domingo, março 7, 2021

Gripen para o Brasil

Gripen para a Suíça: depois da guerra dos caças, a guerra das cartas

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A escolha do Gripen pela Suíça voltou ao noticiário dos jornais daquele país nesta semana – uma carta ‘anônima’ denunciando irregularidades no processo e uma outra carta, com nova oferta da Dassault, estão no centro das discussões

 

Nos últimos dias, diversos jornais suíços trouxeram notícias ligadas à escolha do caça Gripen sueco pela Suíça, após praticamente um mês em que quase nada foi publicado a respeito  – desde o anúncio da escolha, no final de novembro, o Poder Aéreo vem vasculhando essas mídias e, depois da avalanche inicial de notícias, pouca coisa de relevante apareceu sobre o assunto desde a última notícia publicada tendo como fontes jornais suíços, em 9 de dezembro.

Mas desde pelo menos o dia 25 a  escolha do Gripen, num programa que visa a substituição parcial da frota suíça de caças F-5, voltou com peso às páginas principais da mídia do país. Na quarta-feira, o jornal Basler Zeitung publicou matéria a respeito de uma carta “anônima” (na verdade, assinada por uma entidade que se apresenta como “grupo para um exército honesto e de credibilidade), escrita em francês, que denuncia irregularidades no processo de escolha. A carta de três páginas teria sido recebida na terça-feira, 24 de janeiro, pelo comitê de segurança do Conselho Nacional, assunto que também foi destaque do jornal 24 heures.

A carta põe em dúvida a avaliação da Armassuisse e a integridade do próprio ministro da Defesa Ueli Maurer , dizendo que vários parâmetros da avaliação foram alterados para favorecer o caça sueco. Segundo o Basler Zeitung, a carta foi recebida por Thomas Hurter, parlamentar do Conselho Nacional que acompanhou o processo em um subcomitê por três anos. Hurter disse que a denúncia está centrada na possibilidade de que a Armassuisse poderia ter modificado os parâmetros para que o Gripen atingisse os requerimentos mínimos, e também que os representantes da sueca Saab, fabricante do caça anunciado como vencedor da disputa, teriam feito uma oferta direta ao ministro, o que seria irregular. A carta também diz que quinze caças Dassault Rafale ou Eurofighter Typhoon poderiam substituir, com a mesma eficácia, a frota escolhida de vinte e dois Gripen.

Por outro lado, o jornal destacou que o fato de que a carta foi escrita em francês, e que diversos termos em alemão foram escritos erroneamente. Isso estaria levantando suspeitas de que foi enviada por pessoas interessadas em reverter a derrota do modelo francês que disputou a concorrência, o Rafale. Ou, pelo menos, para semear a confusão e gerar um “escândalo de caças”, o que prejudicaria o Gripen. Mas o jornal lembra que, segundo a Força Aérea Suíça, apesar do Gripen não ter atingido os mesmos padrões dos outros dois competidores na área operacional, o caça sueco cumpriu diversos outros requisitos importantes, como manutenção, logística e cooperação industrial, e isso justificaria sua vitória.

De forma unânime, o comitê de segurança do Conselho Nacional concordou, na terça, em examinar a decisão devido a essas novas questões que apareceram e, de fato, os defensores do Gripen estão interessados em que uma explicação completa sobre o assunto, de forma que a compra dos jatos possa ser incluída no programa de aquisições de armamento de 2012. A investigação será presidida por Thomas Hurter, que recebeu a controversa carta. Hurter espera que a Armassuisse faça uma explicação convincente de que a compra do Gripen – o mais barato dos três caças ofertados – foi um risco calculado, devido ao fato de que se trata de uma versão do caça que ainda está em desenvolvimento.

Entrevista com o parlamentar Yvan Perrin, membro do comitê de segurança do Conselho Nacional, também foi publicada pelo jornal 24 heures. Perrin é um dos sete membros que participará das investigações sobre as denúncias da carta “anônima”. Ele afirma que, apesar da decisão já ter sido tomada, será importante comprovar que não houve irregularidades para embasar a futura decisão pelo voto popular sobre a compra. E, em caso de ter havido falhas, é preciso ser coerente e justo com as instituições e fabricantes envolvidos. “É uma questão de justiça”, afirmou Perrin.

Ele acha que vai ser difícil mudar para outro caça concorrente no caso de cancelamento da compra do Gripen – o processo teria que ser retomado do zero. A investigação deverá ser rápida, pois durante o processo de compra já houve o acompanhamento por uma subcomissão, e espera-se a mais ampla cooperação do Ministério da Defesa, do contrário este daria a impressão de que estaria escondendo alguma coisa.

Perrin não nega que, com essas denúncias, os oponentes do Gripen (ou da compra de qualquer avião) ganham força, e o “Grupo para uma Suíça sem um Exército” não deverá esconder o seu prazer com os acontecimentos. Por outro lado, as denúncias já eram conhecidas, apenas o nível de detalhamento fornecido agora dá a entender que não é uma mera acusação jogada ao vento. Mas o fato é que, agora, essas denúncias estão incomodando os parlamentares que apoiam a compra, e por isso serão investigadas. Para defender o Gripen em um futuro referendo popular, Perrin afirma que quer ter a certeza de que a justiça prevaleceu na escolha, para que não se repita um caso como o do Dassault Mirage da década de 1960.

O que é o “caso Mirage” citado por Yvan Perrin?

Tanto Perrin quanto outros membros da comissão contactados, segundo o jornal 24 heures, vêm se referindo constantemente a esse escândalo, que apesar de fazer 50 anos, ainda parece bem vivo. Em 1962, o Parlamento deu luz verde para comprar o que foi considerado o melhor caça do momento, o Dassault Mirage III.

Mas a decepção veio depois. As despesas extras foram de 66% e, ao invés dos 100 caças Mirage pretendidos, foram adquiridos apenas 36. Concluiu-se, com uma investigação (o primeiro inquérito da história do Parlamento, segundo o jornal), que o Ministério da Defesa tinha enganado deliberadamente o Governo, a Assembleia Federal e o público.

A nova oferta da Dassault

Segundo o jornal  SonntagsZeitung, a Dassault fez, em 19 de janeiro, uma nova oferta para a Suíça, envolvendo a aquisição de 18 caças Rafale. A oferta dos 18 caças da francesa Dassault por 2,7 bilhões de francos suíços (2,2 bilhões de euros) seria aproximadamente 400 milhões de francos (331,7 milhões de euros) mais barata  que a de 22 caças da sueca Saab.

A Dassault também teria enviado uma carta a parlamentares dizendo que nunca recebeu a oportunidade de melhorar sua oferta no que se refere à relação custo-benefício. O representante do Senado Hans Hess confirmou que recebeu a carta.

A oferta original da Dassault era de 4 bilhões de francos suíços para 22 caças Rafale. Na nova oferta, o número foi reduzido a 18, que também foram adaptados para as necessidades suíças. Segundo o jornal (trazendo informações de outro meio, o Le Matin), o peso do armamento ar-terra foi reduzido com a retirada de sistemas de acoplamento de bombas de grande porte, porém sem modificar o raio de ação do caça.

Os franceses alegam que 18 Rafale são mais eficientes que 22 Gripen, o que um membro sênior das Forças Armadas concorda – na avaliação realizada na Suíça, três Rafale ou Eurofighter Typhoon corresponderiam a cinco Gripen. O menor alcance do Gripen levaria à necessidade de mais surtidas, com retornos para reabastecimento e remuniciamento, gerando a necessidade de mais pilotos para monitorar uma zona de exclusão aérea (nota do editor: o jornal não menciona que a versão avaliada pela Suíça foi a C/D, e a oferta atual da Saab refere-se à versão E/F, com capacidade superior).

“Se for necessário”, a Força Aéra Suíça poderia trabalhar com 18 Rafale ao invés de 22 Gripen, segundo o chefe da Força, Markus Gygax. Mas ele acrescenta que “essa é uma decisão política”.

Os franceses também oferecem cooperação militar, o que seria destaque na oferta, com acesso irrestrito a suas bases aéreas. Pilotos suíços poderiam operar nelas por várias semanas, utilizarem seus campos de tiro e zonas de voo supersônico no Mediterrâneo, assim como simuladores de voo e a logística francesa em exercícios internacionais.

Ainda segundo o SonntagsZeitung, há uma explicação para a nova oferta: os franceses estavam confiantes em novembro, devido às boas avaliações divulgadas a respeito das chances do Rafale na Suíça. Mas, depois da escolha do Gripen pelo país e com os problemas para vendê-lo ao Brasil, Índia e Emirados Árabes Unidos, eles reduziram o preço para os suíços.

Matéria deste domingo do Basler Zeitung acrescenta que, segundo o parlamentar Hans Hess, a carta da Dassault será discutida na próxima semana.  Já o Ministro da Defesa Ueli Maurer disse desconhecer a oferta francesa, e que isso significaria que não seria levada em consideração, porque para levá-la “seria necessário começar toda a avaliação de novo para tratar a todos de forma equânime”. A afirmação está no jornal suíço (em francês) Le Matin.

A respeito da proposta francesa, o Le Matin também destaca o diferencial do acesso aos satélites militares de reconhecimento Helios 1 e 2, assim como aos dados disponibilizados pelos AWACS franceses. Sobre valores, o jornal diz que o custo unitário do Rafale para a Suíça baixou em 15% (nota do editor: dividindo-se os valores divulgados conforme as notícias dos jornais mostradas acima, tem-se – grosso modo – uma oferta inicial de 4 bilhões de francos suíços a serem divididos por 22 caças Rafale, o que dá aproximadamente 181,8 milhões de francos por caça. Agora, com 2,7 bilhões de francos por 18 caças, o “valor unitário” cai para a cifra de 150 milhões. De fato, isso significa uma redução próxima a 15% no valor unitário das aeronaves, no qual deve-se incluir toda a divisão dos demais custos da oferta global).

Porém, ainda segundo o Le Matin, essa concessão pode ter vindo tarde demais.

FONTES: Basler Zeitung, SonntagsZeitung, 24 heures e Le Matin (notícias compiladas, traduzidas, adaptadas e editadas pelo Poder Aéreo, aproveitando também links sugeridos por nossos leitores)

FOTOS: Força Aérea Suíça e Armasuisse

VEJA TAMBÉM:

Previous articlePré-voo do B52
Next articleLentidão no Poder Aéreo
- Advertisement -

18 Comments

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

O caso Mirage sitado no texto, merece um pouco de aprofundamento. Quando a Suíça escolheu o Mirage III, a Dassault estava finalizando o modelo E, que possuía um radar, suite de navegação e um motor melhores, além de maior capacidade de combustível. Porém a Suíça, por algum motivo, fez questão da utilização de um radar americano no Mirage, assim como a previsão de leva mísseis Falcon, sem prejudicar o transporte de tanques externos nem dos mísseis Sidewinder. Hoje em dia, a escolha do Falcon parece uma piada, mas naquela época a eficácia dos mísseis ar-ar ainda não tinha sido colocada… Read more »

Mauricio R.

Lembrando que a seleção original, fora vencida pelo Super F-11 da Grumman e que o ac francês colocara-se em 2 º lugar.

LuppusFurius

Carta anônima em francês com carimbo do correio de Paris.E ainda fazem piada de portuga?
Maus perdedores…….

Marcos

“a denúncia está centrada na possibilidade de que a Armassuisse poderia ter modificado os parâmetros para que o Gripen atingisse os requerimentos mínimos, e também que os representantes da sueca Saab, fabricante do caça anunciado como vencedor da disputa, teriam feito uma oferta direta ao ministro, o que seria irregular.” Em um país muito, muito distante daqui, na Grande República de Banarnia, na licitação de caças para a Força Aérea de Banarnia (FAB), apesar de o Gripen ter vencido, após as modificações dos parâmetros, o Rafale acabou sendo classificado em primeiro lugar. De igual modo, o Presidente francês, em visita… Read more »

Renato Oliveira

Pois é. Acharam que eram o último biscoito do pacote e rodaram. Como oferecem um preço 15% menor agora? Por que não ofereceram antes? Adieu, le jakê.

Corsario137

“irregularidades no processo de escolha” é a cara da Suíca, esse país desorganizado e corrupto,

Por favor né?

O povo não ganha na proposta e quer ganhar nos tablóides?

O nome disso é desespero. Lamentável, lamentável.

DrCockroach

Se querem investigar, que investiguem, faz parte. Se nao me engano a compra dos cacas iria ser feita sem o uso do plebiscito, mas esta noticia pode (pode…) forcar o plebiscito e a maioria da populacao eh, aparentemente, contra a aquisicao de novos cacas, qualquer um. Ou seja, a Dassault, que nao tem nenhuma chance, pode estar querendo acertar, indiretamente, as chances do Gripen no Brasil. Fechado o acordo na Suica p/ o Gripen E/F seriam grandes as chances que algo seria produzido por empresas brasileiras com a aquisicao do Gripen aqui. Se o Rafale saisse lah (o que nao… Read more »

Vader

Parabéns pela matéria. E segue o lobby safado da Dassault, a empresa mais sem-vergonha e cara-de-pau do planeta.

Nick

Uma carta anônima? Com remetente de Paris? Do Chateau Dassault? hehhehehe….

No mais, os franceses devem realmente acreditar que eles tem a 8ª maravlha do mundo na forma de um caça, e que qualquer país do mundo deseja eles, não importa o preço. Depois perdem e começa a choradera.

[]’s

Giordani RS

Nada de novo…definitivamente o “$” é o deus maior.

uitinaxavier

Onde que tá eu não li que a carta veio da frança, eu pensava que a carta tinha sido escrita em francês, por que é um dos quatro idiomas oficiais da Suíça, pessoal não me façam passar vergonha. No mais tem que investigar mesmo se a poderosa SAAB quer ganhar limpa e com integridade, não vai se importar se não tiver nada a temer de ser investigada. Outra coisa a proposta da Dassault direito dela de fazer a proposta, se a suíça vai aceitar ou não o problema e exclusivamente da suíça não é dos brasileiros falastrões conhecedores dos segredos… Read more »

Grifo

Senhores, chega a ser constrangedor ver o desespero da Dassault, enviando cartas “anônimas”. Não se vê a mesma coisa por parte da Eurofighter.

Bela recordação do prejuízo que a Suíça teve com o Mirage III, como se diz por aí, quem compra Dassault nunca mais se esquece…

ricardo_recife

Depois os francófilos ficam com raivinha quando chamam a Dassault de A$$ault. Os suíços foram roubados, assaltados em 1962.

E interessante, uma carta em francês com vários erros em alemão. Os franceses da A$$ault não aprendem.

O preço pode ate ter baixando, mas a logística continua sendo a pior dos três fabricantes.

Como disse Grifo, “Senhores, chega a ser constrangedor ver o desespero da Dassault, enviando cartas “anônimas”. Não se vê a mesma coisa por parte da Eurofighter”. É a mais pura verdade.

DrCockroach

Eh interessante que no ano de 2012 (nao serah o fim do mundo, talvez o inicio do fim da Dassault…) existe a possibilidade de 3 contratos serem simultaneamente negociados p/ o Gripen E/F: Brasil (36), Suica (22) e Suecia (100). Se isto se concretizar poderia haver uma sinergia muito grande entre os tres, com vantagens mutuas sendo construidas durante a elaboracao do contrato. Dilma, tah chegando a hora… A proxima da Dassault, convencer o GF que a FAB estah enganada e que 30 Rafales sao suficientes p/ o FX-2 pois podem fazer o equivalente aos 36 Gripens; nao tem como… Read more »

LuppusFurius

Querem vender Lê Jaca depenados prôs suiços , só casca e “rudinha” .
” Prá ficá no Hangar, tá lokô de bão” …
E mesmo assim querem arrancar o fígado do suiço no machado e sem anestesia…

Almeida

Esse é um problema clássico de vendas, em qualquer setor: a concessão de descontos. Se estão me dando desconto agora, por que estavam me cobrando mais caro antes? Estavam me roubando?

Agora, o que me deixou pasmo MESMO foi uma carta anônima com erros de escrita ser suficiente para gerar uma investigação. Tem muita gente ali dentro do governo suíço querendo acabar com essa aquisição de caças, seja qual for o escolhido.

[…] vender o Rafale, o caça mais caro do mercado, a ponto de baixar bastante o preço para a Suíça. Uma oferta teria sido feita para fornecer 18 aparelhos por 2,7 bilhões de francos suíços – o preço inicial era de 4 bilhões de francos por 22 […]

Combates Aéreos

O relatório sobre o ‘dogfight’ entre o F-35 e o F-16

No início deste mês a internet foi inundada de artigos comentando o relatório vazado de um piloto de testes...
- Advertisement -
- Advertisement -