quarta-feira, agosto 17, 2022

Gripen para o Brasil

Caças da FAB: a estratégia dos franceses

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Os franceses da Dassault Aviation, fabricante dos caças Rafale, acreditam que o novo adiamento do anúncio da decisão do governo brasileiro sobre a compra dos aviões pode fortalecer o favoritismo de seu modelo em relação aos similares norte-americano (F-18) e sueco (Gripen).

A Dassault, nos próximos dias, iniciará uma estratégia para reforçar a vantagem da transferência tecnológica de fabricação para o Brasil e tentará mostrar à opinião pública brasileira que seu preço não é o maior – como é acusada pelos concorrentes.

A empresa vai bater na tecla de que, com a transferência tecnológica, os outros modelos aumentariam também de preço. E mais: defende que, com os modelos Rafale, o Brasil precisaria comprar um número menor de aeronaves para a finalidade de uso do país – por motivos técnicos, segundo os franceses.

A Dassault também vai trabalhar o mercado de aviação brasileiro – empresas fornecedoras de peças, manutenção, preparação de profissionais e fabricantes, como a Embraer – para destacar as vantagens que o setor teria com a transferência de tecnologia.

FONTE: Poder Online/iG

Previous articleBoeing retoma contato
Next articleJL-9 versus JL-15
- Advertisement -

43 Comments

Subscribe
Notify of
guest

43 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader

Ahahahaha, olha o IG fazendo propaganda da Dassault, ehehehe…

Ora, IG, quem não te conhece que te compre… 🙂

Antonio M

Essa eu quero ver ….

asbueno

Por um lado há a estratégia de venda da Dassault (e SAAB e Boeing) e por outro a estratégia sobre o que deve ser comprado, adotada pela FAB. Os franceses dizem que vão repassar TUDO. Pois é. Queremos ou precisamos de tudo? Precisamos de um avião que tenha um valor de aquisição razoável, de manutenção relativamente baixa e que possamos, nós mesmos, realizar o máximo de manutenção de seus sistemas e, também, a possibilidades de integrar armas e sistemas. Não precisamos saber construi-lo. Não a um preço excessivo e sob condições sabe-se lá quais são exatamente. Além do “dreno” de… Read more »

tplayer

Pode até ser que o preço não seja tão alto, mas certamente o custo da hora de voo é. Isso por si só já faz com que ele não sirva para FAB.

ZE

“Os franceses da Dassault Aviation, fabricante dos caças Rafale, acreditam que o novo adiamento do anúncio da decisão do governo brasileiro sobre a compra dos aviões pode fortalecer o favoritismo de seu modelo em relação aos similares norte-americano (F-18) e sueco (Gripen).” Cara, os franceses só podem estar fumando alguma coisa que não deveriam. É justamente o contrário ! O Rafale tinha tudo para ganhar a concorrência de cartas marcadas chamada de F-X2. Acontece que os franceses se autossabotaram: votaram contra o Brasil no Conselho de Segurança da ONU (caso Irã); se opuseram ao levantamento das barreiras agrícolas europeias que… Read more »

Rodrigo

Os franceses vão entregar as duas salinhas alugadas na Berrini e vão mudar para Aparecida do Norte.

Nick

Vamos aguardar as inserções publicitárias no JN, Globo Esporte, Novelas (poderemos ver até diálogos com personagens de novelas discutindo o FX-2…)

Justificar o preço maior dizendo que o preço não é maior é…. hahahahahahahaha 😀

Grifo

A Dassault, nos próximos dias, iniciará uma estratégia para reforçar a vantagem da transferência tecnológica de fabricação para o Brasil e tentará mostrar à opinião pública brasileira que seu preço não é o maior – como é acusada pelos concorrentes. Ora, isso é muito fácil de se resolver. Basta os franceses criarem coragem e divulgarem o valor da sua oferta. Mostrem para a opinião pública quanto vão custar os 36 Rafales. A SAAB já abriu publicamente a sua oferta: US$ 4.5 bi com 8 anos de carência. Se o preço da Dassault for menor, pode abrir o jogo. No dia… Read more »

