Home Aviação de Transporte Airbus Military demonstra sistema de reabastecimento do A330 MRTT

Airbus Military demonstra sistema de reabastecimento do A330 MRTT

342
1

O Airbus Military A330 MRTT transferiu com sucesso combustível para aeronaves usando a FRU (Fuselage Refuelling Unit) pela primeira vez – concluindo assim a demonstração de todos os sistemas de reabastecimento da aeronave

Numa surtida de 3h e 10min de voo realizada a partir de Getafe, perto de Madrid em 21 de janeiro, a variante FSTA (Future Strategic Transport Aircraft) da Royal Air Force conduziu uma série de “contatos molhados” com dois F-18 da Força Aérea Espanhola.

Os contatos foram feitos com sucesso com ambos os caças, numa altitude de 15.000 pés e velocidades de 250 a 325 nós.

A FRU é um sistema “hose and drogue” similar aos instalados nas asas, mas possui uma taxa de transferência de combustível maior. O sistema foi desenvolvido e fornecido pela Cobham do Reino Unido.

O conjunto completo de sistemas de abastecimento de combustível, que pode equipar o A330 MRTT,  foi agora totalmente demonstrado, e consiste em: FRU, o sistema de mangueira e cesto subalar, Airbus Military Aerial Refuelling Boom System (ARBS), além da Universal Aerial Refuelling Receptacle Slipway Installation (UARRSI), usada para receber o combustível de outro avião tanque.

O A330 MRTT pode levar 111 toneladas (245.000 libras) de combustível e configurado como cargueiro, pode levar 300 homens ou 45 toneladas de carga. Pode ser convertido também para Medical Evacuation (MEDEVAC), equipado com 130 macas.

Já foram encomendados 28 jatos A330 MRTTs, pela Austrália, Arábia Saudita, EAU e Reino Unido.

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Mauricio R. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

E o acidente c/ a lança de revo???

Piloto português barbeiro ou alguma deficiência do projeto???

Lembrem-se as entregas p/ a RAAF estão uns 2 anos atrasadas, e devem ficar ainda mais pois a aeronave acidentada era deles.
E a EADS tem a cara de pau de dizer que o atraso é devido a burocracia.
As entregas da RAF estão, pasmem, 5 anos atrasadas e o National Adit Office já chamou esse projeto de “dinheiro publico mau gasto”.