Home Armée de l´air Belas imagens do Mirage F1, ainda firme e forte na Força Aérea...

Belas imagens do Mirage F1, ainda firme e forte na Força Aérea Francesa

458
17

Fotos da aeronave são de operações sobre a Líbia. Ministério da Defesa da França divulgou novas informações sobre as surtidas realizadas na última semana de setembro.

As fotos desta matéria, recentemente divulgadas pelo Ministério da Defesa da França, mostram o veterano Mirage F1, predecessor do Mirage 2000 e do Rafale, ainda em operação na Força Aérea Francesa (Armée de l’air). O modelo é empregado principalmente em missões de reconhecimento e de ataque ao solo, e pode ser visto nas fotos portando armamento ar-solo e ar-ar em operações sobre a Líbia.

Quatro aeronaves do tipo (nas versões CT e CR) operam desdobradas a partir da base de La Sude, em Creta, onde têm a companhia de oito Mirage 2000D, quatro Mirage 2000N e um Atlantique 2, do Armée de l’air.

Essas aeronaves desdobradas em Creta, somando-se aos caças Rafale que operam a partir de Sigonella, na Sicília, foram responsáveis por 140 surtidas (70% delas ofensivas) realizadas pela Força Aérea Francesa sobre a Líbia na última semana de setembro (entre os dias 22 e 29). Segundo informe do Ministério da Defesa da França, foram 88 surtidas de ataque ao solo, com emprego de aviões Rafale, Mirage 2000-D, Mirage 2000-N e Mirage F1 CT, 34 surtidas de reconhecimento e vigilância, a cargo de aeronaves Rafale (com pod reco NG), Mirage F1 CR e Atlantique 2, além do drone Harfang. As surtidas de controle aéreo (aviões E3F) foram seis, o mesmo número de surtidas de reabastecimento (aviões C135 FR), além de oito suridas do grupamento aeromóvel.

Quanto aos alvos atingidos, foi divulgada a neutralização de aproximadamente cinquenta objetivos com emprego de aviões de caça, de ataque e de helicópteros, sendo trinta veículos militares (3 equipados com lança-foguetes) e uma peça de artilharia, na região de Syrte, além de depósitos de municção e de veículos e um sítio de radar.

FONTE / FOTOS: Ministério da Defesa da França

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Ah, que porcaria!!! É monomotor !!! rsrsrsrsrsrsrsr!!!!

Brincadeiras à parte, pela breve pesquisa que fiz e de opniões anteriores de outros comentaristas, é uma ótima máquina de guerra e esse sim co escala, parece que 700 unidades construídas.

E que belo tanque na parte central !!! Espero que isso também a ajude a acabar de uma vez por todas com a idiotice de avacalhar com um certo caça monomotor quando aparece com tanques sob as asas ……

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

Esse tanque recebeu um apelido, acho que por seu uso pelos Mirage F1 iraquianos na 1ª Guerra do Golfo (Irã-iraque). Alguém lembra?

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Esse é o único Mirage que o seu Marcel Dassault fez com vontade! E isso que ele é a versão economica do F.2, assim como o M2000 foi do M4000. Digam o que quiserem, mas nunca, jamais neguem o fato de que a França sempre produziu ótimos aparelhos!
Mirage F-1: Simplesmente o melhor!
Que Mirage III, que M2000, que F-5M que nada! 36 Mirage F.1M fazem mais que 50 F-5´s e 36 FX…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

O “bebê” que ele carrega o ventre tem 2.200 litros. Maior que qualquer tanque dos outros caças da Dassault e perde apenas para as unidades de 2.500 litros do Mirage IV, que é um bombardeiro.

edcreek
edcreek
9 anos atrás

Olá,

Sem duvida o Mirage F1 é uma bela maquina, teve até shoot dawn em F-14…..Sobre ser monomotor, a França evoluiu, e agora tem avições bi-motorizados, como os principais caças Americanos(F-22), Russo (Su-50), Inglesses(Thypoon), etc, etc, etc. Não tem discussão, a vangarda tem dois motores depois vem o complemento, monomotor…..