ZE

tplayer disse: 27 de janeiro de 2011 às 11:14 “Pode até ser que o preço não seja tão alto, mas certamente o custo da hora de voo é. Isso por si só já faz com que ele não sirva para FAB”. Vou contar uma história: Um dia antes daquele fatídico 7 de setembro de 2009, houve uma reunião. Estavam presentes o Senador Serge Dassault, o Chefe do Estado-Maior particular do Sarkô, o Almirante Guillaud, o Saito… Em certo momento o caldo entornou. Acredite se quiser: os franceses NÃO concordaram com a metodologia usada pela FAB para se chegar na hora… Read more »

cfsharm

ZE disse:

“Acredite se quiser: os franceses NÃO concordaram com a metodologia usada pela FAB para se chegar na hora de voo do Rafale (diga-se de passagem, que é óbvio que a metodologia é igual para todos os caças)”.

Será que a mesma metodologia francesa que analisou a participação deles na CRUZEX V e que levou ao “raciocínio” que o Super-Tucano era velho. Conheço bem esta metodologia – só vale se vc. concordar comigo.

Que venham o F-18 ou o Gripen – Rafale nunca! Que fique acima do Equador!

Vader

ZE, eu sou um que não acredita que a hora vôo dessa JACA seja de 16.000 euros nem a pau juvenal. 16.000 euros, já se disse por diversas vezes, é com o SUBSÍDIO da fabricante. Subsídio este por 10 anos. Subsídio este que está embutido no PREÇO escorchante que nos querem cobrar (142,3 milhões de euros a carcaça – relatório do Tribunal de Contas da República da França). Ou seja: como a previsão é que o caça tenha vida útil de 30 anos, na prática significa que só teremos 10 anos pra voar com essa bomba. Depois… SACI-FUFU, como vc… Read more »

ZE

Vader disse:
27 de janeiro de 2011 às 13:41

Vader, o meu HD com os meus arquivos foram para o além !

Assim sendo, eu tiro muitos números “de cabeça”.

Você está certo, o Senado da República Francesa falou que a hora de voo do Rafale é de 35 MIL EUROS, e não de 33 MIL EUROS como postei.

[ ]s

ZE

cfsharm disse: 27 de janeiro de 2011 às 13:15 cfsharm, a metodologia dos franceses é, digamos, “exótica”. “Exótica” também é a posição do advogado que se faz de Ministro da Defesa. Só D’us sabe porque ele fez de tudo para os franceses ganharem essa concorrência de araque chamada de F-X2. Ele permitiu que só a Dassault (excluindo, portanto, a Boeing e a SAAB) desse um novo BAFO (Best And Final Offer). Lembre-se que o dinheiro para comprar o ganhador do F-X2 SAIRÁ DO NOSSO BOLSO. Quanto mais caro, mais iremos (nós, os contribuintes) pagar ! Se ele desse uma nova… Read more »

tplayer

Como bem falou o Vader, nós já podemos comemorar. Afinal o Rafale não será nosso novo caça.

De resto que fiquem então com os F-5M, pelo menos sobra mais dinheiro para FAB voar.

Mas como já falei em comentários em outros posts, ainda acho que a Dilma articulou com o senador americano a compra dos F-35.

Vamos aguardar e ver o que vai dar. Afinal de conta já são quase 15 anos nessa novela.

koslowa

Franceses reforçando sua estratégia, sabe o que significa? • A Revista Isto É deve publicar mais noticias sobre “as conspirações americanas” para vender seus caças ao Brasil. • A Revista Força Aérea publicando pela milésima vez matérias sobre “O Brasil e a opção pelo Rafale”, concepções artisticas sobre “O Rafale e um futuro porta aviões brasileiro a ser projetado pela DCN”, “A transferência da produção do MICA para a Mectron”, a possivel adoção do MAR-1 pela Força Aérea Francesa”, “um projeto conjunto entre Brasil e França de um satélite militar” e tudo que a imaginação permitir. • O Jobim mais… Read more »

