMS e AIM-9X.

Caro RA5_Vigilante, tem razão, onde escrevi “combate ar-ar” leia-se “combate WVR”. Não deixa de qualquer forma de ser curioso.

Agora engraçado, você tinha me dito que o Rafale tinha HMS, inclusive me desafiou a procurar um link na Internet para dizer que não, o que houve?

RA5_Vigilante

“Agora engraçado, você tinha me dito que o Rafale tinha HMS, inclusive me desafiou a procurar um link na Internet para dizer que não, o que houve?”

Vc sabe a resposta. A avaliação foi feita em 2008/2009, onde o HMS não estava disponível. Como vc mesmo apontou naquele debate, foi oferecido HMS para a India, ou seja, o argumento não vale mais. Dúvidas? Cheque seus próprios comentários naquele debate.

Grifo

🙂

RA5_Vigilante

Grifo disse:
15 de janeiro de 2012 às 9:50

“Na verdade o HMD que o Rafale ofereceu ao Brasil (e imagino também à Índia) foi o Topsight, para ser integrado somente se o Rafale ganhar.”

O que aconteceu, o Rafale ganhou na India.

http://www.aereo.jor.br/2012/01/13/think-tank-islamico-especula-que-tyhpoon-venceu-o-mmrca/#comments

Satisfeito?

Ivan

RA5_Vigilante, Vc tem razão quando aponta o Rafale como o mais manobrável na arena WVR quando em velocidade subsônica. Sua grande falha nesta arena é não contar com um conjunto de HMD (efetivo) e míssil ar-ar IR de 5ª geração. O sistema de armas montado em torno do Rafale está amarrado ao MICA, que é um excelente míssil, mas que foi superado pelos especialistas no BVR (AMRAAM e Meteor) e WVR (AIM-9X, Iris-T, ASRAAM) Neste ponto, não contar como HMD é um erro tanto da Armée de L’Air como da Flygvapnet, em que pese os Gripen C da Africa do… Read more »

RA5_Vigilante

Prezado Ivan

“Vc tem razão quando aponta o Rafale como o mais manobrável na arena WVR quando em velocidade subsônica.”

Na verdade o que escrevi não foi apontado por mim. Eu estava apenas colocando uma parte do relatório, que estava abaixo do que o colega havia citado.

Quem levantou a questão do HMS tb foi o colega, é só olhar acima, que tinha a resposta para a própria pergunta.

Saudações

Ivan

RA5_Vigilante, A falta de um HMD com mísseis WVR de 5ª geração é um problema do Rafale que aponto desde 2008, quando começou estas discussões. Na verdade está prometido, mas ainda há uma solução operacional implantanda na Armée de L’Air ou Marine Nationalle. Vc saberia informar qual será a solução implantada? Seria o capacete uma versão do TopOwl-F com capacidade de engajamento ar-ar? E o míssil ar-ar IR de 5ª geração? Penso em várias alternativas, mas não sei qual o caminho da França. Inicialmente apenas negavam o valor do conjuto HMD + míssil WVR 5G. E agora, qual é a… Read more »

joseboscojr

Sem querer entrar no mérito da questão do combate WVR entre um SH e um Rafale, e já entrando, rsrssss, claro que há uma série de variáveis que regem um combate aéreo, mas à grosso modo dizer que o SH com JHMCS / AIM-9X é inferior ao Rafale só se for por conta da suíte Spectra ser dotada de um sistema de alerta de mísseis (MWS) e o IDECM do Super Hornet não. Eu não vejo isso como um grande diferencial tendo em vista que sistema MWS são mais adequados para mísseis sup-ar (especificamente manpads) e pouco úteis em combates… Read more »

joseboscojr

Na verdade são 3 situações do uso do IRST:
1-Manter a furtividade
2-Quando se quer detectar uma aeronave não detectável pelo radar
3- Em apoio ao radar no caso de ECM

Ivan

Mestre Bosco, Em velocidade subsônica o Rafale é mais manobrável que o Hornet, Super Hornet, Gripen e Typhoon. Perdendo para este último quando o combate passa para velocidades transônica e supersônica. Se o combate fôsse com canhão, possivelmente o francês levaria alguma vantagem, mas nada desesperador para quem pilota outra aeronave. Mas o combate aéreo de hoje não é mais a canhão… Com confiáveis mísseis WVR de 5ª geração apontados por HMS / HMD cada vez mais modernos, a manobra pode não ser mais determinante. Um Super Hornet, que muitos chamam de “pesadão”, fazendo uso do conjunto JHMCS + Sidewinder… Read more »

joseboscojr

Grande Ivan, Que não é o “Terrível”. rsrsrs Concordo em grau, gênero e número com sua análise. Meu comentário anterior foi concordante com ela. Só pequei carona na afirmação de que o Rafale seria superior em DCA, que no contexto são as medidas de defesa do vetor em questão (e não as medidas defensivas de um ataque aéreo pela IADS). Como disse, não acho que apenas a não inclusão de um MWS no IDECM seja motivo para reduzir a “pontuação” do do Super Hornet frente ao Rafale, tendo em vista a capacidade superior do caça americano em prover defesa contra… Read more »

RA5_Vigilante

Prezado Ivan Deixo a questão: “Vc saberia informar qual será a solução implantada? Seria o capacete uma versão do TopOwl-F com capacidade de engajamento ar-ar?” Ser respondida pelo colega: Grifo disse: 15 de janeiro de 2012 às 9:50 “Na verdade o HMD que o Rafale ofereceu ao Brasil (e imagino também à Índia) foi o Topsight, para ser integrado somente se o Rafale ganhar.” Quanto ao questionamento do míssil: “E o míssil ar-ar IR de 5ª geração?” Fica a minha questão: o Mica IIR é suficiente ou não para engajamentos WVR? Os caças atuais tem capacidade de manobra superior a… Read more »

Ivan

RA5_Vigilante,

Então o Topsight ou Topwl-F ainda são promessas.
Aparentemente testados mas ainda não operacionais.

Uma dúvida:

As atuais versões do MICA IR podem ser apontado por um HMD, seja o Topsight ou outro qualquer disponível?

Sds,
Ivan.

RA5_Vigilante

Prezado Ivan

Vc pode se informar sobre o assunto em:

*ttp://sistemadearmas.sites.uol.com.br/aam/aammica.html

Ou talvez enviar um email para o fabricante. O que eu achei foi isso,

“In SR combat situations, combination of LOAL mode and excellent acquisition and tracking performance authorize 360° launch envelope with first shoot / first kill capability even in case of a threat in backward sector.”

*ttp://www.mbda-systems.com/products/air-dominance/mica/27-4/

Como faz, não sei.

Saudações

RA5_Vigilante

Ah, achei isso aqui:

“Target designation modes
• Onboard aircraft radar
• Electro-optical sensors
• Helmet mounted sight (HMS)
• Autonomous lock-on from
the seeker’s own IRST scans”

*ttp://www.mbda-systems.com/products/air-dominance/mica/27-4/

Baixando o datasheet

Saudações

joseboscojr

Vigilante, Enquanto o Ivan não responde deixa eu dar minha opinião (pitaco, rrrrss). Eu acho o Mica-IR completamente capaz no que diz respeito ao combate WVR no lugar de um legítimo SRAAM de 5ª G. Seu problema é relativo somente ao preço, por isso acho que os franceses, depois de adquirirem o Meteor, devem correr atrás de um SRAAM. Chuto que será o Iris-T. Voltando ao assunto, na verdade os atuais mísseis SRAAM não são assim tão onipotentes. A capacidade HOBS da maioria é limitada ao hemisfério dianteiro, cobrindo o FOV do seeker do míssil, do radar do caça e… Read more »

Ivan

Bosco,

Quando o mestre fala o aluno disciplinadamente escuta com atenção.

Respeitosamente,
Um dos alunos. 🙂

joseboscojr

O fabricante alega que o Rafale teria capacidade de designar um Mica contra alvos no hemisfério traseiro abastecendo seu sistema de orientação inercial através das informações dos sensores passivos do Spectra, sendo capaz de realizar o famoso “tiro por sobre os ombros”, mas na prática não se tem notícia dele ter essa capacidade.
Capacidade LOAL ele tem tendo em vista que o VL-Mica é lançado verticalmente e adquire alvos de forma autônoma após ser lançado.

joseboscojr

“Menas” Ivan, “menas”, rsrsrs

Um abraço.

Ivan

RA5_Vigilante, Muito bem lembrado… Sempre que posso dou uma ‘passadinha’ no SISTEMASDEARMAS, mas esta me passou desapercebido. Citando o mesmo: “O MICA IR também pode ser apontado pela mira no capacete como o Topsight E da Thales Avionics.” Entretanto fica como ponto negativo a questão do custo elevado do MICA IR em relação a outras opções mais leves e de menor custo no mercado, inclusive os europeus ASRAAM e Iris-T. Outro ponto que fica ainda mais difícil de entender é porque a Armée de L’Air e a Marine Nationalle ainda não integraram o Topsight com o MICA IR, tornando-os operacionais… Read more »

RA5_Vigilante

Prezado Bosco

Especulando:

segundo o fabricante, o DDM-NG teria capacidade “targeting”, o que estaria de acordo com o que vc colocou antes. Estaria ai uma explicação do 360º colocado pelo fabricante (ambos MBDA)?

joseboscojr

Ivan, Talvez o motivo da não implementação do HMD no Rafale seja o mesmo da não implementação dele no F-22 ainda. O Rafale é o caça “stealth” europeu e tem como ponto forte o ataque BVR assim como o Raptor americano. Talvez WVR não seja prioridade tendo em vista a confiança dos franceses na capacidade BVR do mesmo, apesar do perna curta Mica-EM. A combinação de um reduzido RCS, sistema Spectra, mísseis Mica, radar PESA, OSF, etc, faz do Rafale um oponente respeitável no seu conjunto tendo em vista que a maioria absoluta dos “oponentes” ainda usam radares de varredura… Read more »

joseboscojr

Vigilante,
O DDM-NG parece usar um conceito (e uma tecnologia) semelhante ao DAS do F-35.
Sem dúvida deverá ser capaz de designar alvos nos dois hemisférios.
Não sei se o fará de forma autônoma ou usará alguma interface com o capacete.
Fato é que o DDM-NG será bem mais que um simples MWS.

RA5_Vigilante

Prezado Ivan

Já haviamos colocado a questão do custo, isto é fato.

“Outro ponto que fica ainda mais difícil de entender é porque a Armée de L’Air e a Marine Nationalle ainda não integraram o Topsight com o MICA IR, tornando-os operacionais em seus esquadrões.”

Simples, custo também. Quem vai pagar a conta?

Acho que a resposta já foi colocada aqui mais de uma vez:

“Na verdade o HMD que o Rafale ofereceu ao Brasil (e imagino também à Índia) foi o Topsight, para ser integrado somente se o Rafale ganhar.”

Reportagens especiais

Poder Aéreo nos Estados Unidos: CAF AIRSHO – parte 1

No finalzinho de agosto tivemos a oportunidade de participar do show aéreo da Commemorative Air Force (CAF) na cidade...
- Advertisement -
- Advertisement -