Abraços,

ricardo_recife
ricardo_recife
9 anos atrás

Belo caça!
Foi o resultado de uma pesquisa da Da$$ault para um caça multiproposito que pudesse superar os problemas dos caças de tipo duplo delta (a baixa manobrabilidade e necessidade de aterrissagem em velocidades altas). Vendeu bem! Mas bem menos que o III. Tinha um problema de natureza, a turbina Atar 09K-50. Era uma turbina bem inferior a suas contrapartes inglesas como o excelente Rolls-Royce Avon. Se os franceses tivessem adotado a Avon, o F-1 teria um desempenho bem superior.
Aquele “bebê” era um senhor tanque, mas também um problema para os pilotos na hora da aterrissagem.

ricardo_recife
ricardo_recife
9 anos atrás

A maioria dos caças franceses são monomotores. Não tenho certeza mas acho que o primeiro caça francês bimotor foi o Mirage 4000. Os Mirage G4 e G8 (de geometria variável), se não estou enganado, eram monomotores seguindo de perto a estrutura e desenho do Mig-23. Bi ou mono motor não ter que haver com “superioridade natural”, mas com os objetivos especificados pelas forças e fabricantes. O F-35 é um monomotor e um avião militar de respeito, muito provavelmente pelas suas características furtivas superior a todos os caças de 4.5 ++ geração (Coreanos, Suecos e Japonese em seus estudos de caças… Read more »

Observador
Observador
9 anos atrás

Tivesse a Dassault continuado a linhagem dos seus aviões monomotores, com qualidade e custos aceitáveis, estaria vendendo bem até hoje.

Ao invés disto, foi reinventar a roda, concorrendo de frente com aviões com mercado garantido, como o F-15, o SU-27, o F-18 e o Typhoon.

O Mirage 4000 já devia ter ensinado a Dassault a não investir em um caça de maior porte, pois não encontraria mercado para ele.

Pena que não aprenderam a lição.

Ivan
Ivan
9 anos atrás

O Mirage F-1 era um caça incrivel, talvez o melhor de sua geração, mas foi superado pelos F-16 Fighter Falcon e F-18 Hornet (legacy) que introduziram os comandos fly-by-wire, ou sistema de controle por cabo elétrico, que permitiam o vôo de caças aerodinamicamente instáveis e muito mais manobráveis. Acredito que a última versão foi Mirage F1M-53, com o ‘novo’ (para a época) SNECMA M-53, que veio equipar o Mirage 2000. Foi esta versão que perdeu o grande contrato da Otan para o novíssimo F-16 da Lockheed. Sem dúvida um caça magnífico, com algumas características interessantes para países do 3º mundo,… Read more »

Ivan
Ivan
9 anos atrás

Quanto a questão de ser monoturbina ou biturbina é interessante observar os dados da motorização de dois caças de geração 4,5, segundo a GlobalSecurity. Rafale: 2 turbofans Snecma M88-2, cada um com 16.550 lbs. de potência máxima (com pós-combustor), perfazendo um total de 33.100 lbs. F-16 E/F Desert Falcon: 1 turbofan General Electric F110-GE-132, com 32.500 lbs de potência máxima (com pós-combustão), no total de 32.500 lbs. Algumas fontes indicam a potência total do Rafale em 34.000 lbs., mas em outros o Desert Falcon teria até 33.000 lbs.. Observando que as duas aeronaves são caças da faixa de 10 toneladas… Read more »

Ivan
Ivan
9 anos atrás

Ops!
Errei o fechamento do negrito.

NOTA DEL EDITOR
Los negritos fueron retirados.
Vuuuuuuuuuchhhhh…

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Havia uma versão caça-noturno do bombardeiro Vautour, que era bí-reator.
Felizmente a tendência de queda na produção e market share da Dassault já se faziam sentir.
Tanto o Mirage F-1 como o M-2000 nem passaram perto de vender o que os M-III/V haviam vendido.
Disputar mercado c/ o F-4(5057 vendidos) e o F-16(+4200 vendidos), sem contar os soviéticos, já não estava sendo mais possível.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Eu não usei negrito…

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

“Afinal o que é mais importante?
O número de motores ou a potência total?”

Com certeza a potência total. Isso de “tendência” para dois motores não existe. O que existe é necessidade de potência quando um motor não era o suficiente para gerá-la, nada mais. Como dito acima sobre o F35 e F16 , derrubam o tal mito do bi-turbina.

jacubao
jacubao
9 anos atrás

Sem dúvida o mais belo e elegante membro da família, na minha opinião, é claro.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Esse tinha desempenho de sobra, p/ oferecer e é o único Mirage que eu gosto.