Justin Case

Amigos, 35 mil euros o custo do Rafale por hora de voo! E o Gripen NG voa por apenas UM DÉCIM0 disso. E o preço de aquisição do Gripen? Muito mais baixo. Todo feito no Brasil. Propriedade nossa. Feito por brasileiros. “On the job doing”! Que absurdo! E o Gripen é muito melhor do que o Rafale e que o F-18. Todos sabem disso. Está na imprensa. A FAB prefere. Cumpre melhor as missões, é capaz de supercruise, tem maior alcance. Radar com tecnologia “swashplate”, desenvolvido em curtíssimo prazo. Fusão de dados melhor que o Spectra. Deve ter mais energia… Read more »

koslowa

Queridos, vamos fazer algumas analises bem simples. 1) Vamos supor três premissas a) O custo do F-18 seja de US$ 10k por hora e o do Rafale seja de US$ 22k por hora. b) O consumo por hora de vôo seja igual para ambos (o F-18 deve consumir mais combustivel pelo seu maior tamanho) c) Ambos tem o mesmo consumo especifico. TODAS as premissas favorecem o Rafale portanto. 2) Vamos dividir o custo de hora de vôo (CH) em dois componentes, um deles é o combustivel (CO) e o outro é o restante, que engloba a manutenção do caça em… Read more »

Grifo

A nossa sorte é que não precisamos tentar adivinhar quanto custa a hora de vôo do Rafale (manutenção apenas, sem combustível). O sr. Charles Edelstenne já falou o valor em audiência no Senado francês: 12 a 13 mil euros por hora de vôo. http://www.senat.fr/rap/r07-340/r07-3405.html Este é o valor contratado entre o governo Francês e o consórcio Dassault-SNECMA-Thales para o CLS completo da aeronave. A única discussão neste ponto seria o quão mais caro o valor ficaria para o Brasil. O único ponto em aberto é quanto seria o preço de aquisição do Rafale para o Brasil. Para tanto convido a… Read more »

Observador

Eu não acredito em uma virada francesa. Cairam em desgraça ao deixar o Itamaraty e o Lula com cara de bobos (mais que o normal) no caso do Irã. Se fosse para dar o rafale, já tinha dado ao apagar das luzes do governo lula (tudo com minúsculas mesmo) como fizeram com o terrorista e assassino italiano Cesare Battisti. Esta turma não está nem aí para a opinião pública mundial, para nosso relacionamento com outros países ou mesmo para a opinião dos brasileiros em geral. Que custava anunciar o avião? O homem não tinha 87% de aprovação popular? Era só… Read more »

Justin Case

Boa tarde Koslowa (grafei corretamente agora, desculpe pela última vez).

A metodologia de cálculo creio que esteja bem lógica.
O resultado é inaceitável?
É possível que haja outro motivo simples capaz de levar a conclusões absurdas.
Utilizar premissa errada! No caso, poderia ser o custo assumido para a hora de voo de cada aeronave.
Se fossem muitas outras premissas, ainda poderíamos chegar a um resultado razoável, caso um erro compensasse outro.
Talvez não precisássemos buscar explicações para o resultado inadequado.
Abraço.

Justin

Tadeu Mendes

Vader,

Grande analise e comentario meu caro.

Justin.

O Gripen nao e, nunca foi e nunca sera melhor que os Super Hornets.

Mais barato sim, mas nao chega nem perto dos SH em varios quesitos.

Eu compraria os dois. Um para a defesa (SH) e o outro para P&D (Gripen)..

ZE

Grifo disse: 27 de janeiro de 2011 às 18:01 “A nossa sorte é que não precisamos tentar adivinhar quanto custa a hora de vôo do Rafale (manutenção apenas, sem combustível). O sr. Charles Edelstenne já falou o valor em audiência no Senado francês: 12 a 13 mil euros por hora de vôo. http://www.senat.fr/rap/r07-340/r07-3405.html” Dois “probleminhas” aí. Este é o número do CEO, acionista e Presidente da Dassault, e não do SENADO DA REPÚBLICA FRANCESA. Se esse valor for correto, ele deve contemplar aquele subsídio camarada que os franceses fazem no Rafale com o dinheiro público para sairem bem na foto.… Read more »

Nick

Um dos fatores, sem dúvida seria a desvalorização do Dólar frente ao Euro e outras moedas.

[]’s

Justin Case

Grifo, boa tarde. Como sempre, seus argumentos são bem colocados. Ainda assim, o custo da hora de voo no Brasil poderia ser mais baixo do que o francês por dois motivos: 1. Grande parte da manutenção será feita aqui, com um custo homem-hora muito inferior ao europeu. 2. Os aviões brasileiros já terão o motor na versão TCO, com intervalo de inspeção aumentado e vida útil muito superior em várias partes do motor. É certo que ainda não há grande amostragem (dados de campo) para a nova versão do motor (apenas o projeto e os resultados dos ensaios já realizados).… Read more »

ZE

O Rafale dançou pela enésima vez (salvo engano, há aqui no Poder Aéreo, matéria sobre o interesse do Iraque nos Rafale). Vejam a reportagem abaixo. “Iraque aprova a compra de caças F-16 dos EUA: Por Fernando Valduga Aviação Militar O Iraque confirmou hoje que aprovou o plano de aquisição de um inicial esquadrão de caças Lockheed F-16 Fighting Falcon dos Estados Unidos. Isso é parte de um esforço para para modernização da Força Aérea do Iraque, informou um porta-voz do governo, dizendo que o gabinete assinou o contrato para compra de 18 caças F-16s como peça principal de uma compra… Read more »

Grifo

Dois “probleminhas” aí. Este é o número do CEO, acionista e Presidente da Dassault, e não do SENADO DA REPÚBLICA FRANCESA. Caro Nick, eu prefiro usar este número base de 12-13 mil euros (17-18 mil dólares) porque: 1. Vem de uma fonte seguramente com conhecimento de causa. 2. Foi dito publicamente em um fórum oficial, e para uma platéia que já conhecia o número ou teria facilmente como checar. 3. Se refere a algo que se sabe exatamente do que se trata, no caso um CLS completo. Já este número de 35 mil euros do tribunal de contas francês não… Read more »

ZE

Vejam o que irá acompanhar os F-16 iraquianos: “A Agência de Cooperação de Segurança e Defesa (Defense Security Cooperation Agency) notificou o Congresso dos EUA no dia 13 de setembro de uma possível Venda Militar para Países Estrangeiros (FMS) para o Iraque de 18 caças Lockheed F-16IQ, bem como de equipamento e seviços relacionados. O valor total do pacote, se todas opções forem exercidas, poderá ultrapassar o valor de US$4,2 bilhões. O Governo do Iraque solicitou uma requisição para uma possível venda de: •18 caças F-16IQ, •24 motores F100-PW-229 ou F110-GE-129 com desempenho aumentado, •36 lançadores LAU-129/A, •24 conjunto radares… Read more »

ZE

Grifo disse: 27 de janeiro de 2011 às 19:36 “Dois “probleminhas” aí. Este é o número do CEO, acionista e Presidente da Dassault, e não do SENADO DA REPÚBLICA FRANCESA. Caro Nick, eu prefiro usar este número base de 12-13 mil euros (17-18 mil dólares) porque: 1. Vem de uma fonte seguramente com conhecimento de causa”. Grifo, creio que você quis dizer ZE. Bem, essa mesma pessoa disse, com ou sem conhecimento de causa, que o Rafale custa 89 milhões de euros, enquanto o Typhoon custa astronômicos 146 milhões de euros. Já o seu colega CEO, Enzo Cassolini (diga-se, CEO… Read more »

tplayer

A que ponto chegamos, até o Iraque que acabou de sair de uma guerra está comprando caças e nós aqui levamos 20 anos para quem sabe fazer o mesmo.

Desce 36 F-16 Block 60 de prateleira para nós tio Sam.

Alexandre Galante

Vale a pena rever, “o lixo de uns, é o luxo de outros”:

http://www.aereo.jor.br/2008/10/17/o-lixo-de-uns-e-o-luxo-de-outros/

Grifo

creio que você quis dizer ZE. Correto, desculpe! Bem, essa mesma pessoa disse, com ou sem conhecimento de causa, que o Rafale custa 89 milhões de euros, enquanto o Typhoon custa astronômicos 146 milhões de euros. Pois é, preço unitário de avião de caça é outra coisa que não dá para comparar sem saber o que está incluído, e porque sempre vai ser algo fictício: aviões de caça não são vendidos assim. Por isso nem entro neste mérito da discussão, e sempre me surpreendo quando por exemplo o jornalista “fontado” aparece nos fóruns com os preços exatos de todos os… Read more »

ZE

Grifo disse: 27 de janeiro de 2011 às 20:04 “Agora, dito isso, não me surpreenderia se o Typhoon for realmente mais caro que o Rafale. E só acredito no Charles Edelstenne quando ele fala sobre o produto dele, não sobre o produto dos outros…” Bem, pela sua lógica que, diga-se de passagem, respeito, mas não concordo, o Rafale é mais caro do que o Typhoon. Senão vejamos: Charles Edelstenne, CEO da Dassault, disse que o seu produto, o Rafale, custa 89 milhões de euros. Enzo Cassolini, CEO da Eurofighter, disse que o seu produto, o Typhoon, custa 68 milhões de… Read more »

ZE

Já que estamos falando do Rafale, permita-me fazer uma pequena consideração. Parece-me que a última chance REAL do Rafale é a Líbia. Ninguém aqui em sã consciência acha que os Emirados ou a Índia irão comprar o vetor gaulês. Pois bem, vejo a hipótese Rafale/Líbia esfriando muito rapidamente. Como todos sabem, o mundo muçulmano está sendo sacudido por manifestações. Está sendo assim na Argélia, Egito, Tunísia, Yemen, Jordânia e…………LÍBIA ! É isso aí, a Líbia não escapou do furacão. Esta semana, houve manifestações na terra do ditador Kadafi. Se eu fosse ele, ao invés de comprar avião de caça (coisa… Read more »

Ivan

ZE, Acredito que ainda existe a possibilidade, mas com pouca probabilidade, do Rafale ser vendido para a Líbia e para os Emirados Árabes Unidos. Ambos precisam manter uma boa relação com a França, mesmo que por motivos diferentes. A Líbia tem como maior fornecedor de armas a Rússia, ‘tradição’ que vem ainda da época da URSS e da Guerra Fria. Mas desde a década de 70 que sempre manntém algumas unidades com equipamento francês, seja por capricho ou para não fica não descaradamente nas mãos de Moscou. Uma compra de apenas 14 (quatorze) Rafales F3 seria uma forma de manter… Read more »

Rodrigo

Justin Case disse: 27 de janeiro de 2011 às 18:38 Você só esqueceu um detalhe, os franceses arrecadam em euros e gastam em euros. Nós arrecadamos em reais e temos só 225% de defasagem da nossa “forte” moeda em relação ao euro. Não pense que a peça vai ser free e que ainda vai vir de graça, tem custo de frete que da europa para cá não é barato e igualmente cotado em euros. Não sei qual é a matemática que você aprendeu, mas na minha fica inviável ela ser mais barata aqui que na França, mesmo que aqui os… Read more »

Grifo

Bem, pela sua lógica que, diga-se de passagem, respeito, mas não concordo, o Rafale é mais caro do que o Typhoon. Caro ZE, este é exatamente um exemplo do que falei. Como saber se o CEO da Dassault está falando da mesma coisa que o CEO da EF? Quando um diz que um Typhoon custa 146 mi e o outro diz que custa 68 mi, é capaz até de os dois estarem certos, dependendo do que está se incluindo em um e outro preços. Preço de um avião de caça tem tantas variáveis que a única forma de fazer uma… Read more »

Grifo

Não sei qual é a matemática que você aprendeu, mas na minha fica inviável ela ser mais barata aqui que na França, mesmo que aqui os funcionários trabalhem de graça. Caro Rodrigo, acho que o Justin Case está apenas contribuindo para o debate, porque ele deve saber bem que a chance do *preço* de um contrato CLS no Brasil ser menor do que na França é rigorosamente nenhuma. Mesmo se os *custos* aqui fossem mais baratos, algo sobre o qual só podemos especular. Rafale vivo, só no Disney Brasil… Quais são as últimas da ilha da fantasia da Defesa brasileira?… Read more »

ZE

Ivan disse: 28 de janeiro de 2011 às 0:41 Ivan, você sempre com as suas posições equilibradas ! Gosto muito das suas críticas, mas dessa vez creio que vou por outro caminho. Vou começar pelo mais fácil: Os Emirados NÃO irão comprar o Rafale por vários motivos: Eles atualmente possuem uma Força Aérea gigantesca para o tamanho do país que possuem. Seus Mirage 2000-9 são mais modernos do que os Mirage franceses. Na verdade, são os mais modernos do mundo. 32 dos 68 Mirage dos Emirados são novos em folha. O último deles entregue em 2005. Os restantes 64 foram… Read more »

Justin Case

Rodrigo e Grifo, bom dia. Continuando com o debate, considerem que: Sobre “fabricar peças”, é pouco comum precisar de partes estruturais, partes de sistemas, ou até mesmo equipamentos completos após o recebimento do contrato. Normalmente há aquisição de consumíveis e de “spare parts” necessários para cumprir as revisões ou efetuar reparos. Pode até ocorrer uma compra maior de suprimento, normalmente decorrente de erro no planejamento logístico, ao ser verificado um tempo maior para o retorno do equipamento em reparo, ou tempo entre falhas menor que o previsto. Isso é mais comum em projetos novos, para os quais ainda não há… Read more »

Vader

koslowa disse: 27 de janeiro de 2011 às 17:02 Exatamente isso que irá acontecer. E não irá demorar muito. Mas se os franceses forem “jogar sujo”, sugiro não esquecerem do Echelon… 🙂 ______________________ Grifo disse: 27 de janeiro de 2011 às 18:01 Esse é o preço da França PARA a França. Como vc bem disse e a Beth explicou com propriedade (e equações de fritar o cérebro, rsrs), quando só há um fornecedor de peças os preços tendem a subir. Estratosfericamente, quanto maior for a quantidade de itens fabricados por um único fornecedor… Ainda assim, 12.000 euros dá US$ 16.500.… Read more »

DrCockroach

Ajuda dos amigos da FAB…

Quantos pilotos precisam estar preparados p/ cada jet? Ou seja, se forem 2 (?) p/ cada um dos 36 Gripens (:) ), isto iria requerer 72 pilotos com pelo menos 100hrs de voo cada. Supondo que o custo da hr de voo seja US$10000 a mais, teriamos US$ 72 milhoes por ano com despesas de hr/voo.

Numeros “chutados”: mas, antes de fazer algo mais limpo, repito a pergunta? Quantos pilotos com 100 hrs(minimo?) eh necessario a FAB ter por cada jet. Um obrigado antecipado.

[]s!

Grifo

Pode até ocorrer uma compra maior de suprimento, normalmente decorrente de erro no planejamento logístico, ao ser verificado um tempo maior para o retorno do equipamento em reparo, ou tempo entre falhas menor que o previsto. Caro Justin Case, realmente o maior desafio em se ter um CLS eficiente é o controle do “supply chain” entre os diversos fornecedores e o esquadrões lá na ponta. Quando o equipamento acusa uma pane, o time que dá apoio na primeira linha precisa ter o “spare” em mãos para fazer a substituição da parte, além de uma boa logística para enviar a unidade… Read more »

Vader

Justin Case disse:
28 de janeiro de 2011 às 9:43

“Creio, no entanto, que a nossa administração tem conhecimento suficiente para avaliar esses fatores.”

É verdade, caro Justin. A FAB já fez essa comparação. E sabemos o que ela concluiu…

Abraço.

Últimas Notícias

Força Aérea dos EUA realiza teste de míssil nuclear que tinha sido adiado em meio à tensão na China

WASHINGTON - A Força Aérea dos Estados Unidos realizou na terça-feira (16) um teste de um míssil balístico intercontinental...